Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


2 Comentários

A “preocupação” metapreconceituosa e o recurso ao “under class” contra a EaD na pandemia

Imagem utilizada na metacampanha anti EaD na pandemia

Tenho visto muita gente boa embarcando na vibe da metacampanha antiEaD, talvez sem se dar conta do que realmente está fazendo.

Durante uma década discutindo e lutando pelas cotas universitárias, em especial as sócio-raciais, era recorrente topar com argumentações que recorriam ao “under class” como motivo de “injustiça” ou “falácia” das cotas para negros. Para quem não sabe, “under class” é um conceito/termo utilizado na discussão sociológica e étnico-racial para se referir aos “mais excluídos dos excluídos”, ou seja, aqueles “desprovidos de tudo” e que mesmo as políticas públicas tem dificuldades de alcançar, e que possuem baixíssimo coeficiente de mobilidade social.

O argumento, fazia um “apelo emotivo” ao lembrar que “nem todos ou muitos” não seriam alcançados pelo “benefício” das cotas. Que apenas uma “minoria negra privilegiada” seria alcançada, portanto, “inútil e injusto” seria fazer reserva de vagas com base em cor, deveria ser apenas pela condição social. O argumento que na verdade era METARRACISTA (racismo disfarçado e cínico) não tinha real preocupação com o “under class”, mas sim o de barrar a ação afirmativa para os que dela pudessem lançar mão, mudando assim o “status quo”. A real falácia estava em desconsiderar a variável racial na composição e nível de pobreza e que com ou sem cotas, o “under class” seguiria “inatingível”, não sendo motivo portanto para não fazer a afirmação dos que poderiam receber a ação afirmativa. Em outras palavras, a argumentação visava garantir uma exclusão negra plena, e não apenas a “sem solução”.

É o mesmo que ocorre com quem recorre ao argumento da “dificuldade do ‘under class’ ” para tentar desqualificar o EaD, mesmo em tempos de inevitabilidade.  O objetivo da campanha metapreconceituosa não é outro que não seja atacar a EaD. Não se vê a “gente de bem” que “se preocupa com os despossuídos”,  reconhecer a imensa quantidade de beneficiados pela modalidade em uso emergencial, não se vê nenhum admitindo que a opção pela TV já ameniza em muito a alegada “dificuldade de dispositivos e internet” na população pobre, não se vê nenhum propor políticas públicas que universalizem o acesso em tempos normais ou mesmo na emergência pandêmica. O que se vê desses é só ataque à modalidade, reação, “mil motivos” para “odiar”, “desconfiar”, “cancelar”, nunca uma observação positiva… .

Essa campanha e argumentação não é nova, e a gente sabe de onde vem e a quais interesses servem. O triste é ver gente “comprando a ideia por pilhamento”, ou por uma necessidade narcísica de serem visto(a)s como “almas caridosas e preocupadas com os mais pobres”, ou por seus próprios preconceitos e dificuldades para a inovação e lidar com a tecnologia e aspectos metodológicos da modalidade.

Veja matéria que escrevi há quase 9 anos, clique na imagem:


Deixe um comentário

EaD – Educação a Distância e a pandemia

corona-ead

O lugar de fala

Acho importante quem se manifesta, seja no que for, colocar logo de início o seu “lugar de fala” a fim de que os interlocutores possam melhor avaliar e entender a partir do que foi formada a opinião do manifestante, e assim “rankear” a pertinência e “confiabilidade” do falado, ou se for o caso “relevar” informações e atitudes. Já escrevi sobre o tema “lugar de fala”, então deixo apenas link para quem quiser um pouco mais de detalhamento.

Bem, meu interesse por EaD vem desde o final dos anos 90 com estudo informal, porém em 2006, após dois anos de curso pela Universidade Católica de Brasília, recebi o título de Especialista em EaD, tendo feito diversas atualizações, participado de eventos na área e atuado profissionalmente. Apesar de profissionalmente ter me afastado um pouco da área, sigo acompanhando a sua evolução e emprego. Daí que não confundam com mera “arrogância” a minha “firmeza de posição” ou o “tom professoral”, por motivos óbvios eu “tenho um lado” e o defendo, não esperem de mim “frouxidão” ao falar do tema, ou muita “paciência” ao discutir o tema com leigos preconceituosos e renitentes.

A EaD

As vezes referida no masculino ao se falar em Ensino, não é coisa nova, no século XIX já era praticada, o que mudou grandemente foram o alcance e a eficiência, conquistados com as novas tecnologias que se sucederam. A popularização dos dispositivos computacionais e de comunicação conectados pela INTERNET permitiram um grande salto nesse sentido, com um grande aumento de estudantes pela modalidade e a adesão de prestigiosas instituições de ensino mundo afora.

Aliás, já em 2006, minha monografia da Especialização tratava da Educação a Distância como Instrumento de Desenvolvimento Social e Regional (PDF) , uma pesquisa sobre como se visualizava a modalidade e sua potencialidade e como estava sendo empregada, especialmente nos países em desenvolvimento, incluindo o Brasil. Aqui no blog mesmo tenho muitos escritos sobre o tema ao longo dos anos . Em basicamente todos eles é recorrente a crítica ao ainda grande desconhecimento geral das potencialidades da modalidade e preconceitos contra seu emprego.

A resistência

Quer por profissionais da Educação, quer por estudantes , o que se reflete em posições reacionárias também de escolas, fez com que muitos, se não a maioria, não estivessem preparados para se valer da modalidade, de forma paralela à presencial, ou emergencialmente como agora se faz, frente à pandemia do Covid-19.

São cerca de 776,6 milhões de crianças e adolescentes fora das escolas, por conta das medidas de combate ao vírus. Justamente aí está o maior desafio, já que apesar do grande avanço da EaD no ensino superior, na Educação continuada e corporativa, muita gente ainda entende como “inaplicável” a modalidade no ensino básico, sobretudo no fundamental. Coisa que diversas experiências ao longo do mundo (inclusive aqui no Amazonas vide matéria no JN, com a atuação premiada do Colégio Militar de Manaus) já demonstraram falaciosa. É possível o emprego da EaD em todos os níveis, desde que se tenha o DESENHO INSTRUCIONAL CORRETO para cada nível, o erro dos resistentes é achar que EaD só se faz de uma ou duas formas, de maneira absoluta (sem conexões com o presencial) e apenas utilizando a ANDRAGOGIA (condução voltada para adultos), o que é uma inverdade.

Em tempos e condições normais o “HOME SCHOOLING” (escolarização em casa) sofre também forte resistência, e a partir de argumentos válidos, como a necessidade de socialização das crianças, o que se torna difícil na modalidade, a dificuldade de pais para lidar com o conteúdo e o ensino, ou ainda o evitamento da diversidade que há na escola.

No entanto, em tempos de distanciamento social, essa é a forma possível…, só que com a ajuda da EaD, esse processo é bem menos traumático e não se desconecta da escola, ou seja, os pais não tem que ocupar o papel de professores, mas de facilitadores pois se pode contar com a atuação remota dos professores, conteúdo padronizado, etc… . A própria UNESCO já balizou que esse é o caminho e os estados assumiram o mesmo, portanto, “lutar contra” na atual conjuntura é como “nadar conscientemente contra a maré” pode equivaler a um “atestado de anacronia e inadaptabilidade” e em muitos casos a um “suicídio profissional” , não adianta correr da vida a distância, a pandemia veio para mudar hábitos, com efeitos no futuro .

Teletrabalho

Vale lembrar, é uma tendência mundial e em muitas áreas, tanto no setor privado quanto público, a pandemia ampliou isso de forma emergencial e enormemente. Para os profissionais de Educação teletrabalho é EaD …, infelizmente muitos estão tendo que aprender a lidar com ele de maneira trágica e apressada, mas olhando de forma otimista, muitos estarão rompendo barreiras psicológicas e limitações tecnológicas e se preparando para o futuro.

Há uma questão de gênero embutida ai ? sim, também, mas ao contrário de algumas argumentações, mais pautadas pelo preconceito contra a EaD do que pelos fatos. Não se ignora a jornada dupla ou tripla que pesa sobre mulheres, tampouco o papel de cuidadoras culturalmente alocado, muito menos que na epidemia o isolamento amplifica as demandas domésticas/familiares com todo mundo preso em casa ao mesmo tempo. Porém mesmo nessa situação, é muito mais vantajoso poder fazer teletrabalho, do que passar por todos os problemas e limitações que o trabalho presencial já oferece normalmente, agora acrescido com os riscos de contaminação.

Aliás, o teletrabalho se não é a “panaceia”, em tempos normais tem ganhado cada vez mais a adesão feminina, justamente pela sua capacidade de conciliação e abrandamentos nas múltiplas jornadas, já que culturalmente não é tão fácil se livrar delas, como em um caso bem emblemático de uma teletrabalhadora do TJMG .

Última questão

A moral , enquanto educadores e educadoras, faz parte dos esforços coletivos, tal qual os profissionais de saúde que estão fazendo sua parte no pior front dessa guerra, não deixar seus alunos absolutamente interrompidos em relação ao processo educacional. Enfim, o certo é que após essa crise, muita coisa vai mudar, espero sinceramente que um melhor aproveitamento da tecnologia a serviço da educação seja visualizado como estratégico.


Deixe um comentário

“DOUTOR É QUEM FAZ DOUTORADO”… (será mesmo?)

Vejo problema ai nessa frase aspeada, independente de quem defende velho decreto imperial como “justificativa” em relação aos Advogados, etc… . O uso do “doutor” como tratamento vai muito além dessa simplificação equivocada.

A tradição portuguesa (a qual querendo ou não fomos filiados), e coisa mais observável na antiga metrópole e nas ex-colônias mais recentemente independentes, trata assim todo egresso de curso superior que tenha defendido “tese” (e eles utilizam esse termo para todo TCC defendido perante banca), logo, são “socialmente” tratados por dr. (com minúsculas) todos que tenham passado por esse rito.

Lembrando que nessa tradição o bacharelado é a “formação curta”, não exige defesa alguma e antecede a LICENCIATURA, essa sim que se dá pela defesa de “tese” e encaminha ao magistério.

Pelo mesmo raciocínio os Advogados, Promotores e Magistrados são “doutores” por elaborarem e defenderem “teses” no exercício cotidiano da Justiça, por tal é que o simples bacharel em Direito não costuma ter tratamento profissional de “doutor” (embora possa ter o social). Tem também o tal decreto imperial, que reforça o tratamento para os que defenderam TCC e os admitidos como advogados após exame de ordem.

Outro ponto é que NÃO SE PODE CONFUNDIR o doutor (do tratamento social, do reconhecimento ou honra) com o Professor Doutor…, o segundo sim é um TRATAMENTO alusivo à TÍTULO obtido via curso de doutorado e defesa de tese doutoral. Bom lembrar que pode ser concedida a equivalência plena ao titulados doutores aos não doutorados em curso, por meio de reconhecimento e certificado de NOTÓRIO SABER, ou para efeito meramente honorífico por meio do título de Doutor Honoris Causa.

Portanto a coisa não é tão simples como “Doutor é quem faz doutorado”, até porque ninguém se preocupa ou deixa de tratar um médico meramente graduado ou especialista por “Dr.”, pois há uma tradição que é respeitada…, por outro, lado não se deixa de tratar alguém por doutor por não ser médico… .

Tem ainda a questão etimológica que remete mais à conhecimento e capacidade docente, mas outros sentidos são admitidos em dicionário, vide:


Deixe um comentário

O ENEM, o pajubá e os néscios.

O texto que segue pretende ser curto e direto, tentarei… . Desde a divulgação do conteúdo da I etapa do ENEM 2018, tenho lido e ouvido inúmeras reclamações sobre o mesmo, mas me incomodam sobremaneira as críticas à questão sobre o pajubá, espécie de jargão (que uns insistem em chamar de “dialeto”, mas tudo bem) utilizado na comunidade LGBT (não vou ficar explicando siglas conhecidíssimas).

O que mais me incomodou e por tal resolvi escrever, foi o do radialista Fred Lobão, muito conhecido no Amazonas, no programa de notícias que comanda no início da noite, não vou detalhar o dito mas basicamente vai na linha do “Que absurdo, querer “forçar” as pessoas a conhecer a linguagem LGBT, isso é inútil e perigoso, querem “transformar” as pessoas em que?, temos direito a não querer que nossos filhos sejam expostos à isso e direito de expressão para repudiar” . OK, então também usando do meu direto de expressão vou respeitosamente repudiar e contrapor a fala posta.

Primeiro porque a virtual totalidade dos que como ele pensam não são educadores, nesse ponto e em outros podem ser considerados néscios, logo, opinam sem base e validade.

A ideia da questão era óbviamente verificar dentro das habilidades de linguagem, a capacidade de interpretação em contexto. Sim poderiam ter sido utilizadas outras linguagens, e ninguém reclamaria…, mas o ENEM sempre prezou pelo respeito e conhecimento da diversidade, o pajubá é derivado do yorubá dos terreiros de Candomblé, ou seja, “coisa de preto”, “para piorar também é coisa de gay”… e isso, o racismo, intolerância religiosa e homofobia dos néscios não pode admitir…. .

É claro que não era preciso de fato conhecer previamente os termos, mas “intuir” pelo contexto o seu significado, por outro lado, “descobrir” 4 ou 5 palavras em qualquer “língua” não faz ninguém falante dela e principalmente não apresenta “perigo”algum de mudança de orientação sexual, ou seja, tremenda besteira a reação contra a questão.

A crença que a orientação sexual é “opção”, que as pessoas “viram” gays, que isso pode ser influenciado, o temor que isso ocorra, que gay é uma coisa negativa e a ser evitada ou que “não temos que falar nisso” tem nome, é HOMOFOBIA… .

E como todo preconceito e discriminação, a homofobia vem da ignorância, do medo e do mau caratismo em não acolher ou ao menos tolerar o “diferente”.

É isso, quem fala o que quer para milhares, tem que estar disposto a ouvir crítica por milhares, ou ao menos dos mais dispostos .


Deixe um comentário

Serviço militar prioritário para jovens de baixa renda: minha opinião

Manchete recortada de “O Dia”

Antes de entrar na polêmica acho interessante registrar o meu “lugar de fala” pois creio que ajudará o leitor a compreender meu posicionamento e argumentos.

Sou negro, meu pai foi um adolescente pobre que percorreu toda a carreira de praça no exército a partir do alistamento como recruta até a graduação de subtenente, eu mesmo me alistei e servi ao exército por 4 anos, mas notei que ao contrário do meu pai eu não avançaria muito naquele contexto, durante aquele período também entrei na faculdade e quase ao final pedi baixa e fui para a aeronáutica como estagiário.

As forças armadas historicamente sempre foram uma possibilidade e estratégia muito utilizada de mobilidade social (as vezes a principal ou única) de pobres e principalmente de negros pobres. Portanto, entendo que a ideia de usá-las para oportunizar jovens pobres é de antemão válida, porém com ressalvas… .

A primeira delas é que tal uso seria incompatível com um serviço militar obrigatório, o serviço todo deveria passar a ser voluntário em tempos de paz, profissionalizante e profissionalizado.

A segunda é que como antigamente fosse possível a estabilização aos 10 anos de serviço para qualquer praça, para tal o número de novos alistamentos seria limitado pelo tamanho dos quadros do núcleo base e dos estabilizados.

A terceira é que a passagem pelo serviço voluntário nas forças armadas poderia ser alternativa voluntária ao “encarceramento sócio-educativo” e também deveria render pontuação para provas de títulos em concursos públicos e acesso universitário, além de ser requisito obrigatório para o acesso aos quadros das polícias (mesmo que venha a haver desmilitarização das PMs).

Sei que muita gente tem “bronca” ou antipatia pelo militarismo, mas ele é necessário e inescapável à qualquer estado, nem que seja como força de defesa e guarda nacional ( o que é diferente das chamadas forças de linha ou expedicionárias).

Para além disso as forças armadas ajudam fortemente na formação de cidadãos mais comprometidos, ordeiros e resilientes, não tenho dúvidas que é bem melhor ter soldados da nação que soldados do tráfico ou jovens vulnerabilizados para tudo que isso possa significar.

Finalizando, não quer dizer que eu apoie o projeto como ele está, mas acredito que o serviço militar é um bom caminho para problemas que rondam e envolvem a juventude.


2 Comentários

Redação do ENEM 2016 trata de Intolerância religiosa

temaredacaoenem2016

Seguindo a tendência do ENEM em tratar de assuntos “quentes” da atualidade, em especial os que envolvem questões de preconceito e discriminação e necessidade de ações afirmativas (combate efetivo e equalização), o tema de 2016 foi “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”.

De certo em tempos de ódio e retrocessos conservadores, foi um assunto que por mais esperado que fosse, deve ter sido desprezado por muita gente, principalmente por quem faz parte de grupos onde essa intolerância é viscejante… , ou que se afinem com os discursos de negação e tergevisação do racismo, intolerância religiosa, machismo, homofobia e outras pautas discriminatórias.

A vantagem dessa abordagem é chamar a atenção para questões importantes, que por motivos de preconceito pessoal e/ou coletivo são evitadas pelos jovens e nem tão jovens candidatos ao acesso universitário. Ou se estuda e se abandona o discurso deturpado e preconceituoso, ou mantém e se dá mal…  . Nada impede que o candidato “finja” uma abordagem “politicamente correta” ou discorra bem sobre o tema, mantendo o pensamento e atitude negativa, mas ao menos não por falta de acesso à informações sérias e argumentos validados.

 


Deixe um comentário

O desmonte das políticas públicas de Gênero e Raça…, a SEPPIR diz o quê ?

Gostaríamos de perguntar para a Sra. Luislinda Valois, Secretária de Igualdade Racial do Ministério da Justiça (no governo democraticamente eleito e derrubado mediante golpe parlamentar, tínhamos um ministério com tais atribuições, porém consoante a importância dada no atual governo questionado, foi o mesmo reduzido a secretaria dentro do MJ); primeiro, para que serve mesmo essa Secretaria ?; segundo, será tomada alguma providência ? ; terceiro, a Secretária está de acordo com a política de desmonte promovida pelo Governo Temer ?

Caso I

A absurda normatização sobre as medidas antifraude das cotas raciais nos concursos públicos. Norma tão equivocadamente colocada que já provocou a reedição da antropologia física lombrosiana no edital do IFPA:

image

Caso II

Nota Pública sobre a extinção da Coordenadoria de Gênero e Raça do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea)

” A Comissão da Verdade sobre a Escravidão Negra do Distrito Federal e Entorno do Sindicato dos Bancários de Brasília (CVN/SBB), vimos externar publicamente nosso profundo repúdio à recente iniciativa da direção do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) de extinguir sua Coordenadoria de Gênero e Raça.

Nas duas últimas décadas, o Ipea consolidou-se como referência na produção de pesquisas sobre a questão racial no Brasil, assumindo o protagonismo nessa temática no âmbito do Governo Federal. Um importante grupo de pesquisadores vinculados à esta coordenadoria vinha se dedicando ao estudo das políticas de igualdade racial bem como do próprio papel do racismo e de seus desdobramentos na construção da sociedade brasileira. O relevante esforço desses técnicos foi responsável por um conjunto de trabalhos referenciais para o aprofundamento do debate sobre a questão racial no Brasil.

Ao diluir a Coordenadoria de Gênero e Raça em uma seção genérica, que passa a cuidar de temas variados como a questão dos idosos, da juventude, entre outros, a Diretoria do Ipea sinaliza para a sociedade a intenção de mitigar e desvalorizar a relevância da questão racial.

Essa mesma estratégia, lembremos, foi utilizada quando da recente extinção do Ministério da Mulher, Igualdade Racial e Direitos Humanos, em um verdadeiro retrocesso, na tentativa de invisibilização da temática racial em nosso país.

Cientes da relevância e da centralidade da questão racial na construção e estruturação da sociedade brasileira, reiteramos nosso veemente descontentamento com a atitude retrógrada e conservadora da Diretoria do Ipea.

Brasília, 05 de setembro de 2016 ”

Até onde irá esse desmonte ?, nossos ganhos duramente conquistados em décadas de lutas, estão se esvaindo em meses, com meras canetadas antidemocráticas. Pena uma biografia tão respeitável ser colocada a serviço dessa máquina de desmonte, porém acreditamos na sinceridade de intenções e compromisso demostrados ao longo de toda uma vida.

Ainda é tempo de com o único ato possível em um contexto como esse, não entrar para a História como parte integrante e consciente de um episódio triste a ser escrito e lido em não muito tempo,  como um dos mais vergonhosos da nação brasileira… .


1 comentário

Criando a lista de referências a partir das notas de rodapé no Word ou no LibreOffice

Sem título

Bom, você terminou após meses (talvez anos) de “sofrimentos e abnegação”, a parte textual do seu trabalho acadêmico, no qual utilizou notas de rodapé, as quais foi inserindo à medida que foi citando. Agora precisa colocar no final do texto uma lista em ordem alfabética dessas mesmas referências, acrescida de outras que não foram citadas mas são recomendáveis. Infelizmente nem o MS-WORD nem o LIBREOFFICE tem essa tão obviamente útil funcionalidade, portanto a coisa vai ter que ser meio “manual”…, mas calma ! você não vai precisar copiar uma a uma as notas para o final do texto ou arquivo separado para depois ordenar e trazer de volta para o lugar certo. A ideia é mais ou menos essa, só que ao invés de copiar uma a uma, vamos transformar todas de uma vez em notas de fim, ou seja, com todas agrupadas no final do texto. A partir dai fica fácil selecionar todas de uma vez, copiar para um arquivo aonde se possa “limpar” as informações desnecessárias,  classificar na ordem correta, para então trazer de volta tudo já certinho para o final do texto do seu trabalho acadêmico.

Atenção ! isso funciona para as versões mais antigas do WORD, até a 2010, já  no LibreOffice pelo menos até a 5 funciona.

Vamos aos passos:
1- Faça uma cópia da sua monografia, dissertação ou tese ( você não vai querer trabalhar no original para fazer estes passos vai ? 😉)
2- Abra a cópia e converta todas as notas de rodapé em notas de fim, se não sabe como, isso está explicado na ajuda do software… .
3- Posicione o cursor  bem no começo da primeira nota de fim. (O texto real das notas de fim, não a referência no corpo principal do documento.)
Marque todas as notas usando o esquema de seleção tecla shift e  seta para baixo até  a última nota. Tudo selecionado dê um Ctrl+C para copiar as notas  para o clipboard (área de transferência).
4- Abra um documento novo, em branco e cole (Ctrl+V) no novo documento.
5- Agora você tem um documento com somente as notas de fim. Classifique por ordem alfabética os parágrafos no documento. Elimine todo o texto e referências das quais não precisa na lista de referências ou insira as que estavam  fora das citações.
6- Selecione tudo e copie o texto, depois cole no final do texto do arquivo que contém o seu trabalho.

Uma dica adicional…, se quiser por exemplo separar fontes primárias de referências bibliográficas ou webgrafia, talvez seja interessante no passo 4 transferir o conteúdo para uma planilha, assim poderá não apenas classificar mas também filtrar, por exemplo, tudo o que tiver hiperlinks, ou tudo que tiver um termo utilizado apenas com fontes primárias. Na hora de trazer de volta para o texto do trabalho não esqueça de “colar especial” como texto  texto sem formatação.

Prontinho ! seu problema resolvido sem muita dor e sofrimento. 😉👍


1 comentário

Ufam aprova Política de Ações Afirmativas para a Pós-Graduação

ENFIM…, depois de idas e vindas, encontros e desencontros, tensão, conversas e tudo mais, saiu… . Parabéns à UFAM e todos os envolvidos no processo de reivindicação e elaboração dessa política institucional.

Print

A decisão do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), em reunião ocorrida nesta terça-feira, 16, aprovou a Política de Ações Afirmativas para ingresso na Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Federal do Amazonas. [..]  A resolução aprovada pelo Consepe será aplicada nas seleções para os 41 Programas de Pós-Graduação existentes na Ufam, sejam eles para ingresso em cursos de Mestrado, de Doutorado ou ambos. Tanto os alunos que ingressarem pela ampla concorrência quanto os que entrarem pelo sistema de cotas serão submetidos às mesmas regras em relação ao desenvolvimento de suas atividades acadêmicas e de pesquisa.

Veja notícia completa em:  http://ufam.edu.br/index.php/2013-04-29-19-37-05/arquivo-de-noticias/5021-ufam-aprova-politica-de-acoes-afirmativas-para-a-pos-graduacao


Deixe um comentário

Manifestantes da Educafro desocupam entrada principal do Ministério da Fazenda

Estudantes do Movimento EDUCAFRO se acorrentam em protesto nas catracas de entrada do MF

Pois é…, não bastam cotas para o acesso universitário, fomentar a permanência dos estudantes cotistas (todos de baixa renda independente da cor) é crucial, e para isso é preciso que sejam disponibilizadas e mantidas as verbas necessárias, em uma “Pátria Educadora” é inconcebível corte de verbas para a Educação…, entenda o caso na matéria da EBC.

 09/03/2015 14h54

Brasília

Danilo Macedo – Repórter da Agência Brasil Edição: Denise Griesinger

Depois de aproximadamente duas horas de bloqueio, manifestantes da Fundação Educafro – que reivindicavam mais recursos para educação de negros e pobres – liberaram a entrada principal do Ministério da Fazenda, por volta das 14h10. Segundo o frade franciscano David Santos, porta-voz do movimento, a decisão de desocupar o prédio foi tomada após a Secretaria Executiva do Ministério marcar uma audiência, com o grupo.

“Dia 17 de março voltaremos aqui para definir todos os pontos de reivindicação, em uma audiência com o secretário executivo [adjunto] Ariosto Culau. Se não atenderem a nossas demandas, aí teremos uma audiência com o ministro”, disse Santos.

Sobre a escolha do local da manifestação, o frade explicou que várias audiências ocorreram no Ministério da Educação, que sempre alega o corte de verbas para não atender às reivindicações. “Queremos a garantia de que todo aluno cotista negro, cuja renda seja inferior a 1,5 salário mínimo, tenha bolsa moradia, alimentação e transporte”, afirmou. “Colocamos aqui como é incoerente falar em pátria educadora e cortar 30% da verba para educação. Queremos saber quanto mais vai para educação, em uma pátria educadora”, disse.

A portaria principal do Ministério da Fazenda foi bloqueada por volta das 12h. Cerca de 20 manifestantes da Fundação Educafro ocuparam a entrada principal do edifício e, lá dentro, alguns se acorrentaram às catracas de acesso ao ministério, impedindo a entrada de servidores. Eles também tocaram berimbau, timbau e jogaram capoeira, além de cantar músicas pedindo ao ministro Levy mais dinheiro para educação.