Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

Por quê os Orixás se comportam diferente e se apresentam distintamente em África, Caribe e Brasil ?

Yemanjá em terra, na Nigéria, Brasil e Cuba.

Logo de início deixo claro que é apenas uma reflexão minha, uma hipótese levantada a partir do meu conhecimento sobre as religiões de matrizes africanas enquanto estudioso/ acadêmico e praticante neófito (há alguns anos), não a partir dos “segredos” e fundamentos que só pertencem aos sacerdotes e sacerdotisas.

Orixás nas américas e caribe vieram nos oris dos traficados de África. Assim como os nossos ancestrais tiveram que se adaptar ao novo mundo as formas de culto também… .

Não são os Orixás feitos dos Orixás dos Babas e Yas ? Não conformariam linhagens com características “hereditárias” ? de quantos “oris originais” saíram os santos afrobrasileiros ? Isso explicaria o “padrão” que temos aqui ? diferente dos africanos ou mesmo dos caribenhos, sobretudo os cubanos, cujas características são parecidas entre si, mas um tanto diferente dos que vem à terra no Brasil ??? .

Outra questão que se coloca ante algumas afirmações “puristas” que visam colocar as práticas em África como “preferenciais e verdadeiras tradições a serem seguidas” é : As formas de culto em África permanecem as mesmas de 500 anos atrás ? de certo não, inclusive algo do perdido por lá, aqui foi preservado, mas como lá, também aqui ocorreram mudanças circunstanciais… .

Não existe “pureza” em se tratando de cultura mas sim tradições e isso inclui as relações e práticas do místico-sagrado, no entanto é bom lembrar que toda tradição é uma invenção, uma construção ao longo do tempo e do espaço, que agrega, abandona e substitui elementos além de mesclas com elementos de outras culturas que com o tempo passam a ser vistos como parte natural da tradição sem maiores questionamentos.

A natureza é forte mas até ela muda ou é mudada, por vezes em alguns aspectos “controlada”. Todo fogo é incontrolado/ incontrolável ?, toda água só vai aonde quer e como quer ? não se pode “obrigar” uma nuvem a fazer chuva ?, o vento não pode levar um barco a um destino ? não pode ser produzido em forma de jato ? não existem “quebra-ventos” ?, o ar não pode ser resfriado, aquecido, canalizado? então…

Isso não quer dizer que a natureza seja absolutamente controlável e sabemos muito bem que não, tampouco as forças naturais ou sobrenaturais.

Se partirmos do pressuposto que “nada se controla” das forças ou energias da natureza ou que nada funciona fazendo um pouco ou mesmo medianamente diferente, então teríamos um grande paradoxo, pois não existiria nem tecnologia, muito menos mística… nem aqui, nem no Caribe, nem em África… 🤷🏿‍♂️


Deixe um comentário

“DOUTOR É QUEM FAZ DOUTORADO”… (será mesmo?)

Vejo problema ai nessa frase aspeada, independente de quem defende velho decreto imperial como “justificativa” em relação aos Advogados, etc… . O uso do “doutor” como tratamento vai muito além dessa simplificação equivocada.

A tradição portuguesa (a qual querendo ou não fomos filiados), e coisa mais observável na antiga metrópole e nas ex-colônias mais recentemente independentes, trata assim todo egresso de curso superior que tenha defendido “tese” (e eles utilizam esse termo para todo TCC defendido perante banca), logo, são “socialmente” tratados por dr. (com minúsculas) todos que tenham passado por esse rito.

Lembrando que nessa tradição o bacharelado é a “formação curta”, não exige defesa alguma e antecede a LICENCIATURA, essa sim que se dá pela defesa de “tese” e encaminha ao magistério.

Pelo mesmo raciocínio os Advogados, Promotores e Magistrados são “doutores” por elaborarem e defenderem “teses” no exercício cotidiano da Justiça, por tal é que o simples bacharel em Direito não costuma ter tratamento profissional de “doutor” (embora possa ter o social). Tem também o tal decreto imperial, que reforça o tratamento para os que defenderam TCC e os admitidos como advogados após exame de ordem.

Outro ponto é que NÃO SE PODE CONFUNDIR o doutor (do tratamento social, do reconhecimento ou honra) com o Professor Doutor…, o segundo sim é um TRATAMENTO alusivo à TÍTULO obtido via curso de doutorado e defesa de tese doutoral. Bom lembrar que pode ser concedida a equivalência plena ao titulados doutores aos não doutorados em curso, por meio de reconhecimento e certificado de NOTÓRIO SABER, ou para efeito meramente honorífico por meio do título de Doutor Honoris Causa.

Portanto a coisa não é tão simples como “Doutor é quem faz doutorado”, até porque ninguém se preocupa ou deixa de tratar um médico meramente graduado ou especialista por “Dr.”, pois há uma tradição que é respeitada…, por outro, lado não se deixa de tratar alguém por doutor por não ser médico… .

Tem ainda a questão etimológica que remete mais à conhecimento e capacidade docente, mas outros sentidos são admitidos em dicionário, vide: