Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

Minha microdissertação em Blockchain & Criptocurrency (em inglês)

Blockchain & Criptocurrency

Juarez C. da Silva Junior

juarez.c.silva@gmail.com

(Brazil, 2021)

Blockchain

it’s a recording system of transactions based on database and networks, the name gives a basic idea of the thing, processing of blocks of data containing transactions in a chained way, like a big digital ledger, it’s immutable and fraud proof, which could be used for several things like digital assets, authentication and identification, beside others.

Centralized, descentralized and Distributed networks

Centralized network is the one with a single network “owner”, only that point allows information sharing to the others. In another hand, descentralized network has several “owner points” interconnected, it’s possible to “divert routes” of sharing in case of failures and also to maintain backups. The distributed network completely ends with the possibility of centralization, all points can communicate with each other.

So, blockchain is trully descentralized or distributed network? How is the block structure?

Well, we can say there’s a mix of the shapes, since the data is not saved in a single organization and only one server, but among all the miners and other actors on the network. The exchanges for example have internal centralization, but they work as descentalized points for the network, so all information on a blockchain can be found in all of network machines, means distributed too. 

About block structure, basically a block is composed of a header and a body.  The header contains the hash from the previous block, a timestamp, the nonce (arbitrary number) and the Merkle root. Merkle’s root is obtained from the combination of the hashes of the various transactions in the body. In it is the Merkle tree, a combination of transactional hashes and the data of transactions, as input, output, timestamp, signature, value.

Mining farm and Bitcoin pricing

The process of obtaining new coins to the market is called mining. It’s done by the validation work of miners over transaction blocks, which with their machines solve mathematical problems that make this release, “farm” is nothing more than big sets of computers working together to solve such matters. 

Bitcoin’s precification is basically obtained from the suply and demand rule, as well as expectations and events in the real world. A mix of what happens to fiduciary coins and stocks. The higher demand higher price, lower demand or massive sales lower price. Mining difficulties, speculations with good or bad economic news or feelings overall or at specific market can influence as well.

Merkle tree

It’s a mathematical structure that allows the safe and unique identification and consistency of a block  in blockchain. Each transaction has a hash that’s like a hexadecimal code, from each pair of hashes forms a new hash a level above,

the combination of the pairs of hashes on this level are equally combined to form a new level up and so on until there is a single hash, which is an single-possible representation from the information on that block and is called Merkle’s root.

Ledger and a brief history of blockchain

In common accounting, a ledger is what contains detailed and updated records of a company transactions. When we talk about blockchain ledger we have a type of digital version of that in the general sense, it’s the general record of  block transactions processed in the network, but descentralized/distributed, all machines in the network maintains a copy of these records. In the case, ledger is public, immutable and fraud-proof.

The history of Blockchain doesn’t begin exactly with its development and application but with the concerns of the so-called Cypherpunks, in the early years of the 1990s. They were a group emerged in California and formed by mathematicians, programmers and cryptographers concerned about privacy and security in the growing wave of popularization of cyber technologies. From 2007, the Bitcoin project begins, which introduces the pratical basis of Blockchain technology use. In 2008, was launched an article signed by Satoshi Nakamoto, an alias, unconfirmed until today that it would really belong to. In 2010, the first purchase occurs by using bitcoin, at least publicized, two pizzas, for 10,000 bitcoins, it’s known that bitcoin was also used in dark transactions like in “Silk Road”. After that times the technology behind the Bitcoin became considered for other applications beyond the cryptocurrency itself, with the evolution of technology emerged the smart contracts, altcoins and a whole range of new descentralized applications.

Why should one use Blockchain? Cryptocurrencies definition and uses

There are several possible motives and uses, certain economic players have recently discovered advantages in the use of blockchain, for example safe validation of transactions. From this government and financial institutions think about implementing blockchain in their operations, companies and independent artists who depend on intellectual property can also benefit especially from this technology.

Although a lot of people have difficulty defining what is cryptocurrency, like the expert character performed by Elon Musk on Saturday Night Show, we can say that is what we can call descentralized digital money or coins, obtained and operated in a safe way in systems where the information and the data are encrypted in a blockchain network. Among the advantages is anonymity and the main, the non-control by  Governments.

Cryptocurrencies can be used, for adoption as a means of payment, international transfers with low cost and high speed, gambling, savings or investment, thanks to high value increase possibilities, can also be linked to niches   and specific projects.

 Cryptography and Bitcoin

Cryptography is a set of methods that are intended to prevent a third part of understanding the contents of a message, for long has been restricted to spies and military, but today is used in several types of communications and transaction validation.

Bitcoin was the world’s first cryptcoin, largely adopted as digital payment, and mostly as investment, possesses the biggest market cap of all and normally good valuation.

Bitcoin’s advantages and disadvantages 

Advantages

Decentralized service, no fees or else low, Safe network, anonymity, user control, not affected directly by inflation, worldwide utilization, normally good valuation.

Disadvantages 

Processing of transactions still relatively slow compared to altcoins, the Bitcoin network needs optimizing, It’s not popularly adopted as payment means yet, environmentally questionable mining process.

Bitcoin Wallet

Wallets, as his name suggests are locations to maintain money, in this case Bitcoin tokens, or other cryptocurrencies and  digital assets with lots or some security like access pins, long  recovery phrases, encryption, 2FA codes, dependeding on the choice. The types can vary, basically the wallets can be custody in exchanges, desktop

computers, mobile devices, can also be specific physical devices or even the so-caldepends per wallets.

Basically, you’re gonna need a Bitcoin exchange, and for use as a means of payment also a Bitcoin wallet. Exchange is where your fiduciary money will be converted to bitcoins, in it, you can also make the reverse process by getting fiduciary coin in exchange for your Bitcoins. For mere investment, swing trade or reserve it is possible to leave your Bitcoins taken into your wallet in your exchange account, but is recommended to keep a wallet in an external device of your own.

Bitcoin exchange, steps

The steps depend on some factors,

First create an account and then make a deposit, you can make an online deposit or  in person to your account at the exchange, sometimes buy it with a credit card too.

Second,  swap your fiduciary balance to Bitcoin, OK, you already have bitcoins.

Third, if you want, you can now transfer from your account wallet to your external wallet using Bitcoin’s respective address on it, you can also transfer it to any other valid address you want. With the Bitcoins in your personal wallet, you can then use them for payments and transfers.

Fourth, you can either buy or receive bitcoins in your own wallet addresses, and depending on your wallet, to make exchange with other cryptocurrencies.

Fifth,  withdraws in fiduciary currencies can be made indicating the address of  wallet to swap Bitcoin in an exchange and generally the number of the bank account, in general preregistered.

Bitcoin cash, differences for Bitcoin

Bitcoin Cash is a Bitcoin hardfork. The code of Bitcoin Is BTC, of Bitcoin Cash Is BCH.

The main difference between both nets is the maximum size of block allowed by each. The size of the BCH block is bigger, so it have  less time processing and off course better fees. Bitcoin has a higher market cap and also more value.

Segwit2x, difference between soft and hard fork 

Basically Segwit2x is a hardfork from Bitcoin proposed in 2015, a proposal that doubles the size of the transactions block in a “dimmer way”, doesn’t add great news, but compiles some previous features alteration proposals. It compete with other hardforks like Bitcoin Cash.

Forks in Blockchain are forks that occur in protocol. Every cryptocurrency can suffer a fork, it happens when there are disagreements between different user groups. So new chains are created as alternative to the initial. In other words, a division that works under new rules or ancient rules. 

In a hard fork, new rules prevent compatibility with the old ones, we have a new thing, at soft fork just an update, not incompatibilization.

What Ethereum is, differences for Bitcoin

Ethereum like Bitcoin is a Blockchain network with a cryptoccurrency of its own, there are similarities between both like mining, as there are differences.

The most visible difference between the two is that Ethereum was created to process apps and decentralized services, is strong for smart contracts and with it created its own token, Ether, the ETH which is used for payments of fees, but also as a reserve of value. Ethereum is the prime competitor of Bitcoin, has smaller market cap and value, but if it can optimize his network, reduce the fee value and  mainly to change the mining scheme, it can overtake Bitcoin.

 Ethereum, merits and demerits 

Merits

Ethereum is used for more complicated and diversified applications than for example the Bitcoin Blockchain, it allows the creation of smart contracts. It has a more reliable network structure, safer than competition, also faster and efficient. It’s a descentalized platform, which guarantees always online applications. There are constant updates, which improves performance and also possibilities of new features. It allows different ways of picking up resources for projects. The mining process seems to be heading a more sustainable way.

Demerits

Smart contracts can be made with mistake coding, leaving explorable vulnerability breaches, Ethereum has no contract renounced project, can suffer personalist influences because the project has a knowed owner. The scalability of the Ethereum network generates great size and greater need for storage spaces, which could be more troubled than in the Bitcoin Blockchain case. Ethereum’s DAO applications still suffer failures and attacks, which narrows down to the confidence of choice and use. Finally, the transaction fees on the network are still elevated.

Ripple, Litecoin and Dash

Ripple is a protocol dedicated to distributed payment, although it has a coin of its own for use in its ecosystem, the XRP, the platform also has support for other cryptocurrencies. Your main applicability is instant and safe payments. We can say that a good definition for the platform is to be at the same time a solution “Bank and WU Killer” since the transaction assets can represent both fiduciary coins and assets or be cryptoactives, all with  lower fees, on the other hand can ease up for financial institutions to integration  to the cryptomarket and  benefits of Blockchain technology. As the advantage the main highlight is the speed of processing, often rapid in relation to Bitcoin, the main disadvantage is that like Bitcoin is not very sustainable, it requires a lot of electric energy.

Litecoin is basically a cryptocurrency “Bitcoin like”, was created in 2011 and as the name suggests, to be a lighter alternative to Bitcoin. Has fast transactions and very lower fees. Litecoin’s main feature is to be peer-to-peer, which means it’s used as a means of payment where people pay directly to each other without intermediation. Running to reach the TOP 5 of the cryptocurrencies.

DASH is a cryptocurrency from a DAO (descentralized organization), actually a Bitcoin hard fork (from 2014). Its main feature is the speed of ultra-rapid transactions. Another point is that the DASH can be used for votes at governance system, has two-layer structure, regular blockchain and masternode. The cryptocurrency was initially called XCoin, then became very used on the dark web, finally got its current name, trying to get rid of the negative image. 

Monetary policy

Is the form as a coin is placed or removed from circulation. In the case of Bitcoin, the emission is for payed mining, that’s the only way to increase the amount of bitcoins available at the market. Unlike the controlled trust coins, issued in a unlimited way by a central bank, generally cryptocurrencies already emerge with a possible limit, the Bitcoin’s, for example, is 21 million units. The obvious effect of this is to do deflationary cryptcoin, with the increasing demand and  coins shortage, progressively the value grows throughout time.

Tax regulations related to Bitcoin

The taxation of cryptocurrencies, including Bitcoin varies from country to country. Usually the rules are similar to other assets, tax incidence occurs from certain value.

Bitcoin in the retail and health industry, role It play in education

Nowadays several large retail networks already accept Bitcoin directly as payment, there are also platforms that indicate where you can buy with Bitcoin, others who do intermediation, you buy and pay by using bitcoin and they pay the seller using the means  which it accepts. 

Talking about  health care Industry maybe should better to speak not about Bitcoin but technology behind it, the blockchain, that can be used for global health records, better supply chain control and transparency, medical AND nursing personnel check and health insurance smart contracts. That might also make easier medical history in the refugees case…

In the case of education equally the Blockchain technology can give global control, credentials and certifications and diplomas verification, school records. Bitcoin can be used for fees payments and other things.

FIAT currency and DAO

Initially money was based on a gold related standard system or another commodities, the emergence of paper coin allowed conversion of paper bills to gold because it was direct relation to gold that the government owned. 

Fiduciary currencies, also called FIAT Currencies have its value guaranteed by the emitter government, without relation to a commodity or something else. The emergence of the fiduciary currencies happened in China centuries ago. Some European countries uses FIAT since the 18th century. 

In 1972, the U.S. government completely abandoned the gold standard parity for the dollar, and with that almost  all the other currencies in the world became also FIAT. The governments and central banks of each country have a lot and almost complete control over the respective monetary systems. But the unbalanced emission of money can lead to hyperinflation and economic collapses.

DAO

Decentralized Autonomous Organization is a kind of organization in which the rules are set in the blockchain system using smart contracts, generating total transparency to all users. There is no central server or entity that supervises the processes,  control is made by shareholders involved in the project. The main goal in a DAO is to allow operational and funding of your projects through your smart contracts.

One cool thing about DAOs is democracy, there are votations of the proposals made at the blockchain, under supervision of some “admins” or voluntary “devs” (developers). The idea is simple, in the votation are used to represent votes the amount of cryptoactives invested by each member in certain projects, more investment and confidence, more “voice”.


Deixe um comentário

DE EMPRESÁRIO À EX-GARÇOM EM UM DIA…

Nenhum problema ser garçom ou ter sido, é uma digníssima ocupação. Mas me diga aí se não é estranhíssima essa “qualificação” que praticamente toda imprensa tem usado direto para o empresário preso e investigado por suspeitas muito fundadas de crimes financeiros, e que não tem saído do noticiário desde a semana passada?🤔

Tudo bem que é raríssimo, ver notícias que juntam pessoas negras e bilhões de reais em uma mesma matéria (mesmo que em notícias policiais), mas por que essa insistência em destacar essa ex-ocupação? Se há anos a pessoa para o bem ou para o mal se ocupa e é reconhecida socialmente como empresário, também foi pastor da IURD…, mas ninguém se refere à ele em lead jornalístico como “ex-pastor”.

Fica mais estranho ainda quando em situação parecida recente, a do “Rei do Bitcoin”, não se vê nenhuma outra referência ao investigado que não seja empresário ou “Rei do Bitcoin”… .

Outro dia escrevi sobre a “resistência” que muita gente opõe à pessoas negras associando a imagem à publicidade do luxo, ou mesmo às meras aspirações ao luxo e poder, como se essa humana característica, não pudesse pertencer aos historicamente estigmatizados.

Apesar dos contextos absolutamente distintos, parece que o tipo de “resistência” é o mesmo…, a pessoa muda de profissão, fica rica (e aí não está em questão os meios) movimenta 38 BILHÕES de Reais, em 6 anos, mas não pode ser visto e referenciado como nada além de um “ex-garçom”… . O que é que o “Rei do Bitcoin”, que é branco, era mesmo antes de virar “Rei do Bitcoin” ??? 🤔 (silêncio ensurdecedor…)


Deixe um comentário

Jornalistas premiadas co-fundadoras da Agência Amazônia Real ganham vídeo antológico

Desde fins de 2018 colaboro como colunista, na agência de notícias Amazônia Real (AR), de jornalismo independente, premiada nacional e internacionalmente e focada como o nome diz em mostrar as realidades da região amazônica.

A afinidade deste  blog aqui, que mantenho desde 2004, com a Agência AR, começa pelo nosso slogan, “Da Amazônia para o mundo”, assim também é a visão e missão da AR. Importante frisar que há óbvia diferença, enquanto a agência faz jornalismo profissional e independente, o blog é apenas um espaço pessoal de reflexão e manifestação pública, que mantenho desde antes do advento das redes sociais, e também obviamente o blog é de muitíssimo menor alcance.

Mesmo assim aproveito o espaço para parabenizar as queridas jornalistas Kátia Brasil e Elaíze Farias e agradecer por toda a consideração que sempre tiveram para com a minha pessoa, inclusive em momento crítico.

Feita a contextualização da minha relação com a agência e consequentemente com suas co-fundadoras, que receberam homenagem no 16º Congresso da Abraji (Associação brasileira de jornalismo independente), vamos ao que interessa, o vídeo antológico… https://vimeo.com/592137565


Deixe um comentário

Me esqueci mas, em tempo. Monteiro Lopes no Palácio da Justiça amazonense.

No meu último texto da coluna que assino na Agência de notícias Amazônia Real (publicado ontem), falei da felicidade em ver um antigo sonho realizado, a criação do Museu Judiciário do Amazonas e instalado na antiga e centenária sede, o Palácio da Justiça https://amazoniareal.com.br/a-justica-amazonense-de-volta-ao-palacio/

Tem porém um detalhe importante que esqueci. A minha dissertação de Mestrado, foi sobre Manoel da Motta Monteiro Lopes, Advogado negro recifense, que morou um tempo em Manaus, e atuou como Promotor de Justiça em 1892, depois se radicando no Rio de Janeiro, onde fez carreira política, se tornando o primeiro deputado federal negro assim reconhecido, assumido e com discurso afirmativo. Faleceu na então capital da República em exercício do mandato em dezembro de 1910.

Para além dos aspectos gerais já conhecidos da sua trajetória, cabia a mim especificamente elucidar a parte amazonense dela. Que ao contrário do imaginado inicialmente foi mais interessante e registrada, não quando morou aqui, ainda no XIX, mas sim quando retornou ao estado já como deputado pelo Distrito Federal em 1910, o que era até então ignorado em sua historiografia.

Por economia marco aqui apenas que foi uma estada “apoteótica” que pode ser lida integralmente por quem se interessar, na própria dissertação, nesse texto aqui vou deixar só o extrato da sua passagem pelo Palácio. O que dado o contexto social de 1910 foi uma coisa impressionante…

“A recepção feita em sua despedida ao judiciário amazonense também noticiada no dia 9 de agosto  foi literalmente digna de nota:

Foi hontem ao Tribunal de Justiça apresentar as suas despedidas o illustre deputado dr. Monteiro Lopes.O presidente do Tribunal, sr. desembargador Rubim fel-o sentar a sua direita, tendo s. exc. assistido a sessão. Terminados os trabalhos o representante do Districto Federal abraçou a todos os desembargadores, e demais juizes e escrivães que o trouxeram até á porta central do edifício. S. exc. trajava ao rigor custosa e riquissima becca de seda, e que dava maior realce e solenmidade aquelle templo da justiça. Grande numero de advogados e pessoas do fòro alli estiveram presentes. (Correio do Norte: Orgão do Partido Revisionista Estado do AM. Manaus, p. 2-2. 09 ago. 1910.)

A forma como isso foi feito, demonstra que aparentemente não foi mero protocolo interpoderes do estado, indica fortemente que as relações estabelecidas no meio judiciário, quer seja nos tempos de faculdade no Recife, nos quais foi colega do anterior e falecido presidente do judiciário amazonense, e não improvável de outros juristas aqui instalados dada a importância  e disseminação de egressos da  faculdade pernambucana, quer no período de atuação no cenário forense de Manaus no XIX, atuaram dando ao evento um caráter também afetivo e simbólico.”

Do ponto de vista historiográfico pode até parecer irrelevante um local físico específico que uma pessoa ocupou em um evento (o simbólico no entanto é importante). Porém, para mim que me ocupei em descobrir a cena e visualiza-la na imaginação via uma descrição passada e em um determinado contexto e agora, anos depois, tive a oportunidade de estar envolvido com a reapropriação do cenário real em que se deu o fato, não deixa de ser uma feliz coincidência… 😉 .


Deixe um comentário

VAMOS BRINCAR DE ENEM

A proposta é testar se você sabe de onde vem a noção política de “esquerda” e “direita”, então vamos lá:

Exercício resolvido

(Enem) “Em nosso país queremos substituir o egoísmo pela moral, a honra pela probidade, os usos pelos princípios, as conveniências pelos deveres, a tirania da moda pelo império da razão, o desprezo à desgraça pelo desprezo ao vício, a insolência pelo orgulho, a vaidade pela grandeza de alma, o amor ao dinheiro pelo amor à glória, a boa companhia pelas boas pessoas, a intriga pelo mérito, o espirituoso pelo gênio, o brilho pela verdade, o tédio da volúpia pelo encanto da felicidade, a mesquinharia dos grandes pela grandeza do homem.”

HUNT, L. Revolução Francesa e Vida Privada. In: PERROT, M. (Org.) História da Vida Privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. Vol. 4. São Paulo: Companhia das Letras, 1991 (adaptado)

O discurso de Robespierre, de 5 de fevereiro de 1794, do qual o trecho transcrito é parte, relaciona-se à qual dos grupos político-sociais envolvidos na Revolução Francesa?

a) À alta burguesia, que desejava participar do poder legislativo francês como força política dominante.

b) Ao clero francês, que desejava justiça social e era ligado à alta burguesia.

c) A militares oriundos da pequena e média burguesia, que derrotaram as potências rivais e queriam reorganizar a França internamente.

d) À nobreza esclarecida, que, em função do seu contato com os intelectuais iluministas, desejava extinguir o absolutismo francês.

e) Aos representantes da pequena e média burguesia e das camadas populares, que desejavam justiça social e direitos políticos.

Resolução: LETRA E

Maximilien Robespierre era o líder dos jacobinos no período em que eles estiveram à frente da Revolução Francesa. A ascensão dos jacobinos foi impulsionada pelo apoio do povo, sobretudo dos sans-culottes. Contavam com o apoio da pequena e média burguesia e desejavam ampliar as reformas sociais na França revolucionária. Durante o domínio dos jacobinos, aconteceu o período conhecido como Terror, no qual os opositores dos jacobinos eram sumariamente guilhotinados.

|1| HOBSBAWM, Eric. A Era das Revoluções 1789-1848. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014, p. 114.
|2| Idem, p. 119.

OK, então já sabemos na revolução francesa quem eram os Jacobinos, era o povão que junto com a pequena e média burguesia se opunha à aristocracia, ao clero aliado e aos conservadores, generalizados então como Girondinos.

Na Assembleia Jacobinos ficavam no lado esquerdo e Girondinos no lado direito. Resumindo, quem defendia liberdade, igualdade e o lado dos mais pobres era da esquerda, os que defendiam a desigualdade e os interesses dos mais ricos era direita…

Karl Marx, o teórico do socialismo moderno e dos comunistas só iria nascer em 5 de maio de 1818, em Tréveris, Alemanha, ou seja, 24 anos depois da ideia de esquerda e direita ter sido implantada e na França…, portanto nada a ver, limitar hoje o que é ser esquerda ao campo socialista e direita ao que não é socialista. A questão é de “lado dos pobres” e “lado dos ricos”, lado dos avanços sociais ou lado da desigualação e privilégios, lado da solidariedade ou lado do egoísmo, simples assim…

Por isso é que a melhor definição de esquerda hoje é a do Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai, que vai na raiz da ideia.


2 Comentários

Djamila e a bolsa da Prada, problema para você? Para mim não…

Postagem de rede social

Só vendo a geral criticando a Djamila Ribeiro, negra formada em Filosofia, Professora, Ativista e que fez sucesso como escritora e editora na temática do racismo e feminismo. Bora se atualizar gente… A luta negra não é uma luta socialista, ela é integracionista…, não defendemos resumir a pirâmide de Maslow apenas ao seu centro, embora a redução da sua base com o aumento da mobilidade social e redução drástica da pobreza e miséria, independente de recortes, seja uma luta compatível e embutida. A luta negra é pelo direito de não ser limitado em nenhum aspecto pela cor/origem, assim como a luta do feminismo, não é em essência uma “luta contra o capital” mas sim contra a hegemonia excludente.

Não dá para deixar de observar que as críticas tem um viés também racista, mesmo que inconsciente, muita gente acha que negro e luxo são coisas incompatíveis, e quando se juntam atraem questionamento e atenção que não é dada quando não se trata de pessoa negra. Outro ponto é a crítica socialista, que não consegue desvencilhar ativismo de luta de classes segundo paradigmas marxistas, o que está longe de ser um real enquadramento do que é ativismo.

Já cantavam os Titãs… em “Comida”

“A gente não quer só comida
A gente quer comida, diversão e arte
A gente não quer só comida
A gente quer saída para qualquer parte

A gente não quer só comida
A gente quer bebida, diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida como a vida quer”

Se você é millenial e não conhece o sucesso do rock brasileiro dos 80 segue o link do clipe: https://youtu.be/hD36s-LiKlg

Para fechar esse primeiro bloco lógico, o que quero marcar é que a maioria da crítica tem fundo na verdade em uma observação que já foi sistematizada faz tempo:

Segundo (Blumer, 1939) “São quatro os sentimentos que estarão sempre presentes no preconceito racial do grupo dominante: (a) de superioridade; (b) de que a raça subordinada é intrinsecamente diferente e alienígena; (c) de monopólio sobre certas vantagens e privilégios; e (d) de medo ou suspeita de que a raça subordinada deseje partilhar as prerrogativas da raça dominante.

Sigamos, não fulanizar a questão portanto é importante, pois não é iniciativa pessoal nem só a Djamila a entrar nessa, é um fenômeno mundial. A publicidade do luxo é que mudou a linguagem para se adaptar aos valores dos millenials, que sim, ainda gostam de luxo, mas querem equilibrar isso com algum link com justiça social. (Paradoxal ? pode ser, mas é a realidade que o mercado enxergou, e não vai se desviar dela 🤷🏿‍♂️)

⬆️Chamada de matéria sobre o assunto na Veja

Alguém lembra da posse do Biden? Teve uma jovem ativista e poetisa negra que “roubou a cena”, Amanda Gorman, formada em Harvard e que estava vestida de Prada dos pés à cabeça… vide: https://youtu.be/zzPl4TXMK0g

Tem gente “temendo” que em breve Djamila apareça fazendo publicidade de plataforma de investimento, como se isso fosse um “pecado imperdoável”, o que é uma grande bobagem. Eu sou negro, ativista tem quase 35 anos, sou investidor na bolsa americana, nacional e em criptmoedas… e não teria problema nenhum em fazer publicidade para uma plataforma de investimento (alô mercado publicitário estamos aí viu ? 😉)

O problema da geral é não entender que lutar por igualdade é lutar pelo direito de não ficar só no gueto, de poder fazer e usufruir o que a capacidade de cada um possibilitar, sem ser limitado por preconceito, discriminação e desigualdade… .

Ativista não faz voto de pobreza, nem vive só de ativismo, a gente só quer a mobilidade social sem impedimentos artificiais… Afinal “A gente não quer só comida, a gente quer saída para qualquer parte, a gente não quer só dinheiro, a gente quer inteiro e não pela metade” 😉.


Deixe um comentário

PORQUE VOTO IMPRESSO É UMA ESTUPIDEZ

 ( Ilustração Sérgio Motcha)

Vou aqui rápida e sucintamente dizer porque.

1- O sistema manual de votação é altamente sujeito à fraudes isso é historicamente comprovado, “nenhuma corrente é mais forte que seu elo mais fraco”, ou seja, se em algum momento tiver uma ação manual na votação, seja colocando comprovante impresso em urna, levando comprovante com conteúdo do voto do eleitor para casa ou em uma posterior conferência manual da urna física, todo o sistema fica comprometido e reduzido na prática ao seu nível mais arcaico e falho.

2- NINGUÉM a não ser o próprio eleitor pode saber ao certo em quem ele realmente votou, outras pessoas não podem oficialmente saber quem votou em quem, se o eleitor quiser ANTES OU DEPOIS do momento eleitoral e fora das áreas de votação DECLARAR o voto é outra coisa, porém uma eventual mesa de conferência manual NUNCA vai poder ver quem votou em quem, no máximo ver a quantidade de votos em cada candidato, pois isso seria INCONSTITUCIONAL.

Trecho constitucional

3- O comprovante impresso com o conteúdo do voto RETIRA O SEU SIGILO constitucional, ele pode ser exigido posteriormente por políticos que compraram voto, lideranças religiosas, patrões e outros poderosos que induziram ou coagiram currais eleitorais, além de milícias que coagiram eleitores de suas áreas de domínio a votar em quem eles mandaram, aí é ainda pior pois o comprovante ou a falta dele coloca em risco a segurança e vida do eleitor. Isso, mesmo que não haja o comprovante para levar para casa, pois em eventual recontagem manual, pode haver infiltração que vai ter como saber quem votou em quem… .

4- Por tudo, não tem o menor sentido, imprimir em papel (obviamente com aumento do gasto público e custo ambiental) algo que já foi feito eletronicamente e a que uma mesa de conferência constitucionalmente não pode ter acesso… . A zerésima antes e o relatório impresso com os totais de cada urna já seriam suficientes para garantir a segurança e transparência da votação, mas além dessas tem mais 28 camadas de segurança, todas auditáveis, tá de bom tamanho né ?


Deixe um comentário

LAÇOS FORA, O RETORNO

Colagem

Outro dia fiz uma postagem em que manifestei o desconforto com a apropriação das cores e símbolos nacionais pela direita. Deu alguma polêmica pois há quem acredite que as cores e os símbolos devem ser “retomados”, não “entregues de bandeja” para os “nacionalistas reaças”. Eu particularmente sinto e já se começa a perceber, que há um sentimento generalizado e uma movimentação no mesmo sentido, por uma revisão dessa símbologia.

Não é incomum em todo mundo e períodos esse tipo de revisão, nos acostumamos com o verde e amarelo como representativo, com aquela “história mal contada” de verde das matas e amarelo do ouro e riquezas naturais, quando na realidade o verde na bandeira brasileira representou originalmente a casa de Bragança e o amarelo a casa dos Habsburgo, ou seja, a família imperial brasileira. Mais que a própria família imperial, o verde e amarelo representava um projeto aristocrata de nação, quando se fez independente da metrópole portuguesa, sem contundo uma ruptura sequer na monarquia que era a mesma… sem grandes mudanças para o povão, “mudamos” de colônia escravagista de mais de 3 séculos, para império escravagista por mais 67 anos.

Nem a abolição da escravidão nem a República foram suficientes para “refundar” a nação, seguimos mais de 130 anos sob as cores imperiais, mas não apenas sob elas, sobretudo sob um pensamento elitista, excludente e não menos repleto de coloniedades (e não que eu as vezes não me divirta com algumas coisas burguesas/nobiliárquicas).

Não à toa vemos hoje um presidente da República e não sei quantas pessoas sem nenhum “pedigree imperial” cultuado a bandeira imperial, não à toa o amarelo dos Habsburgo, que virou “canarinho” no orgulho nacional do imperialismo futebolístico de outros tempos (e não que não tenhamos mais “imperadores”, “reis” e outros “nababos de chuteiras”) e migrou para representação da paradoxal união da “alta toscolagem” com a”baixa toscolagem”, todos compartilhando o mesmo trevoso fervor e espírito nefasto e com as mesmas cores que um dia acreditamos que eram na verdade nossas, de todos nós, mas de certo não são mais.

Essa invenção chamada Brasil, que boa parte acredita que começou com um tal de Cabral chegando ao que ele inicialmente nominou de “Santa Cruz/Vera Cruz”, que se expandiu sob as cores da coroa portuguesa em seus estados americanos, mas outros acreditam que só passou a existir praticamente com a independência, de um jeito ou de outro teve várias bandeiras e cores ao longo do tempo, porém a ruptura do “laços fora” com o fim do Brasil colônia, não se repetiu com o fim do Brasil império… está aí para todo mundo ver.

Por mais apego e afetividade que tenhamos aos nossos símbolos, parece que chegamos à uma nova bifurcação de nossa estrada nacional, incontornável ao menos a discussão do que fazer com eles. Conforme diria proféticamente Eduardo Cunha no ato que abriu a “Caixa de Pandora” desses novos tempos, “Deus tenha piedade dessa nação”…


Deixe um comentário

INTOLERÂNCIA RELIGIOSA (de novo)

Hoje no jornal A Crítica saiu notícia sobre uma intolerância religiosa praticada por um padre na zona leste de Manaus, contra 4 integrantes das religiões de matrizes africanas que foram até a igreja pedir uma benção, ato que pessoalmente acho anacrônico, mas faz parte da tradição de iniciação.

Ocorre que a Igreja católica há muito não tem relação de discriminação com as religiões de matrizes africanas, pelo contrário, o respeito e acolhimento mútuo tem sido cada vez maior (até porque a esmagadora maioria dos adeptos das matrizes africanas são batizados e passaram por quase todos sacramentos da igreja católica) na há ou não deveria haver “antagonismo insuperável” entre católicos e afroreligiosos.

No entanto ainda temos sacerdotes e principalmente fiéis que ignoram isso e como de costume as caixas de comentários nos enchem de vergonha pela ignorância e intolerância registradas. Vejam e entendam, os tempos mudaram:


Deixe um comentário

AINDA SOBRE A QUESTÃO DO FETICHE BANDEIRANTE DE SP .

Vendo o jornal hoje, que tem o mesmo ponto que eu, repito que não é uma “questão com CPF” (se bem que CPF não existia na época, é um metáfora para a “fulanização” do caso), na realidade é uma questão de classe.

Borba Gato estátua não é uma biografia estrita, é no caso uma representação de classe,  classe essa historicamente responsável por crimes contra a humanidade, classe que funda e é resgatada pela elite paulista ( e suas “linhas auxiliares) que de uma forma ou de outra segue em várias instâncias, não apenas no estado mas em todo o país, produzindo opressões, explorações, genocídios… .

É contra tudo isso a revolta de uma periferia (do sistema) que cansou de uma narrativa distorcida e que modernizada continua a lhes matar e oprimir.  Vide Racionais MC’s:


“Desde o início, por ouro e prata
Olha quem morre, então
Veja você quem mata
Recebe o mérito a farda que pratica o mal
Me ver pobre, preso ou morto já é cultural
Histórias, registros e escritos
Não é conto nem fábula, lenda ou mito” (Negro drama)