Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

Mozart não era Negro (ou quando neoativistas queimam o filme)

Tem um pessoal por ai que se diz ativista de movimentos negros (ou melhor, de “movimentos pretos”…) prestando tremendo desserviço, não vá na deles. 

Há uma página sendo muito disseminada entre jovens ativistas e simpatizantes da causa negra, que tem como característica fazer um eurocentrismo avesso, ou seja, assim como é comum e “tradicional” o branqueamento de figuras históricas, os mantenedores da página na intenção de pretensamente combater esse branqueamento, acabam por passar por cima e até forjar “evidências” tentando “enegrecer” quem nunca foi negro… . 

O caso mais gritante é o de Mozart. Tudo começa quando lá por 2010 ou 2011, o editor da revista Pride, dedicada à comunidade africana e caribenha do Reino Unido, afirma ser evidente a existência de um complô com a finalidade de ocultar a origem negra de Beethoven. Shabazz Lamumba, autor do artigo, afirma se tratar de um desejo dos brancos em se apropriar do compositor. Ai, algum iletrado que aparentemente  mal domina o idioma inglês, ou então muito mal intencionado, a partir  disso e de uma antiga campanha, feita para o lançamento de um novo programa (de Jazz)  em uma rádio belga (Rádio Klara) especializada em clássicos em que Mozart aparecia “black” (obra de photoshop), resolveu tomar como “verdade” que Mozart era “mouro” ou negro.  Não era. 

Imagem alterada de Mozart para a campanha da rádio Klara.

Para piorar, mistura o caso com o de Joseph Bologne, também conhecido como  Chevalier de Saint Georges.  Esse sim um negro, filho de um nobre francês com uma escrava  que tinha no Caribe ( Nanon, da ilha de Gadaloupe) . Incrivelmente o nobre assumiu o filho (e discretamente a mãe) quando teve que retornar as pressas para a França, educando-o com o que havia de melhor. 

Joseph Bologne tornou-se um exímio esgrimista e mestre da música, tão bem sucedido e famoso em sua época,  que acabou por inspirar Mozart. Hoje muitos se referem a ele como “Black Mozart”, “Mozart noir” ou “Mozart negro” (mesmo tendo sido ele o “inspirador” não o inspirado)…

Portanto meus caros e minhas caras, não seria preciso “forçar a barra” intentando tornar Mozart negro, para fins afirmativos, quando já se tem um real negro entre os mestres da música clássica, que inclusive inspirou o mestre Mozart… . Tiro no pé, pura e simesmente.

Melhor seria divulgar a pouco conhecida história de Joseph Bologne… (link abaixo)

http://pqpbach.sul21.com.br/2016/01/25/joseph-bologne-chevalier-de-saint-georges-1747-17992-concertos-do-violinista-negro-que-influenciou-mozart/

Anúncios


Deixe um comentário

O caso Thogun Teixeira

Thogun é rapper e ator, e está sendo acusado de estupro por uma camareira da produção da mesma minisérie global na qual ele estava atuando, até ser afastado preventivamente por conta da questão. Não conheço o ator, que nega o estupro e afirma ter havido uma relação consensual, mas conheço o seu Advogado, Humberto Adami (por isso a fotomontagem em que aparecemos juntos)

Eis ai o ponto em que ancoro a postagem. Não é a primeira vez que um homem negro, famoso ou não, é acusado de estupro, e cabe lembrar que em todos esses casos o fator racial foi importante variável não apenas na formação da opinião pública, como nos desdobramentos policiais e judiciais. E o nosso caro Dr. Adami não por acaso é o titular do IARA-Instituto de Advocacia Racial e Ambiental, especializado em causas que envolvam as questões constantes do próprio nome do instituto, e conhecido pela atuação em muitos casos famosos e emblemáticos.

Ao contrário dos que acorreram para nas redes sociais fazer “defesa prévia” ou “inocentar” o jornalista Willian Waack, afastado da mesma Globo, após vazamento de comentário racista, aqui não tem pacto narcísico nenhum, nem racial nem machista.

Apesar da História estar repleta de casos em que não apenas a culpa não se demonstrou, como onde houve erros judiciários tremendos posteriormente demonstrados, vamos aguardar o resultado das investigações e se for o caso julgamento. O que se pretende marcar é que o Advogado é bom, e tem histórico em boas causas… .


Deixe um comentário

Pacto narcísico, sabe o que é ?

A partir de um olhar voltado para as relações raciais é possível entender o conceito apresentado na definicão de Cida Bento em sua tese de doutorado de 2002 :

“[..] um pacto entre brancos, aqui chamado de pacto narcísico, que implica na negação, no evitamento do problema com vistas a manutenção de privilégios raciais.

O medo da perda desses privilégios, e o da responsabilização pelas desigualdades raciais constituem o substrato psicológico que gera a projeção do branco sobre o negro, carregada de negatividade. O negro é inventado como um “outro” inferior, em contraposição ao branco que se tem e é tido como superior; e esse “outro” é visto como ameaçador.

Alianças inter-grupais entre brancos são forjadas e caracterizam-se pela ambigüidade, pela negação de um problema racial, pelo silenciamento, pela interdição de negros em espaço de poder, pelo permanente esforço de exclusão moral, afetiva, econômica, política do negros, no universo social.

Neste contexto é que se caracteriza a branquitude como um lugar de privilegio racial, econômico e político, no qual a racialidade, não nomeada como tal, carregada de valores, de experiências, de identificações afetivas, acaba por definir a sociedade.

Branquitude como preservação de hierarquias raciais, como pacto entre iguais, encontra um território particularmente fecundo nas Organizações, as quais são essencialmente reprodutoras e conservadoras. “(BENTO,2002)

(BENTO, 2002)

Portanto, se você sendo “branco(a)” não se enxerga como racista, não acha que tem privilégios e facilitações por ser branco, acha que falar em raça ou denunciar preconceito, discriminação ou desigualdade social derivada da secular construção racial hierarquizada é que “produz divisão e o racismo”, não respeita a opinião de pessoas negras nem lhes reconhece autoridade na fala (mesmo sendo especialistas reconhecidos social e acadêmicamente), se coloca contra Ações Afirmativas com recorte racial, utiliza termos como “mimimi”, “vitimismo”, e desanca ativistas e o “politicamente correto”, VOCÊ ESTÁ EM PACTO NARCÍSICO BRANCO.

E isso significa que mesmo não tendo percebido, é no mínimo METARACISTA e ajuda com suas manifestações a manutencão do STATUS QUO e seus preconceitos, discriminações e desigualdades. Agora, tendo sido alertado, cabe buscar desconstruir a si mesmo e sair desse pacto e se juntar aos antiracistas ou permanecer nele, porém consciente que não está “do lado dos mocinhos”.

Referência

BENTO, Maria Aparecida Santos. Pactos narcísicos no racismo: Branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público.(Tese de doutorado), São Paulo: Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, Departamento de Psicologia da Aprendizagem, do Desenvolvimento Humano. 2002 . disponível em http://bdpi.usp.br/single.php?_id=001310352


1 comentário

O que é Consciência Negra ?

Vendo por ai um monte de gente que ainda não entendeu o que é CONSCIÊNCIA NEGRA, que quer dizer “Entendimento sobre a problemática Negra” (que passa inclusive pelo entendimento sobre branquitude e privilégio branco) , coisa necessária para negros e não-negros pois só assim se começa a erradicar esse mal social que é o racismo e a desigualdade social de fundo e motivação racial.

Portanto CONSCIÊNCIAS as há e são necessárias sobre diversas outras questões que tem criado desigualdades e reais separações entre a humanidade, muito embora não sejam assim nominadas e conhecidas.

Negar a necessidade de conscientizações justas e válidas sob pretexto de que “causam separações e não focam no humano” tem a mesma lógica de dizer que os controladores de avanço de sinal de trânsito e velocidade ” criam e aumentam” as infrações…, quando na realidade eles apenas registram o que antes não se flagrava e não podia se penalizar e inibir… .

Ou seja, com suas “anticonsciências” ou defesa da “Consciência Humana” em detrimento de uma prévia conscientização sobre os recortes humanos minoritários tradicionalmente prejudicados, na verdade se colocam ao lado dos que querem manter um mundo de injustiças… .


Deixe um comentário

Traficante e “evangélico”: paradoxo identitário, executor de intolerância.

Uma imagem vale mais que mil palavras…

A recente repercussão dos casos de intolerância religiosa mediante a coação por  traficantes que obrigaram sob a mira de armas, sacerdotes de matriz africana a destruir com as próprias mãos os seus templos e símbolos  religiosos, acendeu uma questão paralela, a de evangélicos se insurgindo contra a  qualificação de tais agressores como traficantes “evangélicos”. A argumentação é de que é incompatível a condição de criminoso com a de evangélico, logo, tais traficantes perpetradores não seriam evangélicos, nem devem assim ser citados (aliás, adotamos por respeito ao sentimento dos que discordam de tal associação, a prática de utilizar aspas no termo evangélico sempre que a utilização aponte para um emprego questionado ou em disputa conceitual).

Ocorre que a argumentação citada é uma falácia ao estilo Ad hoc “Todo escocês verdadeiro”, pressupondo que uma identidade é integra e homogênea, apenas admitindo em seu escopo certas características que se pretendem essenciais e sempre presentes, isolando e negando como representativos os elementos divergentes do “mainstream” e consequentemente a sua utilização como exemplos em debate. A construção de identidades gira em torno de 3 eixos, o primeiro é como a pessoa se vê, o segundo é como ela é vista pelos outros e o terceiro é a realidade, a qual tanto influencia as duas primeiras percepções quanto pode ser influenciada por elas.

Se a pessoa se enxerga, se assume ou externa publicamente como tal,  ou é assim enxergada por outras pessoas (mesmo que não todas) e há fatos que se alinham com a primeira ou segunda premissas, já temos uma validação identitária. Por exemplo, a pessoa é batizada em igreja evangélica, frequentou ou frequenta cultos, faz parte de família com histórico evangélico, reproduz discurso, estética e jargões,  inclui no gosto musical estilo característico “gospel”, ou  é um sacerdote,  e não necessariamente todas as características precisam estar presentes, já é suficiente para que se tenha uma definicão identitária, mesmo que falte algo de essencial ou sobre algo paradoxal. O fato de não ser um evangélico “ideal”, por si só não inviabiliza que a pessoa se veja ou seja vista como tal,  ou possua na realidade social práticas que a vinculem à identidade evangélica.

Portanto, dizer que determinada pessoa não é evangélica por não ser “ideal”, seria o mesmo que dizer que padres ou fiéis católicos que cometem crimes não são católicos, que quem se vê e é visto como umbandista ou candomblecista jamais cometeria crime, ou ao cúmulo de que policiais que praticam crimes, não são policiais…, quando na verdade são, afinal, tem registro, documento, recebem vencimentos do estado, quando militares usam fardas, usam equipamentos restritos e estão vinculados a unidades policiais…, são no entanto MAUS POLICIAIS, em desacordo com a essência policial, as regras e a lei, mas até serem expulsos, apesar de bandidos são também policiais… .

A autoidentificação como evangélico, ou o reconhecimento social como tal, precisam de muito menos elementos de realidade e vínculo que o caso dos policiais, não é portanto menos acolhedor de paradoxo, pelo contrário, centenas ou milhares de casos concretos na imprensa demonstram que não há a necessidade do evangélico ser ideal para assim se reconhecer ou ser reconhecido e qualificado.

Bons exemplos:

É interessante notar que mesmo quando o pertencimento é colocado em dúvida ou entendido como falso ou de conveniência, encontramos elementos identitários que apontam para um nível de pertencimento aparentemente real, como no caso da “falsa família evangélica” que no entanto na hora do desepero apresentou “sinais de  fé” ao estilo: “Quando já estavam no corredor da delegacia, os sete integrantes da família presa, começaram a orar, gritar pelo nome de Deus e Nosso Senhor Jesus Cristo, além de cantar hinos de louvor, pedindo até pelas suas libertações de onde estavam naquele momento. Mas o delegado garantiu que da Delegacia, os traficantes presos seguiriam direto para a Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa.”

Não é portanto insistindo em falácias argumentativas ou malabarismos semânticos visando “desconectar” os desviados de uma identidade evangélica idealizada, desvencilhando-se de uma autocrítica identitária, que a questão que de fato importa, a intolerância religiosa,  ganhará combate geral. Enquanto for mais importante questionar a adjetivação e pertencimento religioso de criminosos, do que se insurgir contra a  intolerância e  violência que se abatem sobre pessoas humanas de credo diverso, a intolerância seguirá campeando, e em mais um paradoxo, com a ajuda dos que se dizem “verdadeiramente” cristãos.


Deixe um comentário

Privilégio branco, esse “impercebido”

Venezuelana vendedora de picolé no T2 em Manaus causa barulho nas redes sociais / Divulgação

Dizem que a gente é chato por problematizar as coisas…, matéria em Manaus dá conta de que venezuelana bonita que vende picolés em terminal de ônibus recebeu proposta de emprego com carteira assinada após outra matéria e viralizar nas redes sociais (link ao final).

Indo direto ao ponto…, o fenômeno social por trás disso é o mesmo da comoção que levou a “resgates” como o da “mendigata”, do “mendigato”, do ex-polegar Rafael e mais recentemente do crackudo Von Richtofen…, isso se chama PRIVILÉGIO BRANCO…, é “duro demais” para muitos, ver gente branca (se for bonita pior ainda) ocupando lugares sociais “inesperados”, ou seja, fazendo coisas que se não fossem brancos, ninguém sequer perceberia ou se incomodaria… 😒 #PrivilegioBranco
https://noamazonaseassim.com.br/venezuelana-que-chamou-a-atencao-por-vender-picole-no-t2-ganha-um-convite-especial-em-manaus/

#MentalidadeRacista #RacismoEmaisDoQueSePercebe #Consciencia

 


Deixe um comentário

Sobre um vídeo louco…

Sou contra linchamentos virtuais, mas também sou contra a falta de limites e a fala criminosa travestida em “direito de expressão”. Essa figura abjeta cujo nome é ALTAIR GENÉSIO, do RJ (foto abaixo) e autor de um vídeo absurdo e viral (que me recuso a reproduzir), não pode ser considerado uma pessoa normal, só pode estar gravemente adoecido pela confusão das ideias, pela fusão da mais tresloucada homofobia com o fanatismo religioso, caso para uma internação judicial para tratamento psiquiátrico.

Mais que veemente repudiar a pessoa, meu repúdio vai para as ideias expressas e principalmente para todos que sob uma capa de conservadorismo retrógrado e/ou fanatismo religioso endossam e estimulam o mesmo discurso.

Por fim, quero lembrar aos que para criticar o discurso se atentaram também ao fato de ser uma pessoa negra, primeiro é importante deixar  claro que não há qualquer vínculo (e nem o mesmo coloca) entre a sua condição de negro e seu discurso tresloucado, logo não há qualquer “representatividade”, sequer intenção, que mereça por esse viés referência ou repúdio. Aliás, essa é uma prova óbvia do que dizia o Dr. Martin Luther King Jr. :

“Os negros são humanos, não super-humanos. Como qualquer um, possuem personalidades diversas, interesses financeiros e aspirações distintas. Há negros que jamais lutarão pela liberdade, há outros que procuram obter com a luta, vantagens pessoais e há outros que colaboram com os opressores. Tais fatos, não devem ser motivo de desespero. Todo grupo e todo povo possui sua parcela de covardes, oportunistas, e traidores. Os golpes do martelo do racismo e da pobreza fatalmente tem que perverter e corromper alguns. Não se pode pensar que o fato de um povo ser oprimido, leve todos os cidadãos a serem virtuosos e dignos.”

Portanto, olhem e batam no que realmente é o problema, uma mente humana envenenada e adoecida pelo conservadorismo retrógrado, ódio e fanatismo religioso.  Sem contemporizações.

image