Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

NFT, o novo estado da arte

Montagem com imagem da web e alguns dos meus NFTs à venda

Provavelmente você já deve ter ouvido ou lido nos últimos tempos, sobre as vendas milionárias e até bilionárias de peças de arte digitais, algumas inclusive de gosto e valor artístico totalmente bizarros.

O que afinal são NFTs ?

O termo é a abreviatura em inglês para Token Não Fungível, ou seja, um “receptáculo” digital que representa um contrato com valor ou coisa nessa forma, utilizado nas redes Blockchain via internet e são à prova de fraude.

Diferente dos tokens fungíveis que representam um valor que se pode usar para trocas com valor estabelecido igualmente para todos os tokens do mesmo tipo, funcionando por exemplo como dinheiro digital (ex. imagine o token como uma nota ou moeda, toda nota de 10 reais vale 10 reais, certo ? e pode ser trocada por outras menores perfazendo o mesmo valor ou agrupadas para perfazer um valor maior. Podendo ainda ter câmbio com outros tipos de moedas fiduciárias como o dólar, usando uma cotação geral). Já os tokens não fungíveis são registros na Blockchain utilizados em geral para coisas únicas ou raras, o que confere a cada token (ou tokens sobre a mesma coisa) um contrato com valor inicial até indicado, mas totalmente subjetivo ao longo do tempo, o que é propicio para leilões.

Por isso é que o NFT se encaixa perfeitamente para vender arte digital de todos os tipos: música, literatura, imagens, colecionáveis… ou outros tipos de registro público “infraudáveis” que podem representar digitalmente algo no mundo real ou produto da imaginação. Além é claro servir de prova de propriedade intelectual e autenticidade. Várias bandas e artistas já estão trabalhando com a tokenização de tiragens limitadas de seus albúns, o que é muito mais vantajoso que o padrão até então imposto pelas gravadoras.

Ou seja, caso você produza ou possua conteúdo desses tipos pode “tokeniza-lo” e colocar à venda e de repente ganhar uma grana muito acima do esperado no mercado tradicional.

Já são várias os sites que permitem você tokenizar e vender online suas peças artísticas. Em geral há um custo para “cunhagem” do seu NFT, que é cobrado no mais das vezes de um saldo na cripto moeda Ethereum, que se deve depositar em uma criptocarteira como a metamask (gratuita). Também é possível em alguns desses sites tokenizar sua arte  sem pagar a taxas chamadas de GAS, o que faz que apesar de necessitar ter uma criptocarteira, não precise botar dinheiro no processo, apenas pagará comissões no caso de venda, cujo pagamento também vai automaticamente para a sua criptocarteira.

Ah! outra coisa interessante é que você também ganha nas vendas seguintes ou secundárias. Ex. você ficou inseguro precificou baixo e vendeu hoje por mil, mas quem comprou, mais adiante conseguiu vender por um milhão, você então recebe um percentual disso e de cada nova transação, que normalmente é de 5 a 10%. Bom né ?

Para não ficar de fora dessa rara oportunidade de ficar rico de repente, já tokenizei via fotografias e montagens digitais, algumas das peças de arte que possuo e registros de momentos históricos que podem vir a ser vistos como de valor. 😉 Para isso utilizei a mintable , um dos sites que permitem fazer isso sem gastar.

Para dar uma olhada nos meus NFTs basta entrar no link acima e na caixa de pesquisa do site buscar por “jjunior” . 🤑


Deixe um comentário

Beyoncé e o retorno às raízes

Me dá um desalento essas “idas e vindas” das discussões dos movimentos negros. Tudo bem que as novas gerações não estavam no planeta quando isso estava “quente”, por isso acham que vários assuntos são novos, acham quem estão avançados ou “pisando terreno novo”.

Por isso que é importante a memória. Faz parte da essência afro o ouvir os mais velhos, os que vieram antes, o conceito de “griot” que vai muito além da contação de histórias. Importante seria que todo mundo buscasse a história dos movimentos, a evolução dos paradigmas e demandas na população ao longo do tempo, antes de  “reiventar a roda” e achar que está sendo “original”.

Vendo o povo às turras por conta do filme da Beyoncé, discutindo se a mensagem de “retorno à África” (mítica)  é literal ou “filosófica”, de resgate de raízes e conhecimentos.  Se estivessem no planeta e conscientes 40 anos atrás, lembrariam da banda norte-americana ODISSEY performando “Going back to my roots” (“Voltando às minhas raízes) e teriam a resposta… :

“To the place of my birth
Back down to earth
Ain’t talkin’ ‘bout no roots in the land

Talkin’ ‘bout the roots in the man
I feel my spirit gettin’ old
It’s time to recharge my soul”

Tradução: “Para o local do meu nascimento
De volta à terra (planeta)
Não estou falando sobre raízes na terra

Falando sobre as raízes do homem
Eu sinto meu espírito ficando velho
É hora de recarregar minha alma” .

Obviamente se está falando de valores ancestrais DA HUMANIDADE INCIPIENTE, que surge em África… uma África mítica, que não necessariamente é a terra africana atual, que também passou por processo eurocentrico e perdeu boa parte da cultura e filosofia originária. Não uma filosofia e lógica perversas e destrutivas  como as que temos no ocidente, mas como os vestígios que ainda encontramos no UBUNTU ou nas cosmovisões que sobreviveram em África e na diáspora africana.

Cabe lembrar, que para o afroamericanos, que foram muito mais colonizados mentalmente, a ponto de normalmente não terem referências culturais e espirituais “africanas”  como nós afrodiaspóricos temos, essa busca de raízes africanas é muito mais distante, longa e complicada. Daí que tendem a ir ainda mais distante no tempo e espaço para encontrá-las…

O texto da burundiana Judicaelle Irakoze expressa uma posição jovem mas que não “joga a criança fora com a água da bacia”, traz uma visão muito sensata de como o resgate da africanidade deve ser encarado: “Por que devemos ter cuidado ao assistir ‘Black Is King’ de Beyoncé” https://medium.com/@allankardecpereira/por-que-devemos-ter-cuidado-ao-assistir-black-is-king-de-beyonc%C3%A9-eead653fa9ac


Deixe um comentário

Será racismo? ou só falta de noção?

Em agosto estive em Recife e achei super estranho grandes vacas como “marca” ou sei lá o que de uma rede de drogarias. Não conhecia a rede mas parece estar em todo Nordeste.

Bom, ocorre que em uma ação de marketing de tal rede criou a “CowParade” (literalmente Parada da Vaca), com diversas intervenções artísticas sobre as vacas símbolos, em Salvador salvo engano foram 60. A ideia era homenagear a cultura local. Ocorre que alguém teve a polêmica ideia de “homenagear” a baiana do acarajé, de fato emblemática figura da cultura local, “vestindo” uma das vacs com trajes alusivos, mas não apenas isso, alternado a cor da vaca para o “marrom” característico de parte da população negra .

Na minha opinião, não creio que tenha havido uma consciente intenção “ofensiva” ou “racista”. Mas uma insensibilidade, falta de noção e no mínimo “despreocupação” com a possibilidade da intervenção vir a ser interpretada sem uma maior reflexão sobre o contexto e em primeira mão, como uma mera “animalização” da baiana do acarajé, e por consequência, também do vínculo simbólico entre a imagem da baiana e das praticantes dos cultos afrobrasileiros… .

Essa “despreocupação” e falta de sensibilidade com o sentimento negro, de certa forma é parte da estruturação racista, portanto, ao menos nisso é importante sim fazer lembrete, para que os responsáveis por essas campanhas e seus clientes, passem a ter compromisso profissional de evitar semióticas racistas.

Divulgação


Deixe um comentário

Coringa: a ascenção dos palhaços medíocres e enlouquecidos.

Ao sair do cinema prometi que ia ter “textão”, agora acho que não será assim tão extenso, mas de certo minhas impressões e reflexões estarão nas linhas abaixo.

Não vou fazer redundantes loas à atuação magnífica do protagonista dessa última versão do velho “Joker”, todas anteriores tiveram suas impressionantes e inovadoras atuações, Phoenix é “o melhor da vez”.

O filme é todo “maravilhoso” em todos os aspectos, será um “celeiro de oscares”, então vou direto às minhas impressões e reflexões.

O filme é TODO do Coringa, não notei uma única cena aonde ele não estivesse “presente” ou em perspectiva, até nos “flashbacks” lá estava ele. A primeira conclusão a que cheguei é que o Coringa é um produto das circunstâncias, o resultado de uma infância cruel, de uma “vida perdedora” e de um ambiente hostil e desumanizador, não descartada a sua própria loucura, que até poderia ter ficado sob controle, não fosse a insistência da vida em traze-la ao exterior e potencializa-la ao extremo.

Daí que oscilei entre a empatia inicial com o personagem e o horror com o que se tornou no processo, Coringa é um vilão desprezível e já pouco importa se foi vítima das circunstâncias, é um louco desnecessariamente cruel.

Agora, o que me tocou especialmente, é o link com o contexto em que vivemos. Impossível não associar com o Brasil de hoje, o símbolo que o Coringa se tornou dos frustrados medíocres e “justiceiros” palhaços de Gotham City (não sei se isso pode ser considerado Spoiler, mas não tem como eu falar de um filme sem citar minimamente coisas que ocorrem nele. Ademais penso que isso não atrapalha em nada, pelo contrário, como diz essa matéria da Rolling Stones).

Como não ligar a imagem de um “líder palhaço”, medíocre e violento, quando temos hoje no comando da nação um líder que se distinguiu por uma risada, piadas sem graça de “tiozão do pavê”, uma “tosquice orgulhosa”, defesa de pautas violentas e tem o apelido de BOZO (justamente um palhaço célebre) ???? .

Me impressionou, o que os atos violentos do Coringa, mesmo os não premeditados fizeram afluir na população frustrada de Gotham, a “identificação” e aprovação popular revelou que ele não estava só, ao “subirem a hashtag” #somostodospalhacos, eu vi o meu país de hoje, com uma parte da população ensandecida e agindo como “gado” em um estouro da boiada.

Quando esse “gado” se sente representado e animado por uma liderança, ele começa a atuar como a conhecida analogia do “Guarda da esquina”, a partir dos seus exemplos, discursos, ou ao menos o que imaginam ser as mensagens expedidas. O ódio que o Batman nutre pelo Coringa, não foi por um ato direto dele, mas por ele provocado. Essa ascenção dos palhaços empurra Gotham City para o caos, para a ditadura da mediocridade, da tosquice e da necropolítica.

Gotham City é aqui.


1 comentário

“De um historiador para outro”, ou jornalistas que escrevem história popular.

Com o jornalista/escritor de história Eduardo “Peninha” Bueno, em Florianópolis.

Aproveitando a data histórica do 7 de setembro e os já tradicionais “chororôs” de historiadores acadêmicos contra jornalistas históricos, vou dar meu pitaco.

Eu acho que independente de ser jornalista ou não, o desconhecimento de História é que é problema. Por outro lado, não creio que apenas historiadores acadêmicos tenham “lugar de fala” sobre questões históricas , tem muita gente que gosta de História, pesquisa independentemente e tem muita moral para dar pitaco, aliás, as vezes com muito mais propriedade e sucesso.

O povo até gosta de História, mas na perspectiva popular os acadêmicos são “de dar sono”, não tem estilo, não se valem de truques literários, não tratam de passar a ideia principal fluidamente, se travam nos detalhes e nas “citações a cada linha”. Por tal, não é raro que historiadores acadêmicos (parece redundante mas de fato não é) reclamem que livros históricos de jornalistas e outros os deixam ricos e famosos porque vendem muito mais que o de historiadores… . Pela lógica não é difícil imaginar o porque da vantagem né ? 🤷🏿‍♂️ .

Cabe observar que jornalistas históricos ou outros escritores sobre História, exercem ofícios distintos do historiador, embora muitos não entendam assim, os primeiros não estão limitados pelo mesmo compromisso com paradigmas, rigores e métodos que o ofício de historiador exige. Com isso podem criar uma narrativa menos densa, mais fluida e agradável ao grande público, com o consequente guindamento à categoria de “best-sellers” e autores “pop”.

Enquanto historiadores desejamos atingir o povão, mas ficamos em geral “travados” pela episteme e mesmo certa arrogância acadêmica…, logo, nossa produção, é nato-científica, voltada essencialmente para a própria academia e não literatura no sentido estrito da narrativa recreativa. Mesmo quando abrandada para o formato livro ou produzida já com intenção popular, não tem condições de competir nas prateleiras e no gosto popular com o tipo de narrativa realizada com o “estilo pop” dos best-sellers.

Eu particularmente gosto de Jornalismo histórico, desde que conte as histórias com bom nível de honestidade e base… a exemplo do Eduardo “Peninha” Bueno… . Ontem tive a oportunidade de assistir uma palestra dele em Florianópolis, gente… simplesmente sensacional 🤷🏿‍♂️ não à toa ele sempre lembra:

” ‘Istoriador’ com I maiúsculo era minha piada preferencial sobre mim mesmo, só que ela acabou. Eu me apresentei assim em uma palestra em Parati e, ao terminar, o Eric Hobsbawm falou: ‘A piada é boa, mas você não vai mais poder usá-la porque o autógrafo que vou te dar é um rito de passagem’. E escreveu: ‘De um historiador para outro’. Eu também não me acho historiador, mas não é o que diz o Hobsbawm” (Eduardo Bueno)….🤷🏿‍♂️


3 Comentários

Chico não vai na curimba, por quê ?

Muitas músicas de sucesso fazem referências a coisas das religiões afrobrasileiras, muita gente gosta das músicas, mas as vezes nem percebe o contexto ou conceitos e termos que rolam.

Bom, a famosa música do Dudu Nobre e Zeca Pagodinho, todo mundo conhece, mas não faz muita ideia da motivação e das referências nela contidas. Por sugestão da minha querida filha única, vou falar brevemente sobre “Chico não vai na curimba”.

Bom, para começar “Corimba” ou Curimba” é uma forma “íntima” ou “carinhosa” de se referir à parte musical nos rituais de religiões de matrizes africanas, principalmente na Umbanda e similares, menos assim referido nos Candomblés, ou seja, é a percussão e o canto, quem atua nessa parte é um “curimbeiro”.

Na música tem referências a gonga (também dito conga), um “altar” com imagens de santos, orixás, caboclos, entidades, enfim. Também fala de práticas como tomar “água de moringa” (que pode ser uma cabaça vegetal ou uma “ânfora” feita de barro), fazer “mandinga” (feitiços), saracutear (dançar), dar flores ao Orixá ( uma oferenda, para a divindade), banho de arruda ( para a limpeza espiritual e afastar “negatividades”) ou Abô ( banho para fortalecer).

Também fala em Babalorixá, que é um sacerdote de candomblé. Além de outras referências… .

Na verdade o “Chico da Curimba” existe, é um “roadie” o cara de confiança de um artista ou banda, que cuida da produção musical nos shows, acompanha despacho, montagem e desmontagem da aparelhagem, passagens de som, etc… .

O Chico, que na verdade se chama Francisco Otávio Reis, é também um grande e querido “bicão” da Lapa (aquele cara que faz participações no show dos outros) e “ganhou” a homenagem da dupla de sambistas que conheceu em 1999, na verdade uma grande zoação, já que o Chico, foi criado por evangélicos, é casado com uma católica fervorosa que o arrasta para a missa aos domingos, porém apesar de boêmio e viver no meio do samba ( e ter sido convidado pelo Zeca para “curimbar” em terreiros por ai), nunca quis saber de nada com a “macumba”, como é “padrão” no meio… .

Então, não é que o Chico como sugere a música tenha “se revoltado” e abandonado a religião, na verdade ele nunca foi dela…”, mas o bom humor da dupla não deixou passar a oportunidade de zoar o “Chico da Curimba” que de curimba só tem o apelido.


Deixe um comentário

A dor por um Machado não branco

Machado de Assis, o grande escritor brasileiro era um afrodescendente. Mesmo sendo um fato já notório, constante da sua biografia, ainda há gente “lutando” por um Machado de Assis branco, inconformada com a representação mais realista que se anda fazendo dele.

Essa “briga” por um Machado branco só se pode mirar sob título de uma reação que visa prorrogar a ideologia de branqueamento e embranquecimento não apenas de grandes vultos da história brasilera, mas também da própria população… como se pode depreender deste trecho de texto meu de 2006…

Portanto essa posição é hoje indefensável, primeiro porque é de amplo conhecimento dos historiadores e estudiosos da temática étnico racial, a tradicional prática do “retrato americano”, técnica de pintura que visava “branquear” cor e traços de não brancos de fins do XIX. Segundo porque há fotos originais em que é perceptível que a tez de Machado não era branca. Terceiro porque há registros escritos sobre sua condição de “mulato”, bem como com sua descrição física, a exemplo:
“Mulato, ele foi de fato, um grego da melhor época. Eu não teria chamado Machado de Assis de mulato e penso que nada lhe doeria mais do que essa síntese. (…) O Machado para mim era um branco e creio que por tal se tornava; quando houvesse sangue estranho isso nada alterava a sua perfeita caracterização caucásica. Eu pelo menos só via nele o grego” (Joaquim Nabuco, em carta a José Veríssimo, após a morte de Machado de Assis).

O texto é claro e não dá margens para outra interpretação, ao iniciar com “Mulato, ele era de fato, um grego”, o que Nabuco está colocando é uma realidade (Mulato) contra a perspectiva moral que tinha de Machadot (equivale ao “classico negro de alma branca) . Em outro trecho diz “PARA MIM era branco e creio que por tal SE TORNAVA”, ou seja, novamente admite uma contradição entre o físico e a percepção que tinha do “lugar social” de Machado. Ao dizer “EU PELO MENOS, só via nele o grego” novamente reforça ser uma visão pessoal, que pela simples colocação deixa claro não ser a única possível nem unânime…

Ou ainda

Ou ainda

Em 30 de setembro de 1933, o escritor Humberto de Campos, ao escrever um artigo para o ” Diário de Notícias”, traçou o seguinte perfil do colega Machado de Assis, a maior glória da literatura nacional de todos os tempos:
“Era miúdo de figura, mulato de sangue, escuro de pele, e usava uma barba curta e de tonalidade confusa, que dava ares de antigo escravo brasileiro, filho do senhor e criado na casa de boa família. Era gago de boca, límpido de espírito e manso de coração. E tornara-se pelo estudo e pelo trabalho o mais belo nome, e a glória pura e mais legítima, das letras nacionais”.

Uma foto pouco conhecida, publicada na revista argentina “Caras y Caretas” de 1908 mostra um Machado de traços notadamente afrodescendentes.

Igualmente, foto sem retoques e de conhecimento público desde 1957, não deixa dúvidas sobre a tez escura de Machado…

Portanto, não há nada de “fantasioso” em devolver à representação de Machado uma mais realista aparência.


Deixe um comentário

SOBRE O ABATE RELIGIOSO E A REAFIRMAÇÃO PELO STF

Não poderia ser outra a decisão frente ao direito claramente colocado na constituição, no estatuto da igualdade racial e a partir do conhecimento mais aprofundado e não preconceituoso sobre os cultos afros e suas premissas.

Tem um filme muito bom que fala dessa “culpa cristã” e da intenção de uma religiosidade afro “vegana”, tolerável aos olhos e sentidos eurocentrados, o que contraria os fundamentos essenciais das tradições e que não podem dispensar o sacrifício, o sangue, que nada tem a ver com tortura ou maus-tratos aos animais.

O interessante é que até os não veganos, que pouco se importam com a forma como vivem e são abatidos os bichos que vão parar em suas mesas, entram nessa de querer acabar com o abate religioso, mas nem pensam sobre o abate que lhes alimenta no dia a dia… .

Nessa se lascaram… AŚE 7 X 0 Hipocrisia & Eurocentrismo . ✊🏿


Deixe um comentário

O Negro e o Boi-Bumbá 2018, Caprichoso ou Garantido, qual o melhor ?😉

Chegou o fim de semana mais esperado no Amazonas. Seguindo uma tendência dos últimos anos, de reconhecimento e valorização da presença negra na formação da cultura e população amazonense, os dois bois lançaram toadas sobre o tema (o Caprichoso inclusive com participação da cantora Alcione na gravação oficial).

Veja nos links que seguem:

Garantido

https://youtu.be/NoYxeuNxRWE

Caprichoso

https://youtu.be/fjmipTfIzfk

E ai ? na sua opinião, foco na música, arranjos e pertinência temática qual toada ficou melhor ?


1 comentário

Mais uma bola fora neoativista: o colorismo dando “tiro no pé” da causa negra.

A manchete estampada na figura abaixo explica do que falo nesta postagem muito sucintamente.

Indo direto ao ponto, mais uma vez o neoativismo “negro” fazendo das suas, negro está aspeado pois esses neoativistas apesar de serem vistos e citados como negros e do movimento negro, não entendem nem representam o pensamento médio e nem se atém à premissas basilares do movimento negro tradicional.

Vou poupar tempo de escrita e ao invés de explicar aqui o que penso sobre o colorismo desatinado desses neoativistas deixo o link para um texto meu de 7 anos atrás, e que hoje me parece super atual…

MOVIMENTOS NEGROS OU MOVIMENTO PRETOS: A ABRANGÊNCIA X A RADICALIZAÇÃO

A escolha de Fabiana Cozza foi submetida à família e mais, aprovada pela própria Dona Ivone em vida, dada a proximidade das duas, conforme declarado pelo neto de D. Ivone, ai chega meia dúzia de “cromopatrulhadores” e “entendem” que nada importa além do matiz exato de pele… .

Pois é, não temos que nos calar contra as besteiras e DESSERVIÇO à causa que essa turminha radical vira e mexe produz. Não dá para “passar o pano” só porque são negros e negras que em tese estão do mesmo lado da luta, podem estar mas estão equivocados, e diz o ditado: “Quem não ajuda, não atrapalhe” … .