Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

Minha microdissertação em Blockchain & Criptocurrency (em inglês)

Blockchain & Criptocurrency

Juarez C. da Silva Junior

juarez.c.silva@gmail.com

(Brazil, 2021)

Blockchain

it’s a recording system of transactions based on database and networks, the name gives a basic idea of the thing, processing of blocks of data containing transactions in a chained way, like a big digital ledger, it’s immutable and fraud proof, which could be used for several things like digital assets, authentication and identification, beside others.

Centralized, descentralized and Distributed networks

Centralized network is the one with a single network “owner”, only that point allows information sharing to the others. In another hand, descentralized network has several “owner points” interconnected, it’s possible to “divert routes” of sharing in case of failures and also to maintain backups. The distributed network completely ends with the possibility of centralization, all points can communicate with each other.

So, blockchain is trully descentralized or distributed network? How is the block structure?

Well, we can say there’s a mix of the shapes, since the data is not saved in a single organization and only one server, but among all the miners and other actors on the network. The exchanges for example have internal centralization, but they work as descentalized points for the network, so all information on a blockchain can be found in all of network machines, means distributed too. 

About block structure, basically a block is composed of a header and a body.  The header contains the hash from the previous block, a timestamp, the nonce (arbitrary number) and the Merkle root. Merkle’s root is obtained from the combination of the hashes of the various transactions in the body. In it is the Merkle tree, a combination of transactional hashes and the data of transactions, as input, output, timestamp, signature, value.

Mining farm and Bitcoin pricing

The process of obtaining new coins to the market is called mining. It’s done by the validation work of miners over transaction blocks, which with their machines solve mathematical problems that make this release, “farm” is nothing more than big sets of computers working together to solve such matters. 

Bitcoin’s precification is basically obtained from the suply and demand rule, as well as expectations and events in the real world. A mix of what happens to fiduciary coins and stocks. The higher demand higher price, lower demand or massive sales lower price. Mining difficulties, speculations with good or bad economic news or feelings overall or at specific market can influence as well.

Merkle tree

It’s a mathematical structure that allows the safe and unique identification and consistency of a block  in blockchain. Each transaction has a hash that’s like a hexadecimal code, from each pair of hashes forms a new hash a level above,

the combination of the pairs of hashes on this level are equally combined to form a new level up and so on until there is a single hash, which is an single-possible representation from the information on that block and is called Merkle’s root.

Ledger and a brief history of blockchain

In common accounting, a ledger is what contains detailed and updated records of a company transactions. When we talk about blockchain ledger we have a type of digital version of that in the general sense, it’s the general record of  block transactions processed in the network, but descentralized/distributed, all machines in the network maintains a copy of these records. In the case, ledger is public, immutable and fraud-proof.

The history of Blockchain doesn’t begin exactly with its development and application but with the concerns of the so-called Cypherpunks, in the early years of the 1990s. They were a group emerged in California and formed by mathematicians, programmers and cryptographers concerned about privacy and security in the growing wave of popularization of cyber technologies. From 2007, the Bitcoin project begins, which introduces the pratical basis of Blockchain technology use. In 2008, was launched an article signed by Satoshi Nakamoto, an alias, unconfirmed until today that it would really belong to. In 2010, the first purchase occurs by using bitcoin, at least publicized, two pizzas, for 10,000 bitcoins, it’s known that bitcoin was also used in dark transactions like in “Silk Road”. After that times the technology behind the Bitcoin became considered for other applications beyond the cryptocurrency itself, with the evolution of technology emerged the smart contracts, altcoins and a whole range of new descentralized applications.

Why should one use Blockchain? Cryptocurrencies definition and uses

There are several possible motives and uses, certain economic players have recently discovered advantages in the use of blockchain, for example safe validation of transactions. From this government and financial institutions think about implementing blockchain in their operations, companies and independent artists who depend on intellectual property can also benefit especially from this technology.

Although a lot of people have difficulty defining what is cryptocurrency, like the expert character performed by Elon Musk on Saturday Night Show, we can say that is what we can call descentralized digital money or coins, obtained and operated in a safe way in systems where the information and the data are encrypted in a blockchain network. Among the advantages is anonymity and the main, the non-control by  Governments.

Cryptocurrencies can be used, for adoption as a means of payment, international transfers with low cost and high speed, gambling, savings or investment, thanks to high value increase possibilities, can also be linked to niches   and specific projects.

 Cryptography and Bitcoin

Cryptography is a set of methods that are intended to prevent a third part of understanding the contents of a message, for long has been restricted to spies and military, but today is used in several types of communications and transaction validation.

Bitcoin was the world’s first cryptcoin, largely adopted as digital payment, and mostly as investment, possesses the biggest market cap of all and normally good valuation.

Bitcoin’s advantages and disadvantages 

Advantages

Decentralized service, no fees or else low, Safe network, anonymity, user control, not affected directly by inflation, worldwide utilization, normally good valuation.

Disadvantages 

Processing of transactions still relatively slow compared to altcoins, the Bitcoin network needs optimizing, It’s not popularly adopted as payment means yet, environmentally questionable mining process.

Bitcoin Wallet

Wallets, as his name suggests are locations to maintain money, in this case Bitcoin tokens, or other cryptocurrencies and  digital assets with lots or some security like access pins, long  recovery phrases, encryption, 2FA codes, dependeding on the choice. The types can vary, basically the wallets can be custody in exchanges, desktop

computers, mobile devices, can also be specific physical devices or even the so-caldepends per wallets.

Basically, you’re gonna need a Bitcoin exchange, and for use as a means of payment also a Bitcoin wallet. Exchange is where your fiduciary money will be converted to bitcoins, in it, you can also make the reverse process by getting fiduciary coin in exchange for your Bitcoins. For mere investment, swing trade or reserve it is possible to leave your Bitcoins taken into your wallet in your exchange account, but is recommended to keep a wallet in an external device of your own.

Bitcoin exchange, steps

The steps depend on some factors,

First create an account and then make a deposit, you can make an online deposit or  in person to your account at the exchange, sometimes buy it with a credit card too.

Second,  swap your fiduciary balance to Bitcoin, OK, you already have bitcoins.

Third, if you want, you can now transfer from your account wallet to your external wallet using Bitcoin’s respective address on it, you can also transfer it to any other valid address you want. With the Bitcoins in your personal wallet, you can then use them for payments and transfers.

Fourth, you can either buy or receive bitcoins in your own wallet addresses, and depending on your wallet, to make exchange with other cryptocurrencies.

Fifth,  withdraws in fiduciary currencies can be made indicating the address of  wallet to swap Bitcoin in an exchange and generally the number of the bank account, in general preregistered.

Bitcoin cash, differences for Bitcoin

Bitcoin Cash is a Bitcoin hardfork. The code of Bitcoin Is BTC, of Bitcoin Cash Is BCH.

The main difference between both nets is the maximum size of block allowed by each. The size of the BCH block is bigger, so it have  less time processing and off course better fees. Bitcoin has a higher market cap and also more value.

Segwit2x, difference between soft and hard fork 

Basically Segwit2x is a hardfork from Bitcoin proposed in 2015, a proposal that doubles the size of the transactions block in a “dimmer way”, doesn’t add great news, but compiles some previous features alteration proposals. It compete with other hardforks like Bitcoin Cash.

Forks in Blockchain are forks that occur in protocol. Every cryptocurrency can suffer a fork, it happens when there are disagreements between different user groups. So new chains are created as alternative to the initial. In other words, a division that works under new rules or ancient rules. 

In a hard fork, new rules prevent compatibility with the old ones, we have a new thing, at soft fork just an update, not incompatibilization.

What Ethereum is, differences for Bitcoin

Ethereum like Bitcoin is a Blockchain network with a cryptoccurrency of its own, there are similarities between both like mining, as there are differences.

The most visible difference between the two is that Ethereum was created to process apps and decentralized services, is strong for smart contracts and with it created its own token, Ether, the ETH which is used for payments of fees, but also as a reserve of value. Ethereum is the prime competitor of Bitcoin, has smaller market cap and value, but if it can optimize his network, reduce the fee value and  mainly to change the mining scheme, it can overtake Bitcoin.

 Ethereum, merits and demerits 

Merits

Ethereum is used for more complicated and diversified applications than for example the Bitcoin Blockchain, it allows the creation of smart contracts. It has a more reliable network structure, safer than competition, also faster and efficient. It’s a descentalized platform, which guarantees always online applications. There are constant updates, which improves performance and also possibilities of new features. It allows different ways of picking up resources for projects. The mining process seems to be heading a more sustainable way.

Demerits

Smart contracts can be made with mistake coding, leaving explorable vulnerability breaches, Ethereum has no contract renounced project, can suffer personalist influences because the project has a knowed owner. The scalability of the Ethereum network generates great size and greater need for storage spaces, which could be more troubled than in the Bitcoin Blockchain case. Ethereum’s DAO applications still suffer failures and attacks, which narrows down to the confidence of choice and use. Finally, the transaction fees on the network are still elevated.

Ripple, Litecoin and Dash

Ripple is a protocol dedicated to distributed payment, although it has a coin of its own for use in its ecosystem, the XRP, the platform also has support for other cryptocurrencies. Your main applicability is instant and safe payments. We can say that a good definition for the platform is to be at the same time a solution “Bank and WU Killer” since the transaction assets can represent both fiduciary coins and assets or be cryptoactives, all with  lower fees, on the other hand can ease up for financial institutions to integration  to the cryptomarket and  benefits of Blockchain technology. As the advantage the main highlight is the speed of processing, often rapid in relation to Bitcoin, the main disadvantage is that like Bitcoin is not very sustainable, it requires a lot of electric energy.

Litecoin is basically a cryptocurrency “Bitcoin like”, was created in 2011 and as the name suggests, to be a lighter alternative to Bitcoin. Has fast transactions and very lower fees. Litecoin’s main feature is to be peer-to-peer, which means it’s used as a means of payment where people pay directly to each other without intermediation. Running to reach the TOP 5 of the cryptocurrencies.

DASH is a cryptocurrency from a DAO (descentralized organization), actually a Bitcoin hard fork (from 2014). Its main feature is the speed of ultra-rapid transactions. Another point is that the DASH can be used for votes at governance system, has two-layer structure, regular blockchain and masternode. The cryptocurrency was initially called XCoin, then became very used on the dark web, finally got its current name, trying to get rid of the negative image. 

Monetary policy

Is the form as a coin is placed or removed from circulation. In the case of Bitcoin, the emission is for payed mining, that’s the only way to increase the amount of bitcoins available at the market. Unlike the controlled trust coins, issued in a unlimited way by a central bank, generally cryptocurrencies already emerge with a possible limit, the Bitcoin’s, for example, is 21 million units. The obvious effect of this is to do deflationary cryptcoin, with the increasing demand and  coins shortage, progressively the value grows throughout time.

Tax regulations related to Bitcoin

The taxation of cryptocurrencies, including Bitcoin varies from country to country. Usually the rules are similar to other assets, tax incidence occurs from certain value.

Bitcoin in the retail and health industry, role It play in education

Nowadays several large retail networks already accept Bitcoin directly as payment, there are also platforms that indicate where you can buy with Bitcoin, others who do intermediation, you buy and pay by using bitcoin and they pay the seller using the means  which it accepts. 

Talking about  health care Industry maybe should better to speak not about Bitcoin but technology behind it, the blockchain, that can be used for global health records, better supply chain control and transparency, medical AND nursing personnel check and health insurance smart contracts. That might also make easier medical history in the refugees case…

In the case of education equally the Blockchain technology can give global control, credentials and certifications and diplomas verification, school records. Bitcoin can be used for fees payments and other things.

FIAT currency and DAO

Initially money was based on a gold related standard system or another commodities, the emergence of paper coin allowed conversion of paper bills to gold because it was direct relation to gold that the government owned. 

Fiduciary currencies, also called FIAT Currencies have its value guaranteed by the emitter government, without relation to a commodity or something else. The emergence of the fiduciary currencies happened in China centuries ago. Some European countries uses FIAT since the 18th century. 

In 1972, the U.S. government completely abandoned the gold standard parity for the dollar, and with that almost  all the other currencies in the world became also FIAT. The governments and central banks of each country have a lot and almost complete control over the respective monetary systems. But the unbalanced emission of money can lead to hyperinflation and economic collapses.

DAO

Decentralized Autonomous Organization is a kind of organization in which the rules are set in the blockchain system using smart contracts, generating total transparency to all users. There is no central server or entity that supervises the processes,  control is made by shareholders involved in the project. The main goal in a DAO is to allow operational and funding of your projects through your smart contracts.

One cool thing about DAOs is democracy, there are votations of the proposals made at the blockchain, under supervision of some “admins” or voluntary “devs” (developers). The idea is simple, in the votation are used to represent votes the amount of cryptoactives invested by each member in certain projects, more investment and confidence, more “voice”.


Deixe um comentário

ENDIVIDAMENTO PÚBLICO e EMISSÃO DE MOEDA ou AUMENTO DE ARRECADAÇÃO ? 🤔

China lança moeda digital oficial



Todo estado precisa encontrar formas de fazer girar a economia doméstica, para isso deve gastar e fomentar trabalho. Ou seja, o estado gasta primeiro para que o dinheiro que ele emite circule, imposto e taxação ajudam mas não são o principal trunfo dos governos para ter recursos e distribuir renda, principalmente a social.

O verdadeiro trunfo é a capacidade de aumentar o endividamento público e imprimir dinheiro, e isso não é problema desde que a economia não esteja no limite de superaquecimento, o que gera inflação “apodrecendo” a moeda para além do racional.

A novidade das moedas digitais oficiais oferecem uma solução bem controlável para injetar dinheiro na economia inclusive nos programas de renda social. Outro ponto é a possibilidade de ter dinheiro com data de validade, o que incentiva o consumo no curto prazo ao invés da poupança e especulação. A China já está nessa…, inclusive mudou posição com relação às criptmoedas descentralizadas, ou o Bitcoin, autorizando o seu uso paralelo no comércio.

https://blocktrends.com.br/china-lanca-moeda-digital-e-testa-dinheiro-com-prazo-de-validade-para-estimular-consumo/amp/

https://oasislab.com.br/governo-chines-legaliza-o-uso-de-criptomoedas-no-comercio/#:~:text=Indiv%C3%ADduos%20e%20empresas%20poder%C3%A3o%20transferir,de%20not%C3%ADcias%20CCN%20e%20CnLedger.

https://pt.gizchina.it/2021/03/revolu%C3%A7%C3%A3o-e-digital-yuan-china/amp/


Deixe um comentário

NFT, o novo estado da arte

Montagem com imagem da web e alguns dos meus NFTs à venda

Provavelmente você já deve ter ouvido ou lido nos últimos tempos, sobre as vendas milionárias e até bilionárias de peças de arte digitais, algumas inclusive de gosto e valor artístico totalmente bizarros.

O que afinal são NFTs ?

O termo é a abreviatura em inglês para Token Não Fungível, ou seja, um “receptáculo” digital que representa um contrato com valor ou coisa nessa forma, utilizado nas redes Blockchain via internet e são à prova de fraude.

Diferente dos tokens fungíveis que representam um valor que se pode usar para trocas com valor estabelecido igualmente para todos os tokens do mesmo tipo, funcionando por exemplo como dinheiro digital (ex. imagine o token como uma nota ou moeda, toda nota de 10 reais vale 10 reais, certo ? e pode ser trocada por outras menores perfazendo o mesmo valor ou agrupadas para perfazer um valor maior. Podendo ainda ter câmbio com outros tipos de moedas fiduciárias como o dólar, usando uma cotação geral). Já os tokens não fungíveis são registros na Blockchain utilizados em geral para coisas únicas ou raras, o que confere a cada token (ou tokens sobre a mesma coisa) um contrato com valor inicial até indicado, mas totalmente subjetivo ao longo do tempo, o que é propicio para leilões.

Por isso é que o NFT se encaixa perfeitamente para vender arte digital de todos os tipos: música, literatura, imagens, colecionáveis… ou outros tipos de registro público “infraudáveis” que podem representar digitalmente algo no mundo real ou produto da imaginação. Além é claro servir de prova de propriedade intelectual e autenticidade. Várias bandas e artistas já estão trabalhando com a tokenização de tiragens limitadas de seus albúns, o que é muito mais vantajoso que o padrão até então imposto pelas gravadoras.

Ou seja, caso você produza ou possua conteúdo desses tipos pode “tokeniza-lo” e colocar à venda e de repente ganhar uma grana muito acima do esperado no mercado tradicional.

Já são várias os sites que permitem você tokenizar e vender online suas peças artísticas. Em geral há um custo para “cunhagem” do seu NFT, que é cobrado no mais das vezes de um saldo na cripto moeda Ethereum, que se deve depositar em uma criptocarteira como a metamask (gratuita). Também é possível em alguns desses sites tokenizar sua arte  sem pagar a taxas chamadas de GAS, o que faz que apesar de necessitar ter uma criptocarteira, não precise botar dinheiro no processo, apenas pagará comissões no caso de venda, cujo pagamento também vai automaticamente para a sua criptocarteira.

Ah! outra coisa interessante é que você também ganha nas vendas seguintes ou secundárias. Ex. você ficou inseguro precificou baixo e vendeu hoje por mil, mas quem comprou, mais adiante conseguiu vender por um milhão, você então recebe um percentual disso e de cada nova transação, que normalmente é de 5 a 10%. Bom né ?

Para não ficar de fora dessa rara oportunidade de ficar rico de repente, já tokenizei via fotografias e montagens digitais, algumas das peças de arte que possuo e registros de momentos históricos que podem vir a ser vistos como de valor. 😉 Para isso utilizei a mintable , um dos sites que permitem fazer isso sem gastar.

Para dar uma olhada nos meus NFTs basta entrar no link acima e na caixa de pesquisa do site buscar por “jjunior” . 🤑


Deixe um comentário

Contas digitais X racismo e desigualdade

Faz tempo, vira e mexe, escrevo sobre  tecnologia e as vantagens democratizantes da sua utilização, inclusive no “drible ao racismo”.

A exclusão bancária foi até pouco tempo difícil de contornar. O capitalismo só se mexe para incluir quando ele mesmo ganha com a inclusão. A questão é que antes não se visualizava as classes D e E como fatia de mercado. Parte por preconceito, parte por uma real e maior desigualdade que fazia o consumo e movimentação financeira básicas ao mínimo, e finalmente por falta de tecnologias que permitissem não apenas mudanças de formas de renda e hábitos de consumo nas citadas classes, bem como, uma massificação da oferta de serviços pelo mercado financeiro.

Com a internet, a telefonia celular e uma infinidade de serviços eletrônicos e online, como o comércio eletrônico, as redes sociais, o teletrabalho e a automação bancária, muita coisa mudou. Me lembro quando uma década e meia atrás, morando em Moçambique, vi as pessoas transformando seus celulares em máquinas de pagamento e recebimento pela transferência livre de créditos de celular de uma linha para outra, usados então como moeda eletrônica. Isso dava um certo “bypass” no sistema bancário.

No Brasil, a grande maioria das classes C, D e E é negra, boa parte dela na informalidade, porém participante ativa da economia e mercados.  Ter uma conta bancária, poder fazer transferências, receber e pagar sem ser em dinheiro vivo era para uma minoria, em geral empregada e com uma conta salário aberta pela empresa. Mesmo quem tinha condições privilegiadas não estava livre de sofrer discriminações e até violências nas agências bancárias ao buscar serviços ou resolver simples questões de suas contas. Exemplos de travamento de porta-giratórias, descasos de atendimento, “mata-leões” e até tiros recebidos dos seguranças da sua própria agência bancária não faltam… .

As contas digitais permitiram à esses historicamente excluídos bancários, acessarem até mais que os serviços básicos que normalmente necessitam. E principalmente permitem que se evitem as agências bancárias e todos os problemas já citados, praticamente tudo que se fazia nas agências hoje pode ser resolvido a partir do smartphone, o que também já não é “luxo” e está muito espraiado mesmo nas classes mais desfavorecidas (obviamente não estou falando do “under class” os “pobres dos pobres inatingíveis”).

Já ouvi, principalmente vindo de uma esquerda branca marxializada que nunca foi barrada na porta giratória, nem se sentiu na iminência de um tratamento discriminatório racial, que meu posicionamento é de “integração ao capitalismo” e “fuga de luta” pelo tratamento isonômico e antirracista no sistema, ou que o digital é uma forma de apartheid que cria uma classe que fica distante das agências.   Vou dizer, estou nem aí para isso…, não pretendo “fazer a revolução”, tomar os meios de produção e o sistema financeiro, tampouco insistir em escaramuças evitáveis com o racismo institucional e ficar perdendo tempo, “gastando bílis”e ainda por cima arriscando minha integridade física e moral em atendimento presencial, isso não é de fato necessário nem vantagem.

Sou da prática. Vivemos em um sistema que pode sim ser contestado, alterado com muita luta, mas convenhamos, assim como no judô as vezes é melhor se adaptar ao adversário e usar sua própria força para derruba-lo, ou ao menos apanhar menos dele… .

No fim o que importa é ver um monte de gente que vivendo no capitalismo e em um ecosistema tecnológico era extremamente excluída, e hoje muitíssimo menos.


Deixe um comentário

EaD – Educação a Distância e a pandemia

corona-ead

O lugar de fala

Acho importante quem se manifesta, seja no que for, colocar logo de início o seu “lugar de fala” a fim de que os interlocutores possam melhor avaliar e entender a partir do que foi formada a opinião do manifestante, e assim “rankear” a pertinência e “confiabilidade” do falado, ou se for o caso “relevar” informações e atitudes. Já escrevi sobre o tema “lugar de fala”, então deixo apenas link para quem quiser um pouco mais de detalhamento.

Bem, meu interesse por EaD vem desde o final dos anos 90 com estudo informal, porém em 2006, após dois anos de curso pela Universidade Católica de Brasília, recebi o título de Especialista em EaD, tendo feito diversas atualizações, participado de eventos na área e atuado profissionalmente. Apesar de profissionalmente ter me afastado um pouco da área, sigo acompanhando a sua evolução e emprego. Daí que não confundam com mera “arrogância” a minha “firmeza de posição” ou o “tom professoral”, por motivos óbvios eu “tenho um lado” e o defendo, não esperem de mim “frouxidão” ao falar do tema, ou muita “paciência” ao discutir o tema com leigos preconceituosos e renitentes.

A EaD

As vezes referida no masculino ao se falar em Ensino, não é coisa nova, no século XIX já era praticada, o que mudou grandemente foram o alcance e a eficiência, conquistados com as novas tecnologias que se sucederam. A popularização dos dispositivos computacionais e de comunicação conectados pela INTERNET permitiram um grande salto nesse sentido, com um grande aumento de estudantes pela modalidade e a adesão de prestigiosas instituições de ensino mundo afora.

Aliás, já em 2006, minha monografia da Especialização tratava da Educação a Distância como Instrumento de Desenvolvimento Social e Regional (PDF) , uma pesquisa sobre como se visualizava a modalidade e sua potencialidade e como estava sendo empregada, especialmente nos países em desenvolvimento, incluindo o Brasil. Aqui no blog mesmo tenho muitos escritos sobre o tema ao longo dos anos . Em basicamente todos eles é recorrente a crítica ao ainda grande desconhecimento geral das potencialidades da modalidade e preconceitos contra seu emprego.

A resistência

Quer por profissionais da Educação, quer por estudantes , o que se reflete em posições reacionárias também de escolas, fez com que muitos, se não a maioria, não estivessem preparados para se valer da modalidade, de forma paralela à presencial, ou emergencialmente como agora se faz, frente à pandemia do Covid-19.

São cerca de 776,6 milhões de crianças e adolescentes fora das escolas, por conta das medidas de combate ao vírus. Justamente aí está o maior desafio, já que apesar do grande avanço da EaD no ensino superior, na Educação continuada e corporativa, muita gente ainda entende como “inaplicável” a modalidade no ensino básico, sobretudo no fundamental. Coisa que diversas experiências ao longo do mundo (inclusive aqui no Amazonas vide matéria no JN, com a atuação premiada do Colégio Militar de Manaus) já demonstraram falaciosa. É possível o emprego da EaD em todos os níveis, desde que se tenha o DESENHO INSTRUCIONAL CORRETO para cada nível, o erro dos resistentes é achar que EaD só se faz de uma ou duas formas, de maneira absoluta (sem conexões com o presencial) e apenas utilizando a ANDRAGOGIA (condução voltada para adultos), o que é uma inverdade.

Em tempos e condições normais o “HOME SCHOOLING” (escolarização em casa) sofre também forte resistência, e a partir de argumentos válidos, como a necessidade de socialização das crianças, o que se torna difícil na modalidade, a dificuldade de pais para lidar com o conteúdo e o ensino, ou ainda o evitamento da diversidade que há na escola.

No entanto, em tempos de distanciamento social, essa é a forma possível…, só que com a ajuda da EaD, esse processo é bem menos traumático e não se desconecta da escola, ou seja, os pais não tem que ocupar o papel de professores, mas de facilitadores pois se pode contar com a atuação remota dos professores, conteúdo padronizado, etc… . A própria UNESCO já balizou que esse é o caminho e os estados assumiram o mesmo, portanto, “lutar contra” na atual conjuntura é como “nadar conscientemente contra a maré” pode equivaler a um “atestado de anacronia e inadaptabilidade” e em muitos casos a um “suicídio profissional” , não adianta correr da vida a distância, a pandemia veio para mudar hábitos, com efeitos no futuro .

Teletrabalho

Vale lembrar, é uma tendência mundial e em muitas áreas, tanto no setor privado quanto público, a pandemia ampliou isso de forma emergencial e enormemente. Para os profissionais de Educação teletrabalho é EaD …, infelizmente muitos estão tendo que aprender a lidar com ele de maneira trágica e apressada, mas olhando de forma otimista, muitos estarão rompendo barreiras psicológicas e limitações tecnológicas e se preparando para o futuro.

Há uma questão de gênero embutida ai ? sim, também, mas ao contrário de algumas argumentações, mais pautadas pelo preconceito contra a EaD do que pelos fatos. Não se ignora a jornada dupla ou tripla que pesa sobre mulheres, tampouco o papel de cuidadoras culturalmente alocado, muito menos que na epidemia o isolamento amplifica as demandas domésticas/familiares com todo mundo preso em casa ao mesmo tempo. Porém mesmo nessa situação, é muito mais vantajoso poder fazer teletrabalho, do que passar por todos os problemas e limitações que o trabalho presencial já oferece normalmente, agora acrescido com os riscos de contaminação.

Aliás, o teletrabalho se não é a “panaceia”, em tempos normais tem ganhado cada vez mais a adesão feminina, justamente pela sua capacidade de conciliação e abrandamentos nas múltiplas jornadas, já que culturalmente não é tão fácil se livrar delas, como em um caso bem emblemático de uma teletrabalhadora do TJMG .

Última questão

A moral , enquanto educadores e educadoras, faz parte dos esforços coletivos, tal qual os profissionais de saúde que estão fazendo sua parte no pior front dessa guerra, não deixar seus alunos absolutamente interrompidos em relação ao processo educacional. Enfim, o certo é que após essa crise, muita coisa vai mudar, espero sinceramente que um melhor aproveitamento da tecnologia a serviço da educação seja visualizado como estratégico.


2 Comentários

Atualizando o som do carro

Esta dica é para quem gosta de curtir um som no carro, só que o carro é de antes das inovações tecnológicas presentes de fábrica nos carros mais recentes, portanto sem entrada aux para players portáteis, USB para pendrives, slots para cartões de memória e conexão bluetooth para conectar o smartphone para chamadas com mãos livres ou ouvir aquela playlist de streamings como o Spotfy.

Como se dizia nas propagandas das saudosas “Organizações Tabajara”, “Seus problemas acabaram !!!” .

Não é exatamente uma novidade…, faz tempo que uso dispositivos que instalados na tomada do acendedor de cigarros permitem ouvir no FM o conteúdo de um pendrive ou cartões, até mesmo players com saída auxiliar P2 (como a saída de fones dos celulares).

O que eu não tinha era um equipamento com conexão bluetooth, inclusive para chamadas telefônicas com mãos livres, isso permite conectar facilmente o smartphone ao som sem ter que usar cabos, o que é já é um grande negócio… .

Além disso é muito mais barato que comprar um som automotivo novo (isso se der para substituir, porque as vezes o som original é integrado ao painel e não dá para trocar por um outro “genérico”, o que é o meu caso).

A gracinha que permite tudo isso é esta aqui, encontrada em lojas de equipamento para celulares:

Ah! todas as funções que falei são “extras” pois na verdade ele é um carregador de celular… 😉😁, aqui em Manaus tem no shopping Studio 5 em frente à praça de alimentação, por 73 reais.

Por outro lado…, se ao invés de mídias modernas você curte também uma nostalgia tech, nada impede de apesar de não ter um ROADSTAR (busque no google 😂) no seu carro, você possa curtir “aquelas fitas” incomparáveis que você guarda desde o século passado, basta ter um destes e pronto… 😉😂😂😂

Dica dada, espero que ajude alguém.😎


Deixe um comentário

Cinema em casa, fácil e barato

Minha instalação de cinema no quarto

Na verdade já faz um bom tempo que me desfiz de aparelho de TV em casa, pouco me interessa a TV aberta, e prefiro mesmo  filmes e séries, quando surgiu o Netflix, ai  “juntou a fome com a vontade de comer”… .  Em fins de 2013 até cheguei a publicar aqui no blog, como conectar notebooks e TVs mais antigas.

Pouco tempo depois, resolvi, aproveitando uma grana extra que tinha pintado, comprar um nettop (computador do tamanho de um livro, sem acessórios, só as USBs e outras entradas/saídas para periféricos) e um projetor da EPSON ( o Home Theater da SAMSUNG eu já tinha) e fazer meu “personal cine room”.

A ideia deu certo por mais de 4 anos, até que o projetor queimou a placa lógica e não tinha para trocar aqui em Manaus, a lâmpada também já estava em fim de vida útil e custaria só ela mais de 300 reais…, em suma, além de demorado não compensava arrumar.  A solução era comprar um novo (que hoje custa de R$ 1.900 para cima), arriscar um usado que poderia me deixar na mão em pouco tempo, ou… tentar um miniprojetor (muitíssimo mais barato, a dúvida é se iria prestar… ).

Para encurtar conversa, depois de alguma pesquisa, optei por comprar um miniprojetor de LED UC46 UNIC (1200 lumens), custou  R$ 339… mais o frete rápido que deu menos de 60 reais.

Não me arrependi, o projetor é muito bom para o que se pretende, ter uma telona projetada de até 130 polegadas em ambiente de luminosidade controlada, ou seja, pouca ou nenhuma claridade (em casa consegui 100″ pois uso no quarto e a distância do projetor para a parede é coisa de 2,7 metros).  Isso visto bem à sua frente deitado na cama parece bem maior… .

O UC46 UNIC possui ampla conectividade, WiFi, HDMI, VGA, SD card, USB, o que permite exibir filmes mesmo sem computador e/ou a partir de  espelhamento celular/tablet, tem controle remoto e o som fica excelente quando ligado ao Home Theater.

A qualidade da imagem é muito boa, cores vívidas e contraste razoável mesmo em uma simples parede branca, testei também em uma tela caseira feita com nylon blackout cinza, melhorou bem, pena que minha habilidade não permitiu que o acabamento ficasse “esteticamente aceitável” 😂, o que me fez gastar mais 400 e poucos reais para comprar uma tela manufaturada de qualidade profissional mesmo assim ainda estou em tremenda economia.

Alguém vai aparecer para dizer “Ah…, mas não é 4K, o contraste não é o mesmo…, tem alguma pixelização e saturação, perde foco nas beiradas, blá blá blá”,  já me adiantando digo que nem entro nessa seara…, estou falando de uma solução de baixo custo que atende as minhas expectativas (e de muita gente) pelo custo/benefício, quem exigir mais tecnicamente e quiser e puder pagar que o faça… .

Resultado final com a nova tela, luz acesa (dimmer 50%), nada mau…

Voltando à nossa solução, se você vai partir do zero, basta incluir ai o custo do nettop (a partir de 500 reais) e de um Home Theater mediano, de mais de 300 watts (a partir de 400 reais), isto é, com cerca de R$ 1.700, bem menos que o preço de um projetor tradicional ou uma TV  mais moderninha de 50″ ( uma de 100″ das baratas não sai menos que R$ 10.000, não raro passa dos  R$ 20.000), você pode ter seu cineminha em casa, ou se for de jogar, fazer isso em uma super tela como este tuga nerd (só que gastando um pouco mais, por mais qualidade de imagem mesmo no claro e velocidade de resposta):


1 comentário

Criando a lista de referências a partir das notas de rodapé no Word ou no LibreOffice

Sem título

Bom, você terminou após meses (talvez anos) de “sofrimentos e abnegação”, a parte textual do seu trabalho acadêmico, no qual utilizou notas de rodapé, as quais foi inserindo à medida que foi citando. Agora precisa colocar no final do texto uma lista em ordem alfabética dessas mesmas referências, acrescida de outras que não foram citadas mas são recomendáveis. Infelizmente nem o MS-WORD nem o LIBREOFFICE tem essa tão obviamente útil funcionalidade, portanto a coisa vai ter que ser meio “manual”…, mas calma ! você não vai precisar copiar uma a uma as notas para o final do texto ou arquivo separado para depois ordenar e trazer de volta para o lugar certo. A ideia é mais ou menos essa, só que ao invés de copiar uma a uma, vamos transformar todas de uma vez em notas de fim, ou seja, com todas agrupadas no final do texto. A partir dai fica fácil selecionar todas de uma vez, copiar para um arquivo aonde se possa “limpar” as informações desnecessárias,  classificar na ordem correta, para então trazer de volta tudo já certinho para o final do texto do seu trabalho acadêmico.

Atenção ! isso funciona para as versões mais antigas do WORD, até a 2010, já  no LibreOffice pelo menos até a 5 funciona.

Vamos aos passos:
1- Faça uma cópia da sua monografia, dissertação ou tese ( você não vai querer trabalhar no original para fazer estes passos vai ? 😉)
2- Abra a cópia e converta todas as notas de rodapé em notas de fim, se não sabe como, isso está explicado na ajuda do software… .
3- Posicione o cursor  bem no começo da primeira nota de fim. (O texto real das notas de fim, não a referência no corpo principal do documento.)
Marque todas as notas usando o esquema de seleção tecla shift e  seta para baixo até  a última nota. Tudo selecionado dê um Ctrl+C para copiar as notas  para o clipboard (área de transferência).
4- Abra um documento novo, em branco e cole (Ctrl+V) no novo documento.
5- Agora você tem um documento com somente as notas de fim. Classifique por ordem alfabética os parágrafos no documento. Elimine todo o texto e referências das quais não precisa na lista de referências ou insira as que estavam  fora das citações.
6- Selecione tudo e copie o texto, depois cole no final do texto do arquivo que contém o seu trabalho.

Uma dica adicional…, se quiser por exemplo separar fontes primárias de referências bibliográficas ou webgrafia, talvez seja interessante no passo 4 transferir o conteúdo para uma planilha, assim poderá não apenas classificar mas também filtrar, por exemplo, tudo o que tiver hiperlinks, ou tudo que tiver um termo utilizado apenas com fontes primárias. Na hora de trazer de volta para o texto do trabalho não esqueça de “colar especial” como texto  texto sem formatação.

Prontinho ! seu problema resolvido sem muita dor e sofrimento. 😉👍


Deixe um comentário

A volta dos mortos-vivos…

mortos-vivos-orelhões

Outro dia mesmo ao cruzar com orelhão da minha rua, imaginei, “como são as coisas…, a tecnologia celular acabou com os telefones residenciais fixos, com os orelhões então…, será que alguém ainda usa isso ?, nem os vândalos chegam mais perto dos orelhões”, e eis que uma novidade pode muito provavelmente irá, ressuscitar  o uso dos velhos orelhões…

http://acritica.uol.com.br/noticias/Ligacao-orelhoes-Oi-gratuita-Anatel_0_1339666031.html

 


Deixe um comentário

Referências, citações ?, pare de sofrer !!!

ABNT-dúvidas

Se você é estudante universitário de graduação ou pós-graduação, alguém que gosta ou precisa escrever fazendo citações e referências pelas normas da ABNT, mas ainda se enrola com a notação, ou tem problemas para gerenciar, guardar organizadamente e reaproveitar suas referências, PARE DE SOFRER !!!, seus problemas acabaram ! ;), pois existem ferramentas ONLINE que tornam essa tarefa muito, mas muito simples…; assim que você dá de cara com o livro, artigo, revista, tese, dissertação, site, material multimídia ou qualquer coisa que necessite referenciar, basta acessar o site, escolher o tipo de publicação a referenciar, entrar com os dados que possui sobre a publicação em um formulário web, clicar em um botão e…, prontinho, lá vem a referência toda nos conformes, ai é só copiar e colar onde precisa… . (dica,  coloque o endereço do site na barra de favoritos do seu navegador e deixe a senha salva, assim se você é como eu, do tipo que usa muito material disponibilizado ONLINE,  ou mesmo costuma ler em meio físico e vai anotando partes da leitura,  fica fácil, recolher e guardar o que for interessante para uso posterior)

O sistema ainda permite que você mantenha todas as suas referências salvas nos servidores do serviço, podendo ser facilmente acessadas  de qualquer lugar com acesso web, outro ponto é a possibilidade de criar e utilizar “coleções”, ou seja, definir uma categoria ou grupo relacionado a um determinado trabalho ou parte dele e vincular a referência à essa coleção, ex.  Trabalho X, Cap I- Tópico 3,  na hora de procurar as referências que você “garimpou” para inserir mais tarde no trabalho, reorganizar ou reutilizar alguma referência em outro trabalho, está lá tudo organizadinho e fácil de localizar.

Testei dois sistemas e fiquei tão satisfeito com o segundo que nem procurei outros, sugiro o MORE – Mecanismo Online para Referências,  da Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC, em http://www.more.ufsc.br/ ,  dá para usar no modo anônimo, mas se fizer um cadastro de usuário (rápido e simplificado) e logar antes de gerar novas referências é possível salvar  e recuperar as mesmas conforme dito.

A operação não poderia ser mais simples e intuitiva…

1 – Crie as coleções  de acordo com sua necessidade (coloque nomes curtos  e sugestivos, fáceis de identificar o conteúdo e onde ele entra na estrutura do seu trabalho)  ex.  Monografia, Cap I- Top. Modos de produção

tela-edit

2- Escolha o tipo de publicação a qual deseja referenciar

tela-inicial

3- Preencha o formulário com as informações solicitadas  e clique em gerar ou atualizar ao final

Tela-preechimento

4- Pronto, copie (Ctrl + C ) e cole a referência no texto que estiver escrevendo, é possível  também editar uma referência já salva nas suas coleções, ou depois de colar no texto, alterar  a  fim de compatibilizar com algum “dialeto” específico da sua instituição…

tela-resultado

Mais fácil que isso está difícil…  😉

Então agora não tem desculpas,  é botar para referenciar (certo 😉 )…