Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


1 comentário

Criando a lista de referências a partir das notas de rodapé no Word ou no LibreOffice

Sem título

Bom, você terminou após meses (talvez anos) de “sofrimentos e abnegação”, a parte textual do seu trabalho acadêmico, no qual utilizou notas de rodapé, as quais foi inserindo à medida que foi citando. Agora precisa colocar no final do texto uma lista em ordem alfabética dessas mesmas referências, acrescida de outras que não foram citadas mas são recomendáveis. Infelizmente nem o MS-WORD nem o LIBREOFFICE tem essa tão obviamente útil funcionalidade, portanto a coisa vai ter que ser meio “manual”…, mas calma ! você não vai precisar copiar uma a uma as notas para o final do texto ou arquivo separado para depois ordenar e trazer de volta para o lugar certo. A ideia é mais ou menos essa, só que ao invés de copiar uma a uma, vamos transformar todas de uma vez em notas de fim, ou seja, com todas agrupadas no final do texto. A partir dai fica fácil selecionar todas de uma vez, copiar para um arquivo aonde se possa “limpar” as informações desnecessárias,  classificar na ordem correta, para então trazer de volta tudo já certinho para o final do texto do seu trabalho acadêmico.

Atenção ! isso funciona para as versões mais antigas do WORD, até a 2010, já  no LibreOffice pelo menos até a 5 funciona.

Vamos aos passos:
1- Faça uma cópia da sua monografia, dissertação ou tese ( você não vai querer trabalhar no original para fazer estes passos vai ? 😉)
2- Abra a cópia e converta todas as notas de rodapé em notas de fim, se não sabe como, isso está explicado na ajuda do software… .
3- Posicione o cursor  bem no começo da primeira nota de fim. (O texto real das notas de fim, não a referência no corpo principal do documento.)
Marque todas as notas usando o esquema de seleção tecla shift e  seta para baixo até  a última nota. Tudo selecionado dê um Ctrl+C para copiar as notas  para o clipboard (área de transferência).
4- Abra um documento novo, em branco e cole (Ctrl+V) no novo documento.
5- Agora você tem um documento com somente as notas de fim. Classifique por ordem alfabética os parágrafos no documento. Elimine todo o texto e referências das quais não precisa na lista de referências ou insira as que estavam  fora das citações.
6- Selecione tudo e copie o texto, depois cole no final do texto do arquivo que contém o seu trabalho.

Uma dica adicional…, se quiser por exemplo separar fontes primárias de referências bibliográficas ou webgrafia, talvez seja interessante no passo 4 transferir o conteúdo para uma planilha, assim poderá não apenas classificar mas também filtrar, por exemplo, tudo o que tiver hiperlinks, ou tudo que tiver um termo utilizado apenas com fontes primárias. Na hora de trazer de volta para o texto do trabalho não esqueça de “colar especial” como texto  texto sem formatação.

Prontinho ! seu problema resolvido sem muita dor e sofrimento. 😉👍


Deixe um comentário

A volta dos mortos-vivos…

mortos-vivos-orelhões

Outro dia mesmo ao cruzar com orelhão da minha rua, imaginei, “como são as coisas…, a tecnologia celular acabou com os telefones residenciais fixos, com os orelhões então…, será que alguém ainda usa isso ?, nem os vândalos chegam mais perto dos orelhões”, e eis que uma novidade pode muito provavelmente irá, ressuscitar  o uso dos velhos orelhões…

http://acritica.uol.com.br/noticias/Ligacao-orelhoes-Oi-gratuita-Anatel_0_1339666031.html

 


Deixe um comentário

Referências, citações ?, pare de sofrer !!!

ABNT-dúvidas

Se você é estudante universitário de graduação ou pós-graduação, alguém que gosta ou precisa escrever fazendo citações e referências pelas normas da ABNT, mas ainda se enrola com a notação, ou tem problemas para gerenciar, guardar organizadamente e reaproveitar suas referências, PARE DE SOFRER !!!, seus problemas acabaram ! ;), pois existem ferramentas ONLINE que tornam essa tarefa muito, mas muito simples…; assim que você dá de cara com o livro, artigo, revista, tese, dissertação, site, material multimídia ou qualquer coisa que necessite referenciar, basta acessar o site, escolher o tipo de publicação a referenciar, entrar com os dados que possui sobre a publicação em um formulário web, clicar em um botão e…, prontinho, lá vem a referência toda nos conformes, ai é só copiar e colar onde precisa… . (dica,  coloque o endereço do site na barra de favoritos do seu navegador e deixe a senha salva, assim se você é como eu, do tipo que usa muito material disponibilizado ONLINE,  ou mesmo costuma ler em meio físico e vai anotando partes da leitura,  fica fácil, recolher e guardar o que for interessante para uso posterior)

O sistema ainda permite que você mantenha todas as suas referências salvas nos servidores do serviço, podendo ser facilmente acessadas  de qualquer lugar com acesso web, outro ponto é a possibilidade de criar e utilizar “coleções”, ou seja, definir uma categoria ou grupo relacionado a um determinado trabalho ou parte dele e vincular a referência à essa coleção, ex.  Trabalho X, Cap I- Tópico 3,  na hora de procurar as referências que você “garimpou” para inserir mais tarde no trabalho, reorganizar ou reutilizar alguma referência em outro trabalho, está lá tudo organizadinho e fácil de localizar.

Testei dois sistemas e fiquei tão satisfeito com o segundo que nem procurei outros, sugiro o MORE – Mecanismo Online para Referências,  da Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC, em http://www.more.ufsc.br/ ,  dá para usar no modo anônimo, mas se fizer um cadastro de usuário (rápido e simplificado) e logar antes de gerar novas referências é possível salvar  e recuperar as mesmas conforme dito.

A operação não poderia ser mais simples e intuitiva…

1 – Crie as coleções  de acordo com sua necessidade (coloque nomes curtos  e sugestivos, fáceis de identificar o conteúdo e onde ele entra na estrutura do seu trabalho)  ex.  Monografia, Cap I- Top. Modos de produção

tela-edit

2- Escolha o tipo de publicação a qual deseja referenciar

tela-inicial

3- Preencha o formulário com as informações solicitadas  e clique em gerar ou atualizar ao final

Tela-preechimento

4- Pronto, copie (Ctrl + C ) e cole a referência no texto que estiver escrevendo, é possível  também editar uma referência já salva nas suas coleções, ou depois de colar no texto, alterar  a  fim de compatibilizar com algum “dialeto” específico da sua instituição…

tela-resultado

Mais fácil que isso está difícil…  😉

Então agora não tem desculpas,  é botar para referenciar (certo 😉 )…


Deixe um comentário

Um dia em um mundo sem negros

sem-invenções-negras

Essa é uma estorinha muito interessante, disponibilizada no site de uma das pessoas tidas como um dos maiores gênios científicos da atualidade, Philip Emeagwali  (vale a pena conhecer sua biografia), já tendo passado por várias traduções e adaptações, essa é uma delas, mas está bem fiel à original em Inglês.

Apesar de baseada apenas nos inventores/cientistas afroamericanos “modernos”, dá bem a ideia da contribuição negra para a civilização moderna (não vamos nem falar das antigas para a história de toda a humanidade), fatos desconhecidos da grande maioria das pessoas e que uma vez conhecidos podem mudar muitas visões preconceituosas… .

COMO SERIA O MUNDO SEM OS NEGROS ?
Philip Emeagwali 

O garoto, um dia, acordou e perguntou à mãe:

“Mãe, o que aconteceria se não existissem pessoas negras no mundo?” Sua mãe pensou por um momento e então falou:

“Filho, siga-me hoje e vamos ver como seria se não houvesse pessoas negras no mundo”. E, então, disse:

“Agora vá se vestir e nós começaremos” Theo correu para seu quarto para colocar suas roupas e sapatos.

Sua mãe deu uma olhada nele e disse: “Theo , onde estão seus sapatos? E suas roupas estão amassadas, filho, preciso passá-las”.
Mas quando ela procurou pela tábua de passar, ela não estava mais lá. Veja, 
Sarah Boone, uma mulher negra, inventou a tábua de passar roupa.

Jan E. Matzelinger, um homem negro, inventou a máquina de colocar solas nos sapatos. “Então… – ela falou – Por favor vá e faça algo em seu cabelo.”

Theo decidiu apenas escovar seu cabelo, mas a escova havia desaparecido. Veja, Lydia O. Newman, uma mulher negra, inventou a escova. Ora, essa foi uma visão… nada de sapatos, roupas amassadas, cabelos desarrumados.

Mesmo o cabelo da mãe, sem as invenções para cuidar do cabelo feitas por Madame C. J. Walker… Bem, vocês podem vislumbrar… A mãe disse a Theo : “Vamos fazer nossos trabalhos domésticos e, então, iremos ao mercado”.

A tarefa de Theo era varrer o chão. Ele varreu, varreu e varreu.
Quando ele procurou pela 
pá de lixo, ela não estava lá. Lloyde P. Ray, um homem negro, inventou a pá de lixo.

Ele decidiu, então, esfregar o chão, mas o esfregão tinha desaparecido. Thomas W. Stewart, um homem negro, inventou o esfregão. Theo gritou para sua mãe: “Não estou tendo nenhuma sorte!”

Ela responde: “Bem, filho, deixe-me terminar de lavar estas roupas e prepararemos a lista do mercado”. Quando a lavagem estava finalizada, ela foi colocar as roupas na secadora, mas ela não estava lá. Acontece que George T. Samon, um homem negro, inventou a secadora de roupas. A mãe pediu a Theo que pegasse papel e lápis para fazerem a lista do mercado. Theo correu para buscá-los, mas percebeu que a ponta do lápis estava quebrada.
Bem… ele estava sem sorte, porque 
John Love, um homem negro, inventou o apontador de lápis. A mãe procurou por uma caneta, mas ela não estava lá, porque William Purvis, um homem negro, inventou a caneta-tinteiro.

Além disso, o negro Lee Burridge inventou a máquina de datilografia e outro negro, W. A. Lovette, a prensa de impressão avançada.

Theo e sua mãe decidiram, então, ir direto para o mercado. Ao abrir a porta, Theo percebeu que a grama estava muito alta.
De fato, 
a máquina de cortar grama foi inventada por um homem negro, John Burr.

Eles se dirigiram para o carro, mas notaram que ele simplesmente não sairia do lugar. Isso porque Richard Spikes, um homem negro, inventou a mudança automática de marchas e Joseph Gammel inventou o sistema de supercarga para os motores de combustão interna. Eles perceberam que os poucos carros que estavam circulando, batiam uns contra os outros, pois não havia sinais de trânsito. Garret A. Morgan, um homem negro, foi o inventor do semáforo.

Estava ficando tarde e eles, então, caminharam para o mercado, pegaram suas compras e voltaram para casa. Quando eles iriam guardar o leite, os ovos e a manteiga, eles notaram que a geladeira havia desaparecido. É que John Standard, um homem negro, inventou a geladeira.

Colocaram, assim, as compras sobre o balcão. A essa hora Theo começou a sentir bastante frio. Sua mãe foi ligar o aquecimento. Acontece que Alice Parker, uma mulher negra, inventou a fornalha de aquecimento. Mesmo no verão eles não teriam sorte, pois Frederick Jones, um homem negro, inventou o ar condicionado.

Já era quase a hora em que o pai de Theo costumava chegar em casa. Ele normalmente voltava de ônibus. Não havia, porém, nenhum ônibus, pois seu precursor, o bonde elétrico, foi inventado por outro homem negro, Elbert R. Robinson.

Ele usualmente pegava o elevador para descer de seu escritório, no vigésimo andar do prédio, mas não havia nenhum elevador, porque um homem negro, Alexander Miles, foi o inventor do elevador.

Ele costumava deixar a correspondência do escritório em uma caixa de correio próxima ao seu trabalho, mas ela não estava mais lá, uma vez que foi Philip Downing, um homem negro, o inventor da caixa de correio para a colocação de cartas e William Berry inventou a máquina de carimbo e de cancelamento postal.

Theo e sua mãe sentaram-se na mesa da cozinha com as mãos na cabeça. Quando o pai chegou, perguntou-lhes: “Por que vocês estão sentados no escuro?”. A razão disso? Pois Lewis Howard Latimer, um homem negro, inventou o filamento de dentro da lâmpada elétrica.

Theo havia aprendido rapidamente como seria o mundo se não existissem as pessoas negras. Isso para não mencionar o caso de que pudesse ficar doente e necessitar de sangue. Charles Drew, um cientista negro, encontrou uma forma para preservar e estocar o sangue, o que o levou a implantar o primeiro banco de sangue do mundo. E se um membro da família precisasse de uma cirurgia cardíaca? Isso não seria possível sem o Dr. Daniel Hale Williams, um médico negro, que executou a primeira cirurgia aberta de coração.

Então, se você já se perguntou, como Theo, onde estaríamos sem os negros? Bem, é muito fácil de ver. Ainda estaríamos no escuro!


Deixe um comentário

Boogie Oogie, os 70 voltaram…

(Foto: Camila Camacho/TV Globo)

(Foto: Camila Camacho/TV Globo)

Ontem rolou o primeiro capítulo da nova novela das 18h da Globo, que  traz de volta o finalzinho dos anos 70, a mesma época que para a minha geração e a anterior ficou extremamente marcada como os “Dancin’ Days” (dias dançantes)  ou época da Disco (Discoteca), quem perdeu  pode  assistir online aqui.

Aliás “Dancin’ Days” foi uma novela também da Globo e que passou justamente no período retratado pela atual novela (e com certeza haverá referências…), o primeiro capítulo me trouxe uma série de lembranças icônicas muito pessoais, para  além dos carros, roupas comuns e detalhes de época; principalmente a tecnologia, já que em 1978 eu me aventurava não apenas pelas minhas primeiras saidinhas noturnas, mas também pela discotecagem amadora, em “brincadeiras dançantes” e festinhas,  como DJ, tudo que emitisse som e luz me interessava bastante 🙂 (em 1981 abri minha própria Disco e fui  DJ profissional por uns meses).

Outras coisas também foram resgatadas da memória, o bom e velho Cessna 172 Skyhawk ( avião monomotor que imperava na época, o meu quarto  de teenager era cheio de fotos de aviões, e um pouco depois, já  no começo dos 80 eu iria iniciar o curso de piloto privado),  o uniforme verde oliva do Exército (que meu pai usava ) e pouco depois eu mesmo usei um igualzinho ao  personagem  “Cabo Pedro” por quatro anos…, a gravata de crochet (febre na época).

Como não poderia deixar de ser, agora temos que falar do principal; a música e a dança…, logo na abertura, tem um pessoal dançando em uma “disco clássica”, eu só percebi um negro nessa turminha, e que por coincidência (ou não…) usando o mesmo estilo que eu usava na época, uma das minhas “marcas registradas” nas “nigths de disco”, era a boina militar, tênis, suspensórios, camisetas de lurex coladas, enfim…  :-), uma outra coisa foram os patins, eu patinava muito (até trabalhava de patins atendendo no nosso supermercadinho) só que isso já foi em 1980, no “pós-discoteca clássica”, na época  chamada de “roller disco” concomitante com a introdução do funk  (o verdadeiro, norte-americano, não confunda com o que os cariocas chamam de funk…) que por sua vez antecedeu a fase do rock nacional dos 80… .

O legal é que com a novela eu “volto forte à moda” (apesar de  na realidade eu  nunca ter saído…), ainda guardo e uso os meus discos de vinil e fitas K-7 :-).

Na moda..., tocando tudo, vinil e K-7 :-)

Na moda…, tocando tudo, vinil e K-7 🙂

A trilha sonora está bem representativa, mas obviamente devido ao limite faltaram várias  músicas fundamentais (como alguma das “As frenéticas”, Automatic Lover da Dee D. Jackson, e Bee Gees…, como é que uma novela que fala da era Disco não temna soundtrack uma única musiquinha deles sequer ???? ),  por fim (e até pelo título da novela… 🙂 ) uma outra que não deveria ter faltado de jeito nenhum, para qual dou link no final da postagem.

Confira abaixo a lista com a trilha sonora (coloquei asteriscos nas ++ imperdíveis)

MÚSICA AUTOR INTÉRPRETE
That’s the way (I like it) KC Casey/Richard Finch KC And The Sunshine Band Abertura
Celebration Kool And The Gang / Ronald Bell Kool And The Gang   *
Dance, Dance, Dance (Yowsah) Bernard Edwards / Kenny Lehman / Nile Rodgers Chic
Disco Inferno Leroy Green / Ron Kersey The Tramps  *
Don’ T Go Breaking My Heart Ann Orson (Elton John) / Carte Blanche (Bernard Taupin) Elton John & Kiki Dee
Fantasy Edddie Del Barr / Maurice White / V Barrio Earth, Wind & Fire  *
Got To Be Real Cherry Lynn / David Foster / David Paich Cheryl Lynn  *
Got To Give It Up Marvin Gaye Marvin Gaye
Heart Of Glass Chris Stein / Debbie Harry Blondie
Hot Stuff Harold Faltermeyer / Keyth Forsey / Pete Bellotte Donna Summer  *
I Go To Rio Adrienne Anderson / Peter Allen Peter Allen
If I Can’ T Have You Barry Gibb / Maurice Gibb / Robin Gibb Yvonne Elliman  *
Just The Way You Are Billy Joel Barry White  *
Love Hangover Leod Marilyn / Pamela Sawyer Diana Ross
Ring My Bell Frederick Knight Anita Ward  *
September Al Mckay / Alle Willis / Maurice White Earth, Wind & Fire  *
Three Times A Lady Lionel Richie Commodores
Your Song Elton John/Bernie Taupin Elton John
A Noite Vai Chegar Paulinho Camargo Lady Zu  *
Acabou Chorare Luiz Galvão/Moraes Moreira Novos Baianos
As Dores Do Mundo Hyldon Hyldon
Barato Total Gilberto Gil Gal Costa
Coisas Da Vida Rita Lee Rita Lee  *
Deusa Do Amor Baby Consuelo /
Pepeu Gomes
Pepeu Gomes
London London Caetano Veloso Caetano Veloso  *
Minha Teimosia, Uma Arma Pra Te Conquistar Jorge Benjor Jorge Benjor
Sossego Tim Maia Tim Maia   *

E como prometido…,  a  “faltante”  BOOGIE WITH ME (Com o duo POUSSEZ), clique e aguarde aparecer a capa do disco que toca automaticamente, senão clique no botão com símbolo de play :

http://indavideo.hu/video/Poussez_-_Boogie_with_me


Deixe um comentário

O Facebook ensaia a manipulação de mentes

Pela Web (blog outraspalavras)

O Facebook ensaia a manipulação de mentes

140630-facebook-control2

Sem consentimento dos usuários, rede testa meios de torná-los “felizes” ou “coléricos” e desencadeia onda de temor sobre controle social e político

Por Robert Booth, no The Guardian | Tradução: Gabriela Leite

Ele já sabe se você está solteiro ou em um relacionamento; a primeira escola onde estudou;  se ama ou odeia Justin Bieber. Mas agora o Facebook, a maior rede social do mundo, está enfrentando uma tempestade de protestos ao se revelar que descobriu como fazer usuários se sentirem mais tristes ou felizes, com apenas alguns toques no teclado.

O Facebook acaba de publicar detalhes de um amplo experimento, no qual manipulou informações postadas nas páginas de 689 mil usuários, e descobriu que poderia fazê-los sentir-se mais positivos ou negativos, por meio de um processo de “contágio emocional”.

Veja a postagem completa em : http://outraspalavras.net/capa/o-facebook-ensaia-a-manipulacao-de-mentes/


9 Comentários

ROOT fácil “universal” no seu Android

android__rootImaginando que você caro leitor@ chegou  a esta postagem por máquina de busca,  vou inferir que já sabe o que é Root e para que precisa dele, portanto vou pular essa parte.

Para quem tem Androids de marca (como os Samsung) ou “xinguilings” (chineses sem marca definida), uma opção de software que promete destravar a maioria dos aparelhos é o software  Kingo Android Root ( veja a lista de aparelhos compatíveis no link apresentado e faça o download) testei no meu Galaxy Grand Duos e funcionou perfeitamente (ATENÇÃO, ANTES VOCÊ TEM QUE INSTALAR OS DRIVERS DO SAMSUNG, FAÇA ISSO INSTALANDO ANTES O SAMSUNG KIES, SOFTWARE QUE PERMITE A CONEXÃO USB DOS TELEFONES DA MARCA  PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS, PRESTE ATENÇÃO AO MODELO E BAIXE A VERSÃO CORRETA, KIES PARA OS MAIS ANTIGOS E KIES 3 PARA OS MAIS RECENTES APÓS A PARTIR DO NOTE III )  há ainda a possibilidade de outros aparelhos DE OUTRAS MARCAS ainda não testados serem compatíveis.

O software é super simples de usar, nos Samsung uma vez instalado os drivers e posteriormante o Kingo Android Root, basta, ativar o Kingo, conectar o aparelho com o cabo USB no seu PC, mudar o modo da conexão para dispositivo MTP (vai estar na tela do aparelho para você escolher) e depois apertar na tecla ROOT que vai estar aparecendo na tela do computador na aplicação Kingo (ah ! não esqueça de clicar em AGREE, no canto superior da mesma telinha do Kingo), pronto, o Kingo vai identificar o modelo do seu aparelho e fazer o root (leva uns minutos) .

BOA SORTE !