Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

SOBRE RACISMO E RACIALISMO

Por anos debatendo a questão das Ações Afirmativas (AA), sobretudo as cotas universitárias com recorte racial, me deparei muito com gente classificando de “racialistas” os que defendiam o recorte racial nas AA.

Ainda hoje vejo o uso de “racialista” como se fosse um racista com “sinal invertido”, nada mais errôneo e injusto. O racialismo é a crença em diversas raças humanas no sentido BIOLÓGICO, instituído por Carolus Linnaeus no XVIII ao criar a classificação homo sapiens e dividi-la em subespécies relacionadas à cor de pele e características fenotipicas prevalentes nas populações de cada continente. No mesmo ato Linnaeus também cria o racismo “científico” ao atribuir características atávicas (determinantes e hereditárias) à cada um dos grupos “raciais”, reservando apenas para os brancos as positivas e para os demais negativas.

Hoje o entendimento de “raça” ou “racial” só é admitido em sentido de construção social a ser superada com relação às desigualdades e determinismos preconceituosos e discriminatórios. Isso não quer dizer no entanto que se pretenda uma homogeneização étnico/cultural e a desconsideração das peculiaridades históricas, culturais e sociais dos diversos grupos.

Portanto, admitir tais peculiaridades e diferenças sociais construídas por milênios e séculos recortados de experiências culturais e sociais coletivas diferenciadas, e principalmente os prejuízos e necessidade da correção das desigualdades decorrentes, não é racialismo, muito menos “racismo as avessas” .

Os entendimentos partidos de dentro de um grupo tradicionalmente prejudicado, sobre sua realidade social, condições efetivas, valores civilizatórios, igualmente a sua memória coletiva e percepções não podem ser desconsiderados na sua totalidade, tampouco cerceado o direito ao ressentimento e as demandas por respeito, autodeterminação e “propriedade” de seus bens culturais.

Se existe uma CULTURA NEGRA, produto do contato e do amálgama secular das culturas africanas traficadas junto com os escravizados e as nativas e européias, isso não quer dizer que deixa de ser peculiarmente negra e diferentemente vivenciada a partir de diferentes origens e perspectivas.

Não há problema algum em qualquer pessoa de qualquer cor ou origem se imiscuir na cultura negra e vivencia-la, mas é importante que entenda que antes de mais nada ela é um bem cultural ao qual se adere, do qual se pode apropriar mas não deturpar, muito menos expropriar o negro, “retirando” dele o direito de controlar primariamente os seus bens culturais ou de se manifestar sobre eles a partir da própria perspectiva.

Quando uma pessoa negra (e não apenas que assim se assuma por realidade e pertença remota ou não, mas que principalmente assim seja vista socialmente e assim se relacione com a sociedade) se insurge contra apropriações indébitas ou questiona a forma de participação não negra na cultura negra, ela não está sendo racialista muito menos racista, ela está apenas chamando a atenção para a diferença de viver a cultura negra sendo efetiva e socialmente negro e não sendo… .

Não precisa ser negro para ser capoeirista ou de religião de matriz africana, mas é preciso conhecer as motivações históricas, reconhecer a essência, as premissas cosmogônicas, filosóficas e principalmente aceitar as regras da tradição e ter alteridade e empatia com quem tem a cultura como herança natural e coletiva… .

É o que não entendem o que dizia o Mestre Pastinha, e dizem hoje muitos praticantes e ativistas negros da cultura negra em suas perspectivas negras.

Anúncios


1 comentário

O neoativismo do sudeste X o Boi Bumbá amazonense

Não é a primeira vez que escrevo sobre os excessos e “tiros no pé” dos que chamo neoativistas, neo não necessariamente pela idade ou tempo de ativismo, mas pelas características de um ativismo pós-internet e predominantemente virtual, entre elas o método agressivo/fascista de debate e as demandas quando não bizarras, ao menos pouco ou nada prioritárias, fora a centralidade no “fogo-amigo” aos ativistas menos radicais e mais conformes com os reais objetivos e abordagens tradicionais.

Também não é a primeira vez que falo de blackface, que é basicamente uma caracterização negra estereotipada e ridicularizante feita por pessoas brancas sob pretexto de “humor”, coisa vinda do teatro, que atingiu o nascente cinema e chegou à TV. Comum também no carnaval a exemplo da conhecida fantasia “nega maluca”.

Black face

O blackface porém nem sempre visa a mera ridicularização, já foi usado por outros motivos racistas, impedir atores negros de assumir como protagonistas de produções importantes como na famosa novela de TV do final dos 60, “A cabana do Pai Tomás”, no qual o protagonista foi o ator branco Sérgio Cardoso em um blackface “utilitário”, não humorístico mas de impersonação substitutiva. Obviamente tal caso é coisa negativa, já que impediu não apenas um maior realismo cênico, mas como já dito, também um ator negro de se beneficiar de tudo que um papel desses poderia lhe render.

Há porém situações em que o “blackface” ou caracterização negra se distancia da intenção racista, atuando ao contrário, como um marcador ou afirmador da presença negra, bom exemplo ocorre no carnaval colombiano com as “negritas puloy” ou “palenqueras” em que o estilo “nega maluca” se dá tanto sem pintura mas com perucas, ou seja, por mulheres negras de verdade, como através de máscaras, perucas e “collants” por não negras e homens.

Negritas puloy do carnaval de Barranquilla

Negritas puloy estilizadas do carnaval de Barranquilla

A caracterização negra estereotipada ou exagerada as vezes acaba ocorrendo por mera falta de pessoas negras para fazer um personagem negro, ou mesmo havendo, como forma de obter mais efeito em âmbito cênico mais aberto, ou seja, em espetáculo com platéia maior e mais distante, buscando uma visualização mais marcante, mesmo que exagerada ou fantástica. Como já dito isso se faz não apenas por pintura como as vezes por máscaras estilizadas, por sinal tradição em várias culturas da África, o que acabou introduzido por herança na nossa cultura popular.

Mascarados divinos da Costa do Marfim

Mascarados festa popular no Mato Grosso

Mateus e Catirina versão pernambucana derivada das figuras do boi maranhense

São João, também tem inclusive “whiteface”

Portanto, antes de sair por ai acusando toda caracterização negra de blackface e racista é preciso contextualizar, há as de fato racistas e desnecessárias e há as de contexto cultural e inclusive afirmativas.

BUMBA MEU BOI & BOI BUMBÁ

O boi bumbá, é festejo popular amazonense e derivado do bumba meu boi maranhense, por sinal introduzido no estado do Amazonas por negros vindos de lá do Maranhão, e que aqui ganhou peculiaridades ante ao peso cultural indígena e caboclo que o diferenciaram bastante do boi maranhense. É uma festa de muitas representações fantásticas, tem negros, índios e brancos, além de outros elementos da cultura amazônica.

PAI FRANCISCO E CATIRINA

Personagens comuns às festas nordestinas e amazônicas, o casal de negros escravos fugitivos do auto do boi, Pai Francisco e Mãe Catirina, são representados tanto com pintura como máscaras, e em vários estilos, no boi amazonense apenas com pintura.

Boi no Maranhão

Boi no Maranhão

Boi maranhense

No boi bumbá amazonense (Garantido)

No boi bumbá amazonense (Caprichoso)

A forma e intensidade da pintura tem variado no boi bumbá ao longo dos anos, do mais caricato ao menos carregado, cabendo lembrar que no Amazonas o boi é uma festa popular centenária…, no Maranhão mais antiga ainda. Devemos pois, se for o caso de lutar, lutar pela valorização do reconhecimento da presença negra via tais personagens e por uma “caracterização mais respeitosa” não pela sua exclusão.

Aproveito para lembrar uma outra festa amazonense, essa menos conhecida, que se dá em São Paulo de Olivença, região do alto Solimões, a dança do africano .

A história dessa dança está no link acima, importante no entanto é destacar que a sua origem e intenção é de preservação e afirmação de presença negra na região desde tempos idos.

Isso tudo posto e explicado, voltemos ao motivo real da postagem. Recentemente grupo amazonense viajou com muitas dificuldades para o sudeste a fim de apresentar em atividade cultural o nosso boi bumbá, e eis que uma vez lá, foram impedidos de se apresentar acusados por neoativistas de “blackface”, situação piorada com a perseguição e linchamento virtual, bem ao estilo neoativista, aos organizadores da incursão amazonense.

Tais “Neos”, óbvios desconhecedores da cultura popular do próprio país e da diáspora, atuam como arrogantes ditadores do “correto”, sem contudo se darem ao trabalho de tentar entender do que realmente se trata algo, partindo precipitadamente de suas concepções rasas e descontextualizadas para o ataque insano. Mais um DESSERVIÇO prestado à causa negra e mais um “tiro no pé”, envergonhando esses “neotreteiros” à nós, velhos ou novos combatentes equilibrados da causa.

Se há desculpas a apresentar não é por parte amazonense… .


Deixe um comentário

Vídeos do histórico Programa Roda Viva AM sobre Consciência Negra (2007)

Depois de anos e atendendo a alguns pedidos, estou disponibilizando o vídeo (em várias partes) do  histórico programa Roda Viva AM de 2007, sobre Consciência Negra, no qual fui o entrevistado na berlinda… , na “banca”  além do apresentador Cristovão Nonato, as presenças de Cauby Cerquinho (Jornalista da TV Assembleia), Prof. Dr. Ademir Ramos (Antropólogo, professor da UFAM), Alberto Jorge (Psicólogo e Sacerdote de Matriz africana) e Luís Carlos (KK) Bonates ( Doutor em Biologia do INPA e  internacionalmente conhecido Mestre de Capoeira),   passados 7 anos a discussão continua  extremamente atual e a partir dela se pode ter uma boa ideia dos conceitos relativos ao tema, falamos de Racismo, Intolerância religiosa, Presença negra no Amazonas, Movimentos negros, Ações Afirmativas, A importância histórica de Palmares e de Zumbi, além de aspectos legais que justificam o feriado da Consciência Negra,  se não viu é uma ótima oportunidade, se já viu vale a pena ver de novo.

Só clicar nas imagens…

Link Roda Viva parte I no onedrive

rodaviva-parte1

http://1drv.ms/1BWfdaJ

( 5 min.)

 

 

 

 

 

 

 

Link Roda Viva parte II no onedrive

rodaviva-parte2
http://1drv.ms/1tagBNu

(8 min.)

 

 

 

 

 

 

 

 

Link Roda Viva parte III no onedrive

rodaviva-parte3

http://1drv.ms/1zJGCIj

(2 min. )

 

 

 

 

 

 

 

 

Link Roda Viva parte final no onedrive

rodaviva-parte-final

http://1drv.ms/1BWf1Zb

(41 min.)


Deixe um comentário

Invisibilização negra, uma questão de desconhecimento ou ideológica ?

silencio

 

Juarez C. da Silva Jr.

Não é raro ouvirmos no estado a repetição da sentença “não há negros no Amazonas !” (e obviamente replicado com relação a capital Manaus), vindo democraticamente tanto de pessoas simples e pouco instruídas quanto de figuras públicas de projeção nacional e instrução esmerada…, até mesmo em publicações oficiais essa negação ocorre (mesmo que não tão  direta e explicitamente)

O texto citado abaixo fez parte de um dos sites governamentais locais (hoje não mais disponibilizado em nenhum deles, porém ainda pode ser encontrado facilmente na web pois foi  largamente reproduzido em trabalhos escolares sem citação de fonte e sites outros disponibilizados na web) :

“Contribuição Étnica

Uma cidade marcada pelos traços culturais, políticos e econômicos herdados dos portugueses, espanhóis e franceses. Manaus cresceu assim, marcada pelos ciclos de exploração predatória do capitalismo de arribação. Mas, voltando um pouco na história do estado, não se pode esquecer a importância dos ameríndios no quesito contribuição étnica. Foram eles que iniciaram a ocupação humana na Amazônia, e seus descendentes caboclos desenvolveram-se em contato íntimo com o meio ambiente, adaptando-se às peculiaridades regionais e oportunidades oferecidas pela floresta.”

Percebe-se que não há  uma palavra sequer a respeito da presença ou influência negra na cultura, etc; ou seja, uma invisibilização por omissão .

O que piora quando uma publicação oficial (figura abaixo) traz equívocos grosseiros, demonstrando o real desconhecimento da temática étnico-racial (vide a definição de “amarelos” na figura abaixo), ou reproduz imprecisões e falácias preconceituosas como no destaque em amarelo, já não mais omitindo completamente, mas com clara intenção de minimizar e reforçar tal invisibilização da presença negra na cidade e no estado.

seplan-nega-negros

Projeto Mapeamento Econômico do Comércio da Cidade de Manaus, 2009,  pag 12, no seguinte link oficial:

fonte : http://www.seplan.am.gov.br/arquivos/download/arqeditor/projetos_mapeamentos_economicos.pdf

A publicação ignora a diferença conceitual e estatística entre “preto” e ” negro”, desconsidera os registros históricos que dão conta da presença local de africanos e descendentes escravizados,  a  longa campanha abolicionista no estado ( 16 anos, e concluída em 1884 com a Abolição da escravidão no Amazonas, quatro anos antes da lei áurea) , dos  trabalhadores “africanos livres” em Manaus, dos primeiros “barbadianos” (trabalhadores negros falantes de inglês, contratados para as grandes obras do período áureo da borracha), dos migrantes do Pará e Maranhão…, e tudo isso ainda no século XIX, portanto muito antes  e com muito maior relevância do que o alegado. A confusão se dá pela utilização do ano de 1907 (quando se amplia a presença barbadiana na região amazônica em função da retomada da construção da Estrada de ferro Madeira-Mamoré em Rondônia, bem como, de diversos outros empreendimentos ingleses em Belém e Manaus, mas nem isso elimina a sua presença prévia)  a exemplo da seguinte citação:

Entre 1890 e 1925, a Amazônia recebeu número considerável de imigrantes da colônia inglesa de Barbados no Caribe. Na sua grande maioria vieram como mão de obra especializada para trabalhar nas companhias inglesas responsáveis pelos serviços públicos no Pará. “Negros em quase sua totalidade, os barbadianos foram identificados na cidade como negros estrangeiros” 19. A vida social desses imigrantes era organizada em torno da Igreja Anglicana, transformando-a num centro de preservação sua identidade.”   (FIGUEIREDO, 2004).

A ideia central do discurso negacionista parece ser reforçar a  premissa de que a presença negra não ocorre no Amazonas de forma histórica e em período de formação do que é considerado “a base  do “povo amazonense”, muito menos com relevância…,  o que remeteria a população negra que ” insiste em não desaparecer”  a  um status de “alienígena”,  extemporânea,  raras exceções e “incidentais”, com a intenção de “preservar isolado” da composição étnico-racial local o elemento negro, “indesejável” enquanto permeador e formador de uma  sociedade que se deseja ver “europeizada” ou no máximo (já que não é possível negar dada a óbvia prevalência visual geral) caldeada com o indígena (vide também “Diretório dos índios do Marquês de Pombal: ou quando se acirrou a diferença social entre nativodescendentes e afrodescendentes no norte do Brasil.“)
Tal discurso excludente,  aparece como dito no início,  de forma generalizada e por exemplo na fala de diversos intelectuais e  lideranças políticas:
“Como parlamentar amazonense, o que tenho a observar é que nós temos uma identidade cabocla no Amazonas. É escassa a população negra naquele estado. A predominância é absolutamente do elemento indígena com o elemento europeu [..] Para mim, Zumbi é um herói, mas um herói muito mais próximo de mim é o índio Ajuricaba, que resistiu até a morte contra Portugal, liderando com enorme maestria uma verdadeira guerrilha contra o colonizador português. Então são valores que não podem ser esquecidos.” (Arthur Virgílio Neto, Agência Senado, 2009)  
Ou do Ex-Reitor da Universidade do Amazonas  Lourenço Braga que em entrevista à Agencia Brasil  afirmou :
“A universidade não enfrentou a questão dos negros porque eles se constituem uma minoria bastante pequena na região. A minoria mais significativa na região é de índios”. (Lourenço Braga, Agência Brasil, 2004)
Vale ressaltar  que à  época  e  segundo o Censo do IBGE de 2000, a população do Amazonas (2.817.252 habitantes) era  formada por 4,02% (113.391) de índios, 3,1% de pretos (87.334), 66,89% de pardos ( lembrando que oficialmente, pelos critérios do IBGE , políticas públicas, academia e Movimento Negro, a soma os autodeclarados pardos e pretos compõem a chamada população negra)  e 24,19% de brancos; ou seja, está óbvio que o reitor desconhecia o fato ou preferiu ignorar e seguir de acordo com a ideologia de invisibilização corrente, já que uma diferença de um ponto percentual (dentro da margem de tolerância para o chamado empate estatístico) em termos técnicos não teria o condão de “justificar” cotas indígenas e “não enfrentar” cotas para negros devido a”não significância” do segmento, e novamente lembrando que falamos apenas de pretos, a se considerar o conceito estatístico de negro (pretos + pardos) a coisa atingiria  simplesmente 70% da população…  .
 A CONTRA-INVISIBILIZAÇÃO

Mais recentemente, próximo da virada do século, se intensificou no meio acadêmico e em consonância com o que já se vinha há um bom tempo sendo demandado pelo movimento negro, um movimento no sentido de reverter tal invisibilização;  Luis Pinheiro Balkar  e Patricia Maria Melo Sampaio (respectivamente meu Professor e Orientadora  no Mestrado)  já denunciavam tal invisibilização histórica:

Em artigo recente sobre a presença negra na Amazônia de meados do XIX, Luís Balkar Pinheiro aponta para as limitações de abordagem encontradas na produção historiográfica e conclui que um de seus principais desdobramentos é o fato de que “o ocultamento da presença negra na Amazônia continua efetivo, mantendo incólume uma das mais graves distorções na escrita da história da região.” (SAMPAIO, 1999, s/p)

Novamente citando Patrícia Sampaio em importante e mais recente (2011) obra por ela organizada, “O FIM DO SILÊNCIO: presença negra na Amazônia”, verifica-se a relevância de todos os trabalhos no sentido de eliminar esse persistente silêncio.

[..] tema tido como fundamental nos mais diferentes campos acadêmicos: economia, sociologia, antropologia, direito, além da história, obviamente. Contudo em se tratando de Amazônia e, mais particularmente, do Amazonas, estamos diante de um tema muito pouco frequentado pelos estudiosos. Um silêncio persistente que insiste em apagar memórias, histórias e trajetórias de populações muito diversificadas que fizeram desta região seu espaço de luta e sobrevivência. Esta é uma dívida de muitas gerações que ainda reclama sua paga. (SAMPAIO, 2011, p8 )

De fato, uma nova geração de pesquisadores amazonenses em sua maioria influenciados ou seus orientandos, como Ygor Olinto Cavalcante, Provino Neto, Tenner Inauhiny entre tantos outros, formados e em formação, tem dado significativa contribuição para reverter essa invisibilização.

Corroborado pelos esforços dos militantes dos movimentos de negritude, que recentemente tem alcançado os programas de pós-graduação, como Ednailda dos Santos,  Arlete Anchieta, Gláucio da Gama,  Socorro Lima , além de outros já mais antigos como o Dr. KK Bonates,  trazendo aos poucos a  justa reversão do quadro.

Para finalizar, cabe lembrar um dos últimos fatos com relação a essa invisibilidade negra no Amazonas, muitas pessoas afirmam sem maiores constrangimentos, que a população negra na cidade de Manaus só “aparece”  ou “cresce grandemente” a partir da chegada dos imigrantes haitianos, refugiados do grande terremoto de 2010, quando em grandes levas chegavam a Manaus, lotando as instalações da igreja São Geraldo, na avenida Constantino Nery, ou circulando a pé aos pares ou grupos atrás de empregos com as indefectíveis pastas com documentos e curriculuns, ocorre que no período de 2010 a 2014 entraram no Brasil, cerca de 34 mil haitianos, desses 20%  (6.800) direto de port-au-prince  para o sudeste do Brasil, 75% entraram pelas fronteiras do norte (Tabatinga-AM ou Brasileia-AC), pelas facilidades para entrar e seguir por terra a maioria entra por Brasileia-AC, até  meados de 2013 mais de 10 mil haviam passado por lá, o sendo a rota preferida o número triplicou desde 2010 , o que deixaria como saldo máximo para a entrada  por Tabatinga – Manaus de cerca de 17 mil ao longo de quatro anos, sabe-se que hoje, embora estejam em 286 cidades brasileiras, 75% dos haitianos estão concentrados em São Paulo, em torno de 10% em Manaus (ou seja 3.400)  e 7% – cerca de 3 mil – em Minas Gerais.

De acordo com o relatório do IBGE de 2007, em 2000, a Região Norte possuía uma população de 12,9 milhões de habitantes, dos quais 3,6 milhões se classificaram como brancos (28,0%), 641 mil como pretos (5,0%), 29 mil como amarelos (0,2%), 8,3 milhões como pardos (64,0%) e 213 mil indígenas (1,7%). (lembrando que nem estamos entrando na questão dos “pardos” que na região norte tem a especificidade de não ser majoritariamente de origem africana, mas indígena)

A questão é, como é que notaram os talvez 17 mil haitianos que passaram por Manaus e os 3.400 que ficaram por aqui, mas não perceberam os 87.334 pretos brasileiros, que já estavam por  aqui pelo Amazonas de acordo com o Censo de 2000, ou os 143.888  de acordo com o censo de 201o… ????;  por outro lado ninguém tem dúvidas em colocar o Amazonas como “estado indígena” pelos 168.624 indígenas apurados no mesmo censo (uma diferença   + + 0,7% pontos percentuais em relação a de pretos), mas insistem sistematicamente na negação da presença negra ou na sua “alienigezação”, mas (BLUMER, 1939) explica bem isso :

Os quatro tipos de sentimentos sempre presentes no preconceito racial: 

  1.  um sentimento de superioridade;
  2.  um sentimento de que a raça um sentimento de que a raça subordinada  é intrinsecamente diferente e alienígena;
  3.  um sentimento de monopólio sobre um sentimento de monopólio sobre certas vantagens e privilégios
  4.  medo ou suspeita de que a raça medo ou suspeita de que a raça subordinada deseja partilhar partilhar as prerrogativas da raça dominante.

Pelo resultado das ações práticas, se explica e pode-se identificar os verdadeiros sentimentos que motivam a histórica invisibilização negra no Amazonas.

 

 

Mestrando em História Social do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Amazonas (PPGH-UFAM) turma de 2014 e cursista da disciplina Metodologia das Ciências Sociais no Mestrado em Sociologia do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Amazonas (PPGS-UFAM).

 

REFERÊNCIAS

AFROAMAZONAS. Desenvolvida pelo Movimento Afrodescendente do Amazonas, 2006, Informações gerais sobre a Instituição e referencial teórico sobre negritude . disponível em: < http://movimentoafro.amazonida.com >. Acesso em 18. ago. 2014.

BLUMER, H. 1939 “The nature of racial prejudice”, Social Process in Hawaii, v. 11-20. 1965 “Industrialization and race relations”, in HUNTER, G., Industrialization and Race Relations, Westport, Greenwood.

FIGUEREDO. Aldrin. Belém dos Imigrantes: História e Memória. Belém- Pará.  Museu de Arte de Belém , 2004.

GARCIA, Etelvina. Manaus, Referências da História, disponível em : < http://www.manaus.am.gov.br/manaus/referenciasdahistoria/sumario>. acesso em 29. out. 2013.

HAITIANOS BRASIL. Desenvolvida SERVIÇO VOLUNTÁRIO PRÓ HAITI e jesuítas do Brasil em Manaus/Amazonas. , 2013, Informações gerais sobre a Instituição e serviços relacionados. disponível em: < http://haitianosbrasil.blogspot.com.br/ >. Acesso em 18. ago. 2014.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 18. ago. 2014.

LIMA, Maria Rosane. Ingleses Pretos, Barbadianos Negros, Brasileiros Morenos? Identidades e Memórias (Belém, Século XX e XXI). Dissertação de mestrado, UFPA. 2004

MONTEIRO, Mário Ypiranga. O folclore afro-negro no Amazonas.

Caderno do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, Manaus, 1987

REIS, Arthur. História do Amazonas, Belo Horizonte: Itatiaia, 1989

SAMPAIO, P. M. O fim do silencio: Presença negra na Amazônia. Belém: Açaí: CNPq, 2011.

SILVA JUNIOR, J. C. A presença negra no Amazonas, 2006. disponível em< http://movimentoafro.amazonida.com/presenca_negra_no_amazonas.htm>. acesso: 18. ago. 2014.


Deixe um comentário

Para rir, revoltar mulheres ou refletir ?

instinto-masculinoBom, se você é uma pessoa normal, provavelmente em primeiro momento deve ter dado umas risadinhas com a cena acima…, se é homem deve ter parado por ai…, se é mulher em um segundo momento deve ter posto o “modo revolta com a macharada” em ON e se for feminista a esta altura já deve estar se preparando para fazer uma “campanha” que inclui atirar esse pobre blog no rol de “blogs machistas” etc, etc 🙂 .

A imagem acima encontrei em uma das “andanças” pelo facebook, e resolvi comentar por lá  “bem-humorada” e brevemente mas com um pé na análise “sócio-antropológica” da coisa, e foi ai que a coisa complicou…, obviamente fui contestado em  minha linha de entendimento básica “crítica as convenções culturais X instinto masculino”, aqui só vou aproveitar para alongar um pouquinho a minha tréplica e estimular a reflexão de quem por ventura passar por estas linhas .

Antes de entrar na questão propriamente dita, só um ligeira observação, penso que assim como no meu tema mais recorrente (africanicidades e combate ao racismo), no feminismo há também posicionamentos um tanto equivocados por parte de ativistas quanto ao que venha a ser o real objeto da causa, os objetivos a alcançar e os discursos e métodos para tal…, sou solidário a todas causas (e verdadeiras causas são todas justas), e penso que o fato de discordar parcialmente de demandas arbitrárias (falsas demandas, desnecessárias ou equivocadas) não me faz “inimigo” de nenhuma delas, isto posto vamos ao cerne da questão.

A definição de homem (no sentido de ser humano) é o de “animal racional e social”, e por mais que sejamos afetados pelos códigos e posturas culturais (umas milenares outras nem tanto, umas vigentes em determinadas culturas outras não…, mas todas artificiais e “impostas” socialmente), não podemos nos afastar “racional e cientificamente” do fato simples e natural de que somos sim parte do mundo animal e que por tal estamos sujeitos a regras e características naturais comuns a outros nossos convivas não racionais…, sejam fisiológicas, ambientais, nascimento, doenças, morte, enfim…; uma dessas características são os instintos, e entre eles o de sobrevivência e o sexual…, sendo que isso não tem religião, cultura ou código legal que consiga estirpar da nossa natureza de “animal humano” com dizia Winnicott (quando muito reprimir ou fazer sublimar, mas nem sempre…), já o “sentimento feminino de posse exclusiva do macho”  e que não é comum na natureza a qual tanto já subvertemos (pelo menos não entre a nossa classe mamífera, exceção talvez para as toupeiras) é em análise direta tão “natural” e introjetado quanto o seria o racismo…, ou seja, não deveria existir já que entre os Sapiens de fato nunca configuramos diversas subespécies, nem há de fato nenhuma razão “natural” que o “justifique”, mas mesmo assim foi “inventado” e está lá culturalmente colocado nas psiques… (principalmente as ocidentais baseadas na moral judaico-cristã)….

A imagem que dá origem ao texto é obviamente uma coisinha premeditadamente feita para fazer rir… , e humor é baseado sempre em nossas desgraças e incoerências, e tentar seguir as convenções e ter dificuldades com instintos naturais é uma delas, e é disso que de maneira curta e ilustrada trata a tirinha….


1 comentário

Afrobaré : Um show de defesa da igualdade, arte/cultura e bom uso da tecnologia

afrobaré-logo

O post de hoje é para falar sobre esse incrível grupo que combina maravilhosamente a valorização e divulgação da cultura afroamazonense e do respeito à diversidade/promoção da igualdade, com as tecnologias que permitiram a quebra do oligopólio que eram  até pouco tempo atrás os veículos de comunicação de massa.

Conheci o pessoal lá na 3ª Conferência de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Amazonas, turminha animada e  muito engajada, capitaneada pelo Lucemir Monterrey, porém ao invés de ficar aqui falando das minhas impressões, convido @ leitor@ a conhecer o trabalho do grupo a partir do próprio trabalho dele, vale muito a pena… .

ju_lucemir_monterrey

Com o Diretor Lucemir Monterrey, estilosos… 🙂

Ladies & Gentlemen com vocês AFROBARÉ! :

No facebook  https://www.facebook.com/AfroBare?fref=ts

Rádio Web Afrobaré : http://www.radioafrobare.com/

curtir


Deixe um comentário

Dançar ?, nem pensar… :-)

ética-árabe

Um jovem casal de origem árabe/mulçumana nascido e criado no ocidente e meio distante dos rigores das tradições religiosas e culturais, resolveu se casar de acordo com as tradições e nas terras ancestrais, chegando lá  o noivo vai visitar o mullah (sacerdote).
O noivo diz que virão muitos parentes e amigos do exterior e pretendem fazer uma festa ocidentalizada, com bolo, dança, champanhe, etc…
O mullah responde que tudo bem, desde que se retire o champanhe e não haja dança de homens com mulheres e acrescenta:
-Você sabe que a nossa religião não permite bebida alcoólica e que homens dancem com mulheres! É ultrajante, completamente imoral, não aja como um pervertido! Homens só devem dançar com homens, e mulheres, só com mulheres!
Já resignado o noivo concorda e faz outra pergunta:
-Não somos experientes…, com relação ao sexo tem alguma coisa que não podemos fazer ?
O mullah:
– Sem problemas, o Islã acha o sexo muito bom, sexo pode nos dar filhos! Alá é muito grande! o prazer é uma dádiva a ser aproveitada das melhores maneiras possíveis!
Animado o noivo continua:
-Depois desse casamento estou pensando em ampliar ainda mais a família, além dos filhos quero ter mais esposas, posso ?
Mullah:
– Sim, sim, isso é normal e bem-vindo, você pode casar com quantas mulheres puder sustentar
Mais animado ainda o noivo pergunta:

-Posso casar com uma bem novinha ?, adolescente ?

Mullah :

-Normal, “novinhas” são as melhores…

O noivo :

– E posso juntar as minhas outras mulheres e fazer com todas de uma vez?

– Sim meu jovem, pode. Alá é grande! se todas concordarem, podem todos ter muito prazer juntos.

O noivo:

-Em qualquer posição?
Mullah:
– Sim,
Animadíssimo O noivo, completa:
– Podemos fazer 69? , Frango assado?, De ponta cabeça?, Pendurados numa corda?, Espanhola? Anal?
Mullah:
– Sim,podem tudo !
O noivo:
-Podemos, dar uma “animadinha” a mais e inserir uns brinquedinhos na transa ?, cêra quente…
Mullah:
– Claro, isso é com vocês…, pode sim, Alá é muito grande!
O noivo:
– E em pé, podemos fazer em pé?
Ai o mullah para, coça a cabeça…,reflete por um instante e sentencia:
– NÃO !!!!,  em pé NÃO !!!!
O noivo entre desanimado e pasmo pergunta:
– Mas por quê Mullah ???
E o Mullah Responde:
– Melhor não facilitar, vai que vocês se empolgam e começam a dançar…

:-):-) , Moral da História, ” a diferença entre uma coisa e a mesma coisa é apenas a forma como olhamos para ela”, as diferenças culturais, são construções artificiais de “moral” e ética que variam de sociedade para sociedade ( e mesmo de recorte social para recorte social dentro de uma mesma sociedade) ou de época para época; o que para uns é um “absurdo”, para outros é a coisa mais natural do mundo e vice-versa…, quem é que está “certo” ???, se continuamos a ver o mundo exclusivamente por nossas lentes etnocêntricas (centradas apenas nossos valores étnicos e culturais) nunca será o outro…, toda intolerância vem dai…, pare e reflita.