Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

Minha microdissertação em Blockchain & Criptocurrency (em inglês)

Blockchain & Criptocurrency

Juarez C. da Silva Junior

juarez.c.silva@gmail.com

(Brazil, 2021)

Blockchain

it’s a recording system of transactions based on database and networks, the name gives a basic idea of the thing, processing of blocks of data containing transactions in a chained way, like a big digital ledger, it’s immutable and fraud proof, which could be used for several things like digital assets, authentication and identification, beside others.

Centralized, descentralized and Distributed networks

Centralized network is the one with a single network “owner”, only that point allows information sharing to the others. In another hand, descentralized network has several “owner points” interconnected, it’s possible to “divert routes” of sharing in case of failures and also to maintain backups. The distributed network completely ends with the possibility of centralization, all points can communicate with each other.

So, blockchain is trully descentralized or distributed network? How is the block structure?

Well, we can say there’s a mix of the shapes, since the data is not saved in a single organization and only one server, but among all the miners and other actors on the network. The exchanges for example have internal centralization, but they work as descentalized points for the network, so all information on a blockchain can be found in all of network machines, means distributed too. 

About block structure, basically a block is composed of a header and a body.  The header contains the hash from the previous block, a timestamp, the nonce (arbitrary number) and the Merkle root. Merkle’s root is obtained from the combination of the hashes of the various transactions in the body. In it is the Merkle tree, a combination of transactional hashes and the data of transactions, as input, output, timestamp, signature, value.

Mining farm and Bitcoin pricing

The process of obtaining new coins to the market is called mining. It’s done by the validation work of miners over transaction blocks, which with their machines solve mathematical problems that make this release, “farm” is nothing more than big sets of computers working together to solve such matters. 

Bitcoin’s precification is basically obtained from the suply and demand rule, as well as expectations and events in the real world. A mix of what happens to fiduciary coins and stocks. The higher demand higher price, lower demand or massive sales lower price. Mining difficulties, speculations with good or bad economic news or feelings overall or at specific market can influence as well.

Merkle tree

It’s a mathematical structure that allows the safe and unique identification and consistency of a block  in blockchain. Each transaction has a hash that’s like a hexadecimal code, from each pair of hashes forms a new hash a level above,

the combination of the pairs of hashes on this level are equally combined to form a new level up and so on until there is a single hash, which is an single-possible representation from the information on that block and is called Merkle’s root.

Ledger and a brief history of blockchain

In common accounting, a ledger is what contains detailed and updated records of a company transactions. When we talk about blockchain ledger we have a type of digital version of that in the general sense, it’s the general record of  block transactions processed in the network, but descentralized/distributed, all machines in the network maintains a copy of these records. In the case, ledger is public, immutable and fraud-proof.

The history of Blockchain doesn’t begin exactly with its development and application but with the concerns of the so-called Cypherpunks, in the early years of the 1990s. They were a group emerged in California and formed by mathematicians, programmers and cryptographers concerned about privacy and security in the growing wave of popularization of cyber technologies. From 2007, the Bitcoin project begins, which introduces the pratical basis of Blockchain technology use. In 2008, was launched an article signed by Satoshi Nakamoto, an alias, unconfirmed until today that it would really belong to. In 2010, the first purchase occurs by using bitcoin, at least publicized, two pizzas, for 10,000 bitcoins, it’s known that bitcoin was also used in dark transactions like in “Silk Road”. After that times the technology behind the Bitcoin became considered for other applications beyond the cryptocurrency itself, with the evolution of technology emerged the smart contracts, altcoins and a whole range of new descentralized applications.

Why should one use Blockchain? Cryptocurrencies definition and uses

There are several possible motives and uses, certain economic players have recently discovered advantages in the use of blockchain, for example safe validation of transactions. From this government and financial institutions think about implementing blockchain in their operations, companies and independent artists who depend on intellectual property can also benefit especially from this technology.

Although a lot of people have difficulty defining what is cryptocurrency, like the expert character performed by Elon Musk on Saturday Night Show, we can say that is what we can call descentralized digital money or coins, obtained and operated in a safe way in systems where the information and the data are encrypted in a blockchain network. Among the advantages is anonymity and the main, the non-control by  Governments.

Cryptocurrencies can be used, for adoption as a means of payment, international transfers with low cost and high speed, gambling, savings or investment, thanks to high value increase possibilities, can also be linked to niches   and specific projects.

 Cryptography and Bitcoin

Cryptography is a set of methods that are intended to prevent a third part of understanding the contents of a message, for long has been restricted to spies and military, but today is used in several types of communications and transaction validation.

Bitcoin was the world’s first cryptcoin, largely adopted as digital payment, and mostly as investment, possesses the biggest market cap of all and normally good valuation.

Bitcoin’s advantages and disadvantages 

Advantages

Decentralized service, no fees or else low, Safe network, anonymity, user control, not affected directly by inflation, worldwide utilization, normally good valuation.

Disadvantages 

Processing of transactions still relatively slow compared to altcoins, the Bitcoin network needs optimizing, It’s not popularly adopted as payment means yet, environmentally questionable mining process.

Bitcoin Wallet

Wallets, as his name suggests are locations to maintain money, in this case Bitcoin tokens, or other cryptocurrencies and  digital assets with lots or some security like access pins, long  recovery phrases, encryption, 2FA codes, dependeding on the choice. The types can vary, basically the wallets can be custody in exchanges, desktop

computers, mobile devices, can also be specific physical devices or even the so-caldepends per wallets.

Basically, you’re gonna need a Bitcoin exchange, and for use as a means of payment also a Bitcoin wallet. Exchange is where your fiduciary money will be converted to bitcoins, in it, you can also make the reverse process by getting fiduciary coin in exchange for your Bitcoins. For mere investment, swing trade or reserve it is possible to leave your Bitcoins taken into your wallet in your exchange account, but is recommended to keep a wallet in an external device of your own.

Bitcoin exchange, steps

The steps depend on some factors,

First create an account and then make a deposit, you can make an online deposit or  in person to your account at the exchange, sometimes buy it with a credit card too.

Second,  swap your fiduciary balance to Bitcoin, OK, you already have bitcoins.

Third, if you want, you can now transfer from your account wallet to your external wallet using Bitcoin’s respective address on it, you can also transfer it to any other valid address you want. With the Bitcoins in your personal wallet, you can then use them for payments and transfers.

Fourth, you can either buy or receive bitcoins in your own wallet addresses, and depending on your wallet, to make exchange with other cryptocurrencies.

Fifth,  withdraws in fiduciary currencies can be made indicating the address of  wallet to swap Bitcoin in an exchange and generally the number of the bank account, in general preregistered.

Bitcoin cash, differences for Bitcoin

Bitcoin Cash is a Bitcoin hardfork. The code of Bitcoin Is BTC, of Bitcoin Cash Is BCH.

The main difference between both nets is the maximum size of block allowed by each. The size of the BCH block is bigger, so it have  less time processing and off course better fees. Bitcoin has a higher market cap and also more value.

Segwit2x, difference between soft and hard fork 

Basically Segwit2x is a hardfork from Bitcoin proposed in 2015, a proposal that doubles the size of the transactions block in a “dimmer way”, doesn’t add great news, but compiles some previous features alteration proposals. It compete with other hardforks like Bitcoin Cash.

Forks in Blockchain are forks that occur in protocol. Every cryptocurrency can suffer a fork, it happens when there are disagreements between different user groups. So new chains are created as alternative to the initial. In other words, a division that works under new rules or ancient rules. 

In a hard fork, new rules prevent compatibility with the old ones, we have a new thing, at soft fork just an update, not incompatibilization.

What Ethereum is, differences for Bitcoin

Ethereum like Bitcoin is a Blockchain network with a cryptoccurrency of its own, there are similarities between both like mining, as there are differences.

The most visible difference between the two is that Ethereum was created to process apps and decentralized services, is strong for smart contracts and with it created its own token, Ether, the ETH which is used for payments of fees, but also as a reserve of value. Ethereum is the prime competitor of Bitcoin, has smaller market cap and value, but if it can optimize his network, reduce the fee value and  mainly to change the mining scheme, it can overtake Bitcoin.

 Ethereum, merits and demerits 

Merits

Ethereum is used for more complicated and diversified applications than for example the Bitcoin Blockchain, it allows the creation of smart contracts. It has a more reliable network structure, safer than competition, also faster and efficient. It’s a descentalized platform, which guarantees always online applications. There are constant updates, which improves performance and also possibilities of new features. It allows different ways of picking up resources for projects. The mining process seems to be heading a more sustainable way.

Demerits

Smart contracts can be made with mistake coding, leaving explorable vulnerability breaches, Ethereum has no contract renounced project, can suffer personalist influences because the project has a knowed owner. The scalability of the Ethereum network generates great size and greater need for storage spaces, which could be more troubled than in the Bitcoin Blockchain case. Ethereum’s DAO applications still suffer failures and attacks, which narrows down to the confidence of choice and use. Finally, the transaction fees on the network are still elevated.

Ripple, Litecoin and Dash

Ripple is a protocol dedicated to distributed payment, although it has a coin of its own for use in its ecosystem, the XRP, the platform also has support for other cryptocurrencies. Your main applicability is instant and safe payments. We can say that a good definition for the platform is to be at the same time a solution “Bank and WU Killer” since the transaction assets can represent both fiduciary coins and assets or be cryptoactives, all with  lower fees, on the other hand can ease up for financial institutions to integration  to the cryptomarket and  benefits of Blockchain technology. As the advantage the main highlight is the speed of processing, often rapid in relation to Bitcoin, the main disadvantage is that like Bitcoin is not very sustainable, it requires a lot of electric energy.

Litecoin is basically a cryptocurrency “Bitcoin like”, was created in 2011 and as the name suggests, to be a lighter alternative to Bitcoin. Has fast transactions and very lower fees. Litecoin’s main feature is to be peer-to-peer, which means it’s used as a means of payment where people pay directly to each other without intermediation. Running to reach the TOP 5 of the cryptocurrencies.

DASH is a cryptocurrency from a DAO (descentralized organization), actually a Bitcoin hard fork (from 2014). Its main feature is the speed of ultra-rapid transactions. Another point is that the DASH can be used for votes at governance system, has two-layer structure, regular blockchain and masternode. The cryptocurrency was initially called XCoin, then became very used on the dark web, finally got its current name, trying to get rid of the negative image. 

Monetary policy

Is the form as a coin is placed or removed from circulation. In the case of Bitcoin, the emission is for payed mining, that’s the only way to increase the amount of bitcoins available at the market. Unlike the controlled trust coins, issued in a unlimited way by a central bank, generally cryptocurrencies already emerge with a possible limit, the Bitcoin’s, for example, is 21 million units. The obvious effect of this is to do deflationary cryptcoin, with the increasing demand and  coins shortage, progressively the value grows throughout time.

Tax regulations related to Bitcoin

The taxation of cryptocurrencies, including Bitcoin varies from country to country. Usually the rules are similar to other assets, tax incidence occurs from certain value.

Bitcoin in the retail and health industry, role It play in education

Nowadays several large retail networks already accept Bitcoin directly as payment, there are also platforms that indicate where you can buy with Bitcoin, others who do intermediation, you buy and pay by using bitcoin and they pay the seller using the means  which it accepts. 

Talking about  health care Industry maybe should better to speak not about Bitcoin but technology behind it, the blockchain, that can be used for global health records, better supply chain control and transparency, medical AND nursing personnel check and health insurance smart contracts. That might also make easier medical history in the refugees case…

In the case of education equally the Blockchain technology can give global control, credentials and certifications and diplomas verification, school records. Bitcoin can be used for fees payments and other things.

FIAT currency and DAO

Initially money was based on a gold related standard system or another commodities, the emergence of paper coin allowed conversion of paper bills to gold because it was direct relation to gold that the government owned. 

Fiduciary currencies, also called FIAT Currencies have its value guaranteed by the emitter government, without relation to a commodity or something else. The emergence of the fiduciary currencies happened in China centuries ago. Some European countries uses FIAT since the 18th century. 

In 1972, the U.S. government completely abandoned the gold standard parity for the dollar, and with that almost  all the other currencies in the world became also FIAT. The governments and central banks of each country have a lot and almost complete control over the respective monetary systems. But the unbalanced emission of money can lead to hyperinflation and economic collapses.

DAO

Decentralized Autonomous Organization is a kind of organization in which the rules are set in the blockchain system using smart contracts, generating total transparency to all users. There is no central server or entity that supervises the processes,  control is made by shareholders involved in the project. The main goal in a DAO is to allow operational and funding of your projects through your smart contracts.

One cool thing about DAOs is democracy, there are votations of the proposals made at the blockchain, under supervision of some “admins” or voluntary “devs” (developers). The idea is simple, in the votation are used to represent votes the amount of cryptoactives invested by each member in certain projects, more investment and confidence, more “voice”.


Deixe um comentário

Jornalistas premiadas co-fundadoras da Agência Amazônia Real ganham vídeo antológico

Desde fins de 2018 colaboro como colunista, na agência de notícias Amazônia Real (AR), de jornalismo independente, premiada nacional e internacionalmente e focada como o nome diz em mostrar as realidades da região amazônica.

A afinidade deste  blog aqui, que mantenho desde 2004, com a Agência AR, começa pelo nosso slogan, “Da Amazônia para o mundo”, assim também é a visão e missão da AR. Importante frisar que há óbvia diferença, enquanto a agência faz jornalismo profissional e independente, o blog é apenas um espaço pessoal de reflexão e manifestação pública, que mantenho desde antes do advento das redes sociais, e também obviamente o blog é de muitíssimo menor alcance.

Mesmo assim aproveito o espaço para parabenizar as queridas jornalistas Kátia Brasil e Elaíze Farias e agradecer por toda a consideração que sempre tiveram para com a minha pessoa, inclusive em momento crítico.

Feita a contextualização da minha relação com a agência e consequentemente com suas co-fundadoras, que receberam homenagem no 16º Congresso da Abraji (Associação brasileira de jornalismo independente), vamos ao que interessa, o vídeo antológico… https://vimeo.com/592137565


Deixe um comentário

DE NOVO SOBRE JORNALISTAS E HISTÓRIA

Laurentino Gomes no Programa Roda Viva

Já escrevi aqui no blog sobre a questão dos jornalistas que escrevem sobre História. No caso falei do Eduardo “peninha” Bueno. No vídeo abaixo tem uma fala do Laurentino Gomes no Roda Viva. Não tenho nada contra, e concordo com eles que se eles fazem sucesso e vendem muito, não deveria ser “problema” como é para muitos colegas Historiadores de formação que os criticam… .

A produção acadêmica é “antropofágica”, ou seja, para consumo endogâmico (interno)… . Enquanto jornalistas e escritores de estilo popular, eles não estão limitados pela sisudez e a “aridez” do método e práticas historiograficas, escrevem para o povo e pelo povo são lidos… fazer o quê? 🤷🏿‍♂️

Certos “corporativismos” parecem mais pura inveja e recalque…, afinal, escrever interessantemente em tese qualquer um pode, por que não os “experts profissionais” ? #mistério

Veja o vídeo:

https://youtu.be/FklN_FRagcE


Deixe um comentário

Anacronismo & “anacrofobia”

Essa fobia é instalada na mente dos jovens estudantes de história ainda na graduação, por professores “old school” muito aferrados a episteme ortodoxa e circunscrita ao campo. Não se está retirando a importância de evitar o anacronismo, mas sim clamando um real entendimento do que vem a ser de fato anacronismo e os seus limites na escrita historiográfica.

O anacronismo é categoria tomada do campo das artes, consiste basicamente em inserir em uma representação recortada do passado, elementos que eram estranhos ao recorte. Isso migrado para a história, inclui “levar ao passado” termos e categorias de pensamento do presente   ou somente a partir deles realizar as análises cabíveis.

José D’Assunção Barros, grande estudioso da teoria historiografica afirma sobre anacronismo :

Muitas vezes os historiadores de nosso tempo, que aprendem desde cedo na Academia que o maior pecado para um historiador é o do anacronismo, quase se sentem tentados a mandar confeccionar um manto medieval para depois se encerrarem nos seus gabinetes de estudo com uma roupa apropriada para iniciar uma investigação sobre a ordem medieval dos templários. Não é isto o que os libertará dos riscos do anacronismo, e nem um eventual horror a utilizar categorias teóricas contemporâneas na hora de analisar uma fonte histórica. [..]
O que o historiador não deve fazer de modo algum, com vistas a evitar os riscos do anacronismo, é inadvertidamente projetar categorias de pensamento que são só suas ou de outros homens de sua própria época nas mentes das pessoas de determinada sociedade ou de certo periodo.  [..]

Dito de outra forma, é preciso não confundir o “nivel da análise” com a “realidade das fontes”. O historiador lida, obviamente, com estas duas coisas: com os instrumentos
conceituais de análise, e com uma realidade histórica que ele analisa (o nivel das fontes). Será importante partirmos destas considerações sobre os “dois níveis de conceitos” se quisermos ter uma maior clareza sobre o que é efetivamente o “anacronismo”, sem recairmos inadvertidamente no seu extremo oposto, que é o das distorções causadas pela “fobia do anacronismo”. Há uma diferença de níveis e de natureza teórica entre o uso do conceito de “sistema” ou de “feminismo” para a análise de sociedades antigas, da qual é preciso nos conscientizarmos.
O que é anacronismo? Em primeiro lugar, é preciso não esquecer o já mencionado fato de que o historiador, ao examinar determinada sociedade localizada no passado, está sempre operando (também) com categorias de seu próprio tempo (mesmo que ele não queira). Dai aquela célebre frase de Benedetto Croce, que dizia que “toda história é contemporânea”.
Isto quer dizer que mesmo a História Antiga e a História Medieval são de certo modo histórias contemporâneas, porque são elaboradas pelos historiadores de nosso tempo (e voltadas para leitores de nosso tempo)”. Há uma tensão muito delicada que envolve esta inarredável característica do trabalho historiográfico: por um lado o historiador deve conservar vivamente a consciência de que trabalhará com as categorias de seu próprio tempo, ao nível da análise, mas, por outro lado, deverá evitar que algumas destas categorias ameacem deturpar as suas possibilidades de compreender os homens do passado, seres humanos históricos que tinham as suas próprias categorias de pensamento e de sensibilidade. Estas últimas, obviamente, também serão trabalhadas pelo historiador, mas não como instrumentos para desenvolver a análise, e sim como aquilo mesmo que se analisa. Por exemplo, da mesma forma que os métodos que um historiador emprega serão sempre métodos seus, desenvolvidos na sua própria época, já que ele poderá empregar os recursos da análise semiótica, só desenvolvidos recentemente, para examinar fontes da História Antiga ou Medieval, de igual maneira este mesmo historiador poderá elaborar ou trabalhar com novos conceitos, somente tornados possíveis no seu tempo, para iluminar uma época anterior a sua. Menor problema nestes precisamente os usos de novas técnicas, conceitos e modos de ver uma realidade passada que asseguram que a história de uma determinada época deverá ser sempre recontada. A questão do anacronismo é muitas vezes mal-interpretada, se nos deixamos enredar pelas distorções causadas pela “fobia do anacronismo”. (BARROS, 2018)

Em resumo, o historiador trabalha com as categorias do passado ao nível das fontes, mas pode com razoabilidade em sua análise e para a melhor compreensão dos seus leitores, utilizar categorias atuais que se acoplem ou aproximem em sentido ao que se observa do passado. Por exemplo, não vamos “colocar na boca” de um personagem do passado o termo “hanseníase” quando a categoria corrente no recorte e nas fontes aparece como “lepra”, mas também não vamos usar só esse termo nas nossas análises e observações próprias, pois era a categoria na época.

Referência

BARROS, D’Assunção José. A construção da teoria nas ciências humanas. Vozes. 2018. disponível em < https://books.google.com.br/books?id=FJZNDwAAQBAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false >


Deixe um comentário

Os “super parágrafos”

Faz tempo que isso ocorre. Eventualmente, ao revisitar antigos textos meus, me dá angústia e acabo repontuando tudo. O motivo é que até meados de 2015 eu simplesmente não tinha percebido que escrevia mais ou menos como falava, ou seja, em grandes blocos de pensamento concatenado, sem parágrafos intermediários. O “parágrafo” para mim era todo o “grande bloco lógico”…, que podia ultrapassar fácil as 14 linhas, quando muito usava ponto e vírgula quando entendia que havia uma pequena quebra de fluxo dentro do “blocão”.

Não sei se muita gente percebia e “relevava”, pois sempre me foi dito que eu “escrevia bem”, ou se igual a mim, muita gente lia “de carreirinha” em “blocões”, não fazendo muita diferença a divisão do bloco de texto em parágrafos “mais contidos”. Isso foi até a minha qualificação do mestrado, quando um dos membros da banca, não sei se incumbido pelos demais, o Prof. Júlio Claudio, hoje um bom amigo, com muita elegância, inclusive me comparando à grande escritor que “estilosamente” também abusava de “super parágrafos”, me alertou sobre o problema.

E ai entra uma outra figura de suma importância, o Prof. Odenildo Sena, emérito da UFAM e autor do livro abaixo, ao qual recorri:

O livro tem 4 capítulos, 3 deles dedicados ao parágrafo…, ou seja, fica claro que a boa escrita passa pela sua compreensão e boa utilização. O que não atrapalha em nada o “estilo” peculiar de cada escritor, mas facilita a vida do leitor, e muito… .

O que posso dizer é que é nítida a diferença entre meus textos antigos e os atuais. Se ainda conservo alguns vícios estruturais e ortográficos e dou algum trabalho para revisores, ao menos para os que lêem meus textos “crus”, como esse, a coisa parece ter melhorado.

Interessante é que a nova versão do WordPress, essa que estou utilizando, incluiu a “escrita em blocos”, pela qual se faz a escrita em blocos de ideias, o que seria o “grande parágrafo”, que se encerra com um “enter”. O bloco pode ser mudado integralmente de posição no texto, subindo ou baixando. Isso também ajuda bastante.

Grato aos mestres pelas dicas. E lembrem-se caros leitores que também escrevem, atenção aos parágrafos…


Deixe um comentário

DIA DO JORNALISTA

Um dia já quis ser jornalista, era junto com engenharia eletrônica uma das minhas intenções vestibulares. Ambas faculdades diurnas, impossíveis para o militar da época, acabaram perdendo para a “nascente” e noturna processamento de dados.

Quase viro pai de jornalista, mas esse destino também foi desviado… Ao longo do tempo ao invés de “noticieiro” acabei virando “noticiado”, sempre às voltas com esses profissionais. Em comum o gosto pela escrita e divulgação, as vezes praticada no meu blog, que não é noticioso, apenas pessoal/reflexivo, outras vezes, ai sim em um verdadeiro veículo de imprensa, se não na atividade fim jornalística, bem ali do lado, nas tradicionais colunas que compartilham o mesmo leitor das notícias.

Por tudo isso e por ávido consumidor e admirador do trabalho desses importantes profissionais da comunicação social, do presente e do passado, afinal, enquanto historiador as notícias do passado, são para mim matéria prima…, felicito à tod@s jornalistas no seu dia, especialmente aos meus conhecidos e conhecidas. PARABÉNS! (Não vou marcar ninguém pois é muita gente, sintam -se tod@s virtualmente abraçad@s)


1 comentário

A palavra, a leitura e a briga

É impressionante como surgem verdadeiras brigas por conta de palavras mal colocadas ou gente que não conhecendo todos os sentidos que uma palavra pode ter variando o contexto em que é empregada, faz “leitura equivocada” do que o interlocutor está dizendo, chegando ao cúmulo de se entender exatamente o contrário, até partindo para a “briga”.

O uso da palavra errada em tese é um descuido mais fácil de identificar, pois ou a palavra não faz sentido no assunto ou conduz a um entendimento que “não bate” com o perfil de quem a está utilizando. Daí a grande importância de “saber com quem se está falando” pois se conhecendo o histórico ou perfil (o lugar de fala) de quem está dizendo algo, facilita ver que houve apenas algum equívoco no termo empregado, o que deu margem para interpretação igualmente equivocada da mensagem.

Reforçando, antes de se “indignar loucamente” e partir para uma furiosa contestação de algo dito, veja quem é a pessoa que está dizendo aquilo, se for uma discussão virtual em rede social, veja o perfil e o tipo de postagens, isso pode poupar umas vergonhas e principalmente injustiças.

O “vocabulário pobre” é outro grande problema que amplifica a dificuldade de interpretação. Ele vem da falta de leituras e principalmente da falta de leituras de forma mais multidisciplinar, ou seja, fora da área de atuação profissional ou de interesses diretos.

Daí que é importante ter alguma noção de jargões outros, ou ter a paciência e prudência de ir ao velho dicionário ou ao Google ver se há algum outro entendimento possível para aquela palavra ou expressão que lhe causou estranheza ou “indignação”, antes de partir para qualquer resposta. Cuidado idêntico na hora de escrever ao pintar aquela dúvida se o termo que se está empregando é o correto e não dá grande margem para má interpretação.

Há porém uma outra questão, pessoas com dificuldades cognitivas, em geral também tem “preguiça” de ler, de buscar outras interpretações possíveis para além do próprio repertório. Com isso ficam limitadas as próprias interpretações da realidade e impermeáveis à argumentações outras.

Paradoxalmente essa característica leva a uma certa “arrogância”, um “autoritarismo da ignorância”, que não apenas dificulta diálogos, como direciona para uma manifestação belicosa, agressiva e intransigente. Dificilmente se consegue fazer com que esse tipo pare, respire e busque ou leia alguma referência que esteja sendo oferecida. A “autoestima brucutu” aliada à dificuldade cognitiva e preguiça não permitem.


Deixe um comentário

Convergências, divergências e comunicação.

Ontem, em um desses papos de bar com gente engajada, coloquei que costumo sofrer nas redes e as vezes em papos não virtuais, incompreensão e até hostilidade desnecessária e desproporcional, principalmente vindo de ativistas mais radicais ou simpatizantes de pautas e causas em que não sou do recorte.

Na minha visão, isso vinha ocorrendo não por divergir ou me opor às ideias centrais (o que rarissimamente é o caso) ou desconhecer/minorar dados oferecidos por tais pessoas, muito menos por “ser anticausas” quaisquer, e sim por pedir ampliação dos espectros de problematização e por repudiar declarações com “verdades únicas e absolutas”, entendendo que a essa relativização e concessões elas não estão abertas. Ou seja, o que venho defendendo é a também consideração do não hegemônico e uma mínima relativização, já que nada de fato é 100% como as vezes insistem em declarar.

É preciso deixar claro que vejo como óbvio que exceção não é regra, nunca pretendi e nem vejo como isso possa ser possível colocar honestamente, apesar que, omiti-la ou desconsidera-la na sua proporção, completamente em favor de uma visão “monolítica” sobre a questão, não me parece honesto nem justo.

Bem, voltando à conversa, o “diagnóstico” foi de uma questão estrutural de comunicação equivocada. Ou seja, que a forma como normalmente coloco a divergência parcial, apesar da grande convergência e não intenção de minoração das premissas alheias, faz as pessoas enxergarem as manifestações como se eu estivesse tentando “negar”,”destruir”, “desconsiderar” e “inverter” a lógica do majoritário, pretendendo usar a “exceção” como se regra fosse.

O entendimento geral foi de que as interpretações e reações negativas vem do uso inadequado das partículas de conexão entre a questão hegemônica observada (e não negada, mas assim entendido por quem lê ou ouve) e a proposta de ampliação que coloco. A utilização por exemplo do “mas”, “só que”, “no entanto”, que no entendimento da geral configuraria uma fala de “invalidação” ou “exclusão” da grande premissa.

Em primeira mão admito e concordo que o problema de fato está bem ai mesmo. Colocando aqui inclusive para socializar com quem tem ou quer evitar o mesmo problema. Vejamos:

Fica de fato claro que a conjunção “mas” indica uma oposição ou contraste da ideia contida no pós partícula em relação à prévia. Do mesmo modo o “Só que” ou outras similares:

Correto portanto o colocado pelos colegas de papo, aliás, uma coisa básica da norma culta…. Temos então sintaticamente definida uma oposição, que tende a ser primariamente entendida pelo interlocutor como uma real “contrariedade plena” às suas premissas, mesmo que não se tenha de fato essa plena oposição, apenas o desejo de uma não limitação a tais premissas.

Então o que fazer para não se expressar em sentido contrário ao que se pretende ? Talvez a forma mais imediata seja cambiando para a conjunção concessiva, que opõe contraste, sem contudo definir “impedimento” à primeira ideia, pelo contrário, indicando um complemento pela segunda:

Cabem além dessas, por exemplo, o “apesar que”, “apesar de” ou “ainda que”… , as quais passarei a priorizar o emprego.

Por outro lado, seria interessante que quem expõe uma problematização ou defende uma ideia EVITASSE colocá-la de forma ABSOLUTA, como se não houvesse exceções ou contradições possíveis, isso se dá pela utilização de construções utilizando especialmente dois pronomes indefinidos, TODO(A)(S) e NENHUM(A):

Essas “totalidade afirmativas” são as famigeradas GENERALIZAÇÕES, o que é essencialmente IMPRECISO, pois podem levar a afirmações falaciosas, já que no mais das vezes não existe a INFALIBILIDADE da afirmação, ou seja, mesmo que majoritariamente seja verdade, não reflete todas as possibilidades dela.

Se for para usar pronomes indefinidos que se use “VÁRIO(A)(S)” “MUITO(A)S” “ALGUM(A)(S)” ou “POUC(O)S” .

Enfim, é sempre bom trocar ideias RESPEITOSAMENTE, ouvir críticas, acatá-las quando pertinentes, buscar fundamentação e quando for o caso rever conceitos e práticas.