Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

Cosme e Damião: o sincretismo, os costumes e o popular.

Dia 26 de setembro a igreja católica comemora o dia de São Cosme e Damião, gêmeos, médicos e mártires cristãos do oriente médio do Séc. III.

No dia 27 é a vez das religiões de matrizes africanas homenagearam os santos gêmeos, mas como e por que se eles não são dos panteões de divindades africanas ?

Isso ocorre por conta do sincretismo religioso, em que basicamente os cultos às divindades africanas precisavam ser disfarçados, e para tal se associava os santos católicos às divindades africanas, no caso a sincretização foi com os Orixás gêmeos “infantis” Ibeji…, ligados aos erês, espíritos infantis, dai a associação com as crianças e a tradição de distribuir doces nesse dia.

Fica claro que se trata de situações distintas, porém “simbólica e logicamente associadas” . O sincretismo mais do que “esconder orixás atrás de santos católicos” associa os valores humanos e “mágicos” por trás de cada elemento cultural de origem distinta pelas semelhanças e significados.

No caso brasileiro a sincretização gerou o costume de distribuir doces às crianças em nome de São Cosme e Damião, quando na realidade deveria ser em nome de Ibeji…, boa parte dessa distribuição porém sequer tem ou passa por algum tipo de ritualística religiosa, é puro costume popular mesmo, não diferente por exemplo do Halloween norte-americano aonde as crianças também recebem doces.

De qualquer forma, celebrar a caridade, o amor ao próximo, e a infância, seja a partir do viés que for, mal não faz… . Viva Cosme e Damião, Viva Ibeji! Viva os Erês, Viva as crianças !


Deixe um comentário

Deu no CBN Manaus…

Assim como muita gente, é meu costume ouvir diariamente todas manhãs  o programa  noticioso  de rádio capitaneado pelo Ronaldo Tiradentes  e  Marcos Santos, sempre ao estilo característico e bem-humorado da dupla.

Hoje porém, duas notícias (e comentários) me chamaram a atenção…, e como de praxe não poderia deixar de dar meu pitaco e recadinho aqui pelo blog (já que nesses tempos de comunicação bidirecional, os caros radialistas eventualmente também “acompanham” ou visitam as mídias dos ouvintes 🙂 ).

A primeira notícia tratou do assasinato em assalto de um policial civil que fazia “bico” como segurança de transporte de valores (aproveitamos para nos solidarizar com a família e colegas pela fatalidade) ;  na matéria o repórter ao perguntar para o irmão da vítima sobre as visitas ao velório e o apoio que a família estava recebendo das autoridades etc…, inquiriu se “os Direitos Humanos” tinha aparecido ou se manifestado…; obvia e compreensivelmente dado o contexto , recebeu entre as informações o velho discurso anti-DH e que “se fosse um bandido” etc…  .

Não sei se foi ingenuidade ou “marronzismo” do repórter, mas só para esclarecer:  DIREITOS HUMANOS, não é Polícia, não é  Ministério Público, não é Judiciário, não é Corregedoria/ouvidoria,  não é Defensoria pública,  não é Defesa Civil,  Conselho Tutelar,  muito menos  SERVIÇO SOCIAL …;  não faz parte de suas atribuições (mesmo quando instância instalada em estrutura pública, como um Conselho Estadual) se manifestar ou “apoiar” familiares ou vítimas de todo e qualquer crime comum… (muito menos  “apoiar bandido” como costumam dizer) ;  a ação dos ativistas e orgãos dos Direitos Humanos  é de fiscalização  e mediação no cumprimento do previsto  na DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS,  é esperada ou exigida nos casos em que :

a) Agentes do estado exorbitam ou se abstem de seus poderes ou deveres e descumprem o previsto na Declaração Universal dos Direitos Humanos (e  nos limites legais de sua atuação) .

b) A ação criminosa ocorre por motivações relacionadas diretamente a questões de Direitos Humanos (Intolerâncias diversas como a religiosa, xenofobia, racismo, sexismo, homofobia, perseguição política e/ou ideológica, etc  )

c) Há necessidade de mediação de conflitos em que se apresente riscos à vida e dignidade humana.

Seria portanto compreensível a manifestação/atuação “dos Direitos Humanos”  em rebeliões carcerárias, crimes contra minorias e ativistas sociais, ações contra a vida e dignidade humana praticados por agentes do estado em desconformidade com a previsão legal,  fiscalização de condições de encarceramento,  mediação de conflitos agrários, acompanhamento/apoio  à  refugiados  e coisas do gênero;  para outras situações (como no caso  do assasinato do policial em crime praticados por bandidos comuns) a intervenção esperada é a das instâncias citadas anteriormente (que em geral também podem (ou devem) ser acionadas nos casos de violações aos Direitos Humanos), o direito à vida faz parte dos Direitos Humanos,  porém bandido não respeita isso…  e justamente por isso é que são bandidos…; coisa que não deve ocorrer com quem em tese tem  consciência e obrigação de defender a lei e a vida (seja de quem for).

Quanto a segunda notícia se tratava da vitória da Miss Angola no concurso Miss Universo; nos comentários os nossos caros radialistas  com seu humor azeitado, aproveitaram para levantar a questão da dúvida com relação ao termo a utilizar para a referência “etnico-racial”  da bela africana;  se  era negra, afrodescendente ou africana ? ;  pois bem,  a diferença de termos existe não por modismo ou hipocrisia…, para esclarecer vai aqui a dica:

1- O termo Negro(a) passou a ser utilizado pelos portugueses (copiando os espanhóis, que não tem a palavra preto) a partir da conquista do “novo mundo”  com o sentido de ESCRAVO,  era aplicada tanto aos africanos quanto ao indígenas escravizados (no Brasil colônia os índios eram chamados NEGROS DA TERRA);  mais tarde o termo passou a definir  apenas os africanos escravizados e seus descendentes desde então,  se aplica corretamente apenas à diáspora,  não aos africanos (que em maioria são apenas pretos (que é cor da pele) , não negros (origem escrava)) .

2- O termo AFRODESCENDENTE foi adotado na redação oficial da ONU, a partir de 2003 para substituir a palavra NEGRO, traz como vantagens a eliminação do equívoco recorrente de utilizar preto e negro como sinônimos; eliminar a questão da  confusão por matiz de pele (é aplicável a negros de cor preta  e  aos miscigenados), retira o antigo e equivocado viés  biológico de “raça”  (branco, negro, amarelo e vermelho) substituindo-0 pela ancestralidade geográfica .

As pessoas com padrão fenótipico africano “padrão” e nascidas na África, são corretamente referenciadas por  pretas ou simplesmente africanas (obs. os angolanos em especial e ao contrário dos outros africanos preferem ser referidos por negro, ao invés de preto,  assim como os brasileiros) .

Para finalizar…, “pelamordedeus” Ronaldo, quando for para falar sobre questão negra, etc,  por favor !   esqueça tudo que o Agnaldo Timóteo disser .. dali só sai bobagem… :-).


Deixe um comentário

Kaká e o "álibi evangélico"

A recente polêmica envolvendo o comentarista Juca Kfouri e o jogador KaKá , merece um post…

Entre os líderes das grandes igrejas neopentecostais a prática do "álibi evangélico" já existe faz tempo…, todas as vezes que surge uma crítica contundente, uma denúncia, uma prisão… lá vem o "álibi evangélico" , a coisa vira "perseguição religiosa",  logo alguém lembra  um versículo bíblico como : “E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós. E de todos sereis odiados por causa do meu nome” (Lucas 21.16-17), obviamente em uma leitura completamente fora de contexto… , se estivéssemos falando da opção pela fé cristã em um país onde  a Sharia (conjunto de leis que regem a vida do muçulmano) é inclusive a lei do estado, a coisa era outra…, em um um país onde não se consegue andar 2 ou 3 quarteirões sem topar com algum templo evangélico e não se consegue zapear a TV aberta por 3 canais seguidos sem topar com um "telepastor" essa "vitimização" chega a ser ridícula…  .

Ainda não vi, mas não tarda a aparecer alguém para levantar a tese que a população carcerária é majoritariamente "evangélica" e que é por pura  "perseguição religiosa"  que eles estão lá (ou não saem de lá…) .

Tempos atrás estava em uma das varas criminais do fórum onde trabalho e chega um cidadão que se apresentava para uma audiência em que teria o processo suspenso (grossus modus  é um "acordo judicial" em que o acusado se compromete a "não aprontar" e  a se apresentar de tempos em tempos, com isso evita a prisão), o tipo com "pinta de meliante" o corpo todo tatuado (e não eram tatuagens "artísticas", eram daquelas monocromáticas e "temáticas" que dão medo só de olhar…), trazia para a audiência um bíblia nas mãos  e  vestia uma camiseta do "exército do senhor" … , as condições jurídicas lhe amparavam, mas "só para garantir" não dispensou o "álibi evangélico"… .

O interessante é ver que muitos dos que se dizem perseguidos pela "intolerância religiosa"  tem histórico de intolerância para com outras religiões, vide o caso do ex-bispo Crivella da IURD ex-candidato a prefeito do Rio de Janeiro que antes de reclamar de  "intolerância e preseguição" não teve o menor pudor em fazer um vídeo desancado de uma só vez várias religiões vide : http://www.youtube.com/watch?v=RDXqJ3Jhbwo ; no futebol tivemos pouco tempo atrás o emblemático caso dos "meninos do Santos" (Robinho, Neymar, Ganso e Brum) que se recusaram a descer do ônibus em uma visita a um lar espírita para crianças com paralisia, só depois da verdadeira intolerância desmascarada e do "filme queimado" é que em outra oportunidade fizeram a visita para tentar reverter a péssima imagem deixada… ; não vou nem falar na diuturna "malhação" feita  por  pastores através de todos os meios (incluindo concessões públicas de difusão) que se faz em cima principalmente das religiões de matriz africana, em um acintoso desrespeito a Constituição e leis anti-discriminação.

Até o casal de bispos lideres da Igreja Renascer (da qual Kaká detém o título de pastor) presos após pegos em delito criminoso em entrada nos EUA (por sinal um "país protestante") já sacaram do tal álibi… .

Não sou a favor de qualquer tipo de "perseguição" e  intolerância , mas aguentar o proselitismo, o "farisaísmo", hipocrisia e o "inversionismo"  que anda grassando por ai é de lascar…


8 Comentários

Denegrindo corpo docente da UFAM Profª Ednailda se torna mestre

arguicao1

Antes que alguém se “indigne” ou fique confuso com o título do post…, explico .

Segundo o dicionário :

denegrir

v.t. Fazer negro; escurecer.
Fig. Atacar a reputação, o talento de alguém; desacreditar; depreciar; macular, manchar.

denegrido

adj (part de denegrir) 1 Que se denegriu. 2 Enegrecido, fosco.
sm 3 pessoa desqualificada: É malandro porque cresceu entre denegridos.

denegridor

adj (denegrir+dor) Que denigre.

A maioria das pessoas só conhece  o termo no seu sentido figurado,  além disso, nem de longe imagina que o termo é utilizado  corriqueiramente como sinônimo de “ofensa / mácula” pela simples e racista associação depreciativa  relacionada com “fazer negro ou escurecer “;  porém recentemente e no sentido contrário, ativistas dos movimentos negros passaram a utilizar o termo no seu sentido original,  primeiro para “chocar e chamar a atenção” das pessoas sobre suas práticas/mentalidades racistas desapercebidas/inconscientes presentes inclusive nas falas cotidianas e segundo para de forma AFIRMATIVA levar a  um entendimento de POSITIVIDADE  o termo negro e “coisas de negros”, ou aos atos de INSERIR/ VISIBILIZAR negros ou ASSUMIR negritude.

Toda essa introdução foi para explicar que a Profª Ednailda Santos, que trabalha  no interior  do estado no campus da UFAM-Universidade federal do Amazonas na cidade de HUMAITÁ  (e  junto com o marido Mazo, é uma das mais combativas militantes dos movimentos negros do estado), fez ontem 27/04(terça-feira) às 15h a sua defesa da dissertação de  mestrado em educação intitulada: Identidades e trajetórias de docentes negra(o)s da UFAM.

O trabalho é pioneiro nos programas de pós-graduação da UFAM pois inaugura o trato da questão étnico-racial  negra na região, até então apenas  os assuntos ligados a indígenas eram abordados nessa temática.

A importância do trabalho também se deve ao fato de dar “visibilidade identitária”   e numérica aos negros do corpo docente da universidade… denegrindo-o (tornando negro /  visibilizando a negritude ); ao mesmo tempo que provoca para o debate sobre as questões que envolvem a diversidade na universidade de maneira geral, desde o acesso à graduação, passando pela discussão e  combate ao racismo institucional, formação de linhas de pesquisa que favoreçam o ingresso de pesquisadores negros e/ou sobre a temática da presença negra na região ou simplesmente de professores negros atuantes em outras áreas…

A Banca :

A Profª. Maria Lúcia Miller da UFMT, em sua arguição teceu vários elogios ao trabalho e sobre o talento para a pesquisa  e possibilidade futuras,  também algumas considerações visando melhoria da versão final da dissertação (que tem 60 dias para ser entregue).

A Profª. Dra. Patrícia Sampaio da HISTÓRIA/UFAM, frisou a importância da abertura da temática no Programa de Educação, pois “abre uma estrada” ao questionar academicamente algo relacionado com uma peculiar visão/relação regional sobre a presença negra,  elogiou a inovação da  utilização do estilo narrativo; emocionada falou sobre o orgulho em ter  como colegas os  5 professores negros auto-identificados  e  citados  no trabalho (além da própria mestranda); obviamente como em toda defesa de dissertação também alguns questionamentos e “provocações” para o futuro, entre elas o fomento do esperado NEAB-Núcleo de Estudos Afrobrasileiros da UFAM.

A Profª. Dra. Rosa Helena Dias  da FACED/UFAM (Orientadora), lembrou as dificuldades pessoais enfrentadas pela Mestranda, como  uma gestação no meio do processo e filhos pequenos entre outras coisas, falou também sobre a “troca de linha” de pesquisa ao ser selecionado o projeto de Ednailda, re-encaixado então em “Formação de professores”  e das peculiaridades da  turma MINTRA (Mestrado interno) composta por 15 mestrandos, dos quais essa foi a primeira defesa apresentada.

Na sequência da defesa e da divulgação da aprovação unânime, a  diretora da FACED,  Profª Dra. Arminda Mourão destacou a importância da temática levantada e da pertinência com o contexto atual em que se discute e fomenta a visibilização e inserção negra no ambiente universitário e em melhores patamares da sociedade

Foi apresentado um vídeo com depoimentos de professores negros e negras  da UFAM citados no trabalho;   e em seguida  foi oferecido pela direção da FACED um coquetel em que se aproveitou para homenagear  além da Profª Ednailda , o Prof. Isaac Lewis (representado por seu filho, egresso da universidade), um dos professores negros da UFAM cuja trajetória foi objeto da pesquisa, na oportunidade integrantes do corpo docente da FACED, representantes da Associação dos Docentes da UFAM, utilizaram da palavra,  também fomos convidado pela diretora da FACED a nos manifestar enquanto representação do Movimento Negro local.

mosaico1

Por uma dessas raras e gratas “coisas da vida”, se fazia presente na apresentação e homenagem que se seguiu, uma visitante muito “sintonizada” com o contexto do dia, a professora Vera, negra  com mestrado em Educação pela PUC, vinda do interior de SP especialmente  para prestar o concurso para novos professores da UFAM (que coincidentemente está ocorrendo ao longo dessa semana).

Em conversa com a mestre Vera, a mesma nos disse  que estava muito feliz com o que viu e ouviu e o clima de “abertura”  e sensibilidade à questão da inclusão negra que sentiu na FACED; já que os processos de seleção (que envolvem entrevistas e testes orais)  tanto para candidatos a mestrado quanto para professores das universidades federais, costumam de maneira geral ser  “pouco permeáveis”  à negros e negras;  acreditando que deverá portanto ter mais chances de ser aprovada  tão somente baseado no mérito e competência técnica,  sem  teoricamente a tradicional e velada “barreira” comum em tais situações.

Com a provável aprovação de Vera a UFAM estaria “ganhando”  praticamente ao mesmo tempo, duas novas professoras com mestrado e negras… ; estamos na torcida !