Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


2 Comentários

Censo do Judiciário

20,2x13,1O CNJ-Conselho Nacional de Justiça, inicia hoje o I Censo do Poder Judiciário.

A ideia é poder traçar um perfil mais detalhado dos magistrados e servidores de todos os ramos da justiça brasileira, hoje, apenas os dados numéricos gerais são conhecidos como o número de magistrados e servidores, mas outras informações como sexo, cor, média de idade, escolaridade, etc…, não são conhecidas.

O que pouca gente sabe é que essa acão foi deflagrada a partir de um requerimento ao CNJ feito pela advogada indígena Juliene Cunha em 2010, no qual pedia a adoção pelo Conselho, de  políticas afirmativas para ingresso de índios e negros na magistratura (Cotas), sendo relator do processo, o conselheiro Jefferson Kravchychyn.

O requerimento foi apreciado e o relator concluiu que a matéria exigiria modificação na legislação, e que por obvia ilação a mesma deveria se dar por ação legislativa e não administrativa do CNJ, porém aduziu que para tal era necessário haver antes dados concretos que pudessem ser utilizados para validar a necessidade de ações afirmativas no poder, bem como, balizar as prováveis ações a serem tomadas.

E ai está, o Censo do Judiciário é a primeira etapa desse processo afirmativo no Judiciário.

As ações afirmativas no poder público encontram amparo no jovem ESTATUTO DA IGUALDADE RACIAL (LEI Nº 12.288, DE 20 DE JULHO DE 2010), que entre outras coisas reconhece oficialmente a desigualdade racial brasileira, a obrigação do estado brasileiro em reverte-la e a necessidade do quesito cor constar dos cadastros de atendimento público, de pessoal, etc…, pois de posse de tais dados os diagnósticos de desigualdade e a ações afirmativas necessárias podem ser identificadas e planejadas.

Em tempo…, o STF, na gestão do Ministro Marco Aurélio de Mello, foi o primeiro orgão público a definir cotas raciais em um edital de contratação de mão de obra temporária e especializada.


Deixe um comentário

Casamento Gay, “empate técnico” é detectado em pesquisa do IBOPE

Casamento homo, equilíbrio do sim e do não.

Casamento homo, equilíbrio do sim e do não.

Foi divulgado resultado de  pesquisa Ibope sobre a opinião de internautas em questões relacionadas com o casamento homossexual e adoção de crianças por casais homoafetivos. A pesquisa também aproveitou para traçar um perfil dos auto-identificados como homossexuais e bissexuais. Quase metade dos entrevistados (47%, o que com a margem de erro, configura um empate técnico) respondeu favoravelmente ao casamento gay e mais da metade apoia a adoção de crianças por casais de gays e lésbicas.

A pesquisa foi feita entre internautas, o que não garante que entre os não-internautas o comportamento seja o mesmo, o público não-internauta tende a ser mais conservador, porém também conta com uma boa parcela da população que apesar de não costumar se manifestar publicamente, possui posições bem tolerantes (ou mesmo práticas) em relação à maioria dos temas-tabu da sociedade.

Para saber ao certo só com plebiscito obrigatório… .

Minha opinião ?, como sempre estou do lado das minorias estigmatizadas…

Para saber mais:

http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2013/03/rejeicao-e-principal-motivo-que-leva-homossexuais-esconder-orientacao.html