Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

Referências, citações ?, pare de sofrer !!!

ABNT-dúvidas

Se você é estudante universitário de graduação ou pós-graduação, alguém que gosta ou precisa escrever fazendo citações e referências pelas normas da ABNT, mas ainda se enrola com a notação, ou tem problemas para gerenciar, guardar organizadamente e reaproveitar suas referências, PARE DE SOFRER !!!, seus problemas acabaram ! ;), pois existem ferramentas ONLINE que tornam essa tarefa muito, mas muito simples…; assim que você dá de cara com o livro, artigo, revista, tese, dissertação, site, material multimídia ou qualquer coisa que necessite referenciar, basta acessar o site, escolher o tipo de publicação a referenciar, entrar com os dados que possui sobre a publicação em um formulário web, clicar em um botão e…, prontinho, lá vem a referência toda nos conformes, ai é só copiar e colar onde precisa… . (dica,  coloque o endereço do site na barra de favoritos do seu navegador e deixe a senha salva, assim se você é como eu, do tipo que usa muito material disponibilizado ONLINE,  ou mesmo costuma ler em meio físico e vai anotando partes da leitura,  fica fácil, recolher e guardar o que for interessante para uso posterior)

O sistema ainda permite que você mantenha todas as suas referências salvas nos servidores do serviço, podendo ser facilmente acessadas  de qualquer lugar com acesso web, outro ponto é a possibilidade de criar e utilizar “coleções”, ou seja, definir uma categoria ou grupo relacionado a um determinado trabalho ou parte dele e vincular a referência à essa coleção, ex.  Trabalho X, Cap I- Tópico 3,  na hora de procurar as referências que você “garimpou” para inserir mais tarde no trabalho, reorganizar ou reutilizar alguma referência em outro trabalho, está lá tudo organizadinho e fácil de localizar.

Testei dois sistemas e fiquei tão satisfeito com o segundo que nem procurei outros, sugiro o MORE – Mecanismo Online para Referências,  da Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC, em http://www.more.ufsc.br/ ,  dá para usar no modo anônimo, mas se fizer um cadastro de usuário (rápido e simplificado) e logar antes de gerar novas referências é possível salvar  e recuperar as mesmas conforme dito.

A operação não poderia ser mais simples e intuitiva…

1 – Crie as coleções  de acordo com sua necessidade (coloque nomes curtos  e sugestivos, fáceis de identificar o conteúdo e onde ele entra na estrutura do seu trabalho)  ex.  Monografia, Cap I- Top. Modos de produção

tela-edit

2- Escolha o tipo de publicação a qual deseja referenciar

tela-inicial

3- Preencha o formulário com as informações solicitadas  e clique em gerar ou atualizar ao final

Tela-preechimento

4- Pronto, copie (Ctrl + C ) e cole a referência no texto que estiver escrevendo, é possível  também editar uma referência já salva nas suas coleções, ou depois de colar no texto, alterar  a  fim de compatibilizar com algum “dialeto” específico da sua instituição…

tela-resultado

Mais fácil que isso está difícil…  😉

Então agora não tem desculpas,  é botar para referenciar (certo 😉 )…


Deixe um comentário

O dia em que comprei a Veja…

O dia em que comprei a Veja...

O dia em que comprei a Veja…

Calma caríssim@s  e rar@s leitor@s ! , 🙂 não surtei nem resolvi dar um 360º na minha orientação política e sociológica…, quem me conhece ou me lê sabe que sou ferrenho crítico da revista Veja, cuja linha editorial e as práticas “jornalísticas” em minha opinião costumam refletir tudo que veículos éticos não deveriam fazer (além de “jogar para a torcida” formada por incautos um tanto desconectados do que realmente rola por ai ou por “reaças” que adoram as verborragias e discursos antipopulares e pró-elitizados de suas matérias e colunas, notadamente no âmbito político ou social) .

O que me levou a gastar meu suado dinheirinho comprando um exemplar de Veja, foi o fato de não haver na capa os alarmistas ou tendenciosos destaques típicos “vejísticos”, a capa (e óbvio endossamento de apoio ao tema) foi dedicada a algo que vai completamente na contra-mão do que os bastiões reacionários em geral defendem, falou bem de  EAD – EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ( área na qual tenho título de Especialista e efetivamente trabalho), uma modalidade que democratiza o acesso à escolaridade superior e à qualificação profissional em geral… (mas ainda desdenhada e discriminada por boa parte da “nata da sociedade” geral e até mesmo da acadêmica).

É claro que boa parte dessa “boa disposição” foi em função das oportunidades disponibilizadas pelas universidades “top of world” e seus MOOCs (Massive Open Online Courses, cursos abertos online e em geral gratuitos )  e logicamente acessíveis para quem no mínimo domina idiomas estrangeiros (o que “lima” automaticamente a esmagadora maioria da “patuléia brazuca” ou seja, dos “monoglotas do povão”, mantendo assim o “foco de afago” na elite bem nascida e educada, ou em “máxima concessão” aos proporcionalmente poucos “ex-excluídos” que conseguiram “furar o bloqueio”…), mas para ser justo, não deixou de falar também do ensino online nacional e das oportunidades de graduação  (incluindo as tecnológicas) e pós.

Tá ai, ser crítico com relação a algo deve sempre guardar coerência com os princípios de cada um, mas saber reconhecer e dar o devido crédito quando o antagônico  acerta, faz parte da honestidade intelectual…, nada é de todo mal, a Veja essa semana provou essa máxima (pelo menos parcialmente… 🙂 ).


11 Comentários

Netflix em TV antiga…, não tão difícil

netfliux-tv-velhaNetflix rodando em um antigo Acer Aspire 5315 e uma TV CRT da LG de 29 “

Tempos atrás escrevi um post sobre como ligar um notebook antigo (sem HDMI) em uma TV também antiga e sem HDMI (alguém poderia dizer que é melhor trocar logo a TV e o Note por modelos mais atualizados e pronto, mas por N motivos tem gente que não pode ou não quer fazer isso, pelo menos agora).

Portanto se você deseja aproveitar os seus equipamentos já antigos para ver filmes online e de quebra em uma tela maior ( e opcionalmente com o “sonzão” do Home Teather) esse é o post.

Se você  já tem ou quer comprar leitores Blu-ray ou Games tipo Xbox, Wii ou PS3  e não quer utilizar micro pode pular este parágrafo…( senão continue, pois  há passos importantes para quem quer usar notebook ou desktop para ver  NETFLIX  ou outros serviços de filmes online especificamente ),  sendo o caso de desejar usar o micro, sugiro que dê antes uma lida no post de como ligar o note antigo em uma TV antiga, pois lá tem os passos de como ligar micro e TV, depois volte para cá e veja o resto das dicas importantíssimas para que dê certo a questão da Netflix.

Primeiramente você precisa já ter uma conta da Netflix  ou congênere e Wireless disponível…

Existem três formas de assistir Vídeos online em uma TV sem os recursos de conectividade dos modelos mais novos.

Uma é  através de um aparelho leitor de Blu-ray que já vem com conectividade Wireless, saída de vídeo RCA e o aplicativo da Netflix ( só tem que tomar cuidado ao escolher o aparelho pois nem todos oferecem compatibilidade com a Netflix Brasil, ao fazer a atualização do firmware automaticamente na primeira vez que liga, o software da Netflix “some”), portanto verifique antes de comprar se o aparelho é compatível , no site da própria Netflix tem listas com todos os aparelhos compatíveis, nos manuais dos aparelhos tem como fazer funcionar.

 A segunda é através de alguns aparelhos para games como o Xbox , PS3 ou Wii (vide relação no link anterior), nos manuais dos aparelhos tem como fazer funcionar ou busque na web artigos sobre como fazer isso pois não é o foco desse post…

E finalmente…, através de um computador (desktop ou notebook) que possua saída de vídeo compatível ou adaptável para TVs antigas ( entradas RCA e teoricamente Component, nos testes que fiz com Component nunca deu certo, sugiro então focar na entrada de vídeo RCA da TV antiga).

Bem , se você já viu como conectar micro e TV (e sabe como conectar o som do micro em um Home Teather, caso tenha um), segue umas dicas para que dê certo assistir filmes online com maior conforto e qualidade:

1- Atualize os drivers de vídeo do micro, as vezes a conexão não dá certo por causa de drivers muito antigos ou impróprios (em geral quando já se atualizou o sistema operacional).

2- Teste a Netflix no seu micro, tenha certeza que o Silverlight está instalado e atualizado e deixe a senha memorizada no browser (vai ficar difícil fazer o login quando mudar a resolução da tela, na frente explicada), ah ! e importantíssimo…, não esqueça de desligar o descanso de tela ou mudar a configuração do desligamento automático de tela por inatividade do teclado… .

3- Ao rodar vídeos longos o processador é muito exigido e superaquece, é quase certo que fique desligando sozinho o computador durante o filme…, abra o micro e limpe cuidadosamente o cooler (ventoinha) do processador, depois de limpo e fechado, garanta que a circulação de ar do notebook esteja livre, o ideal é que ele esteja em uma “dock station”, isso reduz muito o superaquecimento, são baratas, mas se não quiser comprar pode-se improvisar, o importante é deixar a circulação de ar livre:note-dock-station

4- A resolução das TV antigas é menor que a dos micros, logo, altere a resolução do micro para 800×600 e desligue o micro, com os cabos escolhidos (preferência S-vídeo para RCA) e de aúdio já conectados, ligue a TV e coloque no modo de vídeo (AV1 ou AV 2) da conexão e ligue novamente o micro para que ele “entenda” que tem uma TV conectada e passe a enviar o sinal.

Pronto, agora é só acessar a  Netflix  pelo micro, escolher o  que quer assistir, maximizar, para tela cheia e curtir seus filmes e seriados preferidos em uma tela maior… .

Gostou ?, deixe comentário.


Deixe um comentário

TJAM IMPLANTA SISTEMA DE ENSINO A DISTÂNCIA

Deu ontem no Portal do TJAM,  republicando pois é  parte do nosso trabalho (aliás  é  nossa responsabilidade  principal),  apesar do destaque  hoje,  é  um projeto em que estamos trabalhando e  vem  evoluindo paulatinamente  há dois anos e meio,  e que teve várias etapas, desde a implantação do Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle), passando por cursos semipresenciais   sobre  EAD , formação de Tutores internos,  inserção de noções de EAD nos cursos de formação inicial de servidores do interior, até  chegar a implantação de cursos 100% online a partir do final do ano passado.(infelizmente os colegas da divulgação ainda não fizeram o curso de introdução à EAD, pois se tivessem feito não colocariam crase no a do ” a distância”, mas está valendo a intenção 🙂 ).

TJAM implanta sistema de ensino à distância para a qualificação de servidores do interior

Ter, 09 de Abril de 2013 14:56 Divisão de Divulgação/TJAM
E-mail Imprimir PDF

A virtualização é a principal ferramenta para viabilizar essa capacitação. Através dela, que interliga todas as Comarcas à internet, os servidores do Judiciário lotados no interior têm acesso aos cursos online da Escola do Servidor de Justiça do TJAM.


tjam_copy_copy_copy

Os benefícios gerados pela parceria do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), através da Divisão de Tecnologia da Informação e Comunicação, o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) e o Processamento de Dados da Amazônia (Prodam), vão muito além da virtualização das Comarcas do interior do Estado.

Além de proporcionar ao jurisdicionado, operadores do Direito e servidores da instituição mais efetividade e maior celeridade em consultas e peticionamentos eletrônicos, utilizando somente a internet, a virtualização têm interligado e beneficiado as Comarcas do interior com outros serviços por meio do portal http://www.tjam.jus.br.

É o caso da capacitação feita pela internet. A Escola de Aperfeiçoamento do Servidor do Tribunal de Justiça do Amazonas (EAS/TJAM) disponibiliza cursos online aos servidores.

“A tecnologia hoje instalada nas Comarcas com o Projudi (Processo Judicial Digital) possibilita, inclusive, que nós possamos treinar nossos servidores à distância. O custo é muito menor e gera economia para o Poder Judiciário”, enfatiza o desembargador Yedo Simões, que é coordenador da Divisão de Tecnologia da Informação e Comunicação do TJAM.

De acordo com o desembargador, o servidor não precisa se deslocar até a capital para adquirir ou atualizar conhecimentos relacionados à prestação de serviços no Judiciário, evitando acúmulo de trabalho e desfalque da equipe.

A coordenadora geral da Escola, Wiulla Garcia, após a resolução nº 126/2011, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a instituição passou a investir na plataforma de Ensino de Educação à Distância (EAD) para servidores do Judiciário e desde dezembro de 2012 cursos 100% online são disponibilizados, através do portal do TJAM, levando inclusão digital e capacitação aos servidores da capital e do interior.

Ainda segundo ela, a Escola acompanha a evolução dos participantes dos cursos online, controlando virtualmente a frequência, o desempenho e o acesso desses alunos às modalidades do curso.

Para Juarez da Silva Júnior, da Escola de Aperfeiçoamento do Servidor (EAS/TJAM), os cursos desenvolvidos integralmente pela instituição ou a partir da customização de cursos de outros órgãos do Judiciário e compartilhados via CNJ, precisam ser adequados à realidade regional. Os cursos estão no Ambiente Virtual de Aprendizagem e podem ser acessados de qualquer lugar que tenha acesso à Internet (inclusive Smartphones e Tablets), porém é necessário que o participante possua usuário/senha de rede/email do TJAM, pois o acesso é restrito aos servidores da instituição.

“Atualmente, a Escola do Servidor está disponibilizando dois cursos: Competências Gerenciais e Direito Constitucional. Os cursos 100% online estão disponíveis desde dezembro de 2012. Já foram realizados quatro pela Escola, com uma média de 60 inscritos por curso, inicialmente. A conclusão, porém, tem sido menor que 50% (índice de evasão normal na modalidade), pois exige autodisciplina, desembaraço e perseverança”, disse Juarez.

Realidade

O juiz Flávio Freitas, da Vara de Guajará, está ministrando o curso de Direito Constitucional, 100% online, para servidores do Judiciário do interior e da capital do Amazonas. “Cursos à distância são resultantes do avanço promovido pelo Tribunal, interligando todas as Comarcas do interior à internet. Se este sonho não tivesse tornado-se realidade, seria impossível a realização deste curso, tanto para os servidores de nosso Tribunal, quanto para os de outros Estados”, declarou Flávio.

O juiz ministra o curso de Direito Constitucional online há dois anos para outros Estados e ressalta os recursos infinitos utilizados na plataforma de EAD e a qualidade dos conteúdos ministrados.

A servidora da Comarca de Tapauá, Ana Albuquerque, está em seu segundo curso online da Escola do TJAM. “Direito Constitucional é a base de tudo. Está sendo uma experiência enriquecedora e acho interessante que o nosso tutor Flávio nos dá atenção personalizada e temos todo apoio dos colegas da Escola do Servidor, do TJAM, que estão sempre nos fóruns do curso”, comenta.

Segundo Ana, a disponibilidade dos cursos pelo portal do TJAM surpreendeu a todos.
“Não esperava que iria existir essa possibilidade nesse lugar tão distante, que é Tapauá. Fico muito grata pelo Tribunal de Justiça do Amazonas, por estender essa oportunidade aos servidores do judiciário no interior”, finaliza.

Para conhecer os trabalhos da Escola do Servidor de Justiça e os cursos oferecidos aos servidores em formato EAD, é só acessar o site http://www.tjam.jus.br e clicar na opção EASTJAM.

Giselle Campello 

DIVISÃO DE IMPRENSA E DIVULGAÇÃO DO TJAM
Telefones | TJAM: (092) 2129-6771 / 6772
Telefones | Corregedoria: (092) 2129-6672
Telefones | Fórum Henoch Reis: (092) 3303-5209 / 5210 

Originalmente em: http://www.tjam.jus.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4564:tjam-implanta-sistema-de-ensino-a-distancia-para-a-qualificacao-de-servidores-do-interior&catid=33:ct-destaque-noticias&Itemid=185


1 comentário

O CIBERATIVISMO chegou, e veio para ficar…

ciberativismo2Apesar de muita gente estar só agora percebendo o ativismo social e político praticado através da rede mundial de computadores (inclusive a classe política), ele não é exatamente “novo”, já era praticado através de grupos de discussão em listas de email, ganhou alguma força anos atrás com o surgimento das redes sociais como o  já esvaziado Orkut (com seus grupos de discussão e os famosos JPEGs) e amadureceu com  a chegada do Twitter (e suas famosas # / hashtags) e do facebook (que serve muito bem não apenas para campanhas virtuais, mas também organizar e mobilizar para eventos presenciais).

Porém, a consolidação está se dando mesmo é com a utilização de uma ferramenta antiga e velha conhecida da democracia, a petição pública (mais conhecida entre nós como “abaixo-assinado”),  que em suas versões cibernéticas ganharam um novo fôlego e sentido.

Agumas organizações especializadas, oferecem o simples serviço de petição e sem maiores questionamentos ou posicionamentos; outros, não apenas oferecem o serviço de disponibilização de campanhas virtuais através das petições, como também acompanham e realizam a entrega e até o “Lobby” junto as instâncias de poder a quem são direcionadas, é o caso do AVaaz (que significa “voz” em várias línguas européias, do oriente médio e asiáticas ) que é uma ONG surgida no Canadá, mas que pode ser definida com TRANSNACIONAL, como o objetivo de “mobilizar pessoas de todos os países para construir uma ponte entre o mundo em que vivemos e o mundo que a maioria das pessoas querem”. Hoje o Avaaz é a maior plataforma desse tipo no mundo e conta com mais de 20 milhões de membros (participantes) que  se manifestam em uma ou mais das campanhas desenvolvidas.

Para tal segundo o seu site, o faz ” Operando em 15 línguas por uma equipe profissional em quatro continentes e voluntários de todo o planeta, a comunidade Avaaz se mobiliza assinando petições, financiando campanhas de anúncios, enviando emails e telefonando para governos, organizando protestos e eventos nas ruas, tudo isso para garantir que os valores e visões da sociedade civil global informem as decisões governamentais que afetam todos nós”,  importante frizar que no caso do Avaaz não há “neutralidade” ele foi criado para apoiar causas de real interesse popular e humanitário, logo, não aceita campanhas que vão em sentido contrário.

Alguns ativistas mais ortodoxos (e paradoxalmente também boa parte dos que são alvo do ciberativismo) costumam ironicamente dizer que esse é um  “ATIVISMO DE SOFÁ”, os primeiros por não compreenderem direito a dinâmica da sociedade no atual estágio da era da informação em que o presencial cada vez mais perde espaço para o virtual; já  os segundos,  tem obviamente o intuito de tentar minimizar o valor desse tipo de ativismo que é muito mais fácil de ser realizado do que o convencional, com deslocamentos custosos, em conflito com horários de trabalho/estudo e necessidade de infraestrutura e organização (quase sempre dificultosas), ou seja, é mais fácil e  tão eficiente quanto o convencional e portanto não lhes agrada.

O que é preciso ficar claro é que hoje gastamos normalmente muitas horas de nosso tempo no ciberspaço, um evento convencional como uma passeata tem o objetivo de chamar a atenção das autoridades, da imprensa e do público ainda não envolvido, clamando por atenção e solução e demonstrando que existe uma adesão popular (e teoricamente o poder emana do povo, logo a sua “voz” deve ser ouvida), antigamente isso só era possível indo para as ruas e praças, para a frente dos orgãos ou invadindo-os, enfrentando por vezes repressão pesada (gás lacrimogênio, jatos d’água, cães e cacetetes, balas de borracha e em alguns casos de verdade…), hoje, assim como o povo e a mídia estão nas ruas e as autoridades nos gabinetes, também estão todos no ciberspaço, e é possível atingir os objetivos de ambas as formas (melhor ainda se combinando as duas) .

Aliás,  tanto governos e suas instâncias,  como políticos mais antenados (e até a iniciativa privada), já se tornaram muito sensíveis ao ciberativismo, alguns instalando inclusive suas próprias plataformas de petições populares, um exemplo é o “We The People” (Nós o Povo) da Casa branca, em que qualquer petição com mais de 100 mil assinaturas é obrigatoriamente analisada e submetida à apreciação governamental e recebe uma resposta OFICIAL. No Brasil  há projeto no Senado para que a prática da participação popular por meio de petições públicas, tenha maior força e interferência oficial direta nas decisões antes tomadas apenas pelos representantes eleitos do povo (e isso é bom porque permite que a sociedade se manifeste diretamente em questões surgidas nos intervalos entre as eleições ou quando seus representante eleitos não estão de fato representando seus interesses, ou mesmo para apoiá-los quando estão em lutas contra os adversários do socialmente interessante).

E para finalizar, se antes, para mostrar a sua insatisfação e posicionamento, você escrevia um cartaz em cartolina, faixa ou simples folha de papel e ia se aglomerar junto com centenas ou milhares de outras pessoas para ser visto, e quando não conseguia ou tinha dificuldade para ir a essas manifestações, ficava chateado(a), SEUS PROBLEMAS ACABARAM ! , surgiu a PASSEATA ONLINE, você manda a sua foto segurando o cartaz para a página/grupo da campanha e todo mundo (inclusive quem você deseja pressionar) vai ver… , Ó que legal …. 🙂 : http://www.facebook.com/pages/Feliciano-N%C3%A3o-Me-Representa/252153391588919?ref=ts&fref=ts

MODERNO….  🙂 ! curtir


4 Comentários

Cursos a distância superam os presenciais em todos os indicadores de qualidade do e-MEC

EAD-PODIUMNão é que nós adeptos e entusiastas da EAD tenhamos intenção “supremacista” em relação ao ensino presencial, mas ter que ouvir ou ler posições preconceituosas, discriminatórias e pejorativas com relação a EAD (quando fatos e dados como os expostos na matéria abaixo, estão ai para quem quiser ver, destroçando os argumentos dos “anti-EAD”), chega a ser hilário e nonsense… .

Cursos a distância superam os presenciais em todos os indicadores de qualidade do e-MEC
Tanto no conceito de curso (inclusive no preliminar) quanto no Enade, cursos a distância conseguem percentual superior de aprovação na comparação com presenciais, segundo base de dados e-MEC
21/02/2013

A base de dados e-MEC, que reúne instituições de ensino e cursos de graduação com suas respectivas notas nos indicadores de qualidade utilizados pelo Ministério de Educação (MEC), aponta que, percentualmente, os cursos de educação a distância estão ligeiramente melhor conceituados do que os cursos presenciais em todos os indicadores.

O e-MEC reúne as notas nos indicadores do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), que avalia o conhecimento dos estudantes; do Conceito Preliminar de Curso (CPC), que é composto a partir dos resultados do Enade e por fatores que consideram a titulação dos professores, o percentual de docentes que cumprem regime parcial ou integral (não horistas), recursos didático-pedagógicos, infraestrutura e instalações físicas; e, por fim, as notas do Conceito de Curso (CC), composto a partir da avaliação in loco do curso pelo MEC, e que pode confirmar ou modificar o CPC.

Em todos os três indicadores, os cursos a distância aparecem com percentuais ligeiramente maiores de aprovação (notas 3 a 5) e também com percentuais maiores entre os cursos aprovados com a nota máxima (5).Na análise dos dados do e-MEC, verificou-se um quase empate nos indicadores CC, porém com vantagem para os cursos a distância, nos percentuais de aprovação (notas 3 a 5): 100% dos cursos a distância e 97,7% para os cursos presenciais.

No indicador Enade também houve um cenário parecido: 70,5 para cursos a distância e 69,15% para cursos presenciais. Porém, no indicador CPC, houve uma grande diferença em favor dos cursos a distância: 83,7%, e 75,6% para os presenciais.Se forem considerados apenas os percentuais de nota 5, novamente os cursos a distância estão na frente no CC (14,58% a distância e 14% presenciais) e no CPC (2,91% e 2,3%), ficando atrás apenas no Enade (4,5% a distância e 6,15% presenciais).

A busca de dados na base do e-MEC foi feita ontem, dia 20, considerando apenas cursos (não se buscou por instituições de ensino) em todo o país, pagos e gratuitos, nos graus de bacharelado, licenciatura, tecnológico e sequencial. Não se considerou neste levantamento os cursos presenciais ou a distância que não foram avaliados ou que ficaram sem conceito. A busca foi feita pela internet, no endereço http://emec.mec.gov.br/. O sistema é atualizado constantemente.

A pesquisadora Márcia Figueiredo, coordenadora geral do Centro Universitário Barão de Mauá e membro da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED) afirma que o número de cursos avaliados em educação a distância é pequeno na comparação com os presenciais porque ainda “menos de 10% das instituições oferecem educação a distância, isso faz com que o número de instituições avaliadas ainda seja muito pequeno”. Márcia também acredita que há a necessidade de que seja adotada um política nacional para a educação a distância, principalmente para a educação superior, já que a modalidade a distância não é considerada para este nível no Plano Nacional de Educação.

Veja os resultados da pesquisa na tabela abaixo:

Notas dos cursos presenciais e a distância

 

Cursos de EAD

Cursos Presenciais

NOTA

CC % CPC % ENADE % CC % CPC % ENADE %

5

07 14,58 07 2,91 15 4,5 2.232 14 400 2,3 1.310 6,15

4

30 62,5 60 25 69 20,9 7.275 45,6 3.911 22,8 4.419 20,7

3

11 22,9 134 55,8 149 45,1 6.076 38,1 8.656 50,5 9.028 42,3

2

39 16,25 95 28,7 323 2 4.024 23,5 5.560 26,1

1

02 0,6 25 0,1 121 0,7 982 4,6
                         

1 a 5

48 100 240 100 330 100 15.931 100 17.112 100 21.299 100

 

                       

3 a 5

  100   83,7   70,5   97,7   75,6   69,15
FONTE: e-MEC (http://emec.mec.gov.br/). Coleta de dados realizada em 20/02/2013 pela revista Ache Seu Curso a Distância, e pela pesquisadora Márcia Figueiredo (CBM e ABED).

 


53 Comentários

Notebook antigo em TV antiga ? conexão fácil fácil….

Minha velha TV de CRT, plugada no Google via notebook.

Ver coisas que estão no notebook na telona da TV é uma ideia muito agradável para quem gosta de jogar, assistir um filme (em arquivo ou online), curtir um videokê  ou até mesmo navegar pela web, se tanto seu notebook ou tablet são “top de linha”, não tem o menor problema, basta liga-los através de cabo pelas respectivas saída/ entrada HDMI e pronto,  mas e para equipamentos não tão novos ?, (como é o meu caso, com um já surrado Acer TRAVELMATE 5520 e uma TV LG de tela plana mas ainda CRT) .

Vi verdadeiras brigas pela web em se tratando do tema (propondo conversores, etc..); bem, depois de boa pesquisa resolvi testar duas possibilidades simples e sem conversores, apenas com cabos (já que meu notebook como a maioria de seus contemporâneos possui apenas duas saídas de vídeo externo e ambas analógicas  ( VGA  e  S-Vídeo de 7 pinos) ), optei por utilizar a saída S-Vídeo (se você não tiver pode ser a VGA),  já pelo lado da TV só tinha duas possibilidades, entrada de vídeo composto (conector RCA único, daqueles que servem para ligar desde videocassetes até aparelhos de DVD mais antigos)  e entrada tipo COMPONENTE (3 entradas RCA de cores azul, verde e vermelha), estes cabos tem fácil e barato nas boas lojas do ramo de componentes eletrônicos e som/TV.

Na dúvida comprei os dois cabos, um com ponta S-vídeo de 7 pinos e  a outra ponta COMPONENTE (3 RCAs),  e o segundo com uma ponta S-Vídeo de 4 pinos e a outra ponta vídeo composto (RCA simples).

Resultado:  o primeiro fez a conexão mas não aparecia as cores, DESCARTADO…, o segundo funcionou 100% de primeira… ; resolvido o problema de imagem, veio a parte do SOM, bastando para tal ligar a saída de fone do ouvido do notebook  na entrada AUXILIAR da TV (duas entradas RCA em vermelho e branco ), como tenho um HOME TEATHER, testei também na entrada AUXILIAR do mesmo, funcionou perfeitamente e vai ficar assim 🙂 (detalhe, se for usar home teather não esquecer de mudar a função para AUX, ah ! e ao conectar o note na TV esteja com o note desligado para que ele reconheça a TV como segunda tela, além disso lembre a sua velha TV não é HD, portanto reduza a resolução de tela no note para 800×600, vai visualizar bem melhor…)

Esquema de ligação

Notebook , TV  e Home Teather conectados para assistir filmes online via Netflix

Para Netflix tem mais uns detalhes…, ver em https://blogdojuarezsilva.wordpress.com/2013/08/24/netflix-em-tv-antiga-nao-tao-dificil/

Prontinho ! é isso ai, testado e aprovado, sem conversores, sem polêmica e baratinho (13 reais) :


2 Comentários

Aluno da Educação a Distância conquista a maior nota nacional no Enade

 

Meio atrasado mas não podia deixar "passar em branco",  para os que ainda insistem no preconceito contra a EAD (Educação a Distância ), segue um notícia que dá  mais um nocaute em seus argumentos falaciosos.

Publicado em : http://educalivre.wordpress.com/

O instrutor e consultor na área de calçados, Antônio Edijalma Rocha Junior, aluno do curso a distância de Tecnologia em Gestão da Produção Industrial do Grupo Educacional UNINTER (Fatec Internacional), do Polo de Apoio Presencial de Jaú – SP, teve a maior nota no último Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). Ao todo, alunos de mais de 40 instituições de educação presencial e a distância (Privada, Pública e Federal), realizaram o exame.

Com a nota de 80,3, Rocha Junior conseguiu a maior pontuação nacional, a média foi 45. “O Enade faz sorteios entre alunos iniciantes e concluintes para a realização da prova e, quando fui escolhido, soube somente com três meses de antecedência. Tive uma preparação muito boa pela faculdade. Esse resultado mostra que a educação, seja ela presencial ou a distância, traz resultados quando é bem executada”, explica.

O histórico com o resultado da média nacional, estadual e particular é enviado diretamente ao aluno. Após receber o histórico, Rocha Junior entrou em contato com a Faculdade para saber a documentação necessária para solicitar bolsa de estudos. “Fui até o meu Polo de Apoio Presencial para dar entrada no pedido de bolsa. Agora, pretendo cursar uma pós-graduação em Engenharia da Produção, com duração de um ano, também a distância, pelo UNINTER”.