Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

SOBRE RACISMO E RACIALISMO

Por anos debatendo a questão das Ações Afirmativas (AA), sobretudo as cotas universitárias com recorte racial, me deparei muito com gente classificando de “racialistas” os que defendiam o recorte racial nas AA.

Ainda hoje vejo o uso de “racialista” como se fosse um racista com “sinal invertido”, nada mais errôneo e injusto. O racialismo é a crença em diversas raças humanas no sentido BIOLÓGICO, instituído por Carolus Linnaeus no XVIII ao criar a classificação homo sapiens e dividi-la em subespécies relacionadas à cor de pele e características fenotipicas prevalentes nas populações de cada continente. No mesmo ato Linnaeus também cria o racismo “científico” ao atribuir características atávicas (determinantes e hereditárias) à cada um dos grupos “raciais”, reservando apenas para os brancos as positivas e para os demais negativas.

Hoje o entendimento de “raça” ou “racial” só é admitido em sentido de construção social a ser superada com relação às desigualdades e determinismos preconceituosos e discriminatórios. Isso não quer dizer no entanto que se pretenda uma homogeneização étnico/cultural e a desconsideração das peculiaridades históricas, culturais e sociais dos diversos grupos.

Portanto, admitir tais peculiaridades e diferenças sociais construídas por milênios e séculos recortados de experiências culturais e sociais coletivas diferenciadas, e principalmente os prejuízos e necessidade da correção das desigualdades decorrentes, não é racialismo, muito menos “racismo as avessas” .

Os entendimentos partidos de dentro de um grupo tradicionalmente prejudicado, sobre sua realidade social, condições efetivas, valores civilizatórios, igualmente a sua memória coletiva e percepções não podem ser desconsiderados na sua totalidade, tampouco cerceado o direito ao ressentimento e as demandas por respeito, autodeterminação e “propriedade” de seus bens culturais.

Se existe uma CULTURA NEGRA, produto do contato e do amálgama secular das culturas africanas traficadas junto com os escravizados e as nativas e européias, isso não quer dizer que deixa de ser peculiarmente negra e diferentemente vivenciada a partir de diferentes origens e perspectivas.

Não há problema algum em qualquer pessoa de qualquer cor ou origem se imiscuir na cultura negra e vivencia-la, mas é importante que entenda que antes de mais nada ela é um bem cultural ao qual se adere, do qual se pode apropriar mas não deturpar, muito menos expropriar o negro, “retirando” dele o direito de controlar primariamente os seus bens culturais ou de se manifestar sobre eles a partir da própria perspectiva.

Quando uma pessoa negra (e não apenas que assim se assuma por realidade e pertença remota ou não, mas que principalmente assim seja vista socialmente e assim se relacione com a sociedade) se insurge contra apropriações indébitas ou questiona a forma de participação não negra na cultura negra, ela não está sendo racialista muito menos racista, ela está apenas chamando a atenção para a diferença de viver a cultura negra sendo efetiva e socialmente negro e não sendo… .

Não precisa ser negro para ser capoeirista ou de religião de matriz africana, mas é preciso conhecer as motivações históricas, reconhecer a essência, as premissas cosmogônicas, filosóficas e principalmente aceitar as regras da tradição e ter alteridade e empatia com quem tem a cultura como herança natural e coletiva… .

É o que não entendem o que dizia o Mestre Pastinha, e dizem hoje muitos praticantes e ativistas negros da cultura negra em suas perspectivas negras.


Deixe um comentário

Mozart não era Negro (ou quando neoativistas queimam o filme)

Tem um pessoal por ai que se diz ativista de movimentos negros (ou melhor, de “movimentos pretos”…) prestando tremendo desserviço, não vá na deles. 

Há uma página sendo muito disseminada entre jovens ativistas e simpatizantes da causa negra, que tem como característica fazer um eurocentrismo avesso, ou seja, assim como é comum e “tradicional” o branqueamento de figuras históricas, os mantenedores da página na intenção de pretensamente combater esse branqueamento, acabam por passar por cima e até forjar “evidências” tentando “enegrecer” quem nunca foi negro… . 

O caso mais gritante é o de Mozart. Tudo começa quando lá por 2010 ou 2011, o editor da revista Pride, dedicada à comunidade africana e caribenha do Reino Unido, afirma ser evidente a existência de um complô com a finalidade de ocultar a origem negra de Beethoven. Shabazz Lamumba, autor do artigo, afirma se tratar de um desejo dos brancos em se apropriar do compositor. Ai, algum iletrado que aparentemente  mal domina o idioma inglês, ou então muito mal intencionado, a partir  disso e de uma antiga campanha, feita para o lançamento de um novo programa (de Jazz)  em uma rádio belga (Rádio Klara) especializada em clássicos em que Mozart aparecia “black” (obra de photoshop), resolveu tomar como “verdade” que Mozart era “mouro” ou negro.  Não era. 

Imagem alterada de Mozart para a campanha da rádio Klara.

Para piorar, mistura o caso com o de Joseph Bologne, também conhecido como  Chevalier de Saint Georges.  Esse sim um negro, filho de um nobre francês com uma escrava  que tinha no Caribe ( Nanon, da ilha de Gadaloupe) . Incrivelmente o nobre assumiu o filho (e discretamente a mãe) quando teve que retornar as pressas para a França, educando-o com o que havia de melhor. 

Joseph Bologne tornou-se um exímio esgrimista e mestre da música, tão bem sucedido e famoso em sua época,  que acabou por inspirar Mozart. Hoje muitos se referem a ele como “Black Mozart”, “Mozart noir” ou “Mozart negro” (mesmo tendo sido ele o “inspirador” não o inspirado)…

Portanto meus caros e minhas caras, não seria preciso “forçar a barra” intentando tornar Mozart negro, para fins afirmativos, quando já se tem um real negro entre os mestres da música clássica, que inclusive inspirou o mestre Mozart… . Tiro no pé, pura e simesmente.

Melhor seria divulgar a pouco conhecida história de Joseph Bologne… (link abaixo)

http://pqpbach.sul21.com.br/2016/01/25/joseph-bologne-chevalier-de-saint-georges-1747-17992-concertos-do-violinista-negro-que-influenciou-mozart/


2 Comentários

23 de Abril, Dia Mundial do Escoteiro

23 de Abril é dia mundial do escoteiro

A data não por coincidência  é também o dia de  São Jorge, que pelo exemplo de suas virtudes  foi escolhido por Lord Baden-Powell ( um General britânico,  ou  simplesmente B-P,  como é referido no meio, o fundador do escotismo) como padroeiro dos escoteiros.

O escotismo mais que um movimento é um sistema educacional complementar / fraternidade mundial fundado por B-P em 1907 na Inglaterra, a partir da  experiência própria  retirada de sua vida campista quando jovem, e também  da  adquirida ao longo de sua vida militar servindo em distantes partes do então grande império britânico (notadamente Ásia e África), bem como, de uma forçada utilização de  garotos  em funções militares auxiliares, em  situação em que B-P se viu sitiado com suas forças  durante o famoso  Cerco de Mafeking (parte das disputas entre o império britânico e os Bôeres (colonos holandeses) durante a Guerra do Transvaal em 1899 na África do Sul.)  Aqui link para uma curta biografia de B-P .

Hoje o ESCOTISMO (para maiores detalhes veja o link), é um sistema CO-EDUCACIONAL (para meninos e meninas, moças e rapazes) existente em todo o mundo e como uma real fraternidade reúne crianças, jovens e adultos de todas as cores, credos, classes, garantindo por meio de suas atividades a formação de indivíduos responsáveis, solidários, disciplinados e de grande caráter, características levadas por seus praticantes para o resto de suas vidas.

dia do escoteiro

Eu tenho grande orgulho de fazer parte desta fraternidade (uma vez escoteiro, sempre escoteiro… ), tendo meu avô (falecido em 1946) fundado um grupo escoteiro em Minas Gerais na década de 30/40, meu pai participou desse grupo como “lobinho” e décadas mais tarde me introduziu ao 8 anos de idade (1972) no escotismo  também como “lobinho”, em  Taboão da Serra-SP, depois fui lobinho e escoteiro do Ar  no Grupo 176º “Anchieta”, me afastei por motivo de mudança para Pindamonhagaba-SP (aonde ainda não havia grupo escoteiro) e retornei ao escotismo em  1981/82  ao ser co-fundador (junto com meu pai e irmãos  menores entre outras pessoas) do Grupo escoteiro 97º ITAPEVA ( grupo em atividade até hoje), do qual fui o primeiro Assistente de Chefe de Tropa e anos mais tarde (1990-1991) Mestre do Clã Pioneiro (PENDRAGON). Deixando o grupo e a atividade escotista ao me transferir para Manaus em 1991.

Mesmo fora de atividade, guardo com carinho todas as recordações e o que aprendi no escotismo, hoje de manhã sai de casa com pressa, esquecido de que hoje era dia do escoteiro (nesse dia os atuais e antigos escoteiros costumam utilizar o seu lenço de promessa, como forma de homenagear e reafirmar o orgulho de fazer parte dessa fraternidade mundial), não deu para usar o lenço no trabalho mas fica a minha foto  🙂 .

Sempre Alerta !  SERVIR !

Sempre Alerta para SERVIR !


8 Comentários

Denegrindo corpo docente da UFAM Profª Ednailda se torna mestre

arguicao1

Antes que alguém se “indigne” ou fique confuso com o título do post…, explico .

Segundo o dicionário :

denegrir

v.t. Fazer negro; escurecer.
Fig. Atacar a reputação, o talento de alguém; desacreditar; depreciar; macular, manchar.

denegrido

adj (part de denegrir) 1 Que se denegriu. 2 Enegrecido, fosco.
sm 3 pessoa desqualificada: É malandro porque cresceu entre denegridos.

denegridor

adj (denegrir+dor) Que denigre.

A maioria das pessoas só conhece  o termo no seu sentido figurado,  além disso, nem de longe imagina que o termo é utilizado  corriqueiramente como sinônimo de “ofensa / mácula” pela simples e racista associação depreciativa  relacionada com “fazer negro ou escurecer “;  porém recentemente e no sentido contrário, ativistas dos movimentos negros passaram a utilizar o termo no seu sentido original,  primeiro para “chocar e chamar a atenção” das pessoas sobre suas práticas/mentalidades racistas desapercebidas/inconscientes presentes inclusive nas falas cotidianas e segundo para de forma AFIRMATIVA levar a  um entendimento de POSITIVIDADE  o termo negro e “coisas de negros”, ou aos atos de INSERIR/ VISIBILIZAR negros ou ASSUMIR negritude.

Toda essa introdução foi para explicar que a Profª Ednailda Santos, que trabalha  no interior  do estado no campus da UFAM-Universidade federal do Amazonas na cidade de HUMAITÁ  (e  junto com o marido Mazo, é uma das mais combativas militantes dos movimentos negros do estado), fez ontem 27/04(terça-feira) às 15h a sua defesa da dissertação de  mestrado em educação intitulada: Identidades e trajetórias de docentes negra(o)s da UFAM.

O trabalho é pioneiro nos programas de pós-graduação da UFAM pois inaugura o trato da questão étnico-racial  negra na região, até então apenas  os assuntos ligados a indígenas eram abordados nessa temática.

A importância do trabalho também se deve ao fato de dar “visibilidade identitária”   e numérica aos negros do corpo docente da universidade… denegrindo-o (tornando negro /  visibilizando a negritude ); ao mesmo tempo que provoca para o debate sobre as questões que envolvem a diversidade na universidade de maneira geral, desde o acesso à graduação, passando pela discussão e  combate ao racismo institucional, formação de linhas de pesquisa que favoreçam o ingresso de pesquisadores negros e/ou sobre a temática da presença negra na região ou simplesmente de professores negros atuantes em outras áreas…

A Banca :

A Profª. Maria Lúcia Miller da UFMT, em sua arguição teceu vários elogios ao trabalho e sobre o talento para a pesquisa  e possibilidade futuras,  também algumas considerações visando melhoria da versão final da dissertação (que tem 60 dias para ser entregue).

A Profª. Dra. Patrícia Sampaio da HISTÓRIA/UFAM, frisou a importância da abertura da temática no Programa de Educação, pois “abre uma estrada” ao questionar academicamente algo relacionado com uma peculiar visão/relação regional sobre a presença negra,  elogiou a inovação da  utilização do estilo narrativo; emocionada falou sobre o orgulho em ter  como colegas os  5 professores negros auto-identificados  e  citados  no trabalho (além da própria mestranda); obviamente como em toda defesa de dissertação também alguns questionamentos e “provocações” para o futuro, entre elas o fomento do esperado NEAB-Núcleo de Estudos Afrobrasileiros da UFAM.

A Profª. Dra. Rosa Helena Dias  da FACED/UFAM (Orientadora), lembrou as dificuldades pessoais enfrentadas pela Mestranda, como  uma gestação no meio do processo e filhos pequenos entre outras coisas, falou também sobre a “troca de linha” de pesquisa ao ser selecionado o projeto de Ednailda, re-encaixado então em “Formação de professores”  e das peculiaridades da  turma MINTRA (Mestrado interno) composta por 15 mestrandos, dos quais essa foi a primeira defesa apresentada.

Na sequência da defesa e da divulgação da aprovação unânime, a  diretora da FACED,  Profª Dra. Arminda Mourão destacou a importância da temática levantada e da pertinência com o contexto atual em que se discute e fomenta a visibilização e inserção negra no ambiente universitário e em melhores patamares da sociedade

Foi apresentado um vídeo com depoimentos de professores negros e negras  da UFAM citados no trabalho;   e em seguida  foi oferecido pela direção da FACED um coquetel em que se aproveitou para homenagear  além da Profª Ednailda , o Prof. Isaac Lewis (representado por seu filho, egresso da universidade), um dos professores negros da UFAM cuja trajetória foi objeto da pesquisa, na oportunidade integrantes do corpo docente da FACED, representantes da Associação dos Docentes da UFAM, utilizaram da palavra,  também fomos convidado pela diretora da FACED a nos manifestar enquanto representação do Movimento Negro local.

mosaico1

Por uma dessas raras e gratas “coisas da vida”, se fazia presente na apresentação e homenagem que se seguiu, uma visitante muito “sintonizada” com o contexto do dia, a professora Vera, negra  com mestrado em Educação pela PUC, vinda do interior de SP especialmente  para prestar o concurso para novos professores da UFAM (que coincidentemente está ocorrendo ao longo dessa semana).

Em conversa com a mestre Vera, a mesma nos disse  que estava muito feliz com o que viu e ouviu e o clima de “abertura”  e sensibilidade à questão da inclusão negra que sentiu na FACED; já que os processos de seleção (que envolvem entrevistas e testes orais)  tanto para candidatos a mestrado quanto para professores das universidades federais, costumam de maneira geral ser  “pouco permeáveis”  à negros e negras;  acreditando que deverá portanto ter mais chances de ser aprovada  tão somente baseado no mérito e competência técnica,  sem  teoricamente a tradicional e velada “barreira” comum em tais situações.

Com a provável aprovação de Vera a UFAM estaria “ganhando”  praticamente ao mesmo tempo, duas novas professoras com mestrado e negras… ; estamos na torcida !