Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


2 Comentários

O MEC e o Mestrados “a distância”

mestrados-a-distancia-não

No já longínquo final de 2005, quando o Decreto n o 5.622, de 19 de dezembro de 2005 veio à luz,  finalmente pré-regulamentando os mestrados via EAD (previstos desde a LDB de 1996), muita gente acreditou que dali a 180 dias (prazo dado para que a CAPES conclui-se o detalhamento da regulamentação) o cenário da pós-graduação stricto sensu em fim seria democratizado, ledo engano… .

Idas e vindas da legislação e nada de mestrados a distância nas mais variadas áreas se tornarem realidade no Brasil…, a CAPES (a grande “entravadora” da questão) acabou ironicamente recebendo a incumbência de “cuidar” da EAD no ensino superior.

Depois de muuuitooossss anos finalmente, a UAB-Universidade Aberta do Brasil (na realidade um pool de universidades públicas) recebeu  autorização para um mestrado “a distância”, só que além de ser semi-presencial (e com uma exigência de presença elevada), a área escolhida foi matemática,  área diversa das desejadas  pelos potenciais interessados, projeto  direcionado exclusivamente para professores do ensino básico da rede pública…  o PROFMAT, para piorar o mestrado recebeu a pecha de “profissionalizante” (em tese não aplicável para o magistério superior…, mas sim para qualificação de exercícios profissionais que não a docência), fica a pergunta:  se o mestrado é para professores que obviamente atuam na docência, por qual motivo é “profissionalizante” ??? ; a resposta talvez seja :  “Para evitar que os novos mestres, façam o que em tese é a função precípua dos mestres, lecionar em nível superior (muito embora haja quem entenda que mestre é tão somente um pesquisador, um “pré-doutor”)  e “invadir” o reduto dos  “acadêmicos”…   ” (reserva de mercado ????) ; depois do super interessante PROFMAT,  veio o Mestrado profissionalizante em Letras e nos mesmos moldes o PROFARTES, voltado para professores de artes… .

Enquanto isso…, nada de autorizações de mestrados de interesse geral (e com maior assincronia, com o formato online majoritariamente e as atividades presenciais minímas exigidas por lei), muito menos sem o “apartheid profissionalizante”, com isso gerações de  profissionais  já graduados  que poderiam já serem  mestres ou doutores, continuam tendo que depender exclusivamente do PPGs (programas de pós-graduação) presenciais das universidades públicas (oferta relativamente baixa e de seleção tradicionalmente excludente…) ou dos caríssimos de algumas intituições privadas topo de linha…, eventualmente se arriscando em algum curso estrangeiro (preferencialmente do Mercosul) de custos muito menores e maior flexibilidade, mas sem garantias de revalidação no Brasil… .


4 Comentários

Cursos a distância superam os presenciais em todos os indicadores de qualidade do e-MEC

EAD-PODIUMNão é que nós adeptos e entusiastas da EAD tenhamos intenção “supremacista” em relação ao ensino presencial, mas ter que ouvir ou ler posições preconceituosas, discriminatórias e pejorativas com relação a EAD (quando fatos e dados como os expostos na matéria abaixo, estão ai para quem quiser ver, destroçando os argumentos dos “anti-EAD”), chega a ser hilário e nonsense… .

Cursos a distância superam os presenciais em todos os indicadores de qualidade do e-MEC
Tanto no conceito de curso (inclusive no preliminar) quanto no Enade, cursos a distância conseguem percentual superior de aprovação na comparação com presenciais, segundo base de dados e-MEC
21/02/2013

A base de dados e-MEC, que reúne instituições de ensino e cursos de graduação com suas respectivas notas nos indicadores de qualidade utilizados pelo Ministério de Educação (MEC), aponta que, percentualmente, os cursos de educação a distância estão ligeiramente melhor conceituados do que os cursos presenciais em todos os indicadores.

O e-MEC reúne as notas nos indicadores do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), que avalia o conhecimento dos estudantes; do Conceito Preliminar de Curso (CPC), que é composto a partir dos resultados do Enade e por fatores que consideram a titulação dos professores, o percentual de docentes que cumprem regime parcial ou integral (não horistas), recursos didático-pedagógicos, infraestrutura e instalações físicas; e, por fim, as notas do Conceito de Curso (CC), composto a partir da avaliação in loco do curso pelo MEC, e que pode confirmar ou modificar o CPC.

Em todos os três indicadores, os cursos a distância aparecem com percentuais ligeiramente maiores de aprovação (notas 3 a 5) e também com percentuais maiores entre os cursos aprovados com a nota máxima (5).Na análise dos dados do e-MEC, verificou-se um quase empate nos indicadores CC, porém com vantagem para os cursos a distância, nos percentuais de aprovação (notas 3 a 5): 100% dos cursos a distância e 97,7% para os cursos presenciais.

No indicador Enade também houve um cenário parecido: 70,5 para cursos a distância e 69,15% para cursos presenciais. Porém, no indicador CPC, houve uma grande diferença em favor dos cursos a distância: 83,7%, e 75,6% para os presenciais.Se forem considerados apenas os percentuais de nota 5, novamente os cursos a distância estão na frente no CC (14,58% a distância e 14% presenciais) e no CPC (2,91% e 2,3%), ficando atrás apenas no Enade (4,5% a distância e 6,15% presenciais).

A busca de dados na base do e-MEC foi feita ontem, dia 20, considerando apenas cursos (não se buscou por instituições de ensino) em todo o país, pagos e gratuitos, nos graus de bacharelado, licenciatura, tecnológico e sequencial. Não se considerou neste levantamento os cursos presenciais ou a distância que não foram avaliados ou que ficaram sem conceito. A busca foi feita pela internet, no endereço http://emec.mec.gov.br/. O sistema é atualizado constantemente.

A pesquisadora Márcia Figueiredo, coordenadora geral do Centro Universitário Barão de Mauá e membro da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED) afirma que o número de cursos avaliados em educação a distância é pequeno na comparação com os presenciais porque ainda “menos de 10% das instituições oferecem educação a distância, isso faz com que o número de instituições avaliadas ainda seja muito pequeno”. Márcia também acredita que há a necessidade de que seja adotada um política nacional para a educação a distância, principalmente para a educação superior, já que a modalidade a distância não é considerada para este nível no Plano Nacional de Educação.

Veja os resultados da pesquisa na tabela abaixo:

Notas dos cursos presenciais e a distância

 

Cursos de EAD

Cursos Presenciais

NOTA

CC % CPC % ENADE % CC % CPC % ENADE %

5

07 14,58 07 2,91 15 4,5 2.232 14 400 2,3 1.310 6,15

4

30 62,5 60 25 69 20,9 7.275 45,6 3.911 22,8 4.419 20,7

3

11 22,9 134 55,8 149 45,1 6.076 38,1 8.656 50,5 9.028 42,3

2

39 16,25 95 28,7 323 2 4.024 23,5 5.560 26,1

1

02 0,6 25 0,1 121 0,7 982 4,6
                         

1 a 5

48 100 240 100 330 100 15.931 100 17.112 100 21.299 100

 

                       

3 a 5

  100   83,7   70,5   97,7   75,6   69,15
FONTE: e-MEC (http://emec.mec.gov.br/). Coleta de dados realizada em 20/02/2013 pela revista Ache Seu Curso a Distância, e pela pesquisadora Márcia Figueiredo (CBM e ABED).

 


Deixe um comentário

Para quem ainda não entendeu a polêmica em torno de MONTEIRO LOBATO

Monteiro Lobato, a personagem Tia Anastácia e o livro

Muita gente ainda não entendeu a  polêmica em torno da retirada de determinadas obras do escritor  Monteiro Lobato (voltadas para o público infantil) do PNBE (Programa Nacional Biblioteca da Escola), programa do MEC que compra livros com dinheiro público e fornece para as escolas.

São duas as  principais questões :

1- A maioria dos brasileiros não-negros tem grande dificuldade para entender e enxergar o que de fato é o racismo, pensam inclusive que não são racistas pois entendem que racismo é apenas aquele violento, intolerante e no qual se assume abertamente o antagonismo com relação aos não-brancos; confundem tolerância, cordialidade e co-existência social não oficialmente segregada com “não-racismo”, ou seja, não admitem como racismo as outras formas sorrateiras e dissimuladas de inferiorização estética/ cultural  e embarreiramento sócio-econômico dos não brancos.  Vide : “(a) discriminação e preconceito raciais não são mantidos intactos após a abolição mas, pelo contrário, adquirem novos significados e funções dentro das novas estruturas e (b) as práticas racistas do grupo dominante branco que perpetuam a subordinação dos negros não são meros arcaísmos do passado, mas estão funcionalmente relacionadas aos benefícios materiais e simbólicos que o grupo branco obtém da desqualificação competitiva dos não brancos.” (Hasenbalg, 1979, p. 85) .

2- A quase totalidade das pessoas não sabe quem foi de fato Monteiro Lobato

a) Lobato era um racista assumido, EUGENISTA (de carteirinha), membro da Sociedade Paulista de Eugenia, no seu livro “A Barca de Gleyre”  (uma coletânea de cartas trocadas em especial com seu amigo Godofredo Rangel, mas também outros como  o “pai da eugenia brasileira”  o médico Roberto Khell) Lobato fala “barbaridades” com relação a pretos  e miscigenados, em um outro livro seu “O presidente negro ou  O Choque das raças” , Lobato “sugere” que os negros norte-americanos fossem todos esterilizados  com um produto embutido secretamente em um creme de alisamento de cabelos…, o livro não foi aceito para publicação nos EUA, Lobato escreve ao amigo Rangel e  diz“Meu romance não encontra editor. […]. Acham-no ofensivo à dignidade americana, visto admitir que depois de tantos séculos de progresso moral possa este povo, coletivamente, cometer a sangue frio o belo crime que sugeri. Errei vindo cá tão verde. Devia ter vindo no tempo em que eles linchavam os negros.”, posteriormente o próprio Lobato o publicou no Brasil.

b) Lobato tinha plena consciência de que a sua obra era um excelente veículo para propagar os ideias da causa eugenista e assim o fez inserindo “discretamente” em sua obra, inclusive reconhece isso em carta à seu amigo Godofredo Rangel, Lobato confessou que sabia que a escrita “é um processo indireto de fazer eugenia, e os processos indiretos, no Brasil, ‘work’ muito mais eficientemente” (palavras dele).

c) Lobato inseriu em sua obra, referências que perpetuam a formação de uma mentalidade racista inconsciente (principalmente nas crianças que ainda não tem senso crítico) ao mesmo tempo que constrange crianças negras e as ferem em sua auto-estima;

Não se trata de patrulhamento ideológico, exagero militante do “politicamente correto”  ou “ver pêlo em ovo”, muito menos querer “censurar” Lobato, nem de “queimar seus livros”,  mas simplesmente de não deixar que os ideais eugenistas de um Lobato dos anos 30 do século passado, permaneçam LIVREMENTE a influenciar e naturalizar nas crianças do século XXI (teoricamente anti-racista) uma mentalidade racista geralmente inconsciente mas que se manifesta até nos adultos  mais insuspeitos e inesperados ( vide o caso da  Antropóloga professora de religiosidade afro, que xingou de macacos um segurança e um estudante da universidade paraense em que dá aulas), por LIVREMENTE entenda-se sem a devida contextualização por meio de notas no livros e sem professores capacitados para neutralizar a parte nociva nas obras de Monteiro Lobato.

Enquanto não ocorre essa capacidade de contextualizar e neutralizar os malefícios embutidos nos livros, é conveniente que os mesmos deixem de ser distribuídos para as escolas, principalmente por serem pagos com dinheiro público, o estado brasileiro através do ESTATUTO DA IGUALDADE RACIAL já reconheceu o racismo brasileiro em suas mais diversas formas e situações, se comprometendo a não estimular práticas racistas e corrigir as desigualdades e distorções advindas dele, não pode portanto, continuar a permitir livremente  a utilização oficial e ainda por cima pagar por obras que contrariem  essas premissas.

Para quem de fato quiser saber fatos e dados que embasam a questão é só ler o excelente artigo (vão ficar chocados…) :

CARTA ABERTA AO ZIRALDO por Ana Maria Gonçalves: http://www.idelberavelar.com/archives/2011/02/carta_aberta_ao_ziraldo_por_ana_maria_goncalves.php


6 Comentários

Audiências no STF: obrigado ao DEM…

Montagem: blog do juarez(fonte banco de imagens STF e outros)

Graças à empáfia e “falta de noção” do partido Democratas e da “tropa de choque” anti-AA e meta-racista, (que “forçou e adiantou” mediante a entrada de uma ADPF(Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental)), o STF (Supremo Tribunal Federal)  finalmente teve que  colocar em julgamento e definirá em breve o destino das ações afirmativas com recorte racial  no ensino superior .

O que não esperavam é que o Ministro Relator (Ricardo Lewandowski), fosse  brilhantemente convocar audiências públicas com “Amicus Curiae” (especialistas e entidades com notório conhecimento na temática) … .

Tal fato permitiu que a nossa Corte Suprema (e por tabela todo o Judiciário) tomasse oficialmente conhecimento abalizado não apenas na questão das cotas, mas de toda a problemática racial brasileira; mais que isso, conseguiu juntar em um só evento os maiores especialistas e entidades da causa negra brasileira, dando-lhes voz e a oportunidade de mostrar em cadeia nacional (além do registro em vídeo e  textos diversos que ficarão disponibilizado gratuitamente e poderão ser reproduzidos e utilizados por qualquer pessoa), coisa que a grande imprensa (majoritariamente de linha editorial anti-AA) sempre obstaculizou, dando espaço e destaque amplo e desproporcional para os contrários às Ações Afirmativas.

No período de 03 a 05 de março de 2010 o STF protagonizou algo histórico para o Brasil e um momento único para todos que lá se fizeram presentes expondo ou na platéia (incluindo a mim), absolutamente todas as exposições favoráveis às cotas foram brilhantes, seguras e extremamente embasadas; em um contraste de nível e de convecimento absurdamente distantes dos frágeis e falaciosos argumentos dos contrários; posso dizer que foi um “verdadeiro banho”  ou uma “goleada”  em cima dos anti-AA, que demonstraram ter  uma argumentação fraca e claramente cínica, em alguns casos com apresentações inseguras e até hilárias.

Como disse, todas as apresentações favoráveis foram esplêndidas, mas destaco algumas como as

da Subprocuradora-geral da República Débora Duprat

do Dir. Coop. e Desenv. do Inst. de Pesquisa Econômica Aplicada, Mario Lisboa

do Prof. da USP, Kabengele Munanga

do Professor da UnB, José Jorge de Carvalho

do Coordenador-geral de Educação em Direitos Humanos, Erasto Fortes (que por sinal citou informação exclusiva de um dos meus escritos espalhados pela rede)

do Prof. da UFSC, Marcelo Tragtenberg

da Secretária de Ensino Superior, Maria Paula Dallari Bucci

de Marcos Antonio Cardoso (CONEN)

da Profa Dra. Sueli Carneiro

do Prof da UNICAMP, João Feres

do Presidente da UNE, Augusto Canizella

Outros pontos a destacar foram a calma e o estilo “gentleman” e simpático do Min. Ricardo Lewandowski , a presença mais que simbólica e o apoio silencioso mas obvio a partir das leituras faciais do Ministro Joaquim Barbosa além da intervenção discreta da Ministra Cármen Lúcia incluindo na reflexão a questão da mulher negra), por fim a participação exemplar dos ativistas presentes nos recintos da Audiência pública (no primeiro e segundo dias, apenas os expositores e 3 convidados podiam ficar no auditório principal onde ocorria a audiência, os demais assistiam via telão em auditório anexo, no 3o. dia o Ministro em um gesto de sensibilidade e confiança concentrou todo mundo no auditório principal), a presença de espírito de “Cizinho” e a sua turma do Coletivo DeNegrir (cotistas da UERJ ) DeNegrir na Audiência pública .

O Ministro Ricardo Lewandowski no final . elogiou o nível das apresentações e comportamento da assistência, concedeu entrevista coletiva e simpaticamente quebrou o protocolo cumprimentado e recebendo os cumprimentos de vários presentes.

Estou muito feliz por ter feito parte desse momento histórico, acrescentando aos demais movimentos e ativistas de todo o país, uma representação do estado do Amazonas, tive a oportunidade de reencontrar velhos companheiros de luta, repetir gratos encontros (como com o Senador Paulo Paim,  com o Prof. Kabengele Munaga da USP e Prof. José Jorge da unB) conhecer  e interagir pessoalmente outros com que só tinha contato virtual (Dojival Vieira da Afropress, o Advogado Humberto Adami,(Ouvidor da SEPPIR) Carlos Medeiros (Gestor de igualdade da cidade do RJ) e  Prof. Marcelo Tragtenberg da UFSC..) , militantes da nova geração e  da nova imprensa negra, assim como outros que já são verdadeiras “lendas” dentro da causa, como O Prof. Carlos Moura, o Dr. Eduardo Oliveira (de 83 anos), o João Jorge (Prof. da UnB e Diretor do Grupo Olodum, potencialmente o primeiro Senador negro da Bahia), ou ainda com Edna Roland, que chefiou a Delegação brasileira à Conferência da ONU contra o Racismo, Xenofobia e intolerâcias , ocorrida   em   Durban- África do Sul em 2001 e a responsável direta pela introdução na redação oficial da ONU do termo afrodescendente; todos esses os últimos destacados aparecem nas fotos abaixo:

Parte da "Tropa de apoio" as Ações Afirmativas

Por tudo isso, nossos agradecimentos ao DEM…  🙂

Link para o banco de imagens do STF: http://www.stf.jus.br/portal/cms/listarImagem.asp?servico=&palavraChave=audi%EAncia+p%FAblica&pagina=3&dataDE=03/03/2010&dataATE=05/03/2010


5 Comentários

Audiências no STF: obrigado ao DEM…

Montagem: blog do juarez(fonte banco de imagens STF e outros)

Graças à empáfia e "falta de noção" do partido Democratas e da "tropa de choque" anti-AA e meta-racista, (que "forçou e adiantou" mediante a entrada de uma ADPF(Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental)), o STF (Supremo Tribunal Federal)  finalmente teve que  colocar em julgamento e definirá em breve o destino das ações afirmativas com recorte racial  no ensino superior .

O que não esperavam é que o Ministro Relator (Ricardo Lewandowski), fosse  brilhantemente convocar audiências públicas com "Amicus Curiae" (especialistas e entidades com notório conhecimento na temática) … .

Tal fato permitiu que a nossa Corte Suprema (e por tabela todo o Judiciário) tomasse oficialmente conhecimento abalizado não apenas na questão das cotas, mas de toda a problemática racial brasileira; mais que isso, conseguiu juntar em um só evento os maiores especialistas e entidades da causa negra brasileira, dando-lhes voz e a oportunidade de mostrar em cadeia nacional (além do registro em vídeo e  textos diversos que ficarão disponibilizado gratuitamente e poderão ser reproduzidos e utilizados por qualquer pessoa), coisa que a grande imprensa (majoritariamente de linha editorial anti-AA) sempre obstaculizou, dando espaço e destaque amplo e desproporcional para os contrários às Ações Afirmativas.

No período de 03 a 05 de março de 2010 o STF protagonizou algo histórico para o Brasil e um momento único para todos que lá se fizeram presentes expondo ou na platéia (incluindo a mim), absolutamente todas as exposições favoráveis às cotas foram brilhantes, seguras e extremamente embasadas; em um contraste de nível e de convecimento absurdamente distantes dos frágeis e falaciosos argumentos dos contrários; posso dizer que foi um "verdadeiro banho"  ou uma "goleada"  em cima dos anti-AA, que demonstraram ter  uma argumentação fraca e claramente cínica, em alguns casos com apresentações inseguras e até hilárias.

Como disse, todas as apresentações favoráveis foram esplêndidas, mas destaco algumas como as

da Subprocuradora-geral da República Débora Duprat

do Dir. Coop. e Desenv. do Inst. de Pesquisa Econômica Aplicada, Mario Lisboa

do Prof. da USP, Kabengele Munanga

do Professor da UnB, José Jorge de Carvalho

do Coordenador-geral de Educação em Direitos Humanos, Erasto Fortes (que por sinal citou informação  exclusiva de um dos meus escritos espalhados pela rede)

do Prof. da UFSC, Marcelo Tragtenberg

da Secretária de Ensino Superior, Maria Paula Dallari Bucci

de Marcos Antonio Cardoso (CONEN)

da Profa Dra. Sueli Carneiro

do Prof da UNICAMP, João Feres

do Presidente da UNE, Augusto Canizella

Outros pontos a destacar  foram  a calma e o estilo "gentleman"  e simpático do Min. Ricardo Lewandowski  , a presença mais que simbólica e o apoio silencioso mas obvio a partir das leituras faciais do Ministro Joaquim Barbosa   além da intervenção discreta da Ministra Cármen Lúcia  incluindo na reflexão a questão da mulher negra), por fim a participação  exemplar  dos ativistas presentes nos recintos da Audiência pública  (no primeiro e segundo dias, apenas os expositores e 3 convidados podiam ficar no auditório principal onde ocorria a audiência, os demais assistiam via telão em auditório anexo, no 3o. dia o Ministro  em um gesto de sensibilidade  e confiança  concentrou todo mundo no auditório principal),  a presença de espírito  de "Cizinho" e a sua turma do Coletivo DeNegrir (cotistas da UERJ  )  DeNegrir na Audiência pública   .

O Ministro Ricardo Lewandowski no final . elogiou o nível das apresentações e comportamento da assistência, concedeu entrevista coletiva e simpaticamente  quebrou o protocolo cumprimentado e recebendo os cumprimentos de vários presentes.

Estou muito feliz por ter feito parte desse momento histórico, acrescentando aos demais movimentos e ativistas de todo o país, uma representação do estado do Amazonas, tive a oportunidade de reencontrar velhos companheiros de luta, repetir gratos encontros (como com o Senador Paulo Paim,  com o Prof. Kabengele Munaga da USP e Prof. José Jorge da unB) conhecer  e interagir pessoalmente outros com que só tinha contato virtual (Dojival Vieira da Afropress, o Advogado Humberto Adami,(Ouvidor da SEPPIR) Carlos Medeiros (Gestor de igualdade da cidade do RJ) e  Prof. Marcelo Tragtenberg da UFSC..) , militantes da nova geração e  da nova imprensa negra, assim como outros que já são verdadeiras "lendas" dentro da causa, como O Prof. Carlos Moura, o Dr. Eduardo Oliveira (de 83 anos), o João Jorge (Prof. da UnB e Diretor do Grupo Olodum, potencialmente o primeiro Senador negro da Bahia), ou ainda com Edna Roland, que chefiou a Delegação brasileira à Conferência da ONU contra o Racismo, Xenofobia e intolerâcias , ocorrida   em   Durban- África do Sul em 2001 e a responsável direta pela introdução na redação oficial da ONU do termo afrodescendente,; entre muitos outros contatos (faltou só a oportunidade de contato  direto com o Ministro Joaquim Barbosa, mas isso fica para a próxima :))

Por tudo isso, nossos agradecimentos ao DEM… ;)

Link para o banco de imagens do STF: http://www.stf.jus.br/portal/cms/listarImagem.asp?servico=&palavraChave=audi%EAncia+p%FAblica&pagina=3&dataDE=03/03/2010&dataATE=05/03/2010


Deixe um comentário

Amazonenses: aprendendo na marra os efeitos da universalização na concorrência para a universidade.

A UFAM-Universidade Federal do Amazonas, assim como muitas universidades brasileiras, adotou no último processo seletivo o novo SISU (Sistema de Seleção Unificado do MEC) utilizando o resultado do ENEM em substituição ao vestibular (processo seletivo macro).

Como já havia previsto e dito em outros espaços, isso seria extremamente desvantajoso não apenas para os estudantes do Amazonas, mas para os de todos os estados fora do eixo de desenvolvimento  sul/sudeste brasileiro.

Resultado:  40% das vagas de Direito, 70% das de Odontologia, nas Engenharias uma média de 50% e  nada menos que 100%  das vagas de Medicina foram preenchidas por estudantes de outros estados…, quando visto no geral o percentual médio de classificação por estudantes de outros estados foi de 45% .

Não sei se foi ingenuidade, desconhecimento da realidade, excesso de confiança ou tudo isso junto…, mas estava "na cara" que isso iria acontecer; motivos ???; simples… : a diferença dos níveis gerais de desenvolvimento econômico e social (que se reflete nas oportunidades educacionais e por conseguinte no coeficiente competitivo de acesso universitário) entre as regiões.

Ao basear-se na ideia que formalmente "todos são iguais" (portanto em tese, aptos a concorrer  "de igual para igual" sem qualquer reserva por recorte) cometeu-se o grave equívoco de ignorar a questão da "desigualdade material" .

Isso não quer dizer que o estudante amazonense  ou amazônida seja "menos capaz", "menos inteligente" ou "menos esforçado" que os dos estados mais desenvolvidos, mas simplesmente que toda uma situação histórico-social leva os estudantes dos estados mais desenvolvidos a terem no geral mais e melhores oportunidades  e qualidade de ensino,  que os leva obviamente a se sairem bem ou ligeiramente melhor em competição direta, sem reserva de vagas ou sem elemento equalizador (bônus na média por exemplo).

Em outras palavras; para quem ainda não tinha entendido o motivo pelo qual se defende as Ações Afirmativas no Ensino Superior (notadamente as COTAS SOCIAIS e SÓCIO-RACIAIS)  é exatamente o mesmo motivo…, não se trata de CAPACIDADE nem INTELIGÊNCIA, muito menos de qualquer "determinação  meramente biológica",  é antes de tudo uma questão de OPORTUNIDADES PRÉVIAS  HISTÓRICA E GENERALIZADAMENTE DESFAVORÁVEIS para determinadas POPULAÇÕES (seja observando o recorte regional, social, "racial", de gênero, etc…).

O mesmo sentimento de "injustiça" que agora se abate sobre os estudantes e pais amazonenses ao ver uma ocupação "regionalmente desproporcional" da Universidade Federal do Amazonas, deveria ser o mesmo ao se constatar a  desproporcional ocupação por cor e padrão de renda das universidades brasileiras ( coisa que ninguém "enxergava" nem achava "injusto", pois não lhes "apertava o calo").

Espero que agora (pelo menos os amazonenses e pessoas de outros estados prejudicados) parem de repetir alienadamente  as "pérolas" do pensamento excludente das "elites" (capitaneadas pelas do sul/sudeste) :

"O mérito é o que importa, tirou a nota mais alta?, leva…"

"O problema é a Educação básica, é preciso melhorá-la para que todos tenham igualdade " ( enquanto isso…, se  deixa como está o processo injusto de acesso por  mais algumas décadas, prejudicando gerações e mais gerações) .

"Se criar cotas, vai se acirrar o preconceito e o 'ódio regional'  "

"Se não mantiver como critério apenas o "mérito" do valor absoluto da nota de acesso, a qualidade da universidade vai cair"

"O amazonenses não deveriam aceitar cotas ou concursos presenciais locais, isso é 'esmola' "

"Todos temos a mesma capacidade, por qual motivo não concorrer 'de igual para igual'  entre os estados… ? "

"Existem amazonenses ricos também…, limitar vagas (cota) não é justo para com os 'pobres' de SP, RJ, MG… "

Talvez agora que estejam "sentindo na pele"  a iminência de uma ocupação da Universidade Federal proporcionalmente "injusta" e com uma competição "desleal"  (pelo menos nos cursos "filé") ,  entendam que em um país com tanta diversidade e desigualdade, não leva-la em conta na hora de preencher um espaço crítico para a mobilidade social  é muito injusto, principalmente quando se está do lado "prejudicado"… .