Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

“De um historiador para outro”, ou jornalistas que escrevem história popular.

Com o jornalista/escritor de história Eduardo “Peninha” Bueno, em Florianópolis.

Aproveitando a data histórica do 7 de setembro e os já tradicionais “chororôs” de historiadores acadêmicos contra jornalistas históricos, vou dar meu pitaco.

Eu acho que independente de ser jornalista ou não, o desconhecimento de História é que é problema. Por outro lado, não creio que apenas historiadores acadêmicos tenham “lugar de fala” sobre questões históricas , tem muita gente que gosta de História, pesquisa independentemente e tem muita moral para dar pitaco, aliás, as vezes com muito mais propriedade e sucesso.

O povo até gosta de História, mas na perspectiva popular os acadêmicos são “de dar sono”, não tem estilo, não se valem de truques literários, não tratam de passar a ideia principal fluidamente, se travam nos detalhes e nas “citações a cada linha”. Por tal, não é raro que historiadores acadêmicos (parece redundante mas de fato não é) reclamem que livros históricos de jornalistas e outros os deixam ricos e famosos porque vendem muito mais que o de historiadores… . Pela lógica não é difícil imaginar o porque da vantagem né ? 🤷🏿‍♂️ .

Cabe observar que jornalistas históricos ou outros escritores sobre História, exercem ofícios distintos do historiador, embora muitos não entendam assim, os primeiros não estão limitados pelo mesmo compromisso com paradigmas, rigores e métodos que o ofício de historiador exige. Com isso podem criar uma narrativa menos densa, mais fluida e agradável ao grande público, com o consequente guindamento à categoria de “best-sellers” e autores “pop”.

Enquanto historiadores desejamos atingir o povão, mas ficamos em geral “travados” pela episteme e mesmo certa arrogância acadêmica…, logo, nossa produção, é nato-científica, voltada essencialmente para a própria academia e não literatura no sentido estrito da narrativa recreativa. Mesmo quando abrandada para o formato livro ou produzida já com intenção popular, não tem condições de competir nas prateleiras e no gosto popular com o tipo de narrativa realizada com o “estilo pop” dos best-sellers.

Eu particularmente gosto de Jornalismo histórico, desde que conte as histórias com bom nível de honestidade e base… a exemplo do Eduardo “Peninha” Bueno… . Ontem tive a oportunidade de assistir uma palestra dele em Florianópolis, gente… simplesmente sensacional 🤷🏿‍♂️ não à toa ele sempre lembra:

” ‘Istoriador’ com I maiúsculo era minha piada preferencial sobre mim mesmo, só que ela acabou. E me apresentei assim em uma palestra em Parati e, ao terminar, o Eric Hobsbawm falou: ‘A piada é boa, mas você não vai mais poder usá-la porque o autógrafo que vou te dar é um rito de passagem’. E escreveu: ‘De um historiador para outro’. Eu também não me acho historiador, mas não é o que diz o Hobsbawm” (Eduardo Bueno)….🤷🏿‍♂️


12 Comentários

De volta ao velho “Homens negros só querem brancas e a Solidão da mulher negra”

guerra-dos-sexos-black

Vira e mexe me vejo envolvido na discussão fratricida “Homens negros só querem brancas e a Solidão da mulher negra” promovida em especial pelas ativistas negras vilanizando os homens negros. Não ignoro que há uma questão envolvendo relacionamentos interraciais e que isso pode e deve ser motivo de estudo e reflexão, mas não faço “história única”, não ignoro que há de fato muitas mulheres negras em “celibato”,  só acho que a coisa invariavelmente é direcionada para que a análise não contemple TODA a questão… .

Por exemplo, se falamos de livros sobre o tema, indico um que trata da mulher negra e homem branco… mas é como se eu não o tivesse feito, só se quer discutir o que atende a visão que satisfaz a  ideia do homem negro como “vilão”…, demonstro que mulheres negras até se organizam na busca de relacionamentos com brancos, mas o assunto é solenemente ignorado e torna-se a questionar negros com brancas…, coloco que os relacionamentos negro/branca não são uma busca de mão única, as brancas buscam os negros enquanto as negras sabotam relacionamentos com negros e buscam brancos, mas novamente se evade da questão.

Torna-se então ao pressuposto que o homem negro “só quer branca”, é quando chamo a atenção para o contexto histórico de séculos de rapinagem sexual de brancos contra negras e índias (coisa que aliás permanece acontecendo), mas qual o que ?,  só vamos ouvir  um absurdo “desde sempre os homens negros deixaram a negra na solidão e ficaram com as brancas…”, e tome exemplo de pagodeiros, jogadores de futebol, celebridades… .

Ai aparece uma pesquisadora que fez um trabalho com quase dois mil casais envolvendo pessoas negras e 600 desses casais eram formados por negros/negras (mas isso não interessa, abstrai-se…) foca-se apenas nos casais inter-raciais (todos de negros com brancas) Êpa! mas não tem negras com brancos ????, esqueça-se!, fiquemos só nos negros com brancas… .

Ninguém pergunta por que é que o número de miscigenados no Brasil é enorme e secular…, nem se questiona que o acesso de homens negros à mulheres brancas é historicamente muito recente…, não se leva em consideração que oficialmente o percentual de pessoas PRETAS no Brasil é de 8% (dividido entre homens e mulheres). Alguém já se perguntou por qual motivo um universo de 4% de homens pretos  e 20% de homens pardos deveria se limitar  a encontrar parceiras nos 4% de mulheres pretas e 20% de pardas quando a estas somam-se quase outros 25% de “brancas” ???? (Opa ! desculpem o esquecimento da questão de gênero e que nem sempre homens estão buscando mulheres e vice-versa… ;)) em estatística simples sem considerar “ideologias” etc…,  qual é a probabilidade de um preto se relacionar com uma branca ou uma negra ?, aonde está a maior e a menor “oferta” ???.

Tudo isso são questões que simplesmente não se discute nem considera…, o que importa é a “solidão da mulher negra” e culpar exclusivamente o homem negro por isso…, ninguém sequer cogita que o Brasil não é Angola que tem 95% de Pretos, 2% de miscigenados e o restante de não-negros… e que o relacionamento inter-racial é inescapável e “natural” em uma conjuntura como a brasileira….,  porém nada disso importa. Só importa culpar os homens negros pela solidão da mulher negra… .

Eu acho que se é para discutir a questão, que seja feito de forma séria, com TODAS as variáveis que cientificamente deveriam entrar nessa “Equação social”…, não apenas com mágoas e ressentimentos e uma vontade de apontar apenas um “culpado” (que ironicamente também faz parte do rol de vítimas do processo secular de racismo) por um problema que tem tantos envolvidos igualmente responsáveis.

Com tantos problemas que a população negra tem que ainda superar e tantas demandas, há quem prefira ficar fazendo “fogo-amigo”, ai é que se perde tempo e a coisa não anda, esse comportamento belicoso não leva à nada… ou pior, nos atrasa imensamente.


2 Comentários

Para quem ainda não entendeu a polêmica em torno de MONTEIRO LOBATO

Monteiro Lobato, a personagem Tia Anastácia e o livro

Muita gente ainda não entendeu a  polêmica em torno da retirada de determinadas obras do escritor  Monteiro Lobato (voltadas para o público infantil) do PNBE (Programa Nacional Biblioteca da Escola), programa do MEC que compra livros com dinheiro público e fornece para as escolas.

São duas as  principais questões :

1- A maioria dos brasileiros não-negros tem grande dificuldade para entender e enxergar o que de fato é o racismo, pensam inclusive que não são racistas pois entendem que racismo é apenas aquele violento, intolerante e no qual se assume abertamente o antagonismo com relação aos não-brancos; confundem tolerância, cordialidade e co-existência social não oficialmente segregada com “não-racismo”, ou seja, não admitem como racismo as outras formas sorrateiras e dissimuladas de inferiorização estética/ cultural  e embarreiramento sócio-econômico dos não brancos.  Vide : “(a) discriminação e preconceito raciais não são mantidos intactos após a abolição mas, pelo contrário, adquirem novos significados e funções dentro das novas estruturas e (b) as práticas racistas do grupo dominante branco que perpetuam a subordinação dos negros não são meros arcaísmos do passado, mas estão funcionalmente relacionadas aos benefícios materiais e simbólicos que o grupo branco obtém da desqualificação competitiva dos não brancos.” (Hasenbalg, 1979, p. 85) .

2- A quase totalidade das pessoas não sabe quem foi de fato Monteiro Lobato

a) Lobato era um racista assumido, EUGENISTA (de carteirinha), membro da Sociedade Paulista de Eugenia, no seu livro “A Barca de Gleyre”  (uma coletânea de cartas trocadas em especial com seu amigo Godofredo Rangel, mas também outros como  o “pai da eugenia brasileira”  o médico Roberto Khell) Lobato fala “barbaridades” com relação a pretos  e miscigenados, em um outro livro seu “O presidente negro ou  O Choque das raças” , Lobato “sugere” que os negros norte-americanos fossem todos esterilizados  com um produto embutido secretamente em um creme de alisamento de cabelos…, o livro não foi aceito para publicação nos EUA, Lobato escreve ao amigo Rangel e  diz“Meu romance não encontra editor. […]. Acham-no ofensivo à dignidade americana, visto admitir que depois de tantos séculos de progresso moral possa este povo, coletivamente, cometer a sangue frio o belo crime que sugeri. Errei vindo cá tão verde. Devia ter vindo no tempo em que eles linchavam os negros.”, posteriormente o próprio Lobato o publicou no Brasil.

b) Lobato tinha plena consciência de que a sua obra era um excelente veículo para propagar os ideias da causa eugenista e assim o fez inserindo “discretamente” em sua obra, inclusive reconhece isso em carta à seu amigo Godofredo Rangel, Lobato confessou que sabia que a escrita “é um processo indireto de fazer eugenia, e os processos indiretos, no Brasil, ‘work’ muito mais eficientemente” (palavras dele).

c) Lobato inseriu em sua obra, referências que perpetuam a formação de uma mentalidade racista inconsciente (principalmente nas crianças que ainda não tem senso crítico) ao mesmo tempo que constrange crianças negras e as ferem em sua auto-estima;

Não se trata de patrulhamento ideológico, exagero militante do “politicamente correto”  ou “ver pêlo em ovo”, muito menos querer “censurar” Lobato, nem de “queimar seus livros”,  mas simplesmente de não deixar que os ideais eugenistas de um Lobato dos anos 30 do século passado, permaneçam LIVREMENTE a influenciar e naturalizar nas crianças do século XXI (teoricamente anti-racista) uma mentalidade racista geralmente inconsciente mas que se manifesta até nos adultos  mais insuspeitos e inesperados ( vide o caso da  Antropóloga professora de religiosidade afro, que xingou de macacos um segurança e um estudante da universidade paraense em que dá aulas), por LIVREMENTE entenda-se sem a devida contextualização por meio de notas no livros e sem professores capacitados para neutralizar a parte nociva nas obras de Monteiro Lobato.

Enquanto não ocorre essa capacidade de contextualizar e neutralizar os malefícios embutidos nos livros, é conveniente que os mesmos deixem de ser distribuídos para as escolas, principalmente por serem pagos com dinheiro público, o estado brasileiro através do ESTATUTO DA IGUALDADE RACIAL já reconheceu o racismo brasileiro em suas mais diversas formas e situações, se comprometendo a não estimular práticas racistas e corrigir as desigualdades e distorções advindas dele, não pode portanto, continuar a permitir livremente  a utilização oficial e ainda por cima pagar por obras que contrariem  essas premissas.

Para quem de fato quiser saber fatos e dados que embasam a questão é só ler o excelente artigo (vão ficar chocados…) :

CARTA ABERTA AO ZIRALDO por Ana Maria Gonçalves: http://www.idelberavelar.com/archives/2011/02/carta_aberta_ao_ziraldo_por_ana_maria_goncalves.php


Deixe um comentário

A força do entusiasmo

Prof. Gretz , foto de divulgação

Prof. Gretz, palestrista motivacional

Ontem dia 18 de junho, foi oficialmente implantada a EASTJAM- Escola de Aperfeiçoamento dos Servidores do Tribunal de Justiça do Amazonas, auditório lotado; após a cerimônia de implantação, magistrados e servidores presentes fomos brindados com uma palestra/show do Prof. Gretz .

O Prof. Gretz é talvez o mais requisitado palestrista motivacional do país,  com  11 livros publicados, mais de 3.500 palestras(inclusive em outros países), 1.200 empresas-corporações/clientes, prêmios e citações/recomendações das principais revistas para o público corporativo do país.

O impacto já começa pelo visual do Professor, cabelos curtos e espetados em um tom claro de roxo/lilás…, um físico incomum para um Sr. de 69 anos e uma disposição e elasticidade que confesso aos 47 já não tenho… ; some a isso um humor escrachado, contextualizado e muito dinâmico, um sotaque característico (um misto de sotaque sulista com "caipira" do sudeste)  além de um excelente "timing" e controle de exposição de um excelente  conteúdo motivacional… .

O "segredo"  do professor foi passado e repassado várias vezes durante a palestra/show, sai com a certeza que entendi o recado…

É isso, se não conhece, vale a pena saber um pouco mais…, visite o site : http://www.gretz.com.br/   recomendadíssimo !!