Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

Sobre o IFÁ

Texto de Juarez Awofakan Oshe Di, iniciado em Ifá, vertente afrocubana

As religiões de matrizes africanas são várias e fortes nas Américas central, sul e no Caribe. Foram introduzidas pelos africanos de várias partes do continente, trazidos pelo tráfico negreiro por quase 4 séculos e mantidas por seus descendentes, com as naturais e inescapáveis adaptações ao contexto afrodiaspórico. Em todas elas é basilar a necessidade de consulta a oráculos não apenas para os interesses particulares de praticantes e clientes, mas para a própria estruturação e práticas religiosas.

É através dos oráculos que se dá a maior parte da comunicação entre o “mundo de cá” (o ayé, o mundo físico e a vida) e o “mundo de lá” (Orum, o mundo espiritual) e é através deles, os oráculos, que se pode alcançar a comunicação com as divindades, o que é diferente da comunicação com espíritos.

Na cultura Yorubá, grande grupo étnico predominante na região da atual Nigéria e vizinhanças, do qual boa parte dos traficados para a escravidão no novo mundo provinha, os cultos a Orixá tem como o grande sábio e conhecedor do destino o Orixá Orunmila.

Orunmila é testemunha quando antes de virmos ao Ayé (nascer) nos ajoelhamos junto a Olódùmarè para escolher nosso destino, objetivos e com quais odús (também dito oduns) chegaremos à terra, coisas que esquecemos entre a conversa com Olódùmarè e o nascimento, e cuja consciência do conteúdo só pode ser resgatada via a iniciação em Ifá.

Importante esclarecer que o conceito de destino em Ifá não é de coisa absoluta, inalterável, mas sim potencialidades e linhas mestras que podem sofrer alterações em função do livre arbítrio e da influência de outros atores da vida. Não dá portanto para escapar da verdadeira data da partida desse mundo, mas dá para não ser levado antes da hora e para cumprir o destino da vida de forma mais proveitosa, corrigindo os desvios, buscando os melhores caminhos e evitando os percalços e armadilhas que se colocam, reduzindo a atuação da divindade Elenini, cujo objetivo é fiscalizar nosso caráter e merecimentos justamente ao fazer-nos cair nesses desvios e recebendo por isso as famosas “peias”.

Orunmila é portanto não apenas o conhecedor do destino e detentor dos conhecimentos para que o cumpramos bem. Orunmila é também quem interage com os demais Orixás e ancestrais que atuam em nossas vidas e possibilita a comunicação entre eles e nós através do Ifá. O culto à ele, o acesso pleno e privilegiado à essa comunicação oracular, seus segredos, métodos para alcança-la e tomar as medidas cabíveis via cerimônias, obras e condutas indicadas é o chamado IFÁ.

Apesar de no meio de religiões de matrizes africanas, muita gente utilizar o termo Ifá genericamente para se referir aos subsistemas oraculares para práticas divinatórias de raizes iorubanas, ou seja, os métodos de consulta aos Orixás, na verdade Ifá é muitíssimo mais que isso. Ifá é o culto especializado e sistematizado à Orunmila, aos 4 Orixás guerreiros que também se recebe na iniciação para assentar em casa (Eleguá, Ogum, Oxóssi e Ozun, representado pelo galinho, não confundir com Oxum) e é o detentor do sistema oracular mais complexo e preciso.

Os cultos “Lesse Orixá”, caso de alguns cultos africanos ainda praticados por lá, do candomblé no Brasil e do “Lucumi-Osha” cubano (que foi espraiado para outros paises latino-americanos, caribenhos e mesmo aos EUA e Europa), utilizam subsistemas menos complexos do Ifá, como os dilogún, a exemplo do jogo de búzios.

O Ifá apesar de também ser culto a Orixá, como já dito, é o culto que se dedica especialmente ao Orixá Orunmila, ao conhecimento e manutenção dos destinos, diferente dos cultos lesse Orixá, cujo principal objetivo é cuidar dos filhos de Orixá e de suas relações com eles, como a “feitura de santo”, os toques para Orixá, ebós, e o transe.

No Ifá pode eventualmente haver toques de tambor, mas não é cotidiano, não há nem “se trabalha transe”, portanto Babalawos não se ocupam de “feitura de santo”, isso fica para os Oriatés e para Babalorixás e Yalorixás do Lesse.

Ifá, é um caminho muito propício para os que querem cultuar Orixás, ter o axé em suas vidas mas que “não dão santo”, apesar de não haver impedimento para iniciar os que dão, exceto no caso dos Babalawos, que não podem ser pessoas de incorporação ou transe.

Apenas os sacerdotes de Ifá, os Babalawos, conhecem e são autorizados a utilizar todo o sistema de oráculos de Ifá e seus subsistemas mais complexos, através do opon-ifá (um “tabuleiro” especial, junto com outros elementos acessórios) o opele-ifá (um “rosário” de plaquetas côncavas/convexas e um lado claro e outro escuro) e com ikins (os caroços do dendezeiro). Tudo isso combinado com um grande “corpus” literário de patakins (historietas, parábolas) versos, ditados, signos, rezas, saudações, cânticos e procedimentos litúrgicos.

Os Babalawos na tradição afrocubana, não podem jogar búzios, isso é feito pelos sacerdotes e sacerdotisas dos cultos “lesse orixá”, ou iniciados em ifá que não sejam Babalawos, após um rito de consagração ao serviço do oráculo.

Segundo o respeitado site do “Proyecto Orunmila” que reúne o melhor da literatura temática do sistema religioso afrocubano de base yorubá, o ifá-santeria-osha, alguns outros subsistemas oraculares de Ifá como o biange (bianwé) e o aditoto, também podem eventualmente ser manipulados pelos omoifás, aqueles iniciados e iniciadas na primeira mão em Orunmila-ifá, os chamados de Apetebis (as mulheres) e de Awofakans (os homens), assim como por “santeros” que tenham igualmente recebido em iniciação os Orixás guerreiros. Porém isso depende das orientações internas de cada rama de Ifá, algumas permitem, outras não.

O ifá inicialmente introduzindo no Brasil por meio de Babalawos que vieram entre os escravizados, não foi sistematizado e constituido literariamente.

Por um processo peculiar de “matriarcalização” dos cultos afro no país, em meados do século XX acabou por praticamente desaparecer junto com os últimos Babalawos do que teria sido uma “tradição brasileira”, deixando apenas algumas referências utilizadas nos sistemas oraculares manejados por Yalorixás e Babalorixás, destacadamente o jogo de búzios.

Desde meados dos anos 90, o culto de Ifá está sendo reintroduzido no país a partir dos aportes primeiro dos afrocubanos e mais recentemente dos nigerianos. Apesar da base teológica ser comum à toda cultura yorubá, tanto na Nigéria, quanto na preservada em Cuba ou no cultos brasileiros de matrizes africanas, obviamente existem diferenças e evoluções distintas, o que causa divergências e certo “distanciamento” principalme entre “africanos” e “cubanos”.

Particularmente vejo a tradição afrocubana como muito mais próxima da realidade brasileira por ser igualmente diaspórica, e foi essa que escolhi como caminho em Ifá.


1 comentário

O que Camarões tem a ver com o Brasil ????

Muito provavelmente a maioria dos brasileiros deve achar que nada (além de também ter verde e amarelo na bandeira…), mas com um pouco de atenção vamos ver que Camarões está na raiz de grande parte dos brasileiros…, como todos sabem, povos africanos foram traficados como escravos para o Brasil, mas como era e  é  a distribuição desses povos na África ? , veja o mapa abaixo :

Distribuição dos grandes-povos africanos em África.

Distribuição dos grandes-povos africanos em África. (clique na imagem para visualizar melhor)

Pois bem, com o tráfico transatlântico de africanos escravizados, dois grandes grupos ou grandes-povos foram trazidos para o Brasil (Bantus e Sudaneses, que por sua vez se configuram em diversos povos em cada uma das duas raízes), o esquema abaixo mostra os destinos gerais desses grupos.

Tráfico transatlântico, grandes-povos traficados e destinos brasileiros.

Tráfico transatlântico, grandes-povos traficados e destinos brasileiros.

E onde entra Camarões na História ?, vejamos…, muito antes disso, foi da região onde hoje é Camarões que o grande-povo Bantu (ou Banto como preferem alguns) um grupo étnico-linguístico na raiz de diversos povos(etnias) africanos, partiu para em tempos distantes (2.000 a.c.) “colonizar” quase metade da África, incluindo as ancestrais “Congo” e Angola, de onde foram trazidos os primeiros e a maior parte dos escravizados africanos, bem como de Moçambique (ai já um pouco mais tarde).

Fases da expansão Bantu  a partir de  onde hoje é Camarões.

Fases da expansão Bantu a partir de onde hoje é Camarões.

Com o tráfico negreiro (inclusive a partir de Camarões) a maior concentração Bantu se deu principalmente na região sudeste do Brasil (mas nos primórdios do tráfico transatlântico, também no nordeste…), do sudeste e do nordeste, esses escravizados foram direcionados também para outras regiões do Brasil como Sul, Centro-oeste e Norte, os próprios sudaneses se miscigenaram com os Bantus (que também já estavam na Bahia), e mais tarde com a circulação livre pelo país essa “miscigenção afro” aumentou, portanto a maior parte dos afrobrasileiros  tem fortemente o povo Bantu (de origem camaronesa) na sua raiz (e por que não dizer genericamente brasileiros ?, já que muitos dos que não se consideram negros, tem lá também seu “pezinho na África”…), para ficar mais claro essa distribuição no Brasil, veja o gráfico abaixo:

Destinos dos Bantos e Sudaneses no Brasil.

Destinos dos Bantos e Sudaneses no Brasil.

Respondida a pergunta-título do post ?, então…, é por isso que temos muito a ver com Camarões… e é por isso que hoje como bom descendente Bantu 😉 , estou na torcida pelo time  da nossa raiz 🙂 (e no jogo Brasil X Camarões, vou torcer pelo empate… )

Ah ! para finalizar, uma outra curiosidade; primeira seleção africana a fazer sucesso em copa (quem assistiu a copa de 90 e não lembra do Roger Milla ???), em 90 Camarões passou para as oitavas de final (o Brasil não…, e a partir da eliminação do Brasil o país inteiro “virou Camarões”, as bandeiras verde-amarelas ganharam detalhes vermelhos…) mas  na disputa pelas quartas perdeu e acabou a copa em 7º lugar.

Bora Cameroun !!!!,  pra cima da Croácia !!!! 🙂 Cameroun


Deixe um comentário

Super Mário “saiu do armário” ?, acho que ainda não… :-)

Mario-Luigi

Não é de hoje, que se lê aqui e acolá alguma coisa sobre o famoso jogo na verdade se tratar de um “gaYme” (não deu para perder o trocadilho 🙂 ), a partir de análises do cenário e características dos personagens, desafios e “mensagens ocultas”.

Nos últimos dias uma avalanche de blogs e até veículos tradicionais de imprensa tem divulgado a notícia bombástica de que o criador do jogo teria finalmente admitido o que muitos já desconfiavam (e a maioria nem tanto…), Mário e Luigi não seriam “Bros” e sim um casal Gay, até no site da nossa escolada Rede amazônica  a notícia foi reproduzida..., só que o meu “faro” para HOAX (boatos e farsas de internet)  disparou um alarme…, depois de alguma pesquisa, constatei que pelo menos a notícia que está circulando não é verdadeira, tudo começou em site de língua espanhola que publica notícias supostamente científicas e um tanto desbaratadas, mas que não passam de brincadeira (o que nem todos percebem…), ocorre que um jornal de verdade acreditou na história e …. pronto, o HOAX  ganhou mundo :-), as publicações originais vieram dos links abaixo:

http://cienciaseminal.com/2013/07/19/super-mario-bros-es-un-juego-gay-revela-miyamoto/

http://cienciaseminal.com/2013/07/16/nuevas-generaciones-interpretan-a-luigi-y-mario-bros-como-pareja-gay/

Apesar das inúmeras observações que podem levar de fato à conclusão de que o clássico jogo é um “gaYme” , infelizmente para a tristeza dos militantes do movimento gay e simpatizantes ainda não foi dessa vez que o Mário “saiu do armário”… 🙂 .


Deixe um comentário

Os trinta anos de um clássico

Post um pouco atrasado mas em tempo…:-), na última sexta-feira os milhões de usuários que acessam o Google tiveram uma grata surpresa (pelo menos os mais "velhinhos"…), no lugar do logo estático, uma versão online do nosso "velho amigo" o game PACMAN (também conhecido como come-come), isso para comemorar os trinta anos de lançamento desse clássico dos games.

Seguindo a tradição de logo rotativo do Google, o jogo já não está mais lá, mas quem perdeu e quer dar uma jogadinha rápida online só para matar saudades, pode fazer em uma versão mais próxima ainda da original:

http://www.jogueaki.ig.com.br/jogos-online.php?jogo=pacman

Recomendo !