Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


2 Comentários

O caso Thogun Teixeira

Thogun é rapper e ator, e está sendo acusado de estupro por uma camareira da produção da mesma minisérie global na qual ele estava atuando, até ser afastado preventivamente por conta da questão. Não conheço o ator, que nega o estupro e afirma ter havido uma relação consensual, mas conheço o seu Advogado, Humberto Adami (por isso a fotomontagem em que aparecemos juntos)

Eis ai o ponto em que ancoro a postagem. Não é a primeira vez que um homem negro, famoso ou não, é acusado de estupro, e cabe lembrar que em todos esses casos o fator racial foi importante variável não apenas na formação da opinião pública, como nos desdobramentos policiais e judiciais. E o nosso caro Dr. Adami não por acaso é o titular do IARA-Instituto de Advocacia Racial e Ambiental, especializado em causas que envolvam as questões constantes do próprio nome do instituto, e conhecido pela atuação em muitos casos famosos e emblemáticos.

Ao contrário dos que acorreram para nas redes sociais fazer “defesa prévia” ou “inocentar” o jornalista Willian Waack, afastado da mesma Globo, após vazamento de comentário racista, aqui não tem pacto narcísico nenhum, nem racial nem machista.

Apesar da História estar repleta de casos em que não apenas a culpa não se demonstrou, como onde houve erros judiciários tremendos posteriormente demonstrados, vamos aguardar o resultado das investigações e se for o caso julgamento. O que se pretende marcar é que o Advogado é bom, e tem histórico em boas causas… .


Deixe um comentário

Estatuto do nascituro, reaja contra essa aberração.

bolsa-estupro-não

Essa turma da babaquice teocrática e da ética/moral ensandecida e irracional, não dá tréguas…, agora querem obrigar as mulheres engravidadas em estupros, além de ter o filho, colocar o nome do estuprador na certidão e em não encontrando o vagabundo, onerar o estado com uma “bolsa” de um salário-mínimo por produto de estupro nascido…, seria bem legal se todos que defendem essa “ideia de Jerico” fossem pegos pelo Alien (aquele do famoso filme), “injetados” com larvinhas do mostro, que compulsoriamente cresceriam saudáveis dentro de seus corpinhos ao longo de meses de suplício… e ao final ainda lhes provocassem aquela dorzinha legal do nascimento… (é claro que durante todo esse período e depois estariam recebendo a “significativa” quantia de um salário mínimo pelo “incomodozinho” ) , totalmente SEM NOÇÃO esse pessoal…,  junte-se à força de pressão para impedir esse estatuto- aberração .

http://www.avaaz.org/po/petition/Diga_NAO_ao_Estatuto_do_Nascituro_PL_4782007/


Deixe um comentário

Pastor é preso em Manaus com armas ilegais

Foi uma das notícias da semana passada na cidade, os detalhes estão no link ao final do texto.

Enquanto blogueiro o meu papel é divulgar o que não sai na grande mídia ou comentar o que sai e tentar ampliar a visão do eventual leitor sobre o fato, mediante uma releitura/ reflexão pessoal minha.

No caso, a minha “divagação” é com relação à hipocrisia reinante entre os que se dizem “ungidos” e “moralmente superiores” pelo simples fato de se auto-denominarem evangélicos e/ou congregarem em uma das milhares de denominações não históricas…; o que está mais do que demonstrado que por si só não garante atestado de idoneidade à ninguém (apesar da maioria insistir em uma sobreposição falaciosa de que ser evangélico é necessariamente ser “do bem” e acima de suspeitas) .

Esse é apenas um dos muitos casos que demonstram isso, apenas para relembrar…,  alguns meses atrás um outro “Pastor” aqui em Manaus foi preso em pleno culto, após se descobrir que havia estuprado de forma contumaz  duas (ou três) de suas “obreiras” menores de idade, mediante ameaça com arma de fogo e com referências a  seu “esperma de Deus” entre outros absurdos.

Talvez boa parte dessa proliferação de “lobos em pele de cordeiro” seja  a facilidade com que se abre atualmente uma “igreja” em qualquer garagem, com “Pastores” sem real e suficiente preparo (sem formação formal ou formação superficial de algumas semanas/meses), ou ainda sem a necessidade de se comprovar idoneidade prévia (o que seria complicado pois boa parte não apenas de ditos “pastores” como de fiéis, é “ex-alguma coisa ruim”, que pensam (ou tentam fazer os outros crerem) que a “conversão” os transformou indubitavelmente em “gente boa”…); ai me vem à cabeça um velho ditado “O lobo perde o pelo, mas não perde o vício…”

Caso 1: http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2013/01/pastor-e-preso-com-armas-dentro-de-carro-em-manaus.html

Caso 2 : http://www.d24am.com/noticias/amazonas/pastor-e-preso-suspeito-de-estuprar-criancas-em-manaus/67441

Caso 3 : http://noticias.gospelprime.com.br/pastor-e-preso-em-manaus-suspeito-de-estelionato-e-falsidade-ideologica/


1 comentário

De novo… “preto para ter um carro assim, só se for roubado”

Eu bem que tento desviar um pouco do assunto, falar de amenidades… , mas não tem jeito, todo dia tem um assunto revoltante na imprensa , comentado por alguém ou mesmo com a gente…, e depois falam que negro (principalmente o militante)  é “paranóico” ,  “complexado” , etc…

Deu no Diário de Mogi :

Aposentada é vítima de Racismo

HUMILHAÇÃO Sandra foi vítima de injúria racial feita por professora

Alexandre Barreira

A aposentada Sandra Aparecida dos Santos, de 58 anos, alega ter sido vítima de injúria racial, na tarde de segunda-feira, na Rua Presidente Rodrigues Alves, no Centro de Mogi das Cruzes. De acordo com Boletim de Ocorrência (B.O.) registrado no 1º Distrito Policial, a acusada de proferir as ofensas contra a funcionária pública aposentada, que é negra, é a professora Iracema Cristina Nakano, de 53 anos.

A discussão teria ocorrido nas imediações do Mercado Municipal. De acordo com Sandra, Iracema teria alegado que o carro da aposentada, um VW Fox prata, placas DKC-1142/Mogi, era seu e que havia sido furtado há quatro meses. No entanto, mesmo com as negativas de Sandra, Iracema teria insistido que o carro era dela e dito que “preto para ter um carro assim, só se for roubado”. Esta frase foi ouvida pelo marido de Sandra, o policial Carlos Roberto Madeira Pereira, e a testemunha M.D.E..

“Senti-me humilhada. Nunca imaginei que chegaria aos 58 anos de idade e passaria por isso”, desabafou Sandra, que trabalhou por 33 anos no Hospital Luzia de Pinho Melo. Ela contou que o ex-marido da professora e a tia dela é que pediram desculpas pelo fato.

A aposentada ainda descreveu que a professora abriu seu carro, olhou o interior do veículo e teria continuado a afirmar que o mesmo era o dela, que havia sido furtado e está em nome da tia, Helena Cardoso Siqueira. “Mesmo com todas as evidências contrárias, ela continuou insistindo em algo que não tinha qualquer razão. Além disso, foi totalmente irresponsável com os comentários racistas que fez. Ficamos surpresos de ela ter feito isso sendo uma professora, que deve educar e ensinar as coisas certas”, destacou Pereira, que pretende processá-la por danos morais.

A reportagem de O Diário entrou em contato com a professora, mas não teve êxito. A ocorrência foi registrada pelo delegado Orli de Morais e sua equipe formada pelos policiais Ivone, Laudemiro e Arlindo. Ele entendeu que houve crime de injúria racial e determinou a prisão da professora, que pagou fiança de R$ 545,00 e responderá em liberdade. A pena para o crime é de até 3 anos de prisão.

Alguém “comeu mosca” nesse episódio…,  a figura da injúria racial é aplicada quando uma ofensa é direcionada única e diretamente à pessoa e traz junto uma referência ao sujeito ou adjetivação de conotação racial,  ex. “sua negra, morta de fome”, esse não foi o caso…, a declaração “preto para ter um carro assim, só se for roubado”, é generalizante e direcionada a todo um grupo humano, sendo assim não é injúria, é racismo mesmo e não deveria ser afiançavel, a penalização também é muito maior;  espero que o Ministério Público na hora da denúncia ou o magistrado que a acolher façam a devida recapitulação…, é impressionante o que a polícia faz para não indiciar alguém por racismo… ( e olha que o marido da Sra. é policial), por outro lado o jogador Marcelinho Paraibano por tentar ou beijar a força (ato inconteste muito repudiável)  a irmã de um DELEGADO no meio de uma festa cheia de gente, não teve “refresco”… foi indiciado por ESTUPRO… (ele que depois se vire para provar que não fez , o que não fez);  essa “dificuldade policial generalizada” em tratar casos de racismo tem que ser eliminada.

Ah! e só para não “ficar solta”  a história vai aqui um “flash back” de um caso ainda mais estarrecedor de uns dois anos atrás :  Homem negro espancado no Carrefour acusado de tentar roubar o próprio carro  , é … e ainda tem “cara-de-pau”  escrevendo livrecos dizendo que “não somos racistas”, imagine se “fossemos”…


Deixe um comentário

Mais uma do DEM, Barbosa “O Moreno Escuro”

Inacreditável;  depois da campanha para barrar e (não conseguindo, mutilar) o Estatuto da Igualdade Racial , depois da ADPF contra as cotas na UnB e da  insólita frase do Senador Democrata  na audiência sobre Cotas no STF afirmando : “[Fala-se que] as negras foram estupradas no Brasil. [Fala-se que] a miscigenação deu-se no Brasil pelo estupro. Gilberto Freyre, que hoje é renegado, mostra que isso se deu de forma muito mais consensual”.  (mostra onde ????,  e quem de fato acreditaria nisso conhecendo  a nossa História ?), vem mais um membro do DEM (agora um Deputado) em discurso utilizar : “Depois, você cai nas mãos daquele moreno-escuro lá no Supremo, aí, já viu…” (se referindo ao Ministro Joaquim Barbosa do STF) ; depois da infeliz frase o deputado tem tentado desconversar e contatou o gabinete do Ministro para se desculpar.

Barbosa  ao seu estilo e depois de  muito evitar comentar o assunto foi preciso e curto:   “A frase do deputado é reveladora de uma sociedade”.

Alguém ainda tem dúvidas com relação a esse partido no tocante à questão etnico-racial ?,  eu não …


Deixe um comentário

Rape-aXe, o pesadelo dos estupradores…

Imagem:  site oficial http://www.antirape.co.za/images.htm

Trata-se de uma "camisinha feminina" colocada na vagina como um tampão,  não ficando portanto aparente, mas a Rape-aXe conta com uma interessante e "cruel" peculiaridade…, é anti-estupro e possui farpas internas que se enterram no pênis do estuprador no primeiro movimento de "saída", causando um enorme "desconforto".

A "camisinha que morde" foi inventada na África do Sul em 2005 por  Sonnet Ehlers, uma sul-africana cansada de testemunhar casos de atendimento pós-estupro em números elevados e crescentes.

E não fica só por ai,  além de "cortar o barato" do estuprador logo de início, o artefato fica preso e só pode ser retirado cirurgicamente, o que leva à fácil identificação e prisão do agressor.

Apesar de não evitar o assalto sexual e penetração inicial, a "camisinha que morde" já começa marcando pontos pelo psicológico, em uma determinada cidade por exemplo, tão logo começou a ser divulgada, reduziu a zero por 3 meses os estupros, que tem se mantido em números reduzidíssimos, na dúvida os potenciais estupradores tem preferido não arriscar.

Outra vantagem é em ocorrendo o assalto sexual,  evita a contaminação por HIV e outras doenças ou gravidez, situação comum nesses casos; e como já dito facilita a identificação do criminoso.

Para a copa de 2010 na África do Sul, essa é uma das grandes apostas para reduzir a violência sexual.

Por outro lado…, fico pensando no  "uso reverso" que mulheres "mal-intencionadas e vingativas "  poderiam fazer da "mordedora" com por exemplo "maridos infiéis" ou  violentos…;  também dá para imaginar o inusitado "mico" de alguém chegando em um pronto-socorro com uma dessas presa no dedo…:), mas podia ser muito  pior… 


Deixe um comentário

Rape-aXe, o pesadelo dos estupradores…

AntiRape300x200

Imagem:  site oficial http://www.antirape.co.za/images.htm

Trata-se de uma “camisinha feminina” colocada na vagina como um tampão,  não ficando portanto aparente, mas a Rape-aXe conta com uma interessante e “cruel” peculiaridade…, é anti-estupro e possui farpas internas que se enterram no pênis do estuprador no primeiro movimento de “saída”, causando um enorme “desconforto”.

A “camisinha que morde” foi inventada na África do Sul em 2005 por  Sonnet Ehlers, uma sul-africana cansada de testemunhar casos de atendimento pós-estupro em números elevados e crescentes.

E não fica só por ai,  além de “cortar o barato” do estuprador logo de início, o artefato fica preso e só pode ser retirado cirurgicamente, o que leva à fácil identificação e prisão do agressor.

Apesar de não evitar o assalto sexual e penetração inicial, a “camisinha que morde” já começa marcando pontos pelo psicológico, em uma determinada cidade por exemplo, tão logo começou a ser divulgada, reduziu a zero por 3 meses os estupros, que tem se mantido em números reduzidíssimos, na dúvida os potenciais estupradores tem preferido não arriscar.

Outra vantagem é em ocorrendo o assalto sexual,  evita a contaminação por HIV e outras doenças ou gravidez, situação comum nesses casos; e como já dito facilita a identificação do criminoso.

Para a copa de 2010 na África do Sul, essa é uma das grandes apostas para reduzir a violência sexual.

Por outro lado…, fico pensando no  “uso reverso” que mulheres “mal-intencionadas e vingativas ”  poderiam fazer da “mordedora” com por exemplo “maridos infiéis” ou  violentos…;  também dá para imaginar o inusitado “mico” de alguém chegando em um pronto-socorro com uma dessas presa no dedo…:), mas podia ser muito  pior…