Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


2 Comentários

Oito motivos para eu não ser um panafricanista garveista

Já começo reforçando que esses são MEUS motivos PARA NÃO O SER e como nada na vida é absoluto, obviamente também teria motivos outros caso quisesse se-lo… só que na minha percepção os motivos abaixo pesam mais e por si só inviabilizam uma opção de “pareamento” com o garveismo.

Vou chamar essa selfie de “Sou afro sim, africano não…”

Isso não quer dizer que não prezo a minha ancestralidade africana e que não reconheço uma “linha” que nos une enquanto afrodiaspóricos e aos africanos, mas o faço de forma bem consciente de que sou afrobrasileiro (até porque ao contrário de todos “panafricanistas garveistas” que cruzo pela web, eu vivi em África…) e sei bem que meu lugar é aqui, não sou africano, apesar das raízes me fazerem um afro.

Marcus Garvey, foi um líder negro, nascido na Jamaica e criador do mais mobilizador e conhecido movimento panafricanista, a Associação Universal para o Progresso Negro ou AUPN mais conhecida pela sigla em inglês UNIA de Universal Negro Improvement Association. Não vou nem deixar link para sua biografia, há várias, basta pesquisar na web, a maioria absolutamente laudatória, deixando de lado fatos importantes para uma avaliação mais integral e realista sobre Garvey e sua ideologia, portanto, aqui vou tratar do que a maioria dos “idolatradores” de Garvey e defensores acríticos do panafricanismo, desconhece.

1- Ao contrário de outras importantes referências do conceito de negritude, do afrocentrismo e panafricanismo, Garvey não era africano, mas sim um afrodiaspórico, que nunca esteve na África (e não vou discutir os motivos), portanto, como a maioria dos que não tiveram essa experiência, mantinha uma ideia romântica e ilusória sobre “África como verdadeiro lar de todos os negros do mundo” e que a origem continental ancestral remota e a pele preta seriam os principais elementos de “irmandade” entre diaspóricos e africanos. Coisa que qualquer diaspórico que tenha vivido minimamente em África sabe ser falso, lá o que manda é a etnicidade, quando muito a nacionalidade, a cor da pele não faz ninguém “irmão” automaticamente, pelo contrário, mínimas diferenças cromáticas, não percebidas entre os diaspóricos, te “tiram da turma” de cara, isso sem falar a questão cultural. Se 100 Km são suficientes para ter uma mudança de concentração étnica, língua e costumes, a noção de “estrangeiro” é muitíssimo mais exacerbada, já que a noção de povo / nação é muito mais restrita. Em suma, qualquer “retornado” e tanto faz se no tempo de Garvey ou hoje, sempre seria um estrangeiro, visto como qualquer outro estrangeiro um potencial “recolonizador”, com tudo que a palavra possa significar, além de passivo de xenofobia.

2- Acrescento aos motivos acima, as grandes diferenças entre os próprios afrodiaspóricos, que ao contrário dos africanos, não são etnizados, mas sim “racializados.. Ou seja, o que nos une na diáspora é primeiramente a cor da pele, mesmo que de distintíssimos matizes, pois ela indica uma história ancestral dividida, nem tanto pela origem em África, mas a partir do tráfico negreiro, do cativeiro, das tradições e traços culturais trazidos, mantidos e adaptados, mas principalmente dos surgidos em cada contexto afrodiaspórico, além das vicissitudes do pós-cativeiro. Somos portanto NEGROS e não apenas PRETOS como o são os africanos. Isso significa que a cultura negra e a identidade negra, apesar de tributária de várias identidades étnicas africanas, são coisas que só a nós afrodiaspóricos competem e se atribuem. O entendimento de NEGRO como sinônimo de PRETO é um equívoco, que aliás os próprios africanos fazem sempre questão de nos lembrar. Mesmo que a União Africana tenha acenado com um simbólico (e na prática inútil) reconhecimento da diáspora africana como 6a região da África. Enquanto isso a ONU (por fomento da delegação brasileira à Conferência de Durban em 2001) sabiamente em sua redação oficial resolve esse conceito assim:

Ou seja, “africano” é uma coisa, “afrodescendente” é outra… . A tão citada “6a região da África” na prática não torna ninguém africano, pois africano é uma identidade continental, de quem nasceu na África ou possui cidadania de um de seus países…, tente obter um passaporte ou ao menos um visto facilitado para visitar qualquer país africano baseado nesse “reconhecimento”, se conseguir por favor me avise… .

Ainda nesse quesito, quero lembrar a inteligente crítica e analogia feita no filme “Pantera Negra” em que vimos um amargurado afrodiaspórico Kill Monger, após reivindicar “seu reino por direito” em África e se transformar em um tirano, morrer, combatido pelos wakandianos. Isso não antes de fazer seu discurso NEGRO, e reconhecer que na verdade “os seus” eram os que atravessaram ou ficaram pelo meio do Atlântico no tráfico negreiro. Os seus eram na verdade, os que compartilharam as agruras afrodiaspóricas, não aqueles que ficaram em Wakanda (uma África tão mítica, quanto a imaginada pelos afrodiaspóricos) e viam nele um estranho, mais um “estrangeiro colonizador” e não lhe reconheciam como “legítimo”, mesmo historicamente sendo um verdadeiro herdeiro.

3- Garvey era um NEOCOLONIALISTA, pretendia RECOLONIZAR a África, criando uma ELITE baseada nos “retornados” e nos valores já eurocentrados destes, não nos dos verdadeiros africanos. Ou seja, ele não pretendia reintegrar os negros à África e suas culturas, pretendia fazer o mesmo que os colonizadores brancos pretendiam. Basta ver uma divisão proposta e os títulos NOBILIÁRQUICOS EUROCENTRADOS que pretendia IMPOR em África, vide:

Em 1920, a Unia realizou a I Internacional Convention of Negroes of the World (Primeira Convenção Internacional dos Negros do Mundo), reunindo delegados dos Estados Unidos, de Cuba, Barbados, Jamaica, Costa Rica, Honduras, Panamá, Equador, Venezuela, Guianas, Etiópia, Austrália, em síntese, congregando delegados oriundos dos diversos países com representação. Os desfiles espetacularizados promovidos pelas delegações durante o evento – momentos nos quais se entoavam hinos, ostentavam slogans e ovacionavam Marcus Garvey – indicavam a pujança da Unia e sua capilaridade. Ao final do conclave, foi tomada uma série de deliberações, como a promulgação da Declaração Universal dos Direitos dos Negros, que trazia um programa de 54 pontos; a instituição de uma nobreza negra, com alguns membros da Unia sendo agraciados com os títulos de Cavaleiros do Nilo, Cavaleiros da Ordem de Serviços Relevantes da Etiópia, Duques do Níger e de Uganda, entre outros; e a aclamação de Garvey como Presidente Provisório da República Africana, uma espécie de governo em exílio. (DOMINGUES, 2017)

ou ainda conforme

Garvey reclamou que a África fosse reservada aos africanos e que se organizasse o regresso a África dos negros de outros continentes. Tratar-se-ia de uma verdadeira expedição colonial, porque em terras africanas os negros vindos do outro lado do Atlântico constituiriam inevitavelmente uma elite, detentora de capacidades técnicas e administrativas com as quais os autóctones não saberiam competir, e transformar-se-iam em exploradores da mão-de-obra nativa. Esses imigrantes negros, proclamou Garvey, iriam “ajudar a civilizar as tribos africanas atrasadas”, e se tal houvesse sucedido ter-se-ia reeditado em grande escala uma experiência anterior – a da Libéria, onde, como visto anteriormente, escravos emancipados tinham-se convertido numa classe dominante tão feroz que condenou ao trabalho forçado a população autóctone, a quem foi inclusivamente negado o direito de representação política. (PASSAPALAVRA, 2010)

Stokely Carmichael, um garveista famoso nos anos 60 ia na mesma linha ao afirmar:

A África não precisaria de estar dependente de técnicos estrangeiros para a reparação e a manutenção do mais moderno equipamento importado. Os técnicos africanos existem, eles estão na América. […] A nossa terra é em África, não na América. O nosso objectivo principal deve ser a África. (PASSAPALAVRA, 2010)

Olhando para esta fotografia abaixo, o quão “africano” se percebe em Garvey e seus seguidores imediatos ? O que se vê, ao contrário do mitificado “liberte-se da escravidão mental” é uma colonização eurocêntrica que beira ao patético…, ao menos para quem não se entendia como “outra coisa” diferente do africano, forjado em uma cultura caldeada.

Agora, abaixo, o Imperador da Etiópia, Haile Selassie, um verdadeiro membro de realeza africana…, ele até podia por questões protocolares e afirmação ante as realezas e governos ocidentais utilizar uniformes militares e outras vestimentas no mesmo estilo, mas não dispensava o tradicional africano não eurocentrado…, já viu alguma foto em que Garvey minimamente remetesse a um “africano” e não um colonizado/colonizador?, não? nem eu…

4- Luther King já dizia “negros são humanos, não super-humanos”, Garvey assim como qualquer um estava sujeito a equívocos, desvios de caráter e mesmo incompetência, logo, a sua “honorabilização” pode ser questionada a partir de muitos argumentos históricos. Uma falácia muito comum ocorre ao falar da Black Star Lines e de sua sucessora a Black Cross. A verdade é que ambas FALIRAM por má gestão, por possuir navios “bichados” . Garvey não foi “impedido” pelo governo norte-americano de navegar para a África com seus navios levando pretos norte-americanos, primeiro ele não foi autorizado por países africanos já livres como a Libéria e outros, depois a frota era reduzida e sofreu vários problemas que poderiam se tornar tragédias marítimas e por fim, como em toda falência, etc… os bens foram indisponibilizados. Garvey foi condenado e preso por fraude… e depois deportado. Nem nego que pode e provavelmente tenha “havido dedo” dos serviços de inteligência dos EUA, mas isso muda pouco as coisas, vide:

Se as articulações políticas de Garvey iam bem, mesmo em face dessa atmosfera de vigilância e suspeição, seus negócios iam mal. Os navios comprados começaram a apresentar problemas em suas viagens, “devido à necessidade de reparos técnicos e à má administração da empresa”. Logo a Black Star Line Inc. estava operando no vermelho. Mas, paradoxalmente, Garvey decidiu comprar mais um navio. Para arrecadar fundos, enviou “prospectos pelo correio, divulgando a venda de novas ações da empresa”. Esta iniciativa custou a ele e aos executivos da Black Star Line um “processo judicial pelo uso fraudulento dos correios e a consequente falência de sua empresa”. O processo, iniciado em 1923, foi acompanhado por diversos setores da opinião pública.
No ano seguinte, Garvey sofreria outro revés em seu projeto racial. Na IV Convenção Internacional dos Negros do Mundo, a Unia definiu o programa de colonização da África pelos negros dispersos pela diáspora, programa, aliás, que já vinha sendo esboçado desde a primeira Convenção. A princípio, o governo da Libéria acenou favoravelmente ao plano de colonização de afro-americanos, e a Unia até investiu na criação da Black Cross Navigation and Trading Company – mais um projeto de estabelecimento de linha de navegação a vapor entre os Estados Unidos e o continente africano, cuja intenção era garantir o transporte dos negros para Monróvia. (DOMINGUES, 2017)

5- Garvey NÃO FOI ACATADO nem pelos países livres africanos, vide:
O certo é que em junho de 1924 os governantes liberianos se opuseram terminantemente às atividades da UNIA no seu país, declarando que não autorizariam o estabelecimento de quaisquer colonos enviados pela associação. Como observou um biógrafo de Garvey, “na prática o movimento do regresso a África ficou liquidado quando a República da Libéria se recusou a apoiar o programa de colonização”. Entretanto, outros africanos haviam denunciado a pretensão de Garvey a apresentar-se como presidente provisório da África e houve também nigerianos e senegaleses a pronunciar-se contra a colonização do seu continente pelos negros norte-americanos. Com igual insucesso se deparou a delegação enviada pela UNIA à Abissínia no final da década de 1920, não se mostrando os governantes deste país interessados em qualquer afluxo maciço de negros americanos.(PASSAPALAVRA, 2010)

6- Garvey não era tão querido e respeitado entre outros panafricanistas e lideranças negras contemporâneas W.E.B Du Bois, chamou Garvey de “o inimigo mais perigoso da raça negra na América e no mundo” em uma edição de maio de 1924 de “A crise”.

7- Garvey ao fim e ao cabo tinha posições compatíveis com os racistas, acreditava em “pureza racial” e que “o lugar dos negros era na África “ e chegou a manter contatos com a KKK (Klux Klux Klan) vide:

Eu acredito numa raça negra pura, tal como todos os brancos que se prezam acreditam numa raça branca tanto quanto possível pura.

ou

a UNIA inseriu-se numa arraigada tradição de defesa da hegemonia branca nos Estados Unidos. Quando o presidente Harding, em outubro de 1921, declarou no Alabama que era contrário à mestiçagem e favorável à segregação, Garvey enviou-lhe um telegrama de felicitações, e a UNIA não teve vergonha de apoiar uma proposta de lei apresentada por um senador da direita racista, que propunha o repatriamento para África de todos os negros norte-americanos. Embora por razões opostas, observou Garvey, os objetivos de ambos eram convergentes .

Ou ainda

Vários historiadores têm comparado, com acerto, o movimento lançado por Garvey ao sionismo criado por Theodor Herzl, já que ambos se aliaram aos políticos racistas como forma de promover a migração, num caso dos negros para África, no outro dos judeus para a Palestina. [..] E assim se explica que Garvey tivesse beneficiado da aprovação do Ku Klux Klan e de outras organizações racistas brancas, cujos representantes foram frequentemente convidados a discursar nos comícios da UNIA.

Por fim

“A Sociedade Americana Branca, os Clubes Anglo-Saxônicos e o Ku Klux Klan gozam de todo o meu apoio na sua luta por uma raça pura”, afirmou Garvey sem quaisquer rodeios, “no mesmo momento em que nós estamos a lutar por uma raça negra pura” (PASSAPALAVRA, 2010)

8- Garvey era assumidamente um FASCISTA, disse sem rodeios 3 anos antes de morrer:
Nós fomos os primeiros fascistas. Disciplinamos homens, mulheres e crianças e preparamo-los para a libertação da África. As massas negras viram que só neste nacionalismo extremo podiam depositar as suas esperanças e apoiaram-no de imediato. Mussolini copiou de mim o fascismo, mas os reacionários negros sabotaram-no (PASSAPALAVRA, 2010)

Portanto car@ “irmã@” que “idolatra” Garvey e acha que é “africano” só por causa das ideias dele e de outros seus seguidores, bem como por nunca ter morado em África (como eu tive a oportunidade), eis ai os meus motivos REFERENCIADOS para não me somar à você e muit@s outros.

Se você curte e concorda com um neocolonizador, mal sucedido, admirador de racistas e fascista assumido (que inclusive reclamava ter sido copiado por Mussolini), problema seu…, mas agora não pode alegar que desconhece e não é admirador de um utópico, delirante e ainda bem, mal sucedido fascismo negro, EU TÔ FORA… .

Referências

DOMINGUES, PETRÔNIO. O “MOISÉS DOS PRETOS”: MARCUS GARVEY NO BRASIL. Novos estud. CEBRAP, São Paulo , v. 36, n. 3, p. 129-150, Nov. 2017 . Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002017000300129&lng=en&nrm=iso&tlng=pt > . accesso em 13 Fev. 2020.

PASSAPALAVRA. De volta à África (3): “Nós fomos os primeiros fascistas”. 2010. Site anticapitalista independente.Disponível em: <https://passapalavra.info/2010/07/26128/ >. Acesso em: 14 fev. 2020.