Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA


Deixe um comentário

De volta ao aborto, nova abordagem.

Como o assunto recrudesceu e voltou às redes nessa semana, achei interessante reapresentar opinião, agora com novos elementos. Declaro logo de cara que não apoio a legalização do aborto para torna-lo método contraceptivo primário e banal, mas sim uma opção, em geral extrema, que assiste à mulher, tanto por questão de saúde e evitar o perigo de morte dela em abortos clandestinos, quanto por ser de foro íntimo a decisão de comprometer toda a própria vida em função de outra ainda por vir.

Olhando as discussões da semana percebi que o foco tem ganhado centralidade no tempo de gestação até quando o aborto poderia ser feito, vi por exemplo um amigo questionando sobre a diferença de abortar aos 3 meses e aos 9 meses de gestação. Então resolvi responder a questão.

Entendo que do ponto de vista biológico até a 12a semana de gravidez não há sequer sistema nervoso, e que até a 24a semana não há consciência de dor… vide:

Já do ponto de vista lógico e legal há algumas questões, mas nada que altere o fato de que a vida civil começa no nascimento e em tese atos anteriores não se equiparam a homicídio, para se ter um homicídio é preciso antes ter uma pessoa da qual se tira a vida, e só se é efetivamente pessoa a partir do nascimento.

Vejo porém com maus olhos uma interrupção de gravidez avançada para além de um período que possa ser considerado “razoável” tanto do ponto de vista decisório quanto ético.

Ao meu ver parece óbvio que uma gravidez indesejada, tanto por motivos de segurança para a gestante quanto de consciência, se for para ser interrompida, que o seja o mais breve possível, enquanto não há sequer sistema nervoso completo, consciência e dor do feto, nem necessidade de atos fúnebres.

O ponto central da oposição ao aborto é o conceito de vida e pessoa e que ninguém tem direito de tirar a vida de pessoa humana.

Entendo e não sozinho, que o que não dá direto de tirar a vida de uma pessoa, basicamente é ela ter uma vida…, ou seja, ter superado a fase fetal ou ao menos boa parte dela e ter nascido viva, tornando-se então uma pessoa com direitos humanos e civis. Quem não nasceu não está sujeito a atos, direitos e deveres da vida civil, pois ainda não existe como PESSOA.

Observe o Conselho Regional de Medicina de SP ao orientar a emissão de declaração de óbito.

Note que nem atestado de óbito se faz para fetos de determinado tempo de gestação e características biométricas, os mesmos não são sequer considerados primariamente para enterramento (o que exigiria a D.O declaração de óbito). O exemplo abaixo mostra claramente que com relação ao tempo de gestação já há um consenso médico e prático sobre “morte antes do nascimento” e o consecutivo direito ao rito post-mortem de enterramento de pessoa.

Como visto não se atesta o óbito nem sequer se faz cerimônia fúnebre para o que não nasceu, pelo menos não antes das 20 semanas de gestação, como falar em “homicídio” (como alguns tratam ou equiparam o aborto) do que por N viéses ainda não se considera pessoa ?

Mesmo sob o ponto de vista religioso é importante notar que a própria igreja não batiza fetos antes de nascerem, para ter esse direto canônico mínimo é preciso ser pessoa, ou seja tem que ter nascido e estar viva no mundo, fora e desligada da mãe, mesmo que por minutos. Se não nasceu e viveu minimamente, nem esse direto canônico tem, vide:

Diante do exposto penso que há uma toda uma convergência para quem não é simplesmente “pétrea e absolutamente” contra o aborto, para apoiar a descriminalização e a inclusão como procedimento disponível na rede pública até a 20a semana de gravidez atendidas as características biométricas de praxe para o não enterramento, a partir dai o direito de opção da gestante cessaria, persistindo a opção médica para os casos de elevado risco de morte da gestante.


Deixe um comentário

Marina Silva: Mitos X Fatos

Marina-duvidas

A ideia dessa postagem é comparar algumas “premissas” e dúvidas que se tem colocado contra a candidata à Presidência da República Marina Silva (PSB), mostrando como as pessoas “vendem e compram”  ideias contra  Marina que não correspondem a realidade… vejamos por exemplo a de que ela “fecha” com o pastor Marco Feliciano, vejamos o que ele próprio diz dela… :

“Em sua crítica à missionária assembleiana Marina Silva, Feliciano pôs em cheque inclusive sua fé: “Já fiz diversas críticas a postura da Marina e a forma como ela se comporta, mesmo se dizendo evangélica – se é que um dia foi. Marina tentou vender a imagem de boa crente, mas pecou em suas próprias ações”, disparou o pastor em texto publicado ontem, 04 de julho, em sua página no Facebook.”; pois então…, não sei de onde tiraram essa ideia estapafúrdia de que Marina apoiou ou apoia a fala absurda do Feliciano sobre “raça amaldiçoada”,  porém está mais do que claro que o próprio Feliciano “não morre de amores” por Marina (que por sua vez parece que “não está nem ai” para o que o ele acha certo ou errado…)
Deu na imprensa toda, inclusive na “gospel” : http://goo.gl/SzDci6

Quer saber como Marina se posiciona com relação a sua negritude e políticas afirmativas ?, posicionamento religioso, aborto, etc… ?, detesto recomendar algo nesta revista, mas dê uma olhada na entrevista de Marina em  set de 2009 para a Veja, tá tudo lá…: Marina-Imaculada

Com relação ao plano de governo, ele foi produzido a várias mãos e aprovado pelo falecido Eduardo Campos (que era socialista, mas nenhum “comunista maluco” ao estilo “bolivariano”), bem como por Marina (que tem formação socialista igual a dos Petistas, afinal ela foi PT 30 anos, não é “tão diferente” assim…), o detalhe importante é quem coordenou a confecção do plano…, se chama NECA SETUBAL (uma das herdeiras do ITAÚ, portanto MUITO RICA), acontece que apesar de rica a história de vida e a prática social dela são impressionantes, formada em Ciências Sociais com doutorado, mantém ONGs pela qual recebeu premios sérios de reconhecimento, apoia as políticas públicas de inclusão e e apoiou a cota para negros nas universidades.. conheça-a aqui: http://revistatpm.uol.com.br/revista/145/paginas-vermelhas/maria-alice-setubal.html,

O programa de governo não é segredo nem mistério… quer ver ?  é só acessar: http://www.psb40.org.br/imprensa/programa.pdf

Só para adiantar veja o que tem na página 39 :

” • Garantir aos diferentes grupos étnicos, raciais, religiosos, de gênero e aqueles apoiados nas diferentes opções sexuais o espaço próprio de participação política de respeito e atenção às suas demandas específicas.

• Reforçar políticas de igualdade racial, inclusive a manutenção das cotas, como parte de um processo de restauração do equilíbrio aos desequilíbrios históricos contra as minorias. “

Marina é intransigente e retrógrada ? leia a a a resposta de Neca Setubal em entrevista à Folha de SP :

Você, me parecem, têm posições diferentes em relações a alguns temas, vários temas, não é? Você me parece uma pessoa do ponto de vista dos costumes mais liberal, ela menos, ela mais religiosa ortodoxa, você nem tanto. E ainda assim, nunca houve nenhuma divergência séria entre vocês ou ao contrário?
Não, porque a gente tem essa questão do respeito e a Marina, no entorno dela, se você for fazer uma questão ela tem mais um ou dois talvez que sejam evangélicos, tem agnóstico, tem católicos, enfim, tem de tudo, têm pessoas com preferências, com orientação sexual outras, enfim. Ela tem essa capacidade, embora, como ela é muito consistente e tem alguns princípios fortes, ela sempre passa por intransigência, mas todo mundo que chega perto dela, o pessoal do PSB mais próximo fala muito “nossa, que surpresa encontrar essa Marina”, o que não é o papel. “

Marina é contra a união de  homossexuais ? ela mesmo responde em 2010 : https://www.youtube.com/watch?v=NrgUeEVS2wU

Marina é uma religiosa obtusa e  antilaica à serviço dos teocratas ? , veja o que já dizia o Pr. Silas Malafaia em 2010: https://www.youtube.com/watch?v=gCo_0vsVC8E

Penso que é sempre melhor lidar com fatos verificáveis e dados idem do que com especulações que não se sabe de onde vem (ou sabendo não são em nada “confiáveis”).


Deixe um comentário

REDUÇÃO DE DANOS, o que é isso ?

É um “novo” (não tão novo na realidade, em países mais desenvolvidos tem já uns 30 anos) paradigma adotado nas políticas de saúde pública com relação a patologias, etc… motivadas principalmente por questões comportamentais, a exemplo de consumo de drogas, alcoolismo e mesmo DSTs.

A ideia é simples, se não é possível eliminar de imediato a dependência ou o comportamento de risco, que se reduzam os danos  (à família e a sociedade em geral) bem como para o próprio adoecido ou potencial adoecido, isso pode ocorrer através de uma abordagem diferente ao público alvo das ações, com atendimento externo (ir até ele ao invés de esperar que ele venha em busca da ajuda) e sem uma posição “acusatória” , mas de compreensão da realidade e mesmo de respeito e valorização de quem precisa da ajuda.

Um dos primeiros exemplos desse paradigma foi a distribuição gratuita de preservativos, para grupos de alto risco (como os envolvidos com prostituição ou alta promiscuidade por exemplo ) ou ainda nos eventos em que as possibilidades de sexo casual “epidêmico”  está altamente relacionado, como as festas do carnaval, boi-bumbá, etc… , a ideia foi :  já que não é possível eliminar a prática sexual, que pelo menos ela se torne mais segura e por conseguinte com menores consequências sociais (como DSTs, gravidez indesejada, e todos os posteriores problemas que se originam dai ).

No caso das drogas, a ideia não é distribui-las gratuitamente (pois são ilegais), mas tentar  reduzir problemas advindos por exemplo do uso compartilhado de seringas (essas sim podem ser distribuídas para os grupos de risco),  favorecer a integração adicto/família a fim de aumentar a auto-estima e facilitar o tratamento e evitar eventuais furtos para manter a dependência, ao mesmo tempo em que se realiza uma desintoxicação paulatina (sem uma abstinência radical, que em geral tem alta reincidência), a descriminilização do simples  usuário, também evita que o problema se agrave ainda mais por prisões e convivência com a “bandidagem” de alta periculosidade, ao mesmo tempo em que se fomenta no usuário o cuidado com outros elementos importantes para a manutenção geral de sua saúde, como boa alimentação, etc… .

No caso do alcoolismo,  o conceito e ações seguem com os devidos ajustes a mesma linha, estuda-se por exemplo também aplicar o paradigma na questão dos abortos ilegais.

A redução de danos é um paradigma  realista e que  pode também ser aplicado  a outras questões sociais, para além das questões de saúde pública.

Exemplos de programas de redução de danos:

http://www.brasil.gov.br/enfrentandoocrack/cuidado/reducao-de-danos

http://www.proad.unifesp.br/reducao_de_danos.htm

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1100945-governo-estuda-adotar-medidas-de-reducao-de-danos-para-aborto-ilegal.shtml


2 Comentários

Mulher, Negra,"Humilde", Nortista e Evangélica…

Sen. Marina Silva (com visual menos sisudo que o consagrado na mídia)

Sen. Marina Silva (com visual menos sisudo que o consagrado na mídia)

Esse é parte do perfil da virtual pré-candidata do PV à Presidência da República na campanha de 2010.

Em entrevista à revista Veja, a Senadora pelo Acre,  nascida nos seringais, alfabetizada pelo Mobral e formada em Universidade Federal,  companheira de lutas de Chico Mendes, co-fundadora histórica do PT e ex-ministra do meio-ambiente ;  deixou claro de maneira não costumeira, sua posição enquanto negra…,  seu apoio as ações afirmativas e cotas universitárias, de assuntos polêmicos como religião, diversidade, aborto, drogas… e claro…, meio-ambiente.

Apesar de não assumir abertamente a candidatura,  já adiantou que não será uma “candidata negra”  nem “candidata mulher”   ou  “candidata-alguma-de-suas-peculiaridades”,  ao que indica adotando uma postura muito semelhante a da adotada por Barack |Obama  na   última campanha norte-americana, será a candidata “do novo” e  “do ambiente” , outro indicativo é que focará a juventude como eleitorado base…

Dou destque para a parte da fala, em que a entrevistadora pergunta se ela é favorável as cotas raciais nas universidades públicas, após a resposta afirmativa da Senadora,  a entrevistadora ( cuja revista é declaradamente anti-cotas) “lembrou” que  a Senadora apesar de negra e de origem humilde conseguiu entrar e cursar uma universidade federal, sem  a “ajuda”  de cotas…; no que foi pronta e firmemente retrucada , “Sou uma exceção !, tenho sete irmãos que não chegaram lá…” .

Particularmente gostei do que li.

Quanto a descrença de alguns em um “PV atrelado” até então às forças políticas como DEM e PSDB, bem como a aposta de que os mesmos estariam imaginando a Senadora Marina como uma “inocente útil” no trabalho de detonar a candidatura do PT, creio que os PSDB/DEMOS estão fazendo o seguinte raciocínio : Marina vai tentar levar o PV sozinho (ou com partidos de pouca expressão) e assim vai dividir os votos que teoricamente seriam do PT; favorecendo assim a candidatura tucana… que teria mais chances de garantir o segundo turno contra um PT bem mais fraco do que seria em um primeiro turno sem Marina…

Mas como em política tudo pode ocorrer… , Marina pode “fechar” uma acordo com seu antigo partido e dependendo da situação ao final do primeiro turno unirem forças para o segundo…, mesmo com toda máquina do governo vai ser difícil emplacar a Dilma para um segundo turno, com a Marina na disputa… o mais provável é que a essa altura o PT já tenha começado a estruturar o PLANO B (fazer a campanha com Dilma para se impor como “força” mas já se preparando para apoiar Marina no segundo turno), afinal para o Pres. LULA, fazer palanque para qualquer uma das suas duas ex-ministras e camaradas históricas não deve ser nenhum grande problema…

Agora  falando da penetração popular que Marina pode obter com suas 4 características peculiares: Mulher, Negra,”Humilde”, Nortista e Evangélica… (sem contar o AMBIENTALISTA de renome internacional, experiência como Senadora e Ministra , “ficha limpa” e “novidade em eleição presidencial” ) é algo espantoso…, nem o Presidente norte-americano BARACK OBAMA teve contextualmente um perfil tão “renovador” e popular quanto o de Marina… .

Marina lembra que durante as prévias democratas norte-americanas da última eleição, um amigo brincou que os americanos estavam no impasse de ter de escolher entre um negro e uma mulher, e que se ela fosse  a candidata a presidente , o eleitorado não teria esse problema pois ela é mulher e negra…

Para um mundo “em xeque” com a questão ambiental o histórico e perfil dela em uma regra de 3 estaria igual a de um Che Guevara na revolução cubana de Fidel.