Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA

Manaus não está enterrando em “vala comum”

Deixe um comentário

Ao menos não por enquanto… . Sei que o assunto é delicado e pode até aparecer polêmica pelo texto, mas eu não poderia a bem da boa informação e sua precisão deixar de fazer essa observação.

Primeiro vamos ao significado de “vala comum” :

Valas comuns também são frequentemente empregadas para enterrar um grande número de vítimas de desastres naturais, tais como terremotos e furacões.Vala comum é uma cova normalmente localizada nos cemitérios onde um conjunto de cadáveres que não podem ser colocados em sepultura individual, ou que são de origem desconhecida ou ainda não reclamados são enterrados sem cerimônia alguma. Na maioria das vezes os mesmos não são registrados nos locais onde foram enterrados. A ONU define como vala comum a cova que contém três ou mais vítimas de uma execução/massacre. (Wikipedia)

Bem, moro em Manaus e estou acompanhando atentamente as notícias sobre a pandemia e seus desdobramentos. Tem gente aqui e fora visualizando e se referindo, inclusive imprensa, aos enterros coletivos por conta da Covid-19 como em “vala comum”, mas conforme visto acima, o emprego do termo e visualização para o contexto de Manaus estão equivocados. Imagens de epidemias e pandemias passadas, podem lembrar, mas nem sempre refletir “ipsis litteris” as imagens e situações do presente. Não estou falando de uma possível ilação entre situações caóticas, questões de gestão pública e colapsos hospitalar e funerário que perpassam situações separadas no tempo, mas de um importante detalhe semântico e técnico.

Por enquanto, aqui em Manaus não se está enterrando em “vala comum”, apesar das imagens poderem lembrar uma… . O sistema adotado aqui foi o de “trincheira”, ou seja, apesar de ser cavado com retroescavadeira como uma vala ou cova comum, os caixões são colocados respeitosamente lado a lado com espaçamento padrão, sendo suas posições marcadas na beira da trincheira.

Com isso ao serem cobertos de terra é possível identificar a posição exata de cada um e fazer os caixilhos individuais e futuros túmulos. Não se perde a referência individual e a ligação familiar. Ademais, em enterramentos em vala, como dito, não há qualquer cerimônia e no mais das vezes nem cuidado, muito menos presença de familiares, mesmo que poucos, a vala comum em seu sentido e forma literal é uma medida sanitária extrema, por enquanto não atingida aqui, apesar de uma tentativa frustrada de uma versão um pouco mais digna, o empilhamento em 3 níveis para otimizar espaço, como se está fazendo em Nova Iorque.

É portanto um importante diferencial entre uma situações e outra…, aqui ao menos há uma tentativa de manter alguma dignidade frente ao colapso que estamos passando. Até quando será possível manter isso só sabe Deus, a coisa está aumentando assustadoramente e de forma exponencial, muitos rostos e nomes conhecidos partindo… .

Autor: Juarez Silva (Manaus)

Analista de T.I, Prof. Universitário, Tít. de Especialista em Educação a Distância (Univ. Católica de Brasília), Certificação em História e Cultura africana e afrobrasileira (FINOM-MG) e em Direitos Humanos e Mediação de Conflitos (SEEDH- Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República), Mestre em História Social pela UFAM - Universidade Federal do Amazonas, Ex-Conselheiro Estadual de DH; Analista Judiciário do Quadro efetivo do Tribunal de Justiça do Amazonas. Ativista dos Movimentos Negros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s