Blog do Juarez

Um espaço SELF-MEDIA

Ainda sobre a questão da imigração haitiana

1 comentário

A polêmica e a discussão acalorada do tema (pelo menos aqui pela Amazônia e especialmente no Amazonas) não dão sinais de arrefecimento, fatos novos e um número crescente de manifestações diversas na imprensa e nas redes sociais continuam e continuarão alimentando o debate e trazendo à luz da questão, novos e “requentados” prismas  .

Depois de N manifestações preconceituosas e discriminatórias mais ou menos veladas (culminadas  com o incendiário e nada velado artigo da  colunista Mazé Mourão (se ainda não está a par da questão leia aqui meu artigo anterior) ), vieram as reações e contra-reações (muitas também questionáveis, mesmo quando aparentemente anti-discriminatórias).

Como não poderia deixar de ser na nossa meta-racista sociedade,  a tentativa e “propostas” de retirar o foco da questão racial embutida no ” imbróglio” tem aparecido recorrentemente , sendo o rebate desse viés  específico o motivo do post atual.

O brasileiro “não-negro” possui  o tradicional costume  de tentar camuflar a sua mentalidade e práticas racistas, remetendo tudo para a “questão social”…; ela existe sim, mas no caso brasileiro nunca se dissocia completamente da questão racial, é uma variável real e indispensável tanto para a análise do nosso contexto histórico-social passado quanto presente e expectativas futuras.

A imigração maçica de europeus (e depois japoneses) no final do séc. XIX e por todo século XX, mais do que inserir mão de obra qualificada para a era industrial e substituição da mão-de-obra escrava na lavoura ( e não sei o “porque” de tamanha necessidade de “substituição”, já que os ex-escravos nem haviam se “extinguido” muito menos se negavam a trabalhar e receber por um trabalho que feito de graça “serviu bem” ao Brasil por mais de 350 anos), tinha na realidade o “componente racial” como base (vide “Política nacional de branqueamento” : http://amazonida.orgfree.com/movimentoafro/branqueamento.htm), hoje muito mais que antes tenta-se dissimular que a a imigração de negros não é bem-vinda, mas ainda em pleno meados do século XX , isso era descaradamente colocado inclusive na LEI : vide Decreto-lei nº 7.967/1945. cuidando da política imigratória, dispôs que o ingresso de imigrantes dar-se-ia tendo em vista “a necessidade de preservar e desenvolver, na composição étnica da população, as características mais convenientes da sua ascendência européia.” (artigo 2º) .

Pouco conhecido fora do círculo dos estudiosos da temática  é  também o caso  do Brazilian-American Colonization Syndicate,  descrito por (Tiago de Melo Gomes) em 1921 manifestou  seu desejo de adquirir terras no interior do Mato Grosso, visando colonizá-las com afro-americanos. Quando a notícia chegou aos ouvidos dos habitantes do “paraíso”(racial, grifo nosso) as reações foram instantâneas, e imediatamente os deputados Andrade Bezerra e Cincinato Braga apresentaram à Câmara dos Deputados um projeto impedindo “a importação de indivíduos de raças negras”. O projeto não se transformou em lei, mas isso não impediu o governo brasileiro de utilizar diversas artimanhas para negar vistos de entrada a afro-americanos, provocando com isso diversos protestos nos Estados Unidos.” ,  ou seja, o argumento de que toda “preocupação” e “reservas” à imigração massiva haitiana é meramente com as “consequências sociais” ou de priorização dos nacionais e regionais  em situação de pobreza, não é plenamente verdadeiro…,  há registros inequívocos na nossa história relacionada a imigrações, da faceta anti-negro; é portanto certo, que o velho e hipócrita META-RACISMO brasileiro também se faz presente na atual questão.

Anúncios

Autor: Juarez Silva (Manaus)

Analista de T.I, Prof. Universitário, Tít. de Especialista em Educação a Distância (Univ. Católica de Brasília), Certificação em História e Cultura africana e afrobrasileira (FINOM-MG) e em Direitos Humanos e Mediação de Conflitos (SEEDH- Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República), Mestrando em História pela UFAM - Universidade Federal do Amazonas, Ex-Conselheiro Estadual de DH; Analista Judiciário do Quadro efetivo do Tribunal de Justiça do Amazonas. Ativista do Movimento Negro.

Um pensamento sobre “Ainda sobre a questão da imigração haitiana

  1. É isso aí. Tanto que foi o que perguntei ao Luiz Lauschner, quando escreveu e publicou (acho que no início de janeiro) um artigo sobre a questão da “invasão” (nas palavras dele) dos haitinos a Manaus, no EM TEMPO online: Por quê a contrariedade? Por quê são negros e vindos do país mais pobre das Américas?.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s