Cultura religiosa: As religiões de matrizes africanas, tirando as dúvidas básicas.

É muito comum para as pessoas de outras religiões, sem religião ou mesmo as que já tiveram algum contato com a  religiosidade de matriz africana em suas várias formas, dúvidas e equívocos sobre o tema, a ideia desse  post é sem proselitismo qualquer, tentar reduzir essas dúvidas e esclarecer sobre essa parcela da cultura/religiosidade brasileira, para muitos misteriosa e mal compreendida.

Para ficar mais direto, leve e um pouco diferente dos artigos que temos por ai, vou fazer em formato de F.A.Q (Frequentelly Asked Questions / Questões frequentemente perguntadas), formato com  o qual os internautas estão muito familiarizados.

  • O QUE QUER DIZER  RELIGIÕES DE MATRIZES AFRICANAS ? :  Significa que a cosmovisão base (fundamentos) ou parcela dela, vem de cultos de origem africana, lá praticados desde a antiguidade e introduzidos no Brasil com adaptações pelos escravos africanos e descendentes destes.
  • QUAIS SÃO ESSAS RELIGIÕES ? :  São várias, com origens em diversas partes da África e relacionadas diretamente com cada grande grupo étnico (Nação)  introduzido no Brasil, no caso as religiões que mantiveram maior proximidade com as originais ( trajes, uso das línguas africanas nos cantos e rituais, referência apenas às divindades africanas, costumes, etc…) são agrupadas genéricamente sob a denominação de CANDOMBLÉ DE NAÇÃO (e obviamente são várias nações distintas, como KETO, BANTU, JEJE, MINA) ou simplesmente Candomblé;  já nos casos em que houve um maior sincretismo, redução dos elementos africanos e acréscimo de elementos ocidentais vindos do catolicismo e kardecismo (além de elementos indígenas como a Jurema e o Catimbó), cânticos e rituais em português,  passaram a ser agrupadas genéricamente sob a denominação de UMBANDA ;  há ainda variações criadas a partir da mescla de Candomblé e Umbanda como o  OMOLOCÔ , ou segmentações independentes como o XANGÔ (PE), o BATUQUE (RS), muito próximos dos Candomblés de Nação, ou a QUIMBANDA (culto dos exus)  que está muito mais relacionada com a UMBANDA.
  • O QUE SÃO ORIXÁS ? : São as divindades do panteão Yorubá do Candomblé (um dos grupos étnicos africanos trazidos para o Brasil com o trafico negreiro, também conhecidos como NAGÔS  ou  povo KETO ou KETU), no Brasil são mais conhecidos e popularizados que as divindades das nações BANTU (Angola) ou  MINA e  JEJE (costa da Mina , Benin e região),  são eles :  Nanã, Omolú, Oxumarê, Oxalá, Exú, Ogun, Oxóssi, Yemanjá, Iansã, Oxum, Obá ,Ewá, Xangô, Logun Edé, Ossain, Ibeji, Irôko;  na África eram cultuados mais de 200 orixás, no Brasil esse número reduziu-se a 16, cada Orixá está ligado a uma força da natureza / vida e a sua energia é chamada de AXÉ .
  • POR QUE MUITA GENTE CHAMA INDISTINTAMENTE ISSO TUDO DE MACUMBA ? :  Na realidade MACUMBA era o nome de uma flauta rústica utilizada em festas familiares  junto com outros instrumentos como atabaques e tambores, pela população mais pobre (majoritariamente ex-escravos ou descedente de escravos ) na época da  passagem do Brasil Império para República ;  por tal MACUMBA  ou MACUMBINHA era também um sinônimo de “festa em casa”, porém como havia repressão e muito preconceito contra as reuniões afroreligiosas (na época feitas nos terreiros das casas ), ao convidar alguém para uma festa/reunião afroreligiosa as pessoas  não citavam isso em público,  apenas convidavam as outras para uma “MACUMBA” ou “MACUMBINHA”  lá em casa… , o que era perfeitamente entendido dependendo de quem convidava e era convidado…, surgiu dai o entendimento hoje corrente para MACUMBA e obviamente para MACUMBEIROS;  apesar de serem muito utilizados de forma depreciativa pelos que discriminam as religiões “afro”, o uso dos termos  e auto-denominação entre os adeptos é comum e encarada por muitos de forma afirmativa (orgulho/ não-vergonha).
  • CANDOMBLÉ E UMBANDA SÃO SINÔNIMOS ?:  Conforme a explicação inicial, obviamente que não, Candomblé é um conjunto de religiões de origem africana que conservam grandemente suas características originais como rituais, costumes, língua utilizada nos cânticos  e culto à divindades exclusivamente africanas (ORIXÁS, VODUNS ou INKICES dependendo da “nação”);  já a UMBANDA é uma religião genuinamente brasileira nascida em Niterói em 1907 e reúne  além de parte dos elementos do candomblé também elementos do kardecismo, catolicismo e espiritualidade indígena, o português é a lingua utilizada majoritariamente na UMBANDA, nela apesar de se cultuar também  sete dos orixás do Candomblé e dos trajes africanizados, diferentemente há culto também à ENTIDADES  como pomba-giras, exús, boideiros, marinheiros, caboclos e pretos velhos (todos inexistentes nos Candomblés de Nação)
  • AS RELIGIÕES AFRO SÃO SATÂNICAS ?, CULTUAM DEMÔNIOS ? :  Apesar das várias interpretações discordantes sobre o que venha de fato a ser satanismo e de sua relação com a figura de  Satan, Lúcifer ou Diabo (entre outros nomes) , tudo isso faz parte de uma cosmovisão ocidental de base judaico-cristã, não tem nada a ver com a cosmovisão africana (onde não se crê em inferno, muito menos em diabo…), sendo assim essa “acusação” e “demonização” que se faz das religiões de matrizes africanas (principalmente do Candomblé que não tem qualquer base ocidental/cristã) é falsa e injusta, as divindades africanas cultuadas são basicamente representações das energias da natureza, energias que influenciam na vida das pessoas e podem ser “manipuladas” para o bem mas também para o mal, só que isso é uma questão da  ética das pessoas que manipulam ou solicitam manipulação, não das energias (que em tese são amorais),  seria como dizer que a energia atômica “é do mal” pois pode adoecer e matar, quando na realidade pode também curar e facilitar a vida…, dependente de quem manipula e  de sua intenção, não da energia em si, “o mal”  e “o bem” está nas pessoas…, algumas vão rezar para “mil cairem à sua direita”, outras vão matar “em nome de cristo”, algumas vão fazer “trabalho” para prejudicar algum desafeto… , outras vão pedir e usar tudo isso  pelo próprio bem e da humanidade… .
  • AS ENTIDADES DA UMBANDA SÃO DEMÔNIOS ? : Na Umbanda se cultuam alguns Orixás (divindades africanas, forças da natureza que decididamente não são demônios) e “entidades ” que segundo a crença são pessoas “desencarnadas” que já viveram normalmente na terra, se manifestam como caboclos, pombas-giras, pretos velhos, ciganos, etc… (e também não são “demônios”), outros são encantados e elementais (seres místicos da natureza e em geral amorais ), que podem ser acessados para interferir nas vidas das pessoas, ou interferem sem solicitação; como a Umbanda tem base também kardecista e indígena, se crê que haja entre esses, espíritos desorientados ou essencialmente malignos que podem agir negativamente sobre as pessoas; com o tempo e incremento de outras crenças e filosofias esotéricas, com planos e dimensões astrais,  passou-se a crer também em seres de “dimensões inferiores” cujo aspecto e trato se confundiria com a descrição de “monstros” e “seres infernais” propensos ao mal  e que poderiam ser utilizados em “negativações” ou “trabalhos anti-éticos”, mas isso  já seria objeto de uma “outra linha”  da Umbanda chamada de linha de esquerda ou dos KIUMBAS (que por vezes tentam e conseguem se  manifestar se passando falsamente por exus da umbanda).
  • OS TRAJES E SÍMBOLOLOS DE UMBANDA E CANDOMBLÉ SÃO IGUAIS ? :    Não é difícil mesmo para iniciantes com alguma estrada se confundir, afinal parte da Umbanda vem do Candomblé  e por isso algumas coisas são muito parecidas, como a roupa ao estilo “baiana”, os colares (guias e fios de contas) , “turbantes” e acessórios, a dança em roda , o som dos tambores…; mas com o tempo já se consegue distinguir perfeitamente uma coisa da outra , ex. roupas de baiana coloridas é só na Umbanda, imagens de santos católicos misturadas com índios (caboclos) e pretos velhos é da Umbanda, cânticos (pontos) em português é da Umbanda, roupas rituais “ocidentalizadas” com sapatos brancos ou de salto, chapéus, cocares, ciganas, boiaderos, marinheiros etc… é de Umbanda, no Candomblé as roupas são mais africanizadas e geralmente brancas e simples (exceção para as vestimentas dos Orixás que são bem diferentes mas também muito africanizadas).
  • UMBANDA E CANDOMBLÉ  PODEM OCORRER JUNTOS EM UM MESMO LUGAR ?:  Existem casas (Ylês/Terreiros/ etc…) em que se pratica as duas religiões (aqui no norte por exemplo isso é muito comum), só que os eventos ocorrem em dias e horários separados, em um Candomblé jamais se manifestam entidades da Umbanda, apenas Orixás, Voduns ou  Nkices (le-se Inkices)  isso dependendo da nação,  porém em grandes festas pode ocorrer de se realizar o xirê do Candomblé (roda em homenagem aos Orixás) com as devidas manifestações exclusivas do Candomblé, uma vez encerradas, se dá início a uma nova festa na sequência ( ai sim de Umbanda); existem também casas onde só ocorre Candomblé e outras onde só ocorre Umbanda.
  • ORIXÁS E CABOCLOS “BAIXAM” E AGEM INDISTINTAMENTE ?:  Talvez essa seja a forma mais fácil do leigo diferenciar Candomblé de Umbanda, os ORIXÁS, VODUNS e INKICES do Candomblé não falam, não bebem, não fumam, não dão consulta, não abrem os olhos…, basicamente eles “baixam” mediante “solicitação” (com sucesso apenas nas pessoas já iniciadas) dançam e distribuem o seu AXÉ (força vital ) que pode ser através de um simples abraço, depois disso voltam para o ÓRUM (outro mundo) ; já as entidades da Umbanda (entre elas os caboclos)  “baixam” no médium (que não precisa ser iniciado) , se manifestam como pessoas, falam, dançam, riem,  bebem, fumam, dão “passes” , consultas , enfim… interagem, diferentemente dos Orixás, os Caboclos, Pomba-giras, etc.., podem se manifestar nos médiuns nos locais e horários mais inusitados e  sem “solicitação”, em alguns casos KIUMBAS (espíritos malignos) se fazendo passar por exus, vem “dar uma voltinha” nesse plano, não raro colocando os seus “cavalos” (médiuns) em situações constrangedoras.
  • O QUE SÃO OS “TRABALHOS” ? :  Básicamente são “limpezas” e  “oferendas” que se fazem para equilibrar as energias espirituais que regem a vida da própria pessoa ou de outra, vão desde simples banhos preparados com ervas , passando por rituais de ” limpeza”  mais completos (EBÓS)  a oferendas simples para se manter as energias positivadas  ou oferendas complexas que envolvem rituais, “comidas de santo”, sacrifício animal…, os “trabalhos” são diferentes no Candomblé e na Umbanda (que em geral não tem sacrificio animal) , em princípio os trabalhos são manipulações de energia para o bem, auto-proteção, caminhos abertos, saúde, prosperidade, etc…; mas há quem faça a manipulação de energia para o mal dos outros ou para seus interesses próprios mesquinhos e anti-éticos, o tipo de trabalho reflete o carater da pessoa que o solicita/realiza , os “despachos”  que normalmente são vistos nas encruzilhadas, do tipo galinha preta com farofa, etc… são normalmente feitos pelo pessoal  de linha “esquerda” da Umbanda.
  • ORÁCULOS DE UMBANDA E CANDOMBLÉ SÃO OS MESMOS ? : Não, a “leitura” da situação de energia espiritual e “destinos”  é feita por elementos distintos, enquanto no Candomblé apenas se joga búzios (conchas) ou  se traça o ODU (uma forma de “numerologia dos Orixás”),  na Umbanda se utiliza um sem número de oráculos “importados” de outras culturas, como o baralho cigano, o tarot , o transe mediúnico e as “consultas” dadas pelas entidades.

 

  • INTOLERÂNCIA RELIGIOSA, O QUE É ? : É uma atitude de hostilização, incompreensão e falta de respeito para com as práticas religiosas que não as próprias…, em grande parte por falta de conhecimento sobre as outras prática, em outra por uma introjeção mental a partir dos valores civilizatórios majoritários em dada sociedade que rechaça e inferioriza as manifestações de grupos minoritários (não necessariamente em quantidade, mas em poder econômico e social), a constituição brasileira, garante a liberdade de culto e crença. além da liberdade de expressão (o que não significa que tal “liberdade” possa ser utilizada para atacar a liberdade  e a crença de outros), mais recentemente a discriminação religiosa se tornou crime através da lei caó que diz:

“Art. 1º Serão punidos, na forma desta Lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.  [..]  

 Art. 20. Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.  Pena: reclusão de um a três anos e multa.

Do mesmo modo o ESTATUTO DA IGUALDADE RACIAL (LEI Nº 12.288, DE 20 DE JULHO DE 2010.), faz defesa expressa do direito a não discriminação das religiões de matrizes africanas :

“Art. 23.  É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias.

Art. 24.  O direito à liberdade de consciência e de crença e ao livre exercício dos cultos religiosos de matriz africana compreende:

I – a prática de cultos, a celebração de reuniões relacionadas à religiosidade e a fundação e manutenção, por iniciativa privada, de lugares reservados para tais fins;[..]

Art. 26.  O poder público adotará as medidas necessárias para o combate à intolerância com as religiões de matrizes africanas e à discriminação de seus seguidores, especialmente com o objetivo de:

I – coibir a utilização dos meios de comunicação social para a difusão de proposições, imagens ou abordagens que exponham pessoa ou grupo ao ódio ou ao desprezo por motivos fundados na religiosidade de matrizes africanas;

Bom, esse é o “básico do básico”, dependendo do interesse e da disposição, teremos em breve uma parte II , comentários e dúvidas, exclusivamente nos comments do blog não do facebook.

About these ads

Sobre Juarez Silva (Manaus)

Analista de T.I, Prof. Universitário, Tít. de Especialista em Educação a Distância (Univ. Católica de Brasília), Certificação em História e Cultura africana e afrobrasileira (FINOM-MG) e em Direitos Humanos e Mediação de Conflitos (SEEDH- Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República), Mestrando em História pela UFAM - Universidade Federal do Amazonas, Ex-Conselheiro Estadual de DH; Analista Judiciário do Quadro efetivo do Tribunal de Justiça do Amazonas. Ativista do Movimento Negro.

Publicado em 15/04/2012, em Redundantes, Relações étnico-raciais, africanicidades, diversidade e marcado como , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 13 Comentários.

  1. ritacfelix@gmail.com

    Tais informações são necessárias para q possamos conhecer mais um universo desconhecido de nossa cultura e nossa realidade. Inegavelmente fazem parte de nosso cotidiano. Sou educadora e afirmo a frequente afirmação das religiões de matriz africana em nossas escolas. São nossos alunos que nos trazem esse universo tão rico e necessário para compreensão de nossa sociedade;

    • Pois é professora…, mas ainda há um grande caminho a percorrer, muita gente ainda não entende a diferença entre doutrinação e cultura religiosa, conhecer (mesmo que superficialmente) características e a filosofia das diversas cosmovisões humanas, não faz mal algum, pelo contrário amplia a cultura e o humanismo de cada um, e não tem nada a ver com proselitismo e doutrinação, porém ainda enfrentamos a ignorância e intolerância de muitos… que paradoxalmente com proselitismo ativista não perdem oportunidade de tentar doutrinar os que não comungam de sua fé e ainda se julgam no direito de discriminar…, vide : Alunos evangélicos se recusam a fazer trabalho sobre Cultura afro-brasileira

  2. Lívia Calazans

    Muito bom!

    Me ajudou bastante a entender a diferença das religiões embora hajam algumas semelhanças.

    Obrigada!

  3. Mas Bah…muito legal tche!!! Serviu para uma prova!!

  4. eu richard

    qero saber a roupa qe o condomblÈ cultua??????????

    • Richard, na realidade o que chamamos genericamente de Candomblé, são religiões afro distintas (pelo menos 4 grandes nações, KETO (Iorubá), ANGOLA (Bantu), MINA (Fon) e JEJE (Ewe) ); não contando a Umbanda que apesar de conter elementos do candomblé e vestimentas que podem ser confundidas,é muito diferente.

      No candomblé as vestimentas refletem uma hierarquia, as dos não-iniciados (Abyans) ou dos recém-iniciados(yaôs) é em geral simples e branca com detalhes como panos de costa e ojás de cabeça (tipo de turbante para as mulheres), as dos sacerdotes (as das sacerdotisas parecem a tradicional roupa de baiana do acarajé) em geral contam com mais adereços e em alguns casos podem ser trajes típicos africanos bem elegantes e coloridos, já para quem “recebe o santo (orixás, inkices ou voduns dependendendo da nação)” a vestimenta é a uma rica vestimenta africana característica de acordo com o orixá recebido. Ah! há roupas de dia-a-dia ( chamada roupa de ração) e roupas mais elaboradas para dias de festa. Para ter uma ideia ver algumas imagens : http://www.floraxango.com.br/roupas.htm .

  5. renato ramiro

    Muito bom meu irmão

  6. Olá, gostei muito do blog. Lembrei da Aline, da Cidade das Pirâmides que em seu programa( http://www.deolhonomundo.com ) disse: “Entidades são nossas identidades ligadas aos seres da natureza, Orixás e Raios por sintonia de vibração”. Vejam o programa acho que vão gostar é muito educativo também! Abçs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 94 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: